Click here to load reader

2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017filarmonica.art.br/wp-content/uploads/2017/08/2017_pv8_fortissimo... · LINHA DO TEMPO — 8 de 12 Em cada programa de concerto das

  • View
    213

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016...

  • 200

    820

    09

    2010

    2011

    2012

    2013

    2014

    2015

    2016

    2017

    F O R T I S S I M O N 1 6 2017

    31 AGO01 S E T

    VOC E S T AQUI

    PrestoVeloce

  • 200

    820

    09

    2010

    2011

    2013

    2014

    2015

    2016

    2017

    LINHA DO TEMPO 8 de 12 Em cada programa de concerto das sries Allegro, Vivace, Presto e Veloce voc encontra um pedacinho da nossa histria. No fim do ano, teremos relembrado nosso percurso at a dcima temporada.

    2012

    10, 11 e 12 out 17, 18 e 19 out

    13 dez

    Festival Richard StraussPara comemorar os 150 anos desse singular compositor que criou uma obra tanto vasta quanto plural, dez peas foram interpretadas em trs concertos que contaram com a presena do pianista Arnaldo Cohen, da soprano Adriane Queiroz e do trompista Szabolcs Zemplni, dirigidos pelo maestro Fabio Mechetti.

    Pedro, o lobo, Giramundo e FilarmnicaA montagem do Giramundo Teatro de Bonecos para a amada pea de Prokofiev j um clssico das artes cnicas de Minas Gerais. Com ela, a Filarmnica conheceu novas parcerias no palco, uma experincia da mais pura emoo, com regncia do maestro Marcos Arakaki em cinco concertos para 6.374 pessoas.

    Parceria com o Grupo CorpoA Filarmnica foi convidada a gravar

    a primeira obra orquestral criada especialmente para o Grupo Corpo, trilha

    do espetculo que celebrou os quarenta anos da companhia. Dana Sinfnica, de

    Marco Antnio Guimares, editada em CD, traz tambm a sonoridade do grupo Uakti. A Orquestra foi regida por Fabio Mechetti.

    FOTO

    : R

    AFA

    EL M

    OTT

    A

    FOTO

    : A

    LEX

    AN

    DR

    E R

    EZEN

    DE

    25 fev 3, 15 e 24 jul

    Primeiro Ensaio Experimental na Sala Minas Gerais

    Em meio a poeira e expectativa, a Orquestra subiu ao palco da Sala Minas Gerais pela primeira vez.

    Ao vivenciar uma acstica to esperada, maestros, msicos e pblico sentiram crescer o desejo de

    ocupar o novo espao. No repertrio, dirigido por Fabio Mechetti, no poderia faltar o Hino Nacional

    Brasileiro, acompanhado de Carlos Gomes, Guarnieri e Tchaikovsky.

    ltima temporada no Palcio das ArtesEste foi o ano de despedida do Grande Teatro, que abrigou a aurora da Filarmnica. Aps sete temporadas, 132 artistas convidados, 437 obras e um pblico de 221.981 pessoas, a Orquestra seguiu seu destino rumo Sala Minas Gerais.

    FOTO

    : R

    AFA

    EL M

    OTT

    A

  • F A B I O M E C H E T T IDiretor Artstico e Regente Titular

    Repblica Tcheca, Luks Vondrcek.

    Sob a regncia de nosso regente

    associado Marcos Arakaki, ele

    interpretar a famosa Rapsdia sobre

    um tema de Paganini, de Rachmaninov.

    Trs outras peas de imenso contraste

    tero sua primeira interpretao pela

    Filarmnica: a solene Abertura de

    Bruckner (dentro de sua linguagem

    romntica), a neoclssica Sinfonia em D

    de Stravinsky (como uma contempornea

    homenagem a um dos perodos mais

    ricos da histria da msica) e a alegria

    contagiante das valsas contidas na pera

    O cavaleiro da rosa de Richard Strauss.

    Um excelente concerto a todos.

