#11 - GUIA CURITIBA APRESENTA - MAIO/2008

  • View
    227

  • Download
    8

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Cinema e Vídeo de Curitiba 5º Putz! Festival Universitário de Sassaricando. As mais famosas marchinhas de carnaval com Eduardo Dussek e grande elenco CURITIBA APRESENTA - nº11 - maio de 2008 | Distribuição Gratuita

Text of #11 - GUIA CURITIBA APRESENTA - MAIO/2008

  • CU

    RIT

    IBA

    APR

    ESEN

    TA -

    n1

    1 -

    mai

    o de

    200

    8 |

    Dis

    trib

    ui

    o G

    ratu

    ita

    MAIO2008

    Sassaricando.

    As mais famosas march

    inhas

    de carnaval com Eduard

    o

    Dussek e grande elenco

    5 Putz!Festival Uni

    versitrio de

    Cinema e Vdeo de

    Curitiba

  • EXPEDIENTE

    Prefeito Municipal de CuritibaBeto RichaPresidente da Fundao Cultural de CuritibaPaulino ViapianaDiretor Administrativo-FinanceiroNilton Cordoni Jr.Diretor de Ao CulturalJos Roberto LanaDiretora de Incentivo CulturaAna Maria HladczukDiretor de MarketingMarcelo Simas do Amaral CattaniDiretora do Patrimnio CulturalChristine Vianna BaptistaPresidente do Instituto Curitiba de Arte e CulturaLoismary PacheComunicao SocialThaisa Marques Teixeira SadeJornalista ResponsvelJuliana Ceccatto MTB 5788ColaboradoresAparecido Casemiro de Oliveira, Jayne Sfair Suny, Lucas Ajuz (estagirio), Mayra Pedroso, Miguel n-gelo Gubert, Thiago Incio, Vivian Siedel SchroederFotografiaAlice Rodrigues, Luclia Guimares, Luiz CequinelRevisoAdo de ArajoLogsticaSrgio Serena e Izabel TaschiniDivulgao(41) 3213-7590agendacultural@fcc.curitiba.pr.gov.brDepartamento Comercial(41) 3213-7514 | comercial@icac.org.br Projeto GrficoAliens DesignCapaSassaricandoEndereoRua Eng. Rebouas, 1732 | Cep 80230-040 | Curitiba-PR

    Se voc quiser ser um Colaborador, escreva para a gente!

    Esta uma publicao do Instituto Curitiba de Arte e Cultura. Todos os direitos reservados.

    No suje a cidade, recicle.

