Click here to load reader

· PDF file -, -r- -«•„.,-,-,- •-,»*

  • View
    1

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of · PDF file -, -r- -«•„.,-,-,- •-,»*

  • -, -r- -«•„.,-,-,- •-,»* cs sem malícia nos seguintes termos:

    Cm dtstncetttro de iJe.ts. Queé porém a vida sinio o eterno desencon- tro entre o pensar c o sentir de hoje c o de amanhi ?

    Desencontro. Desencontro !

    Tópicos e Noticias o Ttmpo

    C *hm *».*Bk-KCB cUrct %*%%%] f-«"»ío HMmMh A* *.*. a.. « r»w MMM O*. * KajmiMi ««»«¦« f«r» St t» t ;».r*

    — OW»«lmi>», SJ»». r»t««a. 4.4, r,'X..---» W4. Mt * r*f». St»*; Caaa»*.»,,j».Jí $. h^ctra; ».**«•. s»«i tw-umcãTL»*; Mm, ll*», «VMrw*»*», t*K»t nwmvs^CMi, KK& !¦•,*»-. ü'*. •'¦'¦¦-- **«*, w 11 v.,'* k,-,.,a*»; •*«». ir 1* w«io4r»»>*«\\ w»»l

    ITa» •í'»***»;!»! m*'+*sxte't>*f *¦* ¦*.

    ¦M w•**?+*¦ \i*. %*. ¦» » t-ns £*« tr*i 1» £t *Jt'.í* fe-t- •T » ? » ,- t*. * * '-"*- *• tm\ < i- »>* .-„»»* U* ?* r rm t*l Xmx*rt*»sm, i!

    Crui, Mello M.lloa, Altliiu Aiaulta, 1'atinclr» Ulp'. liar, Aiuiiipiii. Aievedu e Weiicr.l.u Urai, «• a «tr. I'ln-il.nyba «te Malloa, pit.l.lei.tc «lo Huprcinu Trlbuual Ptdirtli

    Ratlnmnt tm patarAut t.attaA l.cnuaa 0»iU;:» d«*u capi. Fraoctlliac, paraa 5* vara cirt», < r. -.----. •*'• Ao Reyff, tttyatttAo *ai> d» 4- vara etlmínal.

    Ea virtnde do aecordam to Supremo Tri- banal Federal, o pmideiAc da Repoblica iwi.n-.-a o «Secreto declarando privatoa Ao* rt»peetirt»t :>«!•» o te tx3 t»-c--r.--.'*. aggrt- gado to r»:ii!-.Ti' ¦ tr*:;.-'

    OBiawtt9

    f) crear o serviço de estatística commer-ciai do Maranhão. .9) emprehender todos os melhoramentos

    tendemos a desenvolver 09 conhecimentos commerclaes e. agrícolas •

    Art. 3- A Associaç.lo Cnmmerclnl do Ma- ranháo, para executar os serviços cumpre-hendldos noartigo iinterior.podorá dar cur- so como garantia de qualquer empréstimo.Art. 4- Revogam-se as disposições, em contrario*.

    A Associação Commercial do Maranhão o digna de todo o apoio, e a conversão desse projecto em lei sorà um acto dè justiça, cujos benefícios irradiarão pelo paiz inteiro.

    Essa associação, apezar dos minguados recursos do que dispõe, mantém cursos nocturnos e sustenta nm jornal, a custados maiores sacrifícios, e taes resultados vão sendo obtidos pola dedicação de sous so- cios, sompre constante e sempre desinter- ossada.

    As medidas propostas nesso projecto nlargar-lho-âoa esphera do benéfica Influen- cín, dando-lhe elementos para fazer muito em prol dos interosses pastoris o agrícolas daquelle Estndo, orn tão descarados.

    Dignar-*e-ft a commissáo de finanças fa- zer um bom movimento nesse sentido 1

    Parece-nos ser essa a maior dlfflculdodo a vencer.

