Click here to load reader

02 5 die for her (morrer por ela)

  • View
    215

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of 02 5 die for her (morrer por ela)

  • Captulo 1

    A primeira vez que eu a vi, eu a interpretei como um salto arriscado.

    Vince e eu estvamos caminhando pelo cais e l estava ela: cabelos longos e

    escuros esvoaando ao redor de sua face enquanto ela ficava em p na borda da

    calada de paraleleppedos olhando para a gua, alguns metros acima das ondas. O

    Sena estava cheio por causa das chuvas de inverso, ento mesmo que o salto

    parecesse inofensivo daquela altura, a superfcie irregular mal conseguia esconder

    as correntes perigosas.

    Ns caminhamos em direo a ela, minha mo j estendida para tocar em seu

    brao. Para passar minha calma para ela, um de nossos reais superpoderes como

    revenants (ou, como Ambrose gosta de nos chamar, anjos guardies no mortos

    com um grave caso de TOC). Mas antes que pudssemos alcan-la, ela se virou e

    caminhou para longe, indo para um dos bancos de pedra do cais, onde ela sobrou

    suas pernas at seu peito e segurou seus joelhos com seus braos. Ela permaneceu

    daquele jeito, abraando a si mesma, balanando para frente e para trs, e olhando

    cegamente para o rio com lgrimas escorrendo pelas bochechas, enquanto

    passvamos despercebidos.

    O que voc acha? Eu perguntei a Vincent, que puxou seu cachecol para

    cima sobre seu nariz e sua boca, escondendo a si mesmo do frio vento de Janeiro.

    Eu no acho que ela vai pular Ele disse Mas vamos circular para baixo

    da ponte para garantir.

    Ns caminhamos lado a lado, at chegar Ponte Carrousel. At mesmo os

    indigentes que regularmente dormiam embaixo de seus arcos tinham

    desaparecido. Era um dos dias mais frios que eu me lembrava... Pelo menos desde

    que mudei para Paris um sculo atrs.

    Ns, os bons revenants, chamados de bardia, estamos destinados a cuidar dos

    humanos, salvando-os da morte prematura pelo suicdio, pelo assassinato, ou pelos

    acidentes. Nosso trabalho definitivamente mais fcil em tempos como esse, com

    todo o mundo ficando dentro de casa. Mas at mesmo os membros de corpos

    reanimados podem sentir o frio.

    A maior parte de nosso trabalho nos ltimos dias tinha sido fazer rondas pelas

    poucas pessoas que moravam nas ruas e lev-las para os centros de cuidados antes

    que elas fossem congeladas ou morressem por exposio. Julgando por suas

    roupas e higiene, esta garota definitivamente no uma sem-teto. Em vez disso, ela

    bonita o bastante para que eu a adicione minha lista de garotas para chamar

    para sair. Ainda assim, tentar a chance com algum que est chorando no meu

    estilo.

    Ento se ela no uma sem-teto, por que est aqui, dando um solitrio passeio

    perto do rio no frio congelante?

  • Ns confirmamos que no havia retardatrios embaixo da ponte, e depois nos

    viramos para voltar para o banco. Quando chegamos l, ele estava vazio. Alguns

    metros para frente, eu vi a garota subindo as escadas para chegar rua. J que ao

    havia ningum ao redor, nos a seguimos a uma distncia segura, prontos para

    correr se ela caminhasse em direo ponte Ambrose, use sua capacidade de

    previso... Voc a v pulando? Eu perguntei.

    No. A palavra entrou em meus ouvidos e foi diretamente para minha mente

    na voz profunda de bartono de Ambrose. Mas ela est prestes a ir para a Rue du

    Bac.

    Ns deveramos segui-la Eu disse para Vincent Ela est agindo de um

    jeito estranho o suficiente para que ns gastemos mais uns minutos de vigilncia.

    Eu concordo. Ela ainda pode se jogar na frente de um carro Ele disse,

    preocupado Alguma coisa est obviamente errada com ela.

    Eu aposto que isso deve ser o resultado de um mau rompimento Eu disse

    Isso o que acontece quando o relacionamento das pessoas fica muito srio. Os

    sentimentos ficam feridos. Os coraes se partem. Algumas pessoas nunca

    aprendem. No deixe as coisas ficarem srias. Esta a minha regra nmero um

    Eu esfreguei as minhas mos juntas e assoprei nelas, tentando forar o hlito

    quente pelas minhas luvas de l Meus dedos esto parecendo gelo. E as ruas

    esto vazias. Vamos voltar para La Maison.

    Banana, provocou Ambrose.

    Ei, se voc no estivesse sem corpo, estaria concordando comigo, garoto

    fantasma Eu disse e o ouvi cacarejando. Vincent no est prestando ateno e

    comea a caminhar. Eu olho alm de ns e vejo que a garota comeou a correr.

    Ns a seguimos, deixando meio quarteiro de distncia entre ns: no h

    trfico para que ela se jogue na frente de um carro, e ns no queremos chamar

    ateno desnecessria para ns mesmos. Ela corre para Rue du Bac, cruza a

    avenida Saint-Germain, e finalmente vira esquerda em um quarteiro onde

    imponentes e velhos prdios de apartamentos esto agrupados em volta de um

    pequeno parque.

