1 Dinâmica das Doenças Infecciosas Prof. Eliseu Alves Waldman Disciplina de Epidemiologia I - 2007 Faculdade de Saúde Pública da USP

  • View
    116

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of 1 Dinâmica das Doenças Infecciosas Prof. Eliseu Alves Waldman Disciplina de Epidemiologia I - 2007...

  • Slide 1
  • 1 Dinmica das Doenas Infecciosas Prof. Eliseu Alves Waldman Disciplina de Epidemiologia I - 2007 Faculdade de Sade Pblica da USP
  • Slide 2
  • 2 Objetivos Compreender os Conceitos de Estrutura e Caracteres Epidemiolgicos Conhecer o espectro clnico das doenas infecciosas e sua importncia para a compreenso de seu comportamento Conhecer os Conceitos Envolvidos no Processo de Transmisso das Doenas Infecciosas (Perodo de Incubao; Perodo de Gerao; Imunidade de Rebanho) Entender as Principais Etapas da Cadeia do Processo Infeccioso
  • Slide 3
  • 3 Sries Histricas de Mortalidade de Molstias Infecciosas
  • Slide 4
  • 4
  • Slide 5
  • 5 Fonte: Fundao SEADE 1900 1910 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1980 1990 0 20 40 60 80 100 120 140 160 180 Coef. por 100.000 hab. Introduo do tratamento especfico Elevao da incidncia da AIDS Mortalidade por Tuberculose. Municpio de So Paulo. 1900-1995.
  • Slide 6
  • 6 Sries Histricas de Mortalidade de Molstias Infecciosas
  • Slide 7
  • 7
  • Slide 8
  • 8 O comportamento das doenas infecciosas, na comunidade, varia em cada ponto no tempo e no espao Se comparssemos os dados do Municpio de So Paulo com o de outras cidades do Brasil e/ou de outros pases, poderamos verificar semelhanas e diferenas em cada momento e lugar. Estrutura Epidemiolgica
  • Slide 9
  • 9 Conceito A determinao desse contnuo estado de mudanas estaria vinculada forma particular de interao dos diversos fatores relacionados ao agente, meio e hospedeiro, caracterizando o que conceituamos como estrutura epidemiolgica Estrutura Epidemiolgica
  • Slide 10
  • 10 Conceito Em cada ponto no tempo e no espao, a forma particular de comportamento das doenas na comunidade estaria condicionada pela estrutura epidemiolgica Estrutura Epidemiolgica
  • Slide 11
  • 11 A forma de apresentao das doenas na comunidade em cada momento e lugar, expressaria o que podemos caracteres epidemiolgicos denominar de caracteres epidemiolgicos relativos pessoa, tempo e lugar. caracteres epidemiolgicos O estudo dos caracteres epidemiolgicos seria o objeto de estudo da epidemiologia descritiva Caracteres Epidemiolgicos
  • Slide 12
  • 12 Conceito Doena infecciosa aquela causada por um agente infeccioso especfico ou por seu produto txico e ocorre pela transmisso deste agente ou dos seus produtos de uma pessoa, animal ou reservatrio infectado para um hospedeiro susceptvel. Doenas Infecciosas
  • Slide 13
  • 13 So causadas por agentes que podem ser transmitidas de uma pessoa a outra, portanto, um caso constitui fator de risco para a ocorrncia de outro semelhante. Caractersticas da epidemiologia das doenas infecciosas * * * * * * * * * * * *
  • Slide 14
  • 14 O fato de um caso poder ser a fonte de infeco para a ocorrncia de novos casos significa que o padro de contatos sociais muito importante para seu estudo. Portanto, necessrio saber....... Quem encontra quem? Como? Aonde? Caractersticas da epidemiologia das doenas infecciosas
  • Slide 15
  • 15 Os indivduos uma vez infectados podem tornarem-se imunes As doenas infecciosas podem apresentar ciclos de transmisso, especialmente para macroparasitas, Temos ento, diferentes estgios de vida para o agente infeccioso. Esses ciclos podem precisar de hospedeiros intermedirios, reservatrios e vetores. Caractersticas da epidemiologia das doenas infecciosas
  • Slide 16
  • 16 Trade Epidemiolgica da Doena Hospedeiro Ambiente Vetor Agente Biolgico: Bactria, vrus, etc. Qumico: veneno, toxina, nicotina, etc. Fsico: Trauma, radiao, fogo, etc. Nutricional: Falta ou excesso Fatores ambientais (Fsicos e sociais) Fsicos: Temperatura, umidade, altitude, etc. Sociais: aglomerao no domiclio, acesso a alimentao, a gua tratada, poluio do ar, etc.
  • Slide 17
  • 17
  • Slide 18
  • 18
  • Slide 19
  • 19 Espectro Clnico da Doena Infecciosa I - Doena Clnica: caracteriza-se por sintomas e sinais II - Doena Inaparente: Inclui as seguintes formas de apresentao 1)Doena Pr-clnica: doena inaparente que evoluir para a forma clnica 2) Doena Sub-Clnica: doena inaparente que no evoluir para a forma clnica 3) Doena Persistente (Crnica): quando a infeco persiste por anos ou durante o restante da vida 4) Doena Latente: Infeco na qual o agente no se multiplica
  • Slide 20
  • 20
  • Slide 21
