#18 - GUIA CURITIBA APRESENTA - DEZEMBRO/2008

  • View
    226

  • Download
    6

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Confira as atrações do Natal Encantado. Pág. 12 Pág. 49 CURITIBA APRESENTA - nº18 - dezembro de 2008 | Distribuição Gratuita

Text of #18 - GUIA CURITIBA APRESENTA - DEZEMBRO/2008

  • DEZEMBRO2008

    Confira as atraes

    do Natal Encantado.

    Pg. 49

    CU

    RIT

    IBA

    APR

    ESEN

    TA -

    n1

    8 -

    deze

    mbr

    o de

    200

    8 |

    Dis

    trib

    ui

    o G

    ratu

    ita

    Inaugurao da nova Casa da

    Leitura no Parque So Loureno.

    Pg. 12

  • n d i c e

    Entrev ista Paulino Viapiana, presidente da Fundao Cultural de Curit iba, faz um balano dos 4 anos frente da instituio 04

    Imperd ve l 06

    Teatro e C i rco Uma comdia de costumes antigos 08

    L i teratura Casa da Leitura Augusto Stresser 12

    Dana Dana de ponta a ponta 16

    Msica pera I lustrada encerra temporada 2008 20

    C inema Lance Maior comemora 40 anos 30

    Artes V isuais Nova edio do Atel ier Aberto traz boas opes de compras para o Natal 36

    In fant i l Pinturas Infantis - tradio e tima opo de lazer 44

    Ar te por Onde Voc Anda Auto de Natal 48

    Nata l Encantado 49

    D iv i r ta -se 52

    Endereos e Contatos 56

    Informaes Tur st icas 63

    Conselho Editorial - Paulino Viapiana, Marcelo Simas Cattani, Jos Roberto Lana, Lois-mary Pache, Christine Vianna Baptista, Thaisa Marques Teixeira Sade. Jornalista Responsvel - Juliana Ceccato Pires MTB 5788. Colaboradores - Ado de Arajo, Aparecido Casemiro de Oliveira, Carla Anete Berwig, Izabel Taschini, Jayne Sfair Suny, Lucas Ajuz, Luclia Guimares, Luiz Cequinel, Mayra Pedroso, Miguel Gubert, Srgio Serena, Vivian Siedel Schroeder, Zeca Cor-ra Leite. Capa Natal HSBC (Direo de Arte: Gabriel Mesquita, Fotografia e ilustrao 3D: Art Luz e Mocape: Diru). Contatos - Departamento de Imprensa (41) 3213-7590 - agendacultural@fcc.curitiba.pr.gov.br e Departamento Comercial (41) 3213-7514 - comercial@icac.org.br. Pro-jeto Grfico - Aliens Design. Endereo - Rua Eng. Rebouas, 1732 Cep: 80230-040 Curitiba-PR. Esta uma publicao do Instituto Curitiba de Arte e Cultura. Todos os direitos reservados.

    Capela Santa Maria Espao CulturalInaugurada em 1939 pela Congregao Marista, a capela foi construda para atender s celebraes eucarsticas, sociais e culturais do colgio. Em estilo neoclssico, ela apresenta composies simtricas, com frisos, pilastras, janelas agrupadas em pares com vitrais colori-dos. Atualmente, o espao destinado a apresentaes de msica antiga, cls-sica e erudita, tornando-se sede oficial da Camerata Antiqua de Curitiba.

    Programao:pera Ilustrada Mirandolina, Pg. 22. O projeto pera Ilustrada uma oportu-nidade para os apreciadores do gnero acompanharem as montagens de grupos selecionados. A Capela Santa Maria Espao Cultural recebe recitais dos trechos mais significativos das peras, intercalados com comentrios sobre o contexto histrico e es-trutura cnica de cada montagem.

    Camerata Antiqua de Curitiba, Pg. 22.No concerto de encerramento da Tempo-rada 2008, Aylton Escobar faz um concerto especial, regendo a Camerata Antiqua de Curitiba. No programa, est a Missa de Santa Ceclia, de Alessandro Scarlatti, obra que comemora a inaugurao da Capela Santa Maria Espao Cultural.

    foto

    : Lui

    z Ce

    quin

    el

  • Paulino Viapiana, presidente da Fundao Cultural de Curitiba, faz um

    balano dos 4 anos frente da instituio.

    Como foi planejar a poltica cultural do municpio?Paradoxalmente, foi difcil e fcil a um s tempo difcil porque a FCC no tinha o hbito de plane-jar suas aes, logo no sabia como planejar; fcil porque a ausncia de planejamento era to evidente que as demandas gritavam por um mnimo de organizao diante da inrcia institucionalizada. Qualificamos as demandas, dimensionamos nossas habilidades e capacidades, aprendemos a planejar e apresentamos um novo conjunto de produtos e servios comunidade. Foi como acender uma luz no breu.

    Quais as metas que pautaram esta poltica? So trs metas, por ordem de importncia: a de-mocratizao do acesso aos produtos e servios culturais a todos os cidados, o que implicou na descentralizao das aes da FCC; mais recursos de financiamento e de fomento s atividades cul-turais da cidade; e a desburocratizao no acesso aos projetos e recursos destinados cultura.

