02_hist & Mat

  • Published on
    12-Jul-2015

  • View
    106

  • Download
    7

Embed Size (px)

Transcript

<p>PROVA DE HISTRIA Questes numeradas de 31 a 45 QUESTO 31 Acerca da expanso portuguesa no sculo XV, CORRETO afirmar que A) os portugueses conseguiram conquistar, de forma integral, as atividades econmicas do territrio africano e submet-las ao monoplio real. B) os portugueses realizaram, em diversas ilhas do Atlntico, produes agrcolas em grande escala, empregando mo-de-obra escrava. C) os portugueses priorizaram o comrcio com a frica, estabelecendo, naquele territrio, um modelo de colonizao baseado no sistema de parceria. D) os espanhis, mais bem armados e mais experientes, derrotaram os portugueses na disputa pelos territrios da Amrica Central. QUESTO 32 As invases holandesas foram o maior conflito poltico-militar da colnia (Brasil) (...) Elas (...) fizeram parte do quadro das relaes internacionais entre os pases europeus (...)(FAUSTO, Boris. Histria do Brasil. So Paulo: EDUSP, 2000, p. 84)</p> <p>Com o auxlio do texto citado, assinale C (CORRETO) e I (INCORRETO) para cada uma das afirmativas. I - A aliana Holanda-Espanha comprometeu a produo agroaucareira, no Brasil colonial. II - As incurses holandesas na Bahia e em Pernambuco relacionam-se diretamente com a Unio Ibrica. III - Os holandeses foram expulsos do Brasil quando os portugueses j haviam reconquistado sua autonomia poltico-administrativa. IV - A expulso dos holandeses ocorreu em virtude da Unio Ibrica, que permitiu a Portugal, Espanha e Brasil lutarem contra o inimigo comum. Voc obteve A) I, I, C e I. B) I, C, C e I. C) C, I, I e C. D) C, C, I e C. QUESTO 33 Rivais dignos dos prncipes, os soberanos pontfices, os cardeais e os bispos (...) apenas se preocupam em apascentar-se a si prprios, deixam o cuidado do rebanho a Cristo... esquecem que a palavra bispo significa trabalho, vigilncia, solicitude. Servem-se apenas de tais qualidades quando pretendem recolher dinheiro...(ROTTERDAM, Erasmo de. In: COSTA, L.C.A .; MELLO, L.I. Histria Moderna e Contempornea. So Paulo: Scipione, 2000, p. 56)</p> <p>Conforme as informaes acima, A) o autor defende a reforma protestante em virtude do carter corrupto e degenerado dos bispos. B) o autor condena o lucro e a usura e, dessa forma, posiciona-se contra a reforma protestante. C) as aes de parte do Clero enfrentavam crticas severas, inclusive entre os seus prprios fiis. D) as aes dos bispos eram inovaes teolgicas crists, uma vez que esses renunciavam ao papel de pastores.</p> <p>Processo Seletivo1/2004 - Grupo 1</p> <p>Unimontes</p> <p>QUESTO 34 A explorao de ouro e diamantes tornou mais complexa a composio social da colnia. (COSTA, L.C.A .; MELLO, L.I. Histria do Brasil. So Paulo: Scipione, 2000, p. 89) A afirmao acima s NO historicamente confirmada pela presena, nas reas mineratrias coloniais brasileiras, de A) homens e mulheres, forros ou escravos, dedicados a atividades de comrcio ambulante. B) escravos de ganho, que viviam s suas prprias expensas, estando obrigados a entregar a seus senhores, periodicamente, determinada quantidade de dinheiro. C) homens pobres, livres, que se alugavam como escravos, durante determinados perodos do ano, dedicando-se explorao mineratria em reas de risco. D) um nmero crescente de tropeiros, envolvidos em redes de comercializao e distribuio de produtos, o que perdurou aps o fim do rush mineratrio. QUESTO 35 O cotidiano das sedies revela, em especial quando se trata de grupos polticos com composio social heterognea caso particular do evento baiano , que a trama poltica se desdobrava numa rede de pequenos favorecimentos. Era da natureza da sociedade colonial que, entre homens livres de condio distinta, s lealdades interpessoais correspondessem outras relaes, envolvendo vantagens recprocas. Essa era a base do clientelismo vigente nessa sociedade que, malgrado repousar sobre o trabalho escravo, se percebia segundo critrios estamentais do Antigo Regime, alvo da crtica terica e prtica dos mesmos sediciosos. Esses eram homens de seu tempo, e era como tais que desenvolviam sua ao poltica, assim como viviam seu cotidiano.