    Cate paro e chocolate de primeira qua-lidado só no Moinho do Ouro. Da carreira do Commando Geral das Tor*

    pedeiras será lançado ao mar, sabbado, a tor. pedeira Silvado, completamente reparada,

    Brandão—Avenida Central 102 Ao impector geral das obra» publica» o

    ministro da industria e viação declarou ap. provar a minuta do termo de ajuste provi-soiio que tem de ser celebrado com o dr. Joáo Cyprlano Carneiro, para acquisiçao de terrenos da fazenda Paraizo, na Serra do* Tinguá, município de Iguassú, no Esta- do do Rio de Janeiro.

    Portugal PonTo, 18—0 rei d. Manoel chegou muito

    fatigado da sua viagem a Vlanna do Cns- tello. Do tarde sua magos tado assistiu ao banquete na Associação Britnnnlca, cujo presidente levantou um cnthusiastlc-i brin-de a d. Manoel o ft familia real.

    D.*Manoel respondeu agradecendo e brin- dou ao rei Eduardo, rainha Alexandra e no povo inglez.Nossa momento o rei está assistindo ao banquete de setenta talheres que lhe eofferecido pelo elemento civil.

    Perfumaria «Viiniv» — Union ao ge* «..•ro—l«*jlllmn e barato.

    O miniitro da Industria e viação declarou ao presidente do Estado de Mina» Geraea que o» pedido» da» Câmaras Muiticlpae» de .c. Sebastião do Paraizo e S. Gonçalo de Sapucaliy eatão prevenido» no edital dt concorrência para o arrendamento da rede de viação férrea do au! do referido ElUdo.

    AO 1' BARATEIRO F.' hoje, incnntesiavelmente, a casa de

    fazenda», modas e armarinho MaU haralrdra to capital

    Avenida Central, 96 a 100.

    Ao ministro da» relaçSe» exteriores o d» industria e viação agradeceu a remessa de retalhos de jornaes e exemplares do boletim de emigração de Itália.

    Inspira receio* a aaude do conde de Selir, ministro de Portugal.

    S. ex. tem aldo muito vlaitado, conti- nuando sob o» cuidado» clinico» do dr. Ml. goel Conto.

    Cerca o enfermo o petaoal da legaçSo.

    Pingos e Respingos O \mWMt do 7'Ss.i-T.t ttrr.i-tt itua;.. i «a >.r!»r.it,.

    oo fífâHi : o rr *« !>»!* Pigvtira. Ni» ,.,*¦*' o )*.¦*> Au Kktf, Branco o filho 4o ««tor

    Am .fi dc 23 ât tctcmbfo. Od'0 nho nau.

    AaeBot *-*t qt* p*rx% « ;*\rstm f*rm o tf n.»r..-i BrftDdlo ''-'.«-. ¦* 9mm\m z, > *¦-*-.-¦» ',j r«t »*T fSf.ty o ¦• Biaeso 4c ra-**.

    ãmr*4>. imiojr

    o* * O tfT»»»*.!-'. ao «*J[ i. KxpadfSe», atA. M Mon-

    *»4-h*-í-i fe* M-Ml-W.rgrsj *%¦***> • ir-, **.-%*» *, *-* t* pt ¦ * tjmt} •» tt- *>* *-'»•«• »* «« ¦ » !

    OttU »tt : ... 4a«, ... t»t •-.!.:

  • ,'. •^^-¦mwmi?m^r. • — ¦-¦¦ riW-^!,^P*?'f»*'ií;: T-"

    ¦ '; **. '"*'*T

    .'

    2 Uaocelta, OJrvtAserla tremendo. Os argen» tsrlos estrangeiros loeuptetsr»»e.|»m á farta com a nossa inUerla.

    O Balado tem o devsr de obstar a crlae e pôde fasebo. A fnneflo do oredlto publi- oo nio é »ô traser melhorsmsntos mate» rlsea a um pala, maa refazer o organismo nacional, quando o veneno daa crises nelle se tenha Infiltrado.

    Rejeitado o empréstimo agora, a eseaaita da letra» de cambio seria fatal.

    As libra» da Caiaa de Convênio, qua vio mlnguandodlaadU.sIo de parlicularea, o governo nio pôde lançar mio delia». Ora, tendo o commerclo que attender a compro- mluos tomado» no estrangeiro, o governo se veria forçado entio a realizar o empréstimo, ma» »hl ji seria aobre as ruínas de 8. Panlo.

