• I l l l l l l l l l

  • View
    216

  • Download
    3

Embed Size (px)

Transcript

  • I l l l l l l l l l BR0544381

    SISTEMA DE AVALIAO DE DESEMPENHO EM RADIOPROTEO

    DAS INDSTRIAS CONVENCIONAIS BRASILEIRAS NAS REAS DE

    MEDIDORES NUCLEARES E RADIOGRAFIA INDUSTRIAL

    I N I S - B R - - 3 9 7 3

    Joyra Amaral dos Santos

    TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAO DOS

    PROGRAMAS DE PS-GRADUAO DE ENGENHARIA DA

    UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO COMO PARTE DOS

    REQUISITOS NECESSRIOS PARA A OBTENO DO GRAU DE MESTRE

    EM CINCIAS EM ENGENHARIA NUCLEAR.

    Aprovada por:

    | Prof1. Vergnia Reis Crispim, Ph.D.

    / /, Prof. Jos Carlos Borges, Ph.D. /

    Prof. Luiz Tauhata, Ph.D.

    > 1

    tf Dr. Jos Marcos dejbliveira Godoy, Ph.D.

    RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL

    AGOSTO, 1999

  • 11

    SANTOS, JOYRA AMARAL DOS

    Avaliao de Desempenho em

    Radioproteo das Indstrias

    Convencionais Brasileiras nas reas de

    Medidores Nucleares e Radiografia

    Industrial [Rio de Janeiro] 1999

    VII, 55 p. 29,7 cm (COPPE/UFRJ,

    M. Sc.. Engenharia Nuclear, 1999)

    Tese - Universidade Federal do

    Rio de Janeiro, COPPE

    1. Radioproteo Ocupacional

    1. COPPE/UFRJ II. Ttulo (srie)

  • Para Marcelo

  • iv

    AGRADECIMENTOS

    Aos professores e funcionrios do Programa de Engenharia Nuclear pelo apoio

    tcnico.

    Ao Instituto de Radioproteo e Dosimetria pelo auxlio e livre acesso.

    Aos funcionrios da Diviso de Radioproteo na Indstria Convencional, Manuel,

    Ivan, Josilto, Luiz Antnio, Soares e Pedro pela boa vontade que tiveram em dividir seu

    espao e seu tempo para que fosse realizado esse trabalho.

    Ao Joo Leocdio e Marcelo Sekiguchi pela amizade e infinita pacincia.

    Ao Francisco Csar pelo apoio irrestrito, incentivo e confiana que depositou neste

    trabalho.

    A minha famlia pelo incentivo e orgulho sempre demonstrado.

    Ao Marcelo, que compreendeu todas as dificuldades decorrentes deste trabalho e

    vivenciou os bons e maus momentos, no me deixando desanimar.

    E, principalmente, a Deus, pois, sem Ele, jamais teria chegado at aqui.

  • Resumo da Tese apresentada COPPE/UFRJ como parte dos requisitos necessrios

    para a obteno do grau de Mestre em Cincias (M. Sc.)

    AVALIAO DE DESEMPENHO EM RADIOPROTEO DAS INDSTRIAS

    CONVENCIONAIS BRASILEIRAS NAS REAS DE MEDIDORES

    NUCLEARES E RADIOGRAFIA INDUSTRIAL

    Joyra Amaral dos Santos

    Agosto/1999

    Orientador: Jos Carlos Borges

    Programa: Engenharia Nuclear

    Este trabalho avalia por pontuao o desempenho das indstrias convencionais

    brasileiras que utilizam medidores nucleares e radiografia industrial, na rea de

    radioproteo. Prope, tambm, um modelo de auto-avaliao, alm de um novo

    modelo de plano de radioproteo para a rea de medidores nucleares.

    Para tanto, foram utilizados relatrios de inspeo do IRD, planos de radioproteo das

    indstrias convencionais brasileiras, e visitas ao local das inspees. A avaliao de

    desempenho foi realizada tanto na parte administrativa quanto na parte operacional das

    indstrias.

    Cerca de 60% das indstrias apresentou um controle de registros satisfatrio, no

    acontencendo o mesmo para o controle operacional. A vantagem da avaliao de

    desempenho proposta que as indstrias poderiam se auto-avaliar, antecipando-se s

    inspees regulatrias do IRD, e consequentemente, corrigir suas irregularidades, e

    melhorar os seus servios. O nmero de indstrias que obteve um desempenho

    satisfatrio nas duas reas menor que 70%, tanto nos aspectos operacionais quanto nos

    administrativos. Esse nmero baixo se considerarmos que estamos tratando de

    radioproteo. Os procedimentos propostos neste trabalho visam melhorar essa situao.

  • vi

    Abstract of Thesis presented to COPPE/UFRJ as a partial fulfillment of the requirements for

    the degree of Master of Science M. Sc).

    PERFORMANCE EVALUATION OF THE CONVENTIONAL BRAZILIAN

    INDUSTRIES RADIATION PROTECTION IN THE SMALL INDUSTRIAL

    GAUGES AND INDUSTRIAL RADIOGRAPHY AREAS

    Joyra Amaral dos Santos

    August/1999

    Advisor: Jos Carlos Borges

    Department: Nuclear Engineering

    This works evaluates by pontuation the performance in conventional Brazilian

    industries' radiation protection area which make use of small industrial gauges and

    industrial radiography. It proposes, procedures for industry self-evaluation, besides a new

    radiation protection plans pattern for the small industrial gauges area.