    Um dos mais importantes concursos

    internacionais de msica revela,

    a cada ano, um jovem instrumentista

    que combina a maturidade de um

    artista formado com a potencialidade

    de um jovem que embarca numa

    carreira global. Esse concurso o

    Rainha Elisabete da Blgica. E seu

    ltimo vencedor foi o pianista da

    Caros amigos e amigas,

    FOTO

    : R

    AFA

    EL M

    OTT

    A

  • FOTO

    : EU

    GN

    IO S

    V

    IO

    Desde 2008, Fabio Mechetti Diretor Artstico

    e Regente Titular da Orquestra Filarmnica

    de Minas Gerais, sendo responsvel pela

    implementao de um dos projetos mais bem-

    sucedidos no cenrio musical brasileiro. Com

    seu trabalho, Mechetti posicionou a orquestra

    mineira nos cenrios nacional e internacional

    e conquistou vrios prmios. Com ela,

    realizou turns pelo Uruguai e Argentina

    e realizou gravaes para o selo Naxos.

    Natural de So Paulo, Fabio Mechetti serviu

    recentemente como Regente Principal

    da Orquestra Filarmnica da Malsia,

    tornando-se o primeiro regente brasileiro a

    ser titular de uma orquestra asitica. Depois

    de quatorze anos frente da Orquestra

    Sinfnica de Jacksonville, Estados Unidos,

    atualmente seu Regente Titular Emrito.

    Foi tambm Regente Titular da Sinfnica

    de Syracuse e da Sinfnica de Spokane.

    Desta ltima , agora, Regente Emrito.

    Foi regente associado de Mstislav

    Rostropovich na Orquestra Sinfnica

    Nacional de Washington e com ela dirigiu

    concertos no Kennedy Center e no Capitlio

    norte-americano. Da Orquestra Sinfnica

    de San Diego, foi Regente Residente.

    Fez sua estreia no Carnegie Hall de

    Nova York conduzindo a Orquestra Sinfnica

    de Nova Jersey e tem dirigido inmeras

    orquestras norte-americanas, como as de

    Seattle, Buffalo, Utah, Rochester, Phoenix,

    Columbus, entre outras. convidado

    frequente dos festivais de vero nos

    Estados Unidos, entre eles os de Grant Park

    em Chicago e Chautauqua em Nova York.

    Realizou diversos concertos no Mxico,

    Espanha e Venezuela. No Japo dirigiu as

    orquestras sinfnicas de Tquio, Sapporo

    e Hiroshima. Regeu tambm a Orquestra

    Sinfnica da BBC da Esccia, a Orquestra

    da Rdio e TV Espanhola em Madrid,

    a Filarmnica de Auckland, Nova Zelndia,

    e a Orquestra Sinfnica de Quebec, Canad.

    Vencedor do Concurso Internacional de Regncia

    Nicolai Malko, na Dinamarca, Mechetti dirige

    regularmente na Escandinvia, particularmente

    a Orquestra da Rdio Dinamarquesa e a de

    Helsingborg, Sucia. Recentemente fez sua

    estreia na Finlndia, dirigindo a Filarmnica

    de Tampere, e na Itlia, dirigindo a Orquestra

    Sinfnica de Roma. Em 2016 estreou com

    a Filarmnica de Odense, na Dinamarca.

    No Brasil, foi convidado a dirigir a Sinfnica

    Brasileira, a Estadual de So Paulo, as orquestras

    de Porto Alegre e Braslia e as municipais de

    So Paulo e do Rio de Janeiro. Trabalhou com

    artistas como Alicia de Larrocha, Thomas

    Hampson, Frederica von Stade, Arnaldo Cohen,

    Nelson Freire, Emanuel Ax, Gil Shaham, Midori,

    Evelyn Glennie, Kathleen Battle, entre outros.

    Igualmente aclamado como regente de

    pera, estreou nos Estados Unidos dirigindo

    a pera de Washington. No seu repertrio

    destacam-se produes de Tosca, Turandot,

    Carmem, Don Giovanni, Cos fan tutte,

    La Bohme, Madame Butterfly, O barbeiro

    de Sevilha, La Traviata e Otello.

    Fabio Mechetti recebeu ttulos de mestrado

    em Regncia e em Composio pela

    prestigiosa Juilliard School de Nova York.

