147 O futuro - Conhecimento e Inovação .é 29,2 anos, nos EUA, 37 anos, e na Europa, 40,1 anos

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of 147 O futuro - Conhecimento e Inovação .é 29,2 anos, nos EUA, 37 anos, e na Europa, 40,1 anos

  • saberviver MAIO 2015

    CO

    RB

    IS

    147

    Tal como nos lmes de ao, em que o heri tem de salvar o mundo de uma catstrofe iminente, os empreendedores, cientistas e inventores contemporneos foram chamados a resolver, at 2050, um desao que

    temos enfrentado desde os primrdios da Humanidade: a fome. O objetivo duplicar a disponibilidade de alimentos e, simultaneamente,

    reduzir a nossa pegada ecolgica. Saiba como pode contribuir.

    por Filipa Baslio da Silva

    possvel acabar com a fome, dizem os especialistas. Se-gundo Nicholas Haan, pro-fessor na Singulari Univer-si (EUA), uma das poucas calamidades que consegui-mos resolver rapidamente. Ento por que que todos os anos milhes de pessoas morrem com fome ou esto

    malnutridas? A verdade que a comida sempre foi usada como arma para controlar as populaes, atravs da sua (in)disponibi-lidade, do (difcil) acesso aos alimentos e da sua utilizao. Sem falar noutros fatores que tambm inuenciam a segurana alimen-tar, como a estabilidade ambiental. Todos os anos observamos nas notcias como as secas, as cheias e as catstrofes naturais afetam as culturas e, consequente-mente, o sustento dos produtores e a sua distribuio pelo consumidor final. Existe inse-gurana alimentar crnica um pouco por todo o mundo. De acordo com o relatrio do World

    Food Summit, conferncia anual criada pela Organizao das Naes Unidas para a Ali-mentao e a Agricultura (FAO), em 1996, a segurana alimentar existe quando todas as pessoas tm sempre acesso a comida nutritiva, em quantidade suciente e de boa qualidade, para conseguirem manter uma vida saudvel e ativa. Que no o caso. Acontece que, resolvendo este desao, por mais monumental que parea, muitos outros problemas que enfrentamos atual-mente encontrariam um nal feliz. Aquilo que comemos afeta diretamente o ar que respiramos, a nossa sade, o panorama so-cioeconmico em que estamos inseridos. Enm, todos os fatores que inuenciam o nosso bem-estar. Por isso, falamos com es-pecialistas das mais variadas reas para lhe darmos a conhecer alguns heris modernos

    e as solues que propem para mu-dar a forma como os alimentos so pro-duzidos e como os recursos so apro-veitados na inds-tria agropecuria. A parte positiva? Encontramos um enorme entusiasmo e otimismo.

    O futuro da alimentao

    A agricultura tem um papel muito especial a desempenhar na luta contra as alteraes climticas. Precisa de entrar no debate, enquanto parte do problema, e, muito mais emocionante, como parte da soluo Michael Pollan, jornalista e autor

    Descubra outras solues e medidas que pode comear a adotar j.

    Hortas comunitriasplantarportugal.org

    Rede Portuguesa de Agricultura Urbana e Peri-urbanaportau.org

    Green Saversgreensavers.sapo.pt

    Horta Novahortanova.pt

    Noocitynoocity.com/pt

    Cmaras Verdescamarasverdes.pt

    Estufa Urbanateclabs.pt

    Gro-Intelligencegro-intelligence.com

    Agrilutionagrilution.com

    Cool-Farmcool-farm.com

    Association for Vertical Farmingvertical-farming.net

    The Vertical Farm: Feeding the World in the 21st Century, (2011), dickson despommier Picador16,60

    Edible: An Adventure Into the World of Eating Insects and the Last Great Hope to Save the Planet, (2014), de daniella MartinHoughton Miin Harcourt21,20

    RECURSOS

    Book 179 joana.indb 147 15/04/15 19:17

  • MAIO 2015 saberviver

    148

    OS DESAFIOS QUE

    ENFRENTAMOS AGORA,

    E AQUELES QUE NOS

    ESPERAM NUM FUTURO PRXIMO.

    2015 2050

    2,7 MIL milhes de pessoas so afetadas pela escassez

    de gua potvel, no mnimo, uma vez por ano

    6 milhes de pessoas morrero com doenas respiratrias, como a asma, causadas por poluentes txicos

    1,1 mil milhes de pessoas no tm acesso a gua potvel

    30% dos rios, no mundo todo, j secaram para sempre ou iniciaram esse processo irreversvel

    805milhes de pessoas esto

    cronicamente malnutridas, especialmente nos continentes

    africano e asitico

    17mil crianas morrem

    diariamente, devido a

    problemas relacio-

    nados com a

    segurana alimentar

    vivem nos centros urbanos

    4 000 000 000de pessoas

    19,7 a idade mdia da

    populao em frica. Na sia 29,2 anos, nos EUA, 37 anos,

    e na Europa, 40,1 anos

    1/3 da comida disponvel desperdiada, anualmente

    87% das espcies de peixes do mundo esto sobreexploradas

    A produo agrcola

    ter de ser duplicada

    para conseguirmos responder s

    necessidades

    55% do total das calorias produzidas pelas culturas agrcolas, no mundo todo, so usadas para alimentar seres humanos. As restantes calorias so utilizadas na criao animal e para biocombustveis

    3milhes de pessoas morrem todos os anos, devido poluio

    6,7 mil milhes de pessoas vivero em cidades, particularmente no litoral dos pases

