#13 - GUIA CURITIBA APRESENTA - JULHO/2008

  • View
    229

  • Download
    8

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Reinauguração do TUC (Teatro Universitário de Curitiba) Os Produtores direto da Broadway para Curitiba. Pág 08 Pág 22 CURITIBA APRESENTA - nº13 - julho de 2008 | Distribuição Gratuita

Text of #13 - GUIA CURITIBA APRESENTA - JULHO/2008

  • 1 JULHO2008

    Reinaugurao do TUC

    (Teatro Universitrio de

    Curitiba)

    No perca os shows das

    Bandas de Garagem.

    Pg 22

    Os Produtores

    direto da Broadway

    para Curitiba.

    Pg 08

    CURI

    TIBA

    APR

    ESEN

    TA - n

    13 -

    julho

    de 20

    08 |

    Dist

    ribui

    o G

    ratu

    ita

  • n d i c e

    Entrev ista Da garagem para o teatro. 04

    Imperd ve l 06

    Teatro e C i rco Diretamente das telas para os palcos: Os Produtores. 08

    L i teratura Oficinas para futuros escritores. 15

    Dana Danas Folclricas como manifestao de um povo. 18

    Msica Nova proposta de arte urbana no Teatro Universitrio de Curit iba. 22

    Cinema Cinema Francs chega a Curit iba com produes recentes. 34

    Artes V isuais Cartazes com responsabil idade ambiental. 38

    Infant i l Com perseverana tudo se alcana. 46

    Arte por Onde Voc Anda Curitiba ao Som da Viola. 52

    Outras Artes 53

    Div i r ta -seQue lugar este? 55Palavras Cruzadas 56Histria em Quadrinhos 57

    Endereos e Contatos 59

    Casa da LeituraO antigo Centro Cultural Maria Fumaa foi reformado em 2006 e ganhou novo nome: Casa da Leitura. O espao continua sendo dedicado literatura e funciona como um centro de estudos e pesquisas. Ali so pro-movidas prticas de leitura e discusses tericas sobre o tema. Alm disso, a Casa palco de cursos e seminrios para agen-tes multiplicadores como os professores da rede municipal de ensino, contadores de histrias, arte-educadores e volun-trios. No mesmo espao funciona o Te-atro da Maria, que oferece semanalmente contao de histrias e teatro de formas animadas para as crianas. A biblioteca tem ainda diversos livros, jornais e revis-tas disposio para emprstimo, com o objetivo de incentivar a leitura tambm nos momentos de lazer.

    Programao:Dia 3: Ciclo Diversidade convida Marcelo Brum para conversa sobre literatura. Pg. 17

    Dias 6, 13 e 20: O Coelho e a Tartaruga no teatro de formas animadas para crianas. Pg. 46

    Dia 12: Casa da Leitura L Loucura convida Paulo Afonso de Souza para conversa sobre literatura. Pg. 17

    Dia 26: Casa da Leitura L Loucura convida Otto Winck para conversa sobre literatura. Pg. 17

    Dia 27: O Mgico de Oz no teatro de formas animadas para crianas. Pg. 50

    Conselho Editorial - Paulino Viapiana, Marcelo Simas Cattani, Jos Roberto Lana, Loismary Pache, Christine Vianna Baptista, Thaisa Marques Teixeira Sade. Jornalista Responsvel - Juliana Ceccato Pires MTB 5788. Colaboradores - Ado de Arajo, Alice Rodrigues, Aparecido Casemiro de Oliveira, Izabel Taschini, Jayne Sfair Suny, Lucas Ajuz, Luclia Guimares, Luiz Cequinel, Mayra Pedroso, Miguel ngelo Gubert, Srgio Serena, Thiago Incio, Vivian Siedel Schroeder. Capa Ilustra-o de Marcos Minini Contatos - Departamento de Imprensa (41) 3213-7590 - agendacultural@fcc.curitiba.pr.gov.br e Departamento Comercial (41) 3213-7514 - comercial@icac.org.br. Pro-jeto Grfico - Aliens Design. Endereo - Rua Eng. Rebouas, 1732 Cep: 80230-040 Curitiba-PR. Esta uma publicao do Instituto Curitiba de Arte e Cultura. Todos os direitos reservados.

    foto

    : Lui

    z Ce

    quin

    el

  • Entr

    evis

    ta

    foto

    s: d

    ivug

    ao

    Da garagem para o teatro. Como est o cenrio da msica em Curitiba?Ferreira: Quando se fala da cena rock curitibana,

    j vm na cabea aquelas centenas de bandas de garotos de classe mdia, cheios de inteno e vontade, que fazem seus shows quase que exclusi-vamente nos barzinhos do centro da cidade. Hoje em dia, existem muitos espaos amadores, com msicos tocando no escuro, pssimos equipamen-tos, cobrando do artista at a gua mineral. Acho que, se a cena rock quiser realmente dar um passo adiante, deve evitar se submeter explorao dos maus comerciantes e valorizar os bons, mesmo que para isso tenha que fazer menos shows, aguar-dando a oportunidade de se apresentar somente quando tiver condies realmente dignas. De uma maneira geral, o Estado, atravs da renncia fis-cal, hoje o nico grande incentivador da cultura no pas. No acho de todo ruim, uma vez que o di-nheiro disponibilizado tem sido gasto normalmente em boas produes. Acho, no entanto, que os grandes espetculos que recebem apoio de Leis de Incentivo deveriam ter seus preos barateados para facilitar o acesso dos artistas profissionais.