    O empréstimo de 15 tnlUVJee attenuarâ oa males d» crl»e. O governo limitara a eapor- tsçlo. Por dever de lealdade deve sonfesiar

    que foi «empre adreraarlo da Intervenção official, mas que cedeu i força do numero,

    porquanto a aua opinião repreientava uma fracção diminuta do todo, que em 8. Paulo ¦c batia por casa intervenção; homem polltl» co, obedeceu a um preceito democrático: anb* metteii-se i vontade da grande maioria.

    O momento agora nio é para se discutir quae» oa proceaios aconselhados pela scien- cia econômica ; o momento é de agir prom» ptamente, fornecendo a 8. Paulo as libra» de que elle precisa.

    ICiima clarnoroia Injustiça declarar qne 8. Paulo, firmando o convênio de Taubaté, procedeu impensada e levianamente. A »o- lução nd iptnd.t veiu das conclu.Bea do Con- gre»»o » tdtUn^mentts.

    S. P.vrto, 18. (tto «'JM rttrtsfomdemli es- «Vtiiii).— O» Italiano» re»!dente» em Ribeirão Preto constituíram uma commiaaio, afim dr eotttCKiiir que Korico Fcrrt ri aquella clda- de, quando regressar ilo Rio.

    LiiniÃÍTToçooo? Os preços das mercailonas da liqul-

    «laçao «t.is ».r»»«la»«»«. No despacho collectlvo de hoje, entre onj

    tro* decretoa da pstta da guerra, serio aa* •igiiado» os aegulntss t

    Revertendo i 1* classe do Exercito o co» ronel aggregado da arma de cavallaria Car- Ios Auguvio Pinto Pacca e o capltio da arma de Infantaria Adriano Severlano de Miranda;

    nomeando ajudante do 2* batalhlo de en» genharla o capltio Jonatha» da Coita Rego Monteiro e commandante da 1' companhia do mesmo corpo o capltio Alcides de Oli-, veira Fabricio.

    Neste despacho aerlb tambem nomeado» o» Intpectore» permanente» e o» coinm.in- dante» de brigada»e organizadas n« unida» des lactlcas, de accef do com a nova lei.

    Impressões sobre o Brasil O livro de'Ç/na ferrer o

    (\ t-f.i, Glna I.ombfo.o Ferrem deu i pit< blicldade a* impreaièe» da aua viagem ao Bra»il. yvV// ists da deficiência numérica d* milícia esudoal.

    O dr. Jeronymo Monteiro resolveu entio

    telegr-tphar ao presidente da llepubliea,

    pedindo o auxilie da Ualào. Ucrcbendo esse telegTamma, o ministra

    do interior transmittiu-o ao seu collega da

    guerra. «...«suitado o presidenU d* Republica,

    iicivu «iesde lo«o deliberada a remess» de

    força federal, de acevardo com a r«i*ui»iç»o

    do presideata do Kspirtta S*nto,

    Kssa fot\-a sí»ruiu honlem. M 3 horas ds

    m,»dni***d*, sab o exumando do capiUo

    trancísvM lUrn\í Ptinsolel. tendo tmm

    *ubJili«ni»vs at tenentís Jjcinth-) Dias Ri-

    beiro* Santia*»» Aniír*»>li Era oompdíu dt 81 bsaseas s fot Ursda

    do '«¦ batalhls» d« tnf*r.teria- \s*tt>. U»in*u»»íí* uni* Ktní* esr-Kísl ètl

    OjiEUrotra. cisru desuno â 4»Xt4*ÍC A* Ma-1 rsiíty, tm itietímKir. s»»» -*•¦ s-nbsf**' w» t«ra «»at Arsiiiw a GadtMira A* ttmmtat- rim. nia cxmtm.

    ram-se, Incendiando os armazons do em-

    proiteiro Vidal. Passou por aqui. com destino a Cnchoeiro

    do Itapemlrlm, a força federal do 20- bata- lhfio do infanteria.

    O capitáo Barros Pimentel. sou comtnan- dante, perdeu o trem, na estação do Porto das Caixas, seguindo o contingente sob o commando de um dos tenentes quo servem de subalternos.

    Consta que a revolta foi originada por faltar o empreiteiro no cumprimento do algumas cláusulas da respectivo contrato.