(JANCS, Istvn. A seduo da liberdade. In: Histria da vida privada no Brasil. So Paulo: Cia das Letras, 1997, v.1, p. 434-6)</p> <p>Conforme o texto, A) a conduta poltica dos baianos incorreta, uma vez que eles pregam a extino do trabalho escravo, mas mantm-se com o resultado do mesmo. B) a Inconfidncia Baiana no tem a dimenso popular que se lhe atribui e que seria uma caracterstica distinta da Inconfidncia Mineira. C) a sociedade baiana era tipicamente de Antigo Regime, prescindindo do trabalho escravo e da mobilidade social. D) o comportamento dos inconfidentes baianos contraditrio, na medida em que rene elementos tradicionais criticados pelas prprias filosofias que os inspiravam. QUESTO 36 As medidas restritivas (...) produo manufatureira que a Inglaterra impunha s suas colnias (...) tiveram de ser aplicadas de forma muito especial na Amrica do Norte, pelo simples fato de que o sistema de agricultura de exportao no dera resultado nas colnias do norte. As linhas gerais da poltica inglesa passaram a ser as seguintes: fomentar nas colnias do norte as indstrias que no competissem com as da metrpole, permitindo a esta reduzir suas importaes de outros pases.(FURTADO, Celso. Formao Econmica do Brasil. 14 ed. So Paulo: Nacional, 1976, p.101. In: DIVALTE. Histria. So Paulo: tica, 2002, p. 176)</p> <p>Com o auxlio do texto, assinale a alternativa INCORRETA. A) A colonizao das colnias do norte foi orientada de forma especfica para estimular o crescimento da colnia, sem ferir os interesses metropolitanos. B) As indstrias desenvolvidas no norte atenderiam, conforme o projeto da metrpole, aos interesses comerciais da Inglaterra. C) O modelo de colonizao das colnias do norte enfrentou dificuldades quando a produo colonial passou a disputar mercados com a Inglaterra. D) A colonizao da Amrica do Norte difere da executada na Amrica do Sul, pelo carter dirigido da industrializao da primeira e pelo estilo espontneo da segunda.</p> <p>Processo Seletivo1/2004 - Grupo 1</p> <p>Unimontes</p> <p>QUESTO 37 Em relao aos Tratados entre Inglaterra e Portugal, em 1810, CORRETO afirmar que A) os Tratados de Navegao &amp; Comrcio e Aliana &amp; Amizade previam a extino gradual do trfico internacional de escravos para o Brasil e a proibio da Santa Inquisio no Brasil. B) o Tratado de Paz &amp; Aliana instituiu nos portos coloniais uma tarifa alfandegria, de carter protecionista, para produtos portugueses e ingleses, vantagem s extinta pela Tarifa Alves Branco, em 1844. C) o Tratado de Comrcio &amp; Aliana previa a elevao do Brasil categoria de Reino Unido a Portugal e Algarves, medida concretizada em 1815, por ocasio da reunio do Congresso de Viena. D) o Tratado de Comrcio &amp; Amizade instituiu, de acordo com os princpios liberais, a igualdade de tratamento jurdico para portugueses, ingleses e brasileiros no territrio colonial. QUESTO 38 De 1837 a 1849 percorre a poltica brasileira a mais caracterstica trajetria reacionria de sua histria.