    n d i c e

    Entrev ista Marcos Jo rge , um cur i t i bano no cenr io i n te rnac iona l 04

    Uma semana 06

    Teatro e C i rco Clepat ra , a Ra inha do Eg i to 08

    L i teratura Je Par l e F rance! 13

    Dana Ba l F lamenco em tu rn nac iona l 16

    Msica Bras i l e Cuba , uma be l ss ima r i va l i dade 20

    Cinema Do Trash ao PUTZ 33

    Artes V isuais Mest re da Ar te Moderna em expos io no MON 38

    Infant i l O Mis t r i o do O lho D gua 46

    Arte por Onde Voc Anda A Tra je t r i a do B lues 51

    Outras Artes 52

    Div i r ta -seQue l uga r es te? 53Pa lav ras Cruzadas 54

    Endereos e Contatos 55

    Feiras L ivres 60

    L inha Tur ismo 62

  • Entr

    evis

    ta

    Marcos Jorge,um curitibanono cenrio internacional

    Hollywood tem uma vasta produo cinematogrfi-ca. Mas, por exemplo, o cinema iraniano, polons, alemo tambm tm seu valor. Quais so as vanta-gens e desvantagens do cinema independente?Eu nunca fiz cinema que no fosse independente, no sentido de que nunca trabalhei para nenhuma emissora de televiso, nem para um grande estdio americano, portanto ainda no senti na pele o sig-nificado de no ser independente. Mas, em funo de minha experincia na publicidade, posso facil-mente deduzir o que fazer filmes num sistema no-independente. Significa ter que submeter a um financiador o resultado de seu trabalho, o qual vai julg-lo em termos mercadolgicos. As desvan-tagens de um tal sistema so bvias, o diretor simplesmente no vai poder fazer tudo o que quer, mas as vantagens tambm: ele vai ter o dinheiro necessrio para fazer o filme que eles querem que ele faa. No sistema independente, voc tem a van-tagem de fazer o filme que quer, mas vai ter muita dificuldade em encontrar o dinheiro para faz-lo. Simples assim.

    Voc tem bastante experincia no mercado in-ternacional. Como o cinema brasileiro tem sido visto no exterior? Quais os temas de interesse do pblico l fora?A pergunta vem bem a propsito, pois estou sain-do de uma pequena maratona de entrevistas com

    jornalistas belgas e holandeses em funo do lanamento do Estmago nestes dois pases (os primeiros de 12 onde o filme vai ser lanado nos prximos meses). Pois bem, de uma coisa me pare-ceu que os estrangeiros esto cansados no cinema brasileiro: violncia e favela. No por acaso Es-tmago est chamando a ateno nos circuitos internacionais, porque foge destes clichs.

    Tem algum Festival que ainda no participou e gostaria de participar?Festival de Cannes, na competio principal.

    Voc est em fase de gravao. Alm de Corpos Celestes e Dois Seqestros, quais os prximos projetos?Filmo comerciais todo ms, estou preparando o lanamento do Corpos Celestes e j entrarei na pr do Dois Seqestros. Voc acha que me sobra tempo para algo mais? Quem dera...

    Voc j fez vdeo-instalaes, curtas-metragens e tal. Qual tecnologia ainda gostaria de experimen-tar? Grande formato? 3D?No sou fascinado pela tecnologia, mas pelas lin-guagens que a tecnologia proporciona. O cinema tradicional, plano, 2d, ainda no esgotou meu in-teresse.

    Fundamentalmente, acredito que o diretor deva procurar nos atores os seus persona-gens, e se guiar pelo instinto.

    foto

    s: d

    ivug

    ao

    Seu mais recente filme j est em cartaz na Europa. Estmago foi lanado no Brasil no ms passado e j conquistou diversos prmios como o de Melhor Filme e Melhor Ator no XI Festival Internacional de Cinema de Punta Del Leste; o prmio Lions Award no Festival de Rotterdam e Melhor Filme Segundo o Pblico no Festival do Rio. Mas o sucesso no veio por acaso. O diretor Marcos Jorge j fez dezenas de curtas, estudou direo e roteiro no Centro Sperimentale di Cinematografia (Roma) e faz direo de filmes publicitrios para marcas brasileiras, italianas e internacionais.

    Atores de teatro e tv esto preparados para atuar no cinema? Quais os desafios na escolha dos per-sonagens?Fazer cinema diferente de fazer tv ou teatro. Mas alguns atores de tv e teatro so bons tambm no cinema. Fabiula Nascimento s tinha feito teatro antes do Estmago, e saiu-se magnificamente em frente s cmeras. Zeca Cenovicz s fez ci-nema comigo, por enquanto, mas seu personagem, o Zulmiro, pulsa de energia esplndida. Cada caso um caso, e deve ser avaliado atentamente. De qualquer modo, o elenco fundamental num filme, e a escolha dele uma das mais srias que um dire-tor deve fazer. Fundamentalmente, acredito que o diretor deva procurar nos atores os seus persona-gens, e se guiar pelo instinto.