    Qual a importncia do TUC?Ferreira: O TUC um teatro histrico. Se no me engano, o nico inaugurado por uma banda de rock. Quando comecei a tocar, pelos idos de 1978, existiam dois palcos obrigatrios para qualquer pessoa que tivesse alguma prentenso em se tornar msico: as Runas de So Francisco, aos domingos, e o TUC, a qualquer hora. Sempre foi um teatro aberto para apresentaes e ensaios. Pelo seu tamanho e localizao, proporcionava aos estudantes fcil acesso a espetculos artsticos e, pelas suas caractersticas estruturais, sempre foi mais apropriado msica. Naquela mesma poca, nunca deixou de abrigar shows de rock and roll, en-quanto outros teatros, categoricamente, proibiram a entrada deste tipo de msica, alegando que a platia de rock quebrava as cadeiras, na verdade s requebrava. O TUC pequeno, mas comporta tudo isso.

    Como foram produzidos os cds? Houve influncia nos arranjos, na forma de tocar, na gravao?Ferreira: No teramos como interferir na interpre-tao, gravamos ao vivo. Quando houve problemas de execuo ou problema tcnico, pedimos que a

    msica fosse repetida. Por problemas tcnicos, tivemos que repetir um show, coisas da informti-ca, queimou o hd. Tudo bem, o segundo ficou me-lhor. As bandas interferiram em nossos mtodos de gravao, sempre discutimos com os msicos o melhor caminho, nunca tentamos impor nossos mtodos, assim aprendemos uns com os outros e ficamos todos mais espertos.

    Como as bandas podem conseguir autonomia edi-torial?Ferreira: Gravando e editando suas prprias can-es? fcil... um pouco de organizao, o mnimo de equipamento (microfones, mixer e computador), uma garagem com boa acstica, atitude, vontade, muitas horas de trabalho e, ah sim, nada disso va-ler nada se a matria-prima no for, no mnimo, um punhado de boas canes.

    Confira a programao do TUC na pg. 22.

    Se voc acha que toda banda de garagem tem que quebrar tudo, confira a opinio dos produtores musi-cais Fernando Tupan e Luiz Antnio Ferreira... So eles que esto agitando a cidade com bandas curitibanas de renome internacional.

    Queremos dar continuidade ao projeto iniciado pela Fundao Cultural de Curitiba e levar o nosso rock polaco

    para o resto da nao. Fernando Tupan

    > Fernando Tupan

    Bandas de Garagem

    Data: 24 e 31 de julhoHorrio: 19h30Locais: TUCIngresso: R$3 e R$1,50

    Quando comecei a tocar, pelos idos de 1978, existiam dois palcos

    obrigatrios para qualquer pessoa que tivesse alguma prentenso em se tornar msico: as Runas

    de So Francisco, aos domingos, e o TUC, a qualquer hora.

    Luiz Antnio Ferreira

    > Luiz Antnio Ferreira

    Luiz Antnio Ferreira

    Fernando Tupan

    De que maneira o novo TUC pode colaborar para a divulgao das bandas?Tupan: Ajudou para mim, nos anos 80, quando participei de apresentaes performticas, shows e ensaios. Primeiro, com a Estao no Inferno e, depois, com o dolos de Matine. Hoje, uma nova gerao ir se apresentar no espao para comear fazer histria no rock curitibano, paranaense e brasileiro.

    Qual a importncia do projeto Bandas de Gara-gem?Tupan: O projeto permitir que bandas que gravi-tavam no underground possam se revelar para o Brasil. Apesar da cena estar em combusto, muitas ainda no lanaram nenhum cd. Esse o caso da Sara 572. Foram mais de 15 anos se apresentando em casas noturnas at a gravao que iremos lan-ar este ano.

    Como voc v o mercado da msica independente hoje em dia?Tupan: A msica est em constante transio. A in-ternet venceu a batalha como forma de divulgao, e acessar qualquer banda se tornou mais fcil. Hoje

    as bandas tm site prprio ou esto com pginas no myspace.com e mostram seus vdeos no You Tube. Enfim, democratizou geral.

    Como voc enxerga a evoluo tecnolgica da msica (internet, mp3, etc)?Tupan: A democratizao e a massificao para a msica. Hoje est mais fcil acessar e conhecer diferentes bandas. No meu caso, irei investir em um selo independente que se chamar Discos Voa-dores. O nosso desejo, a partir de 2009, lanar quatro bandas por ano. Queremos dar continui-dade ao projeto iniciado pela Fundao Cultural de Curitiba e levar o nosso rock polaco para o resto da nao. Tambm queremos mostrar o trabalho de bandas que j se foram e nos deixaram esse legado como dolos de Matine, Estao no Inferno, Contrabanda, Tesslia, Ps Meridion, Bons Garotos Vo Para o Inferno, Opinio Pblica, Massa de To-mate e Dr. Martelo.

    04

    Curit

    iba

    Apre

    sent

    a /

    Julh

    o 20

    08

    05

    Curit

    iba

    Apre

    sent

    a /

    Julh

    o 20

    08

  • Ms de Frias Filmes Para a Famlia A Turma do Mickey, Branca de Neve e os Sete Anes, Cinderela, O Rei Leo e Toy Story encantam os peque-nos (e grandes) admiradores da fbrica de sonhos Dis-ney. Durante todo o ms, o Espao Cultural Cinevdeo faz sesses gratuitas dos clssicos do cinema e dos desenhos. O Festival Anima Mundi tambm traz o que tem de melhor no mundo da animao, com vdeos internacionais e modernos, o festival comemora este ano sua 16 edio. Data: 1 a 31 de julho | Horrio: 10h | Local: Espao Cultural Cinevdeo | Inscrio: Gratuito

    2 Festival Curitibano de CircoDesde