    Fabio MechettiD I R E T O R A R T S T I C O E R E G E N T E T I T U L A R

  • MARCOS ARAKAKI , regente

    LUKS VONDRCEK , piano programa

    31 AGO e 1 SETPresto e Veloce

    *Ministrio da Cultura, Governo de Minas Gerais e Ita Personnalit apresentam

    A N T O N B R U C K N E R

    I G O R S T R A V I N S K Y

    R I C H A R D S T R A U S S

    Abertura em sol menor

    Sinfonia em D Moderato alla breve

    Larghetto concertante

    Allegretto

    Adagio

    O cavaleiro da rosa, op. 59: Primeira sequncia de valsas

    *S E R G E I R A C H M A N I N O V

    Rapsdia sobre um tema de Paganini, op. 43

    intervalo

  • FOTO

    : R

    AFA

    EL M

    OTT

    A

    Marcos Arakaki Regente Associado da

    Filarmnica de Minas Gerais e colabora

    com a Orquestra desde 2011. Sua trajetria

    artstica marcada por prmios como o do

    1 Concurso Nacional Eleazar de Carvalho

    para Jovens Regentes, promovido pela

    Orquestra Petrobras Sinfnica em 2001,

    e o Prmio Camargo Guarnieri, concedido

    pelo Festival Internacional de Campos do

    Jordo em 2009, ambos como primeiro

    colocado. Foi tambm semifinalista no

    3 Concurso Internacional Eduardo Mata,

    realizado na Cidade do Mxico em 2007.

    Marcos Arakaki tem dirigido outras

    importantes orquestras no Brasil e no

    exterior. Esto entre elas as orquestras

    sinfnicas Brasileira (OSB), do Estado de

    So Paulo (Osesp), do Teatro Nacional

    Claudio Santoro, do Paran, de Campinas,

    do Esprito Santo, da Paraba, da

    Universidade de So Paulo, a Filarmnica

    de Gois, Petrobras Sinfnica, Orquestra

    Experimental de Repertrio, orquestras

    de Cmara da Cidade de Curitiba e da

    Osesp, Camerata Fukuda, dentre outras. No

    exterior, dirigiu a Filarmnica de Buenos

    Aires, Sinfnica de Xalapa, Filarmnica

    da Universidade Autnoma do Mxico,

    Kharkiv Philharmonic da Ucrnia e a Boshlav

    Martinu Philharmonic da Repblica Tcheca.

    Arakaki tem acompanhado importantes

    artistas, como Gabriela Montero, Sergio

    Tiempo, Anna Vinnitskaya, Sofya Gulyak,

    Ricardo Castro, Rachel Barton Pine, Chlo

    Hanslip, Luz Filp, Gnter Klauss, Eddie

    Daniels, David Gerrier e Yamandu Costa.

    Por quatro temporadas, foi regente assistente

    da Orquestra Sinfnica Brasileira. Foi

    regente titular da OSB Jovem, recebendo

    grande reconhecimento da crtica e do

    pblico por sua reestruturao, e da

    Orquestra Sinfnica da Paraba.

    Natural de So Paulo, Marcos Arakaki

    Bacharel em Msica pela Universidade

    Estadual Paulista, na classe de Violino do

    professor Ayrton Pinto; em 2004 concluiu

    o mestrado em Regncia Orquestral pela

    Universidade de Massachusetts, Estados

    Unidos. Participou do Aspen Music

    Festival and School (2005), recebendo

    orientaes de David Zinman na American

    Academy of Conducting at Aspen, nos

    Estados Unidos. Tambm esteve em

    masterclasses com os maestros Kurt Masur,

    Charles Dutoit e Sir Neville Marriner.

    Nos ltimos dez anos, Marcos Arakaki

    tem contribudo de forma decisiva para a

    formao de novas plateias, por meio de

    apresentaes didticas, bem como para a

    difuso da msica de concertos atravs de

    turns a mais de setenta cidades brasileiras.

    Atua, ainda, como coordenador pedaggico,

    professor e palestrante em diversos projetos

    culturais, instituies musicais, universidades

    e conservatrios de vrios estados brasileiros.

