Click here to load reader

1636 leia algumas paginas

  • View
    223

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of 1636 leia algumas paginas

  • A ESTRUTURAO DO LIVRO

    contido nos comentrios e anotaes, so utilizados diferentes formatos de textos, re-ferncias sumulares, legislao, como no exemplo abaixo:

    2- Smula aplicvel. Precedentes: RMS 17999,

    certame sem exposio de motivos, ato administrativo inconstitucional, que atenta contra o princpio da inafastabilidade do conhecimento do Poder Judici-rio de leso ou ameaa a direito.

    [...] O exame psicotcnico, especialmente quando possuir natureza eliminatria, deve revestir-se de rigor cientfico, submetendo-se, em sua realizao, observncia de cri-trios tcnicos que propiciem base objetiva destinada a viabilizar o controle jurisdi-cional da legalidade, da correo e da razoabilidade dos parmetros norteadores da formulao e das concluses resultantes dos testes psicolgicos, sob pena de frustrar--se, de modo ilegtimo, o exerccio, pelo candidato, da garantia de acesso ao Poder Judicirio, na hiptese de leso a direito. [...]. (STF. 2 Turma. AI-AgR 539408/DF. Rel.: Min. Celso de Mello. DJ 7.4.2006)

    CF. Art. 5, XXXV a lei no excluir da apreciao do Poder Judicirio leso ou ameaa a direito.

    S Smumulala

    ee sse

    SSmm

    ss

    Smbolo que antecede as informaes sobre o status da smula (aplicvel, vinculante, superada, mitigada, revogada, cancelada) e sobre referncias legislativas e precedentes judiciais que embasaram o enunciado.o

    OO exase de

    cosc legforrmum oo

    ddee m

    [[[[..[..[.. ]]]].].].].]. O OO erevrevrevevrevrerr eeeesesestste ir-ir se ttrrrrrrt iosiosiosiosss ttt cnic cociocioonnananaalalnn dddadadd le

    mulmulmululllaaaa

    Smbolo que antecede os exemplos de jurisprudncia que discorrem sobre as smulas e sobre temas a elas correlatos.

    AArt. a dir

    CFCF.CF.F.F.CFCFCFCFCCC AAamamamamamameameeeeeaaaaa a

    Smbolo indicador dos textos de legislao que normatizam o assunto a que a smula se refere.

    , superadas, canceladas, revogadas, mitigadas ou vinculantes, de acordo com o entendi- dada pelo Superior Tribunal de Justia no tocante s matrias infraconstitucionais,

  • 14 55)) $&09 0-*&depois da edio da smula decises tambm do STJ, aplicando os preceitos da Corte Suprema , assim como as referncias legislativas histricas que lhes servi-

    Nos tpicos em que so apresentadas, as smulas esto dispostas em ordem de-crescente das mais atuais para as mais antigas , expondo, primeiramente, o pensa-mento e os temas de relevo atual, para depois adentrar na anlise daquelas enuncia-das em contexto histrico mais distante.

    o leitor com a aplicao dada aos enunciados sumulares pelas duas mais importantes colegiadas de magistrados.

    Um ndice cronolgico remissivo evidencia a pgina do livro em que se encontram os comentrios de cada um dos enunciados do Tribunal, proporcionando uma rpida localizao dos textos sumulares.

    NDICE CRONOLGICO REMISSIVO

    001 vedada a expulso de estran-geiro casado com brasileira, ou

    TXHWHQKDOKREUDVLOHLURGHSHQGHQWHda economia paterna. 233

    002 Concede-se liberdade vigiada ao extraditando que estiver

    preso por prazo superior a sessenta dias. 236

    003A imunidade concedida a de-putados estaduais restrita Justia do Estado. 155

    004 No perde a imunidade parla-mentar o congressista nomea-do Ministro de Estado. 154

    Outro ndice, alfabtico remissivo, indica todas as smulas do STF que tratam de determinados assuntos, separadas por palavras-chave.

    NDICE ALFABETICO REMISSIVO

    AAbono salarial. Sms. 241, 230, 234,

    235, 501, 552.Ao civil pblica. Sms. 643.Ao cominatria. Sms. 500.Ao declaratria. Sms. 258.

    Ao direta de inconstitucionalidade. Sms. 360, 614, 642.

    Ao penal. Sms. 388, 524, 554, 601, 607, 608, 609.

    Ao popular. Sms. 365.Ao previdenciria. Sms. 689.

    status de geral, assim como propiciar leituras rpidas que estimulem a memorizao textual e

  • 15$

    9. QUADRO SINPTICODIREITO ADMINISTRATIVO

    1. ATOS ADMINISTRATIVOS

    Smula n 473 A administrao pode anular seus prprios atos, quando eivados de vcios que os tornam ilegais, porque deles no se originam direitos; ou revog-los, por motivo de convenincia ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, e ressalva-

    aplicvel

    A organizao da obra estruturada de forma utilitria para apresentar e discutir sobretudo, atual.

  • 19'$

    CAPTULO I

    DIREITO ADMINISTRATIVO

    SUMRIO

    1. Atos administrativos

    2. Bens pblicos

    3. Concurso pblico

    4. Desapropriao

    5. Poder de polcia

    6. Prescrio administrativa

    7. Processo administrativo disciplinar

    8. Servidor pblico

    8.1. Demisso

    8.2. Disponibilidade

    8.3. Mandato eletivo

    8.4. Readaptao

    8.5. Remunerao

    8.6. Tempo de servio

    8.7. Vitaliciedade

    8.8. Legislao revogada

    8.9. Nomeao

    9. Quadro sinptico

    1. ATOS ADMINISTRATIVOS Smula aplicvel.

    O princpio da autotutela estabelece que a Administrao pode controlar seus -nientes ou inoportunos, independente de reviso pelo Poder Judicirio1. princpio sedimentado na Smula n 346 e na Smula n 473 da Corte Suprema, que se com-plementam.