  • 21 Determinantes do processo epidmico - Aumento da proporo de suscetveis na comunidade - Introduo de um novo agente ou de um agente que j circulava na populao, mas que adquiriu novas caractersticas em sua estrutura imunognica.
  • Slide 22
  • 22 Imunidade de Rebanho ou coletiva ou de grupo: Resistncia de uma populao invaso ou disseminao de um agente infeccioso que resulta da elevada proporo de indivduos imunes nessa populao. Diminuindo a probabilidade de contato entre um doente e um suscetvel Pr-requisitos para a imunidade de Rebanho 1) O agente etiolgico da doena possui uma nica espcie hospedeira na qual a transmisso ocorre 2) A infeco deve induzir uma slida imunidade 3)A transmisso deve se dar de forma direta (pessoa a pessoa) 4)
  • Slide 23
  • 23
  • Slide 24
  • 24 Perodo de Exposio Perodo de Exposio: Perodo no qual a pessoa exposta a uma fonte de infeco Perodo Latente: 1)Intervalo entre penetrao do agente e o incio da infecciosidade, ou seja, da capacidade de transmitir a infeco. 2) Intervalo mnimo entre casos sucessivos numa cadeia de infeco Perodo de Incubao Perodo de Incubao: Intervalo entre a penetrao do agente infeccioso ao incio dos sintomas Perodo Infeccioso: Perodo Infeccioso: Perodo durante o qual a pessoa infectada capaz de transmitir o agente infeccioso
  • Slide 25
  • 25 Cadeia do processo infeccioso
  • Slide 26
  • 26 Cadeia de Transmisso Vias de eliminao Vias de Penetrao Agente Suscetibilidade do Hospedeiro Modo de transmisso Reservatrio Transmisso pessoa a pessoa
  • Slide 27
  • 27 Podem comportar-se como reservatrio ou fontes de infeco: Cadeia do processo infeccioso 1) Homem 3) Ambiente
  • Slide 28
  • 28 Reservatrio humano a) Pessoas com doena clinicamente aparente b) Portadores - Portador ativo convalescente - Portador ativo crnico - Portador ativo incubado ou precoce - Portador passivo Cadeia do processo infeccioso
  • Slide 29
  • 29 Reservatrio animal Exemplos: - Leptospirose (reservatrios: roedores e eqinos) - Raiva (reservatrios: vrias espcies de mamferos) - Doena de chagas (reservatrios: mamferos silvestres) Cadeia do processo infeccioso Zoonoses: So doenas infecciosas transmitidas em condies normais de animais para o homem
  • Slide 30
  • 30 Vias de Eliminao e Vias de penetrao Trato respiratrio Trato Digestivo Trato urinrio Sangue Pele Mucosas Secrees Observao: Para as doenas infecciosas as caractersticas clnicas e epidemiolgicas freqentemente esto relacionadas ao local de exposio e a porta de entrada Cadeia do processo infeccioso
  • Slide 31
  • 31 Fatores Relativos ao agente a)Infectividade b) Patogenicidade c) Virulncia d) Poder imunognico e) Valncia ecolgica f) Resistncia s condies do meio g) Inculo ou dose infectante h) Fenotipagem e Genotipagem Cadeia do processo infeccioso
  • Slide 32
  • 32 As doenas infecciosas so significativamente influenciadas pelo ambiente, seja em seus aspectos fsicos, biolgicos ou sociais Ambiente fsicoAmbiente fsico: temperatura mdia e umidade relativa do ar influenciam a eficincia do contato na transmisso pessoa a pessoa e alguns agentes veiculados por vetores Cadeia do processo infeccioso
  • Slide 33
  • 33 Aspectos biolgicos: grau de adaptao em sua funo de parasitar o homem. Quanto maior essa adaptao maior ser a proporo de casos sub-clnicos Ambiente social: aglomerao, migraes, distribuio das riquezas, esto intimamente ligados aos nveis endmicos das doenas infecciosas. Exemplo: Doena meningoccica Cadeia do processo infeccioso
  • Slide 34
  • 34 I- Transmisso direta (contgio): Transferncia do agente etiolgico, sem a interferncia de veculos. Cadeia do processo infeccioso a)Transmisso direta imediata: Quando h um contato fsico entre o reservatrio ou fonte de infeco e o novo hospedeiro suscetvel. b)Transmisso direta mediata: Quando no h contato fsico entre o reservatrio ou fonte de infeco e o novo hospedeiro
  • Slide 35
  • 35 II -Transmisso indireta: Transferncia do agente etiolgico por meio de veculos animados ou inanimados. Esse tipo de transmisso pressupe: a) Os agentes sejam capazes de sobreviver fora do organismo durante um certo tempo; b) Existam veculos que transportem os microrganismos ou parasitas de um lugar a outro. Cadeia do processo infeccioso
  • Slide 36
  • 36 Transmisso indireta por veculo animado a)Vetor biolgico b)Vetor mecnico Transmisso indireta por veculo inanimado a) gua b) ar c) alimentos d) solo e) fmites. Cadeia do processo infeccioso
  • Slide 37
  • 37 O elo final da cadeia do processo infeccioso o novo hospedeiro suscetvel a)Suscetibilidade b)Resistncia c)Imunidade 1)Imunidade ativa 2)Imunidade passiva Fatores do novo hospedeiro suscetvel