    M A R C O S A R A K A K I

  • Luks Vondrcek fez sua primeira apario

    pblica aos quatro anos de idade. Em 2002,

    aos quinze anos, estreou profissionalmente

    com a Orquestra Filarmnica Tcheca, sob a

    regncia de Vladimir Ashkenazy. Com eles,

    no ano seguinte, realizou turn pelos Estados

    Unidos. Musicalidade natural, autoconfiana,

    alm de uma habilidade tcnica notvel, h

    muito marcam Vondrcek como um msico

    talentoso e maduro. Entre os maestros

    conceituados com os quais j trabalhou esto

    Paavo Jrvi, Gianandrea Noseda, Marin Alsop,

    Christoph Eschenbach, Zdenek Mcal, Pietari

    Inkinen, Vasily Petrenko, Michal Nesterowicz,

    Jakub Hrusa, Christoph Poppen, Anu Tali,

    Han-Na Chang e Xian Zhang.

    Na temporada 2016/2017, Vondrcek

    apresentou-se em concertos com as sinfnicas

    de Praga, da Rdio de Praga, Filarmnica

    Tcheca, Filarmnica de Luxemburgo, de

    Gran Canaria, Filarmnica de Oslo e

    Sinfnica de Nova Jersey. Seu trabalho

    se estende a vrios conjuntos de renome,

    como as orquestras filarmnicas de Londres,

    de So Petersburgo e Royal Liverpool;

    as orquestras Philharmonia e Gulbenkian;

    as sinfnicas Wiener Symphoniker,

    Tonhalle-Orchester Zrich, Deutsches

    Symphonie-Orchester Berlin, NDR, NHK,

    de Cincinnati e Nacional de Washington.

    Em um de seus trabalhos mais recentes,

    Vondrcek realizou turn pela Espanha,

    com a Orquesta Sinfnica de Euskadi e o

    maestro Michal Nesterowicz, e pela Austrlia,

    incluindo performances com as orquestras

    West Australian e Sydney Symphony.

    Luks tambm apresentou-se em recitais no

    Wigmore Hall de Londres, Carnegie Hall

    de Nova York, Tonhalle de Zurique,

    Konzerthaus de Viena, Concertgebouw de

    Amsterd, Casa da Msica no Porto, Palais

    des Beaux Arts de Bruxelas, dentre outros.

    Em 2016, Luks Vondrcek venceu um

    dos mais importantes concursos musicais

    do mundo, o Rainha Elisabeth da Blgica.

    Ele tambm foi primeiro colocado nas

    competies internacionais Hilton Head,

    San Marino e Unisa, alm de receber o

    Raymond E. Buck Jury Discretionary Award

    do concurso Van Cliburn.

    Aps estudos na Academia de Msica

    de Katowice, Polnia, e no Conservatrio

    de Viena, Luks Vondrcek obteve um

    Artist Diploma no New England Conservatory,

    Estados Unidos, sob a tutela de Hung-Kuan

    Chen, formando-se com honras em 2012.

    Sua primeira gravao comercial, um lbum

    solo pela Octavia Records, com obras de

    Mendelssohn, Liszt, Jancek e Dohnnyi,

    foi lanado em 2004. O segundo, com

    obras de Haydn, Rachmaninov e Prokofiev,

    saiu em 2012, pela TwoPianists Records.

    O disco mais recente, com obras de

    Brahms, intitulado Im Glsernen Schloss,

    foi lanado em 2013, sob o selo ORF.

    FOTO

    : IR

    ENE

    KIM

    L U K S V O N D R C E K

  • A N T O N B R U C K N E RAbertura em sol menor

    Essa estranha figura que vive todo

    o sculo XIX mais moderna do

    que aparenta. Anton Bruckner foi

    elevado, a contragosto, categoria

    de inaugurador de uma escola...

    Assim como Brahms. Partidrios de

    um e de outro opuseram-nos em vida.

    O classicismo das sinfonias de ambos

    animado por um sopro indubitavelmente

    romntico, mas o de Bruckner se alinha

    mais com a tradio vienense, pela

    franqueza meldica, cuja acessibilidade

    o deixa mais livre e mais ousado.

    H quem diga que Bruckner tenha

    uma importncia histrica mesmo

    maior que a de Brahms: sua obra

    se situa em um estgio capital

    entre Mahler e o Schubert da

    Grande Sinfonia em D maior.

