Heurística de Representatividade

  • View
    3.536

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Heurística de Representatividade

  • UNIVERSIDADE IBIRAPUERA UNIB

    Curso de Administrao

    Disciplina: Processo Decisrio na Gesto de Negcios

  • Grupo 2

    Andreza Lemes Rodrigues de Souza

    Claudia da Silva Ferreira

    Daniela Gomes dos Santos

    Raul Ribeiro de Almeida

    Renata Silveira Coelho

  • Heurstica de Representatividade

  • Definio

  • Definio

    A heurstica da representatividade um aspecto simplificador de deciso que leva pessoas a fazer julgamentos de acordo com o grau ao qual um evento especfico corresponde a uma categoria mais ampla dentro de suas mentes, mesmo que este seja a combinao de dois outros eventos que tambm esto sendo avaliados.

  • Definio

    Sua principal caracterstica a classificao de algo com base na semelhana com um caso tpico.

    Algumas questes probabilsticas propiciam o uso da heurstica da representatividade como embasamento para o seu raciocnio.

    As probabilidades subjetivas tm um importante papel nesse processo, na medida em que as pessoas substituem as leis de chance pelas heursticas.

  • Vieses

  • Vieses

    So distores de raciocnio, causadas pelo uso de heursticas ao invs de anlises mais profundas.

    Na heurstica da representatividade nos deparamos com os seguintes vieses:

  • Vieses

    FALTA DE

    SENSIBILIDADE

    PROPORES DA

    BASE

    Os indivduos tendem a ignorar as

    propores da base na avaliao da

    probabilidade de eventos, quando

    fornecida qualquer outra informao

    descritiva, mesmo se esta for irrelevante.

    FALTA DE

    SENSIBILIDADE AO

    TAMANHO DA

    AMOSTRA

    Os indivduos, frequentemente, no so

    capazes de apreciar o papel do tamanho

    da amostra na avaliao da

    confiabilidade das informaes da

    mesma.

  • Vieses

    CONCEPES

    ERRNEAS SOBRE

    O ACASO

    Os indivduos esperam que uma

    sequncia de dados gerados por um

    processo aleatrio parea ser "aleatria",

    mesmo quando for demasiado curta

    para que aquelas expectativas sejam

    estatisticamente vlidas.

    REGRESSO

    MDIA

    Os indivduos tendem a ignorar o fato

    de que eventos extremos tendem a

    regredir mdia nas tentativas

    subsequentes.

  • Vieses

    A FALCIA DA

    CONJUNO

    Os indivduos julgam erradamente que

    as conjunes (dois eventos que ocorrem

    em conjunto) so mais provveis do que

    um conjunto mais global de ocorrncias

    do qual a conjuno um subconjunto.

  • Exemplo Prtico

  • Jean Charles e a Heurstica da Representatividade

    O que aconteceu com o brasileiro Jean Charles de Menezes, morto em julho de 2005, aos 27 anos, foi um exemplo clssico de uso da heurstica de representatividade.

    Jean foi morto depois de ser confundido com um terrorista que teria participado dos atentados no metro de Londres, segundo as autoridades britnicas. Os policias britnicos tinham sofrido atentados terroristas e estavam com esquemas mentais sobre os terroristas, o que os levou a confundir o brasileiro com um dos terroristas, devido a maneira como ele estava vestido, aparncia, etc.

  • Jean Charles e a Heurstica da Representatividade

    O erro foi admitido posteriormente e foi informado que o brasileiro no tinha nenhuma relao com qualquer grupo terrorista, isto , os policiais se utilizaram de experincias anteriores e acabaram rotulando o brasileiro como terrorista, apenas com base em informaes que tinham sobre o perfil dos terroristas.

  • Heurstica da Representatividade e a Tomada de Deciso nas

    Organizaes

  • Heurstica da Representatividade e a Tomada de Deciso nas Organizaes

    a maioria de ns toma decises com base em informaes incompletas. Por qu? Quando enfrentamos problemas complexos, respondemos (...) reduzindo o problema a algo que possamos entender. Muitas vezes, as pessoas tm habilidades limitadas em processar e assimilar grandes quantidades de informao para chegar a uma soluo tima. Como resultado, elas (...) buscam solues que sejam satisfatrias e suficientes ou simplesmente boas o suficiente.