    Distino entre revogao e anulao: aquela compete prpria autoridade ad-ministrativa; esta, autoridade administrativa ou ao Poder Judicirio. A revogao se d por motivos de convenincia ou oportunidade, no sendo possvel sua ocorrncia caber quando o ato contiver vcio que o torne ilegal (no ser possvel falar, ento, de 2

    1. MARINELA, Fernanda. Direito administrativo. Vol. I. 3. ed. ampl., rev. e atual. Salvador: JusPODIVM, 2007, p. 32.

    2. STF. 1 Turma. RE 27031/SP. Rel.: Min. Luiz Gallotti. DJ 4.8.1955.

  • 20 55)) $&09 0-*&

    Smula Vinculante 3. Nos processos perante o Tribunal de Contas da Unio asseguram-se o contraditrio e a ampla defesa quando da deciso puder resultar anulao ou revogao de ato administrativo que beneficie o interessado, excetuada a apreciao da legalidade do ato de concesso inicial de aposentadoria, reforma e penso.

    [...] 1. Ao Estado facultada a revogao de atos que repute ilegalmente praticados; porm, se de tais atos j decorreram efeitos concretos, seu desfazimento deve ser precedido de regular processo administrativo. 2. Ordem de reviso de contagem de tempo de servio, de cancela-mento de quinqunios e de devoluo de valores tidos por indevidamente recebidos apenas pode ser imposta ao servidor depois de submetida a questo ao devido processo administra-tivo, em que se mostra de obrigatria observncia o respeito ao princpio do contraditrio e da ampla defesa. [...]. (STJ, RE 594296, Rel. Min. Dias Toffoli, Pleno, repercusso geral mrito, DJe 13.2.2012)

    [...] A Min. Crmen Lcia props a reviso da Smula 473/STF, com eventual alterao do seu enunciado ou com a concesso de fora vinculante, para que seja acrescentada a seguinte expresso garantidos, em todos os casos, o devido processo legal administrativo e a apre-ciao judicial. Advertiu que, assim, evitar-se-ia que essa smula fosse invocada em decises administrativas eivadas de vcios. (STJ, RE 594296, Rel. Min. Dias Toffoli, Pleno, repercusso geral mrito, DJe 13.2.2012, Informativo 641)

    [...] 3. O instituto da cesso, regulamentado pelos arts. 64, 125 e 126 do DL 9.760/46, no constitui modalidade de alienao. Na cesso o Poder Pblico permanece com o domnio do bem cedido, podendo retom-lo a qualquer momento ou receb-lo ao trmino do prazo da cesso. 4. A existncia de clusula resolutiva especial no termo de cesso no afasta sua pre-cariedade, vez que subsiste a possibilidade de resoluo do contrato em decorrncia da clu-sula resolutiva geral inerente a qualquer contrato administrativo. A prevalncia dessa clusula afirmada no enunciado da Smula 473/STF, na assero de que a Administrao pode revo-gar seus prprios atos por motivo de convenincia ou oportunidade. No se d, na hiptese, ofensa a ato jurdico perfeito ou a direito adquirido posse do imvel. [...]. (AR 1333, Rel. Min. Eros Grau, Pleno, DJe 25.6.2010)

    [...] No se revela constitucionalmente lcito, ao Legislativo, decretar a nulidade do proce-dimento administrativo do concurso pblico, sob pretexto de infringncia, por rgos do Poder Executivo, de prescries legais. A norma legal que invalida todo concurso pblico em que ficar comprovada a transgresso desta Lei, por qualificar-se como inadmissvel sen-tena legislativa, ofende o postulado da separao de poderes. que, em tal hiptese, dar--se- indevida substituio, pelo Legislativo, do Poder Judicirio, a cujos rgos se reservou, constitucionalmente, a funo de dirimir conflitos de interesses, sem prejuzo, no entanto, do reconhecimento de que se inclui, na esfera de atribuies da Administrao, o poder de (...) anular seus prprios atos, quando eivados de vcios que os tornam ilegais (...) (Smula 473/STF), incumbindo, desse modo, o exerccio de tal prerrogativa, ao rgo estatal competente que promove referidos certames seletivos. [...]. (STF. Pleno. ADI-MC 776/RS. Rel.: Min. Celso de Mello. DJ 15.12.2006)

    [...] A Administrao Pblica pode anular seus prprios atos, quando inquinados de ilegalidade (Smula 473); mas, se a atividade do agente pblico acarretou danos patrimoniais ou morais a outrem salvo culpa exclusiva dele, eles devero ser ressarcidos, de acordo com o disposto no art. 37, 6, da Constituio Federal. (STF. 1 Turma. RE 460881/MA. Rel.: Min. Seplveda Pertence. DJ 12.5.2006)

    [...] 1. Esta Corte j afirmou ser invivel a tripla acumulao de cargos pblicos. [...]. 2. Sob a gide da Constituio anterior, o Plenrio desta Corte, ao julgar o RE 101126, assentou que as fundaes institudas pelo Poder Pblico, que assumem a gesto de servio estatal e se sub-

  • 21'$metem a regime administrativo previsto, nos Estados-membros, por leis estaduais so funda-es de direito pblico, e, portanto, pessoas jurdicas de direito