    Ela caminha at um, e enquanto abre a porta, vira e d uma olhada rpido atrs

    dela. Vincent e eu abaixamos nossas cabeas e caminhamos pela Rue du Bac sem

    que ela veja nossos rostos.

    Mas eu vi o dela. E sua expresso uma que eu reconheo eu a vi muitas

    vezes durante a minha existncia. Especialmente na linha de trabalho em que me

    encontro. A garota est sofrendo de um terrvel luto.

    Vincent e eu trocamos olhares e eu inclinei minha cabea para a esquerda. Em

    direo a casa. Ele entende e ns caminhamos at o final no quarteiro, virando

    lesta em direo a La Maison. No como se pudssemos ler a mente um do outro.

    Mas quando voc o melhor amigo de uma pessoa por quase um sculo, voc

    comea a reconhecer cada gesto. Ns somos como um casal velho. Palavras so

    quase desnecessrias.

  • Ns caminhamos por um tempo em silncio, mantendo os olhos atentos para

    qualquer coisa errada. Ambrose no aponta para nenhuma atividade na vizinhana

    e est cantando uma msica de Louis Armstrong diretamente em meu crebro,

    provavelmente para me irritar Quem a garota de sorte de hoje noite?

    Vincent pergunta enquanto digita o cdigo no painel de segurana. O porto se

    abre.

    Quintana Eu respondo.

    De?

    Nova York, algum lugar ao norte do estado. Est aqui fazendo um curso de

    arte.

    Loira Ele pergunta.

    Negativo Eu respondo Cabelo escuro com pontas azuis. Chique

    alternativa.

    Parece o seu tipo Ele brinca. Ns dois sabemos que eu no tenho um tipo.

    Fmea o meu tipo.

    Como eu disse. Ns somos um casal velho precisamos de poucas palavras.

    Mas ns no poderamos ser mais diferentes. Vincent parou de namorar h

    dcadas, no que ele tivesse feito muito isso antes. Qual a razo? Ele tinha

    dito. Isso foi por volta de 1980, e a gama de parisienses daquele ano era de tirar o

    flego.

    Qual a razo? Eu exclamei Elas so lindas. E meigas. E elas cheiram

    bem. O que voc quer dizer com qual a razo?

    Ns podemos ir at certo ponto, depois temos que desaparecer de suas

    vidas. No vale pena se no podemos nos aproximar Ele suspirou.

    Desculpa, mas eu tenho um hbito regular de chegar mais perto.

    Eu no estou dizendo desta forma Ele respondeu Estou falando de

    intimidade emocional. E porque arriscar expor nossa tribo inteira por uma garota

    com quem voc vai passar apenas algumas noites? Sua expresso era montona.

    Indiferente. Mas eu sabia que havia um oceano de dor borbulhando dentro dele.

    Cara, nenhuma vai se comparar Hlne. Faz setenta anos desde que voc a

    viu ser assassinada por aqueles nazistas e voc ainda est pensando nisso. Voc

    apenas tem que aceitar que o seu primeiro amor o melhor, e que tudo o mais est

    fadado a ser o segundo melhor. Mas o segundo melhor ainda melhor do que nada.

    Meus argumentos caam em ouvidos surdos com Vincent. Se ele no vai se

    divertir com humanas, a nica outra escolha tentar com revenants. E ns

    conhecemos a maioria das mulheres de nossa espcie na Frana. Elas so como

    irms para ns. Revenants ocasionalmente se apaixonam um pelo outro. Isso

    acontece. Mas isso apenas no aconteceu comigo ou com Vincent. E at a prxima

    convocao global, ns provavelmente no vamos conhecer nenhuma beldade

    bardia.

    O que est tudo bem para mim. Por que se assentar com uma garota se voc

    pode ter vrias delas? um bom lema, eu acho. Isso funciona para bebidas, amigos,

    e mulheres. No muito para os inimigos. Mas nossa situao na Frana est estvel.

  • Nmeros similares de numa e bardia. A balana entre o bem e o mal chegou a um

    equilbrio nos ltimos anos.

    O que significa que eu tenho tempo para brincar.

  • Captulo 2

    Garota triste s duas horas.

    Eu olhei na direo em que Ambrose apontava, e vi a garota sentada no banco,

    abraando seus joelhos e olhando para a gua.

    Quantas vezes isso aconteceu esta semana? Eu perguntei.

    Bem, ns a vimos na ltima Quarta-feira quando voc e Vin estavam agindo

    como bebs em relao ao frio. Duas noites depois ela estava de volta. Nada por um

    dia, depois trs dias seguidos. Est a sexta vez que ns a vemos em duas semanas

    Ambrose calculou.

    E ns nunca a vimos na vizinhana antes. Pela sua idade, ela deve estar

    visitando parentes, ou se mudou para c. Ela definitivamente no uma turista...

    No com aquele olhar catastrfico em sua face e o fato de que ela visita o mesmo

    lugar entediante todos os dias em vez de ir at a Torre Eiffel Eu disse.

    Ns ficamos em silncio quando chegamos perto do banco e passamos sem que

    ela nos notasse. A garota nunca nos via. Ela nunca via nada. Ela era como um

    fantasma flutuando pela Terra sem deixar rastro.

    Ningum est aqui Ambrose