2. Criminologia Ppt

  • View
    456

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of 2. Criminologia Ppt

CRIMINOLOGIA1.

Conceito: uma cincia emprica que cuida do crime, do delinquente, da vtima e do controle social dos delitos A Criminologia procura buscar a origem da delinquencia a Cincia do crime. Topinard (1830-1911), antroplogo francs foi o primeiro a se referir ao termo Criminologia Lombroso: LUomo Delinquente (1876) com a tese do criminoso nato Rousseau: A causa do delito est na sociedade

2. Diviso: 2.1.Biologia Criminal: Estuda o crime como fenmeno individual observando no criminoso os aspectos fsicos, fisiolgicos e psicolgicos. a)Antropologia criminal (Lombroso): Estuda o criminoso do ponto de vista de sua constituio fsica e fatores endgenos (rosto, gentica, hereditariedade) e a atuao do delinquente no ambiente fsico e social. b)Psicologia criminal: estuda as condies psicolgicas do homem na formao do ato delituoso, do dolo ou culpa, da periculosidade e da aplicao da pena ou da medida de segurana, no ponto de vista individual, coletivo e forense. c)Endocrinologia criminal: Estuda as glndulas de secreo internas e sua influncia na conduta do homem.

2.2.Sociologia Criminal: Estuda os fatores externos causa do crime e as consequncias deste para a sociedade a)Poltica Criminal: busca meios de reprimir a delinquencia b)Vitimologia: estuda a influncia da vtima no comportamento do criminoso

POLITICA CRIMINALa)Poltica Criminal: busca meios de reprimir a delinquencia b)Vitimologia: estuda a influncia da vtima no comportamento do criminoso

3. Principais Escolas: a)Escola Clssica: Beccaria (sculo XVIII) b)Escola Positiva (Lombroso, sculo XIX) c)Escola Sociolgica (Von Liszt) -Quadros comparativos:

Proposio

Princpios da Escola Clssica uma entidade jurdica que deve estar contida na lei promulgada, tornada pblica para que todos sintam ameaa da pena proporcionalmente retributiva, tambm contida na lei. um componente indistinto na sociedade igual a qualquer ser humano, no havendo falar-se de diferena de carter .

Princpios da Escola Positiva um fato humano e social. Um fenmeno natural produzido por causas biolgicas, fsicas e sociais.

Delito

Delinquente

H variedades tipolgicas de delinquentes. Estes so diversificados por seus estados psquicos e biolgicos e considerados anormais. Por isso, eles so distintos dos homens normais.

Fatores crimingenos

No h o que falar em fatores crimingenos. O homem no impelido ao crime por fatores de ordem fsica, ambiental, biolgica ou social. O homem dotado de livre arbtrio, isto , dotado de inteligncia e conscincia livres e em condies de discernir e escolher o bem ou o mal. Se torna-se criminoso porque quer. Se pratica o crime porque quer.

O homem voltado ao crime, impelido por fatores geradores do comportamento criminoso.

Arbtrio

O homem no tem a vontade nem a inteligncia livres ou autnomas para a escolha de solues contrrias, como o bem e o mal. So fatores internos ou externos (que determinam o crime). So fatores fsicos, biolgicos e sociais que influenciam o psiquismo e o comportamento criminoso. O homem responsvel porque vive em sociedade. Pelo fato de conviver em sociedade ele se faz sujeito de direitos e deveres e, por isso, responsvel.

Responsabilidade

A responsabilidade penal tem por fundamento a responsabilidade moral que advm da imputabilidade moral que deriva, por sua vez, do livre arbtrio.

Pena

retributiva, aflitiva, intimidativa e expiatria. Um mal tem que ser pago com outro mal.

uma reao social contra o crime. Se o homem coexiste e convive em sociedade e a perturba com a prtica de crimes, esta mesma sociedade reage e se defende com a pena contra criminoso A doutrina positivista se preocupa com a pessoa do criminoso, buscando saber quais os fatores que o levaram ao crime e o estado perigoso em que ele se encontra. O grau de periculosidade ou temibilidade que determina a gravidade da pena.

Preocupao

A doutrina clssica se preocupa com a legalidade e a justia, principalmente penal.

Medida da Pena

A gravidade dos elementos, material e moral, que determina a proporo da pena. A pena tem que ser proporcional ao crime. O Juiz no deve ser mais do que a boca que pronuncia a lei. a expresso da lei.

O Juiz

O Juiz deve individualizar a pena, isto , deve levar em considerao a periculosidade (ou o estado do perigoso) para a aplicao da pena. Positivo, indutivo ou experimental, que parte do geral para o particular ou do todo para as partes.

Mtodo

Apriorstico, metafsico, dedutivo, ou lgico-abstrato que parte de relaes singulares e determinaes lgicas para chegar construo integral do sistema jurdico.