    ROBBINS E DECENZO(2004)

  • Heurstica da Representatividade e a Tomada de Deciso nas Organizaes

    Nas organizaes o uso da heurstica da representatividade pode ser de muita utilidade em alguns casos, mas deve ser ponderada, uma vez que fornece anlises superficiais que podem no necessariamente ser boas no longo prazo ou que no sejam a resoluo do problema mas apenas o combate a uma de suas causas.

  • Concluso

  • Concluso

    Em suma, pode-se concluir que a heurstica da representatividade uma regra simplificadora baseada no que um padro representa mediante experincias e/ou conhecimentos anteriores.

    Contudo, preciso frisar o quanto o uso desta heurstica pode distorcer o raciocnio, uma vez que anlises provenientes deste uso podem ser equivocadas quanto realidade, justamente por no representar uma anlise do todo, mas de uma parte especfica, que nem sempre corresponder a um resultado completo, mas apenas suficiente.

  • Referncias & Fontes de Consulta

  • Referncias & Fontes de Consulta

    Artigo: Heursticas e Vieses de Deciso: a Racionalidade Limitada no Processo Decisrio. Disponvel em: http://www.each.usp.br/rvicente/0176_ArtigoIAMDecisao.pdf

    Artigo: Jean Charles e a Heurstica da Representatividade. Disponvel em: http://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.html

    http://www.each.usp.br/rvicente/0176_ArtigoIAMDecisao.pdfhttp://www.each.usp.br/rvicente/0176_ArtigoIAMDecisao.pdfhttp://www.each.usp.br/rvicente/0176_ArtigoIAMDecisao.pdfhttp://www.each.usp.br/rvicente/0176_ArtigoIAMDecisao.pdfhttp://www.each.usp.br/rvicente/0176_ArtigoIAMDecisao.pdfhttp://www.each.usp.br/rvicente/0176_ArtigoIAMDecisao.pdfhttp://www.each.usp.br/rvicente/0176_ArtigoIAMDecisao.pdfhttp://www.each.usp.br/rvicente/0176_ArtigoIAMDecisao.pdfhttp://www.each.usp.br/rvicente/0176_ArtigoIAMDecisao.pdfhttp://www.each.usp.br/rvicente/0176_ArtigoIAMDecisao.pdfhttp://www.each.usp.br/rvicente/0176_ArtigoIAMDecisao.pdfhttp://www.each.usp.br/rvicente/0176_ArtigoIAMDecisao.pdfhttp://www.each.usp.br/rvicente/0176_ArtigoIAMDecisao.pdfhttp://www.each.usp.br/rvicente/0176_ArtigoIAMDecisao.pdfhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.htmlhttp://psicologiaiesgo.blogspot.com.br/2010/09/jean-charles-e-heuristica-da.html

  • Referncias & Fontes de Consulta

    Chapman, G. B., & Johnson, E. J. (1999). Anchoring, activation, and the construction of values. Organizational Behavior and Human Decision Processes, 79 (2), 115153.

    Artigo: O papel das heursticas no julgamento e na tomada de deciso sob incerteza. Disponvel em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2006000200008&script=sci_arttext

    ROBBINS, S. P. E DECENZO, D. A. (2004) Fundamentos de Administrao: conceitos e aplicaes, So Paulo: Prentice Hall.

    http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2006000200008&script=sci_arttexthttp://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2006000200008&script=sci_arttexthttp://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2006000200008&script=sci_arttexthttp://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2006000200008&script=sci_arttexthttp://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2006000200008&script=sci_arttexthttp://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2006000200008&script=sci_arttexthttp://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2006000200008&script=sci_arttexthttp://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2006000200008&script=sci_arttexthttp://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2006000200008&script=sci_arttexthttp://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2006000200008&script=sci_arttexthttp://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2006000200008&script=sci_arttexthttp://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2006000200008&script=sci_arttexthttp://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2006000200008&script=s