    Quais foram os principais desafios nesta gesto? Aps detalhado diagnstico da rea cultural da nos-sa cidade, estabelecemos trs objetivos, com me-tas qualitativas e quantitativas, a serem persegui-dos por toda nossa equipe, a saber: a) Revitalizao dos espaos culturais foram 24 obras, que consumiram mais de R$ 10 milhes. Destaques para a Capela Santa Maria, Teatro Nove-las Curitibanas, Paiol, Cinemateca e o Centro Cul-tural do Porto (em obras neste momento). Cultura de qualidade exige boa infra-estrutura e conforto.

    b) Reviso da Lei de Incentivo Cultura cria-mos o PAIC Programa de Apoio e Incentivo Cultura, que introduziu o julgamento de mrito na anlise dos projetos, maior fiscalizao e controle no investimento do dinheiro pblico. Mecenato e Fundo operando com 100% dos recursos disponveis. Em quatro anos, foram aplicados cerca de R$ 50 milhes de reais. O PAIC o principal instrumento de financiamento produo cultural de Curitiba e, por extenso, do Paran, que no dis-pe de ferramenta similar. Foi com esses recursos que a FCC apoiou todas as etapas da atividade cul-tural da capital criao, produo, circulao. c) Reestruturao da FCC a meta devolver a Fundao para a Fundao foi alcanada antes mesmo do fim do mandato. O primeiro grande pas-so foi agrupar toda a estrutura gerencial num mes-mo local o Moinho Rebouas, para onde transfe-rimos a sede da FCC em Abril de 2006. Todos os equipamentos da nova sede eram novos mesas, computadores, telefones, armrios, impressoras, acessrios. Foi um excepcional up-grade na quali-dade de trabalho da equipe. O segundo degrau foi investir em qualificao profissional: em quatro anos, todos os colaboradores passaram por um ou mais cursos de qualificao, melhorando seus conhecimentos especficos. O terceiro elemento foi a definio dos centros de excelncia cinema e vdeo na Cinemateca, teatro no Novelas Curitiba-nas, artes grficas no Solar do Baro, MPB no Con-servatrio, msica erudita na Capela, literatura no Palacete Wolf, dana na Casa Hoffmann, msica alternativa no TUC. E cada espao com gente es-pecializada para valorizar cada rea. Por fim, mas no menos importante, criamos duas novas reas fo

    tos:

    Alic

    e Ro

    drig

    ues

    > Paulino Viapiana

    de Marketing e de Incentivo Cultura. A primeira para construir relaes com a iniciativa privada e a segunda para gerir com dedicao exclusiva os projetos da nova lei de incentivo. Em sntese, a Fundao deixou de ser uma promotora de even-tos culturais desordenados para tornar-se gestora de uma poltica cultural perene. Os resultados no poderiam ser mais animadores.

    No que o cenrio de hoje diferente de 4 anos atrs?H poucas semelhanas entre a Fundao Cultural de hoje e aquela que encontramos em janeiro de 2005. Em comum apenas o fato de ser a respon-svel pela poltica cultural da cidade, com a crucial diferena de que hoje essa poltica existe de fato, perceptvel a olho nu, e pode ser medida a partir de vrios indicadores.

    O dado mais estarrecedor do gap entre percepo e realidade o fato de at 2005 ser vedado ao cidado, nas audincias pblicas exigidas por lei para a definio dos oramentos pblicos, votar em cultura como prioridade de investimento

    Do ponto de vista de poltica pblica e de gesto na rea cultural havia uma Curitiba antes de 2005 e h outra bem diferente hoje. Mais democrtica, mais antenada aos movimentos culturais locais e no mundo e, o que mais importante, com mais qualidade.

    Qual a importncia do desenvolvimento de aes culturais nos bairros perifricos de Curitiba? A FCC programou para os prximos quatro anos uma expanso do centro para o entorno da capital, integrando-se com a Regio Metropolitana. nes-sas reas que se concentram grandes populaes de baixa renda e que no dispem de equipamen-tos pblicos que ofeream atividades culturais.

    Apesar da crise do momento, so essas popula-es que nos prximos anos estaro ocupando o centro das atenes dos mercados e para elas que o poder pblico deve voltar-se, garantindo uma incluso com valores sociais e culturais de quali-dade.

    Qual o impacto da mudana da Lei do Incentivo para o cenrio cultural da cidade? Com a criao do PAIC, podemos dizer que a cidade ganhou muito mais opo, assim como os artistas e produtores culturais. Alguns editais lanados pelo Fundo Municipal contemplaram reas que antes nem eram cogitadas. Mais do que apenas apoiar propostas j concebidas, os editais foram pen-sados de forma a incentivar tambm a pesquisa, como os editais do Bolsa Produo para artes vi-suais, da Pesquisa em Linguagem Teatral, o Novas Dramaturgias, o de Criao e Produo Literria, o

    de Dana Contempornea, por exemplo, alm de ampliar as oportunidades para os novos talentos e atender a cidade inteira principalmente com o projeto Arte por onde voc anda. Todas as reas e linguagens foram contempladas. No Mecenato sub-sidiado tambm no foi diferente. Enfim, o dilogo com a comunidade e os representantes da classe artstica propiciou a criao de propostas que aju-daram a suprir lacunas existentes e isto pode ser observado tanto no nmero de projetos contem-plados pelo PAIC como na intensa programao cultural disposio do curitibano.

    Como imagina o cenrio cultural de Curitiba nos prximos anos?Curitiba um centro cultural de grande expresso e relevncia, apesar do mito de que h um pensamen-to coletivo negativo trabalhando sempre em sentido contrrio. Suspeito que tanto o mito quanto o pen-samento negativo sejam mera caracterstica do jeito curitibano de ser. A seu modo, como qualquer outro lugar, a cidade tem uma produo cultu