    Sua vida e sua obra so todas guiadas

    pela f, inquebrantvel, devota, que

    a sua fonte maior. Organista, sua

    obra sinfnica remete no raro

    sonoridade do rgo romntico, seja

    pela disposio homognea de famlias

    instrumentais, seja pelos cheios que

    agregam todos os registros. Os extensos

    desenvolvimentos de suas sinfonias

    tm uma conotao quase metafsica...

    exalam um odor de eternidade em que o

    tempo no conta no dilogo com Deus.

    Na sua linguagem, a herana de

    Beethoven e Schubert imiscui-se

    da msica de Wagner, que

    determinante em sua escrita orquestral,

    sem, no entanto, faz-la perder a

    originalidade. Fato que, com isso,

    Bruckner acaba sendo adotado pela

    modernidade, que o ala a uma

    espcie de lugar paradigmtico.

    O compositor da Abertura em sol menor,

    no entanto, relativamente diverso

    do compositor das extensas nove

    sinfonias (na verdade, o nmero real

    conta onze, sendo que duas so obras

    de juventude, assim como a Abertura).

    Sinttico, quase clssico, ainda a

    um jovem compositor que se ouve

    (a despeito dos seus trinta e oito anos),

    anterior primeira sinfonia, cuja herana

    beethoveniana inquestionvel.

    Ainda em Linz, estudando com

    Otto Kitzler, Bruckner compe, em

    1862, suas quatro primeiras obras

    orquestrais. A obra seguinte, composta

    entre 1862 e 1863, ainda sob a orientao

    de Kitzler, foi a Abertura em sol menor.

    Publicada e estreada somente em 1921,

    em Kolsterneuburg, ustria, sob a batuta

    de Franz Moissl, a obra sofreu algumas

    alteraes a partir de sua concepo,

    sempre orientadas por Kitzler.

    V-se, com isso, o Bruckner histrico,

    quase anedtico: um homem de

    origem camponesa, que se cria sem

    cultura (o que, do ponto de vista

    livresco, no deixa de ser verdade),

    cuja tenacidade no trabalho (sempre

    reverente a seus mestres) e cujo instinto

    o alaram a um lugar de importncia

    fundamental na histria da msica.

    Do Bruckner da Abertura em sol menor

    ao Bruckner do Requiem em r menor

    ou do Te Deum h um grande espao...

    Mas ele no vcuo. O resultado de

    um fruto do trabalho do outro.

    MOACYR LATERZA FILHO Pianista e

    cravista, Doutor em Literaturas de

    Lngua Portuguesa, professor da

    Universidade do Estado de Minas Gerais

    e da Fundao de Educao Artstica.

    1862/1863Ansfelden, ustria, 1824

    12 min

    INSTRUMENTAO Piccolo, flauta, 2 obos, 2 clarinetes, 2 fagotes, 2 trompas, 2 trompetes, 3 trombones, tmpanos, cordas.

    EDITORA Universal Edition

    PARA OUVIR CD Bruckner Symphony No. 0; Overture in G minor Radio-Symphonie-Orchester Berlin Riccardo Chailly, regente Decca 1989

    PARA LER Crawford Howie; Paul Hawkshaw; Timothy Jackson Perspectives on Anton Bruckner Routledge 2017

    Viena, ustria, 1896

  • A estreia do bailado O pssaro de fogo

    na pera de Paris em 25 de junho

    de 1910 transformou o compositor

    russo Igor Stravinsky em celebridade

    aos 28 anos de idade. Ao prolongar

    sua estada no Ocidente, ele deixava

    para trs o crculo do falecido Rimsky-

    Korsakov e uma tradio em declnio

    para inserir-se no cerne de um meio

    sofisticado, onde era tratado como

    igual. Os bailados Petrushka em 1911

    e A Sagrao da Primavera em 1913

    estabeleceram sua reputao.