(PRADO JNIOR, Caio. Evoluo Poltica do Brasil. In: COSTA, Lus Csar Amad; MELLO, Leonel Itaussu A. Histria do Brasil. So Paulo: Scipione, 1999, p. 180)</p> <p>NO confirma o pensamento do autor Caio Prado Jnior A) o golpe da maioridade, que leva D. Pedro II ao trono. B) a instituio da Guarda Nacional. C) a Regncia Una de Arajo Lima. D) a priso dos lderes das revolues liberais. QUESTO 39 Na ltima dcada do sculo XIX, o Rio Grande do Sul foi palco da Revoluo Federalista. Acerca dessa revoluo, CORRETO afirmar que A) o conflito, aps longos anos de combate, terminou com a vitria dos Federalistas, cuja hegemonia poltica duraria at os anos 20 do sculo seguinte. B) o conflito repetia a Guerra da Cisplatina e, mais uma vez, evoluiu de uma divergncia de famlias para um movimento de carter separatista. C) o conflito ops interesses polticos de Republicanos e Federalistas que disputavam a hegemonia poltico-administrativa e divergiam quanto ao modelo ideal de nao. D) o conflito, no qual se opunham estancieiros e as elites urbanas, teve um carter estritamente regional, motivo pelo qual a Unio no interferiu no mesmo. QUESTO 40 Concebemos o coronelismo como resultado da superposio de formas desenvolvidas de regime representativo a uma estrutura econmica e social inadequada. No , pois, mera sobrevivncia do poder privado (...). antes uma forma peculiar de manifestao do poder privado, ou seja, uma adaptao em virtude da qual os resduos do nosso antigo e exorbitante poder privado tm conseguido coexistir com um regime poltico de extensa base representativa.(LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto. In: COSTA, L.C.A .; MELLO, L.I. Histria do Brasil. So Paulo: Scipione, 2000, p. 241)</p> <p>Conforme o texto, A) o coronelismo a expresso da fora do poder privado, em seu momento ureo. B) o coronelismo resulta da imposio de um modelo poltico ditatorial, embora civil. C) o coronelismo se fortalece, medida que o poder privado emerge no Brasil. D) o coronelismo advm da assimetria entre o modelo econmico e o modelo poltico.</p> <p>Processo Seletivo1/2004 - Grupo 1</p> <p>Unimontes</p> <p>QUESTO 41 Acerca do Governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1951), CORRETO afirmar que A) se serviu da Constituio de 1937, base legal da Repblica Populista, para colocar na ilegalidade o PCB. B) se elegeu pelo PTB, mas contava tambm com o apoio do PSD e da UDN na conduo de sua poltica administrativa. C) sua poltica econmica foi liberal, em sua primeira fase, e ganhou um carter intervencionista, em seus ltimos anos. D) reformulou as leis trabalhistas, visando desconstruir a estrutura corporativista herdada dos tempos de Vargas. QUESTO 42 (...) Os lordes espirituais e temporais e os Comuns, hoje (22 de janeiro de 1689) reunidos (...) constituindo em conjunto a representao plena e livre da nao (...) declaram (...) para assegurar os seus antigos direitos e liberdades: 1. Que o pretenso direito da autoridade real de suspender as leis ou a sua execuo (...) ilegal.(...) 4. Que qualquer levantamento de dinheiro para a Coroa ou para seu uso (...) sem o consentimento do Parlamento (...) ilegal; (...) 6. Que o recrutamento e a manuteno de um exrcito no reino, em tempo de paz, sem o consentimento do Parlamento, ilegal; (...) 8. Que as eleies dos membros do Parlamento devem ser livres; (...) 13. Que, para remediar todos os agravos, e para a alterao, ratificao e observao das leis, o Parlamento deve ser freqentemente reunido (...)(COSTA, L.C.A .; MELLO, L.I. Histria Moderna e Contempornea. So Paulo: Scipione, 1993, p. 69)</p> <p>O fragmento do documento acima faz parte da A) Constituio dos Estados Unidos, pela qual se garantiam, entre outros, o direito representatividade poltica a todas as camadas sociais. B) Carta de Costumes, aprovada pelo Parlamento Ingls, pela qual os direitos consuetudinrios passariam a ser garantidos e as arbitrariedades republicanas, abolidas. C) Declarao de Direitos, assinada por Guilherme III, pela qual a Realeza inglesa ficou submetida ao Parlamento. D) Constituio Prussiana, aprovada aps a vitria burguesa na guerra civil, pela qual a coeso nacional foi mantida atravs de acordos entre o Estado e setores da sociedade. QUESTO 43 A mobilizao dos trabalhadores e o movimento socialista cresceram a partir de meados do sculo XIX. Acerca dessa questo, CORRETO afirmar que A) a chamada I Internacional se caracterizou pela hegemonia dos anarquistas. B) a III Internacional foi uma reao dos anarquistas inrcia poltica da II. C) a I e II Internacionais eram revolucionrias e a III, reformista e burguesa. D) a chamada II Internacional se caracterizou pelo predomnio dos socialdemocratas.</p> <p>Processo Seletivo1/2004 - Grupo 1</p> <p>Unimontes</p> <p>QUESTO 44 A revoluo dos bolcheviques a revoluo contra O capital de Karl Marx.(GRAMSCI, Antnio. A revoluo contra O capital. Citado por DIVALTE. Histria. So Paulo: tica, 2002, p.302)</p> <p>A interpretao CORRETA da frase do renomado pensador marxista Antnio Gramsci : A) Os lderes bolcheviques, assim como parte das esquerdas em outros pases, desconheciam o pensamento marxista, embora fizessem a revoluo em seu nome. B) A revoluo russa, da forma como ocorreu, contraria o receiturio marxista de revoluo elaborado no sculo XIX. C) Os resultados da revoluo bolchevique, como a ditadura e a desagregao do bloco socialista, confirmam o seu carter no marxista e burgus. D) A revoluo russa no se inspirou em Marx, dado o carter autoritrio da mesma, embora tenha entrado para a Histria com o rtulo de socialista. QUESTO 45 (...) a principal caracterstica desse perodo era a diviso final da Terra, no sentido de que a poltica colonial dos pases capitalistas tinha completado a tomada das terras no ocupadas em nosso planeta. Pela primeira vez (...) o mundo estava dividido, de forma que no futuro s seriam possveis redivises, isto , a transferncia de um dono para outro, e no de um territrio sem dono para um dono.(SWEEZY, Paul. Teoria do desenvolvimento capitalista. Rio de Janeiro: Zahar, 1982, p. 351. In: DIVALTE. Histria. So Paulo: tica, 2002, p. 292)</p> <p>O texto acima A) refere-se incompatibilidade estrutural entre capitalismo e socialismo, como ocorreu no sculo XX. B) refere-se conquista e colonizao do novo mundo pelos europeus, entre os sculos XV e XVIII, fato que completou a descoberta de todos os continentes. C) refere-se consolidao da ordem capitalista no sculo XVIII, resultado da expanso do domnio das potncias sobre todo o planeta. D) refere-se ao imperialismo, fenmeno que precedeu e teve como conseqncia a primeira guerra mundial.</p> <p>Processo Seletivo1/2004 - Grupo 1</p> <p>Unimontes</p> <p>PROVA DE MATEMTICA Questes numeradas de 46 a 60</p> <p>QUESTO 46 Os nmeros inteiros de 1 a 225 foram colocados na seguinte disposio: 4 10 1 5 11 2 6 ... 3 7 8</p> <p>9</p> <p>O nmero que fica diretamente abaixo de 172 A) B) C) D) 192. 202. 200. 210.</p> <p>QUESTO 47 Uma empresa dispensou 20% de seus empregados e concedeu aos que permaneceram um aumento que elevou a folha de pagamento em 10%. Em quanto variou o salrio mdio da empresa? A) B) C) D) 30% 17,5% 20% 37,5%</p> <p>QUESTO 48 A tbua da multiplicao abaixo est incompleta. X 1 2 3 1 1 2 3 2 2 3 3</p> <p>Os nmeros para complet-la, na base 4, so A) B) 4 6 10 12 6 9 12 21 C) D) 10 11 10 11 12 13 12 12</p> <p>QUESTO 49 Duas provetas de mesma capacidade e forma contm juntas 176ml de lcool. A primeira contm lcool at uma altura de 3cm e, a segunda, at uma altura de 5cm. A quantidade de lcool em cada uma , respectivamente, A) 110ml e 66ml. B) 100ml e 76ml. C) 66ml e 110ml. D) 76ml e 100ml.</p> <p>Processo Seletivo1/2004 - Grupo 1</p> <p>Unimontes</p> <p>QUESTO 50 Qual dos esboos abaixo melhor representa o grfico da funo real de varivel real que, a cada x, associa a distncia de x ao nmero 2? A) y C) y</p> <p>2 0 2 x 0 x</p> <p>B)</p> <p>y</p> <p>D)</p> <p>y</p> <p>2 -2 0 x 0 x</p> <p>QUESTO 51 Para um indivduo sadio e em repouso, o nmero N de batimentos cardacos por minuto varia em funo da temperatura ambiente t (em graus Celsius), segundo a funo N (t ) = 0,1 t 2 4t + 90 . Nessas condies, em qual temperatura o nmero de batimentos cardacos por minuto mnimo? A) B) C) D) 31C 12,4C 20C 25C</p> <p>Processo Seletivo1/2004 - Grupo 1...</p>