    The data source where inspection reports of Dosimetry Radiation Protection

    Institute/Nuclear Energy National Commission conventional Brazilian industries' radiation

    protection plans, beyond visitation to the inspection place. The performance evaluation has

    been realized both in the administrative and operational aspects of the industries.

    About of 60 % of the industries have a satisfactory register control which doesn't

    happen to the operational control. The performance evaluation advantage is that industries

    may self-evaluate, forseeing Dosimetry Radiation Protection Institute's regulation

    inspections, correcting its irregularities, automatically improving its services. The number of

    industries which have obtained satisfactory performance in both areas is below 70 %, both

    in administrative and operational aspects. Such number can be considered a low one as it is

    radiation protection. The procedures propose in this work aim to improve such a situation.

  • Vil

    NDICE DO TEXTO

    RESUMO v

    ABSTRACT vi

    1. INTRODUO 1

    1.1. A Natureza do Problema 1

    1.2. Objetivo 2

    1.3. Finalidade 3

    2. INSPEES DO IRD NA INDSTRIA CONVENCIONAL 4

    2.1. Tipos de Instalao 4

    2.2. As Inspees 5

    2.3. Acidentes 7

    3 METODOLOGIA 9

    3.1. Medidores Nucleares 9

    3 .2. Radiografia Industrial - Escritrio 13

    3.3. Radiografia Industrial - Instalao Aberta 16

    RESULTADOS

    4. RESULTADOS E DISCUSSES 17

    4.1. Medidores Nucleares 22

    4.2.Radiografia Industrial 28

    5 CONCLUSES 32

    5.1. rea de Medidores Nucleares 3 2

    5.2.rea de Radiografia Industrial 33

    6. REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS 37

    APNDICE I - PROPOSTA DE NOVO MODELO PADRO DE PLANOS DE

    RADIOPROTEO PARA A REA DE MEDIDORES

    NUCLEARES 39

    APNDICE II-NOTAS OBTIDAS PELAS EMPRESAS INDIVIDUALMENTE 45

    APNDICE III - MODELOS DE AVALIAO DE DESEMPENHO 48

    ANEXO - MEDIDORES NUCLEARES E RADIOGRAFIA INDUSTRIAL 52

  • 1

    CAPTULO 1

    INTRODUO

    1.1 A Natureza do Problema

    As indstrias convencionais, cada vez mais, percebem as vantagens de realizar suas

    atividades utilizando tcnicas de ensaios no destrutivos, que permitem, verificar se a pea

    inspecionada satisfaz os requisitos para a qual foi projetada [1].

    Em junho de 1970 [2], a U. S. Atomic Energy Comission (USAEC, hoje NRC -

    Nuclear Regulatory Comission) adotou, oficialmente, os Critrios de Garantia de Qualidade

    para Centrais Nucleares, conhecidos como "18 critrios", que representam, at hoje, uma

    verdadeira "bblia" no campo da Qualidade Nuclear e que, pouco a pouco, foram sendo

    adaptados e adotados at mesmo na indstria convencional. Alguns anos depois, a AIEA -

    Agncia Internacional de Energia Atmica - publicou um documento, "Cdigo de Prticas"

    [citado em 2], do qual faz parte um "Programa de Garantia de Qualidade para Instalaes

    Nucleares", adotado no Brasil pela Comisso Nacional de Energia Nuclear (CNEN) para o

    projeto e a construo de centrais nucleares. Com a construo e a implementao da Usina

    Nuclear de Angra I, foi dada muita importncia, e com razo, a centrais nucleares. Porm,

    no se deve esquecer que fontes radioativas utilizadas na indstria convencional e na rea

    mdica tambm apresentam riscos de acidentes (por exemplo, o caso de Goinia).

    Em vista disso, a indstria convencional brasileira (privada ou no), vem encontrando

    dificuldades na aplicao de normas de radioproteo, principalmente na rea de medidores

    nucleares, comprometendo tanto o seu controle de qualidade quanto a radioproteo dos

    funcionrios, tanto na parte administrativa quanto na operacional. bom observar que um

    controle operacional falho pode comprometer, como vem comprometendo, a segurana dos

    indivduos. Leocdio [3] concluiu que a no observncia dos procedimentos a maior causa

    de acidentes e situaes de emergncia, pois existe uma grande diferena entre o

    procedimento escrito e o executado, nas instalaes, pelos operadores de radiografia

    industrial. Por isso, existem os princpios de controle de qualidade [2], que servem para

    reduzir - se possvel eliminar - a ocorrncia de eventos desse tipo.

    O controle de qualidade nada mais que uma boa prtica gerencial e administrativa.

    Se aplicado adequadamente e dentro do bom senso, nada custar, pelo contrrio,

  • 2

    economizar tempo e dinheiro, aumentando os nveis de segurana, de confiabilidade e de

    eficincia. Por outro lado, o controle de qualidade praticado inadequadamente, pode se

    tornar oneroso, falhando no cumprimento de seus objetivos. Se aceitarmos que o controle

    de qualidade seja apenas "papis escritos", ento nada ser feito e nada resultar a no ser

    um "monte de papis inteis" e dispendiosos.

    Esses fatos vm sendo observados por inspetores do Instituto de Radioproteo e

    Dosimetria (IRD), rgo da CNEN que, desde 1980, executa um programa inspees em

    radiopr