    O que de Curitiba tem nos seus filmes?A essncia de Curitiba a sua diversidade, o fato de ter sido formada por gente de toda parte, imi-grantes de vrios continentes. Eu nasci e cresci em Curitiba, vivi mais de dez anos na Europa, e trabalho em So Paulo. Ou seja, sou um curitibano tpico. E Curitiba est l, toda exposta em meus filmes. No de maneira explcita e vulgar, como alguns me cobram, mas sutil e sofisticada. No Estmago, por exemplo, Curitiba est no licor de ovos que ria bebe no nightclub, na lateral da Catedral que fecha a perspectiva da chegada de Nonato no boteco do

    Zulmiro, nos paraleleppedos da Rua So Francisco pisados pelas prostitutas, no Penseonato da Pe-dro Ivo onde Nonato faz amor com ria, no Mercado Municipal, na priso do Ahu, nos azulejos da co-zinha do Restaurante Boccaccio, que sabemos ser o Bar Palcio.

    Em entrevista, voc disse que assistiu a muito filme na Cinemateca de Curitiba: sente saudade? O que gostaria de assistir por l?A gente sempre sente saudades do tempo em que era jovem. E se os tempos no eram assim to excelentes, a lembrana deles melhora com o tempo. As cadeiras da velha Cinemateca, por e-xemplo, eram terrveis, de madeira muito dura, mas na minha lembrana isso no conta... Sinto que, com o advento e a proliferao, primeiro, do VHS, e agora, do DVD, o papel das cinematecas tem que ser revisto e atualizado. O que eu gostaria de ver na Cinemateca, hoje, so retrospectivas completas dos grandes autores cinematogrficos.

    Por fim, existe alguma tendncia do cinema para-naense? E do brasileiro?Diversidade. Para ambos os casos.

    > Marcos Jorge

    > Cenas do filme Estmago

    > Cenas do filme O Encontro

    > Cenas do filme Infinitamente Maio

    04

    Curit

    iba

    Apre

    sent

    a /

    Mai

    o 20

    08

    05

    Curit

    iba

    Apre

    sent

    a /

    Mai

    o 20

    08

  • Dia 29 de maio PassosA pea discute questes como a morte e o desaparecimento, por meio de uma narrativa simbolizada pela trajetria dos ps. O drama de Ibem e Matim se revela num intenso tra-balho fsico e vocal, buscando compreender a instabilidade e o vazio da condio humana. O trabalho do grupo Obragem Teatro e Cia, que atua na pesquisa corporal de novas lin-guagens, com texto e direo de Olga Nenev e Eduardo Giacomini. Horrio: 21h | Local: Teatro Novelas Curitiba-nas | Inscrio: 1 lata de leite em p

    Dia 26 de maioArboretum SeriesAs imagens desta srie derivam da observao do mundo natural. Algumas imagens so figuras solitrias que lembram um catlogo botnico de plantas. Eduardo Fausti nasceu na Argentina, estudou belas artes no Instituto de Arte de So Francisco (EUA) e na Academia Nacional de Belas Artes de Hangzhou (China). Seu trabalho busca explorar a relao da natureza com ns mesmos.Horrio: 14h s 18h | Local: Instituto Paranaense de Arte | Ingresso: Gratuito

    Dia 30 de maio Tributo a Alceo BocchinoA Asssociao dos Msicos da Orquestra Sinfnica do Paran comemora, em concerto, os 90 anos do maestro e compositor curitibano Alceo Bocchino. No programa esto Seresta Suburbana, Sute Miniatura e Sinfonia da Lapa, sob a regncia do maestro Rober-to Tibiri. Nascido em Curitiba, Bocchino formou-se em direito e msica, foi diretor da Rdio Nacional e da Rdio Tupi. Aluno de Heitor Villa-Lobos e Carmargo Guarnieri, fundou a Orquestra Sinfnica do Paran, da qual possui o ttulo de maestro emrito.Horrio: 20h30 | Local: Guairo | Ingresso: R$20 (platia) e R$10 (1 e 2 balco)

    Dia 31 de maio Fora da LeiA Tera Insana um show de humor apresentado tod