    Durante a Primeira Guerra o

    compositor refugia-se na Sua,

    onde compe Renard (1916),

    Histria do Soldado (1918) e d incio

    a As Bodas (1923). Em 1920 ele retorna

    Frana com o bailado Pulcinella,

    no qual remodela obras de Pergolesi

    e outros autores com harmonias novas,

    deslocamentos mtricos e orquestraes

    condimentadas. Em 1922 a pera Mavra

    abre um neoclassicismo particular no

    qual decises de estilo e linguagem

    tornam-se to relevantes quanto

    decises de forma e material

    formalismos modernos a interrogar

    formas tradicionais. Seguem-se o

    Octeto (1923), a pera Oedipus rex (1927),

    os bailados Apollon musagte (1928) e

    Le baiser de la fe (1928), o Capricho (1929),

    a Sinfonia dos Salmos (1930), o Concerto

    para violino (1931), o bailado Persphone

    (1934) e o Concerto em mi bemol (1938).

    Os primeiros esboos do que viria a

    ser a Sinfonia em D foram anotados

    num caderno de hotel em Evanston,

    Illinois, em 3 de maro de 1937, durante

    a terceira turn do compositor pelos

    Estados Unidos. Ele os retoma durante

    o outono de 1938 no apartamento da

    rua do Faubourg Saint-Honor, em

    Paris, quando sua vida domstica

    comea a desintegrar-se: a filha

    Ludmila morre em 30 de novembro,

    seguida pela esposa Catarina em 2 de

    maro de 1939, ambas vitimadas pela

    tuberculose. Stravinsky interna-se por

    cinco meses na clnica de Sancellemoz,

    Sua, diante do Monte Branco, onde

    conclui os dois primeiros movimentos.

    Em 7 de junho de 1939 ele perde a me.

    Dos Alpes, escreve: Minha casa, minha

    famlia est destruda j nada tenho

    a fazer em Paris... E deixa a clnica

    na vspera da declarao de guerra.

    Na Alemanha, passara a ser tido por

    etnicamente judeu e artisticamente

    degenerado; na Frana, a crtica j

    no lhe era favorvel; e por toda a

    Europa, os concertos rareavam.

    Trs semanas mais tarde, aps

    depositar seus manuscritos num

    banco, ele embarca no S. S. Manhattan

    para a quarta turn norte-americana,

    que se inicia com um ciclo de

    palestras na Universidade de Harvard.

    Vera Sudeykina, sua amante desde

    1921, chega em janeiro de 1940, e eles

    se casam em Boston para satisfazer os

    costumes locais. Em abril Stravinsky

    completa a Sinfonia em D, dedicada

    Sinfnica de Chicago por ocasio de

    seu quinquagsimo aniversrio, para

    estre-la em 7 de novembro. O casal

    compra casa em West Hollywood,

    onde passa a residir em abril de 1941.

    A Sinfonia em D parte da imagem da

    sinfonia clssica e paga tributo a suas

    formas e procedimentos, mas faz algo em

    essncia diferente: dar prosseguimento

    aos mtodos de Stravinsky num

    exerccio de modelagem que toma

    uma ideia forte por ponto de partida

    de uma jornada criativa pessoal.

    CARLOS PALOMBINI Musiclogo,

    professor da Escola de Msica da

    Universidade Federal de Minas Gerais.

    INSTRUMENTAO Piccolo, 2 flautas, 2 obos, 2 clarinetes, 2 fagotes, 4 trompas, 2 trompetes, 3 trombones, tuba, tmpanos, cordas.

    EDITORA Schott MusicRepresentante exclusivo: Barry Editorial

    PARA OUVIR CD Stravinsky Symphonies Chicago Symphony Orchestra Sir Georg Solti, regente Decca 1999

    Chicago Symphony Orchestra Sir Georg Solti, regenteAcesse: fil.mg/ssinfcso

    PARA ASSISTIR Orchestra Sinfonica di Roma Matthias Manasi, regente Acesse: fil.mg/ssinfosr

    PARA LER Igor Stravinski e Robert Craft Conversas com Igor Stravinski Perspectiva 1984

    I G O R S T R A V I N S K YSinfonia em D

    1940Oranienbaum, atual Lomonosov, Rssia, 1882 Nova York, Estados Unidos, 1971

    30 min

  • S E R G E I R A C H M A N I N O VRapsdia sobre um tema de Paganini, op. 43

    1934

    INSTRUMENTAO Piccolo, 2 flautas, 2 obos, corne ingls, 2 clarinetes, