1 Diário Oficial de Bauru - bauru.sp.gov.br .UINT, 1 DE MIO DE 2.12Diário Oficial de Bauru DIRIO

  • View
    263

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of 1 Diário Oficial de Bauru - bauru.sp.gov.br .UINT, 1 DE MIO DE 2.12Diário Oficial de Bauru DIRIO

  • 1DIRIO OFICIAL DE BAURU QUINTA, 31 DE MAIO DE 2.012Dirio Oficial de BauruPODER EXECUTIVO

    Rodrigo Antonio de Agostinho MendonaPrefeito Municipal

    Seo IGabinete do Prefeito

    Giasone Albuquerque CandiaChefe de Gabinete

    ANO XVII - Edio 2.108 www.bauru.sp.gov.br QUINTA, 31 DE MAIO DE 2.012 DISTRIBUIO GRATUITA

    LEIS MUNICIPAISLEI N 6.217, DE 28 DE MAIO DE 2.012

    P. 24.028/11 Dispe sobre reformulao do Estatuto do Magistrio Municipal. O PREFEITO MUNICIPAL DE BAURU, nos termos do art. 51 da Lei Orgnica do Municpio de Bauru, faz saber que a Cmara Municipal aprovou e ele sanciona e promulga a seguinte Lei:

    CAPTULO IDAS DISPOSIES PRELIMINARES

    Art. 1 Esta lei reformula o Estatuto do Magistrio Municipal de Bauru e aplica-se aos profissionais que exercem atividades de docncia e aos que oferecem suporte pedaggico direto a tais atividades, aos quais cabem as atribuies de ministrar, planejar, inspecionar, supervisionar, orientar e administrar a Educao Bsica.

    CAPTULO IIDA EDUCAO BSICA

    Art. 2 A Educao Bsica Municipal compe-se de: educao infantil, ensino fundamental, educao de jovens e adultos e educao especial.

    CAPTULO IIIDO PROVIMENTO E DA ESTRUTURA DA CARREIRA

    Art. 3 O provimento de cargos e a estrutura da carreira do magistrio dar-se-o de acordo com o disposto nos Captulos I e II, do Ttulo III, da Lei Municipal n 5.999, de 30 de novembro de 2.010.

    CAPTULO IVDA CRIAO DAS FUNES DE CONFIANA

    Art. 4 Ficam criadas as seguintes funes de confiana: I - 11 (onze) funes de confiana de Coordenadores de rea, destinados s

    seguintes reas do magistrio: 01 (uma) para Lngua Portuguesa; 01 (uma) para Matemtica; 01 (uma) para Geografia; 01 (uma) para Histria; 01 (uma) para Arte; 01 (uma) para Cincias; 01 (uma) para Educao Fsica e 01 (uma) para Lngua Estrangeira Moderna; 01 (uma) para Educao Infantil, 01 (uma) para Educao Especial e 01 (uma) para Alfabetizao, a serem lotadas na sede da Secretaria Municipal da Educao.

    II - Em cada Unidade Escolar de Ensino Fundamental: a) 01 (uma) funo de confiana de Vice-Diretor de Escola de Ensino

    Fundamental; b) 02 (duas) funes de confiana de Coordenador Pedaggico de Ensino

    Fundamental em Escolas de Ensino Fundamental do 1 ao 9 ano, 01 (uma) funo de confiana de Coordenador Pedaggico de Ensino Fundamental em Escolas de Ensino Fundamental do 1 ao 5 ano ou 02 (duas) funes de Coordenador Pedaggico em Escolas de 1 ao 5 ano com nmero superior a 500 alunos e 01 (uma) funo de confiana de Coordenador Pedaggico de Educao de Jovens e Adultos no Centro Educacional de Jovens e Adultos.