    Pasesmenos desenvolvidos

    vero a sua classe mdia aumentar e, com ela, o

    consumo de carne

    Ser mais difcil providenciar saneamento adequado, o que facilitar a propagao de vrus e doenas infecciosas

    2 a 5 mil milhes de pessoas vivero em reas com limitado acesso ou escassez absoluta de gua potvel, sobretudo em regies como o Mdio Oriente e o norte de frica

    teremos de lidar com alargados perodos

    de seca e os incndios sero ainda mais arrasadores

    35% quanto se espera que a populao aumente at 2050

    Se continuarmos a pescar a um ritmo acelerado, sem

    respeitar as quotas impostas pela Organizao das

    Naes Unidas (ONU) e pela Comisso Europeia,

    todas as espcies de peixes que consumimos atualmente

    estaro extintas em 2050

    As populaes

    no tero meios

    para irrigar as suas

    culturas

    FONTES: WHO.INT; OECD.ORG; UNWATER.ORG; ESA.UN.ORG; IWMI.CGIAR.ORG; MSC.ORG; UN.ORG; PNAS.ORG; NEWSOFFICE.MIT.EDU

    Book 179 joana.indb 148 15/04/15 19:17

  • saberviver MAIO 2015

    CO

    RB

    IS

    149

    HidroponiaResposta solvelDe acordo com Max Loessl, fundador da Agrilution e criador do Vertical Farming Home Unit, o maior desafio no passa pela quantidade de terras arveis disponveis. "H muitos problemas, porque a forma como produzimos comida est completamente desatualizada", critica. A vice-presidente do Instituto Superior de Agronomia (ISA), Lusa Louro, concorda: "No penso que antigamente que era tudo bom. Porque no era. Ns temos uma vida muito mais confortvel nesse aspeto. E podemos ter muita qualidade". A vantagem, diz Max Loessl, que j dispomos de tecnologia de ponta que pode ser aplicada para atingirmos plena segurana alimentar. Drones, comida produzida em impressoras 3D, nanotecnologia (para ajudar a absorver melhor os nutrientes), hortas verticais, nutrio personalizada, etc. "Podemos fazer uma cultura hidropnica e o alimento sair com boa qualidade, sem ser preciso solo nenhum. H grandes produtores que j fazem determinados produtos por essa via; vegetais, tomate, morangos", exemplifica Lusa Louro. um sistema atravs do qual as plantas so cultivadas sobre gua corrente, que contm todos os nutrientes necessrios para um desenvolvimento equilibrado. Por no estarem em contacto com o solo, as plantas no esto sujeitas ao de bactrias, nem absorvem elementos imprevistos. "Teoricamente mais seguro", conclui a vice-presidente do ISA.

    poca de paradoxosNunca houve tanta abundncia de comida, mas tambm nunca houve tanta fome no mundo. Os mtodos de produo agrcola, pecuria e aquicultura geram quantidades de alimentos nunca antes vistas na nossa Histria e, no entanto, os agricultores so das classes mais pobres em todos os pa-ses (incluindo pases Ocidentais) e chegam mesmo a passar fome. Quando falamos em disponibilidade de alimentos, referimo-nos a produo, reservas de comida, mercados e transporte. Quando falamos de acesso a comida, pensamos nos possveis entraves nanceiro e social. Quando falamos em conservao, preocupamo-nos com a forma como os alimentos so cozinhados e apro-veitados. A indstria agropecuria tem um impacto colossal no planeta Terra. Grande parte da eroso pela qual responsvel irreversvel. Est na gnese das alteraes climticas, da poluio, do desgaste dos

    solos, da desorestao, da propagao de doenas, da escassez de gua potvel e (ironia das ironias) da disponibilidade de apenas 55% dos alimentos produzidos. Mas antes de car melhor, temos de atin-gir o fundo do poo. H quem diga que j chegmos ao ponto de partida. O planeta no aguenta mais ataques aos seus recur-sos naturais. At chegarmos meta, 2050, teremos de modicar muitas coisas, porque estima-se que nasam mais 2 mil milhes de pessoas e que a densidade populacional nas cidades ultrapasse as piores expetativas.

    frica: a horta do mundo necessrio aumentar a produo, mas re-correndo a mtodos de cultivo que reapro-veitem os recursos, evitem o desperdcio e que reduzam a pegada ecolgica. Isso pode e deve ser feito em pases onde os solos no esto desgastados pela sobre-explorao. Neste momento, a Amrica do Norte possui

    INTELIGNCIA ARTIFICIAL E AGRICULTURAGonalo Cabrita, doutorando na Universidade de Coimbra (UC), criou um sistema capaz de produzir comida sem qualquer interveno do utilizador: o Cool--Farm. "Sempre procurei conciliar a biologia com a tecnologia. Parte de ns termos uma conscincia ecolgica e utilizarmos a tecnologia de uma forma que no seja intrusiva", defende Gonalo. Assim, para desenvolver o Cool- -Farm, Gonalo Cabrita aplicou os seus conhecimentos em robtica

    e inteligncia artificial, adquiridos no mbito do doutoramento que est a tirar no Instituto de Sistemas e Robtica da UC. "Comeou por ser um gadget para casa, mas falmos com alguns produtores e vimos que poderia ter sada no meio industrial", conta. Foi graas a essa anlise de mercado e testes que Gonalo e a sua equipa alteraram o conceito, e criaram o Cool-Farm a pensar numa e