    1 As funes de confiana mencionadas nos incisos I, II, alnea - a - e - b - do artigo 4 desta lei equiparam-se a chefia.

    2 Fica criada uma gratificao correspondente a 20% (vinte por cento) do padro de referncia do docente designado para funes de confiana de Vice-Diretor de Escola

    de Ensino Fundamental, de Coordenador de rea e de Coordenador Pedaggico nas escolas de Ensino Fundamental e no Centro Educacional de Jovens e Adultos.

    3 Fica assegurado o resguardo das Atividades de Trabalho Pedaggico - ATPs aos docentes designados para as funes de confiana.

    Art. 5 A designao para a funo de confiana de Vice-Diretor de Escola exigir que o Especialista em Educao tenha, obrigatoriamente, no mnimo 05 (cinco) anos de efetivo exerccio no magistrio municipal, na Diviso de Ensino Fundamental e que preencha as exigncias do inciso V, artigo 7, da Lei Municipal n 5.999, de 30 de novembro de 2.010.

    Art. 6 A designao para a funo de confiana de Coordenador Pedaggico exigir que o Especialista em Educao tenha, obrigatoriamente, no mnimo 05 (cinco) anos de efetivo exerccio no magistrio municipal, na Diviso de Ensino Fundamental e que preencha as exigncias do inciso V, do artigo 7, da Lei Municipal n 5.999, de 30 de novembro de 2.010.

    1 Alm das exigncias do caput do artigo, so requisitos para o docente exercer a funo de Coordenador Pedaggico do Ensino Fundamental.I - Estar, preferencialmente, lotado na unidade escolar em que pretende

    exercer a funo de Coordenador Pedaggico do Ensino Fundamental. No havendo na unidade escolar, docentes que atendam aos requisitos do caput do artigo ou docentes interessados no exerccio da funo de Coordenador Pedaggico do Ensino Fundamental, essa funo poder ser exercida por docentes de outras unidades escolares, desde que atendidas as supracitas exigncias.

    2 Constituem-se componentes do processo de designao do docente para exercer a funo de Coordenador Pedaggico do Ensino Fundamental:I - Apresentao, diante de seus pares e do Conselho de Escola, de projeto que

    vise melhoria do ensino-aprendizagem na unidade escolar;II - Eleio de, no mximo, 03 (trs) projetos reconhecendo os trs mais votados

    como legtimos concorrentes;III - Realizao de entrevista individual com uma Comisso a ser constituda por

    Especialista em Gesto Escolar Diretor de Escola de Ensino Fundamental, Vice-Diretor e Diretor de Diviso de Ensino Fundamental;

    IV - Aps a concluso do processo seletivo, a Comisso emitir deciso fundamentada na entrevista e na apreciao da qualidade e viabilidade do projeto apresentado.

    Art. 7 A designao para a funo de confiana de Coordenador de rea exigir que o Especialista em Educao tenha, obrigatoriamente, no mnimo 05 (cinco) anos de efetivo exerccio na Educao Municipal e licenciatura plena nas disciplinas correspondentes ao Currculo da Educao Bsica do 6 ao 9 ano. Para a funo de confiana de Coordenador de rea de Educao Infantil, o Especialista em Educao dever ter, obrigatoriamente, no mnimo 05 (cinco) anos de efetivo exerccio na Educao Municipal e licenciatura plena em Pedagogia ou Normal Superior.

    Art. 8 O exerccio das funes de confiana de Vice-Diretor de Escola, de Coordenador Pedaggico e de Coordenador de rea implicar, obrigatoriamente, no cumprimento de 40 (quarenta) horas de trabalho semanais, ou seja, na prestao de 08 (oito) horas dirias de trabalho.

    Art. 9 Compete ao Vice-Diretor de Escola, alm de atribuies correlatas e afins, regulamentadas pelo Regimento Interno das Escolas, substituir o Diretor de Escola em todos os seus impedimentos legais e temporrios, em perodos superiores a 15 (quinze) dias exceto em caso de faltas injustificadas.

    1 Na ausncia do Vice-Diretor de Escola, sua substituio caber ao Especialista em Educao da Unidade Escolar, indicado pelo Diretor da Escola, conforme pr-requisitos contidos no artigo 7, inciso V da Lei Municipal n 5.999, de 30 de novembro de 2.010.

    2 Na ausncia do Coordenador Pedaggico, sua substituio caber ao Especialista em Educao, da mesma unidade escolar, que preencha as exigncias do inciso V, do artigo 7, da Lei Municipal n 5.999, de 30 de novembro de 2.010.

    3 Na ausncia de Especialista em Educao que substitua o Coordenador Pedaggico, em razo das exigncias do inciso V, artigo 7, da Lei Municipal n 5.999, de 30 de

  • 2 DIRIO OFICIAL DE BAURU QUINTA, 31 DE MAIO DE 2.012

    novembro de 2.010, caber Secretaria Municipal da Educao designar um docente de outra unidade escolar, desde que este preencha as supracitadas exigncias.

    Art. 10 So considerados aptos a substituir o Especialista em Gesto Escolar - Diretor de Escola de Educao Infantil, em todos os seus impedimentos legais e temporrios, em perodos superiores a 15 (quinze) dias, exceto em caso de faltas injustificadas, os ocupantes do cargo de Especialista em Educao - Professor da Educao Bsica - Infantil com, no mnimo, 05 (cinco) anos de efetivo exerccio neste cargo, alm de ser portador de formao de nvel superior com licenciatura plena em Pedagogia, ou Curso Normal Superior com ps-graduao - lato sensu em gesto escolar de, no mnimo, 1.000(mil) horas ou mestrado ou doutorado em educao.

    Art. 11 Alm de preencher os requisitos do artigo anterior, devero ser obedecidos os seguintes critrios:I - Maior tempo de servio na Unidade Escolar; II - Maior pontuao em ttulos e cursos; III - Para critrio de desempate ser considerada a maior idade.

    Pargrafo nico. No havendo na Unidade Escolar docentes que atendam aos requisitos do art. 10, ou docentes interessados na substituio, a Secretaria Municipal da Educao designar professor de outra Unidade Escolar, que preencha as exigncias do artigo 7, inciso V da Lei Municipal n 5.999, de 30 de novembro de 2.010, mediante inscrio e classificao por ttulos e tempo de servio, desde que este preencha as supracitadas exigncias.

    Art. 12 Durante o perodo de substituio, o Especialista em Educao perceber a diferena salarial entre o seu cargo efetivo e o cargo exercido, a qual ser apurada de acordo com o seu tempo de efetivo exerccio na carreira.

    Art. 13 Para efeitos legais, o perodo de substituio de funo de confiana ou do cargo efetivo de Diretor de Escola no implicar em futuras incorporaes salariais.

    CAPTULO VDA ATRIBUIO E LOTAO

    Art. 14 Para efeitos de atribuio e lotao, fica assegurada aos Integrantes do Quadro do Magistrio Municipal, a escolha de opes na seguinte ordem, para cada ano letivo: I - Escolha e atribuio de classes, aulas, jornada complementar, suplementar e

    substituio de classes na unidade escolar; II - Cadastramento na Secretaria Municipal da Educao para escolha das

    classes, aulas, substituio de classes e jornada suplementar remanescentes em outra unidade escolar;

    III - Permuta; IV - Remoo.

    Art. 15 O Especialista em Gesto Escolar do Ensino Fundamental do 6 ao 9 ano dever convocar os Especialistas em Educao de sua unidade escolar, a fim de proceder s inscries para atribuio de aulas.

    1 Os Especialistas em Educao, que estejam afastados a qualquer ttulo, devero comparecer unidade escolar, no perodo de atribuio, para efetuar sua inscrio ou fazerem-se representar por pessoa legalmente constituda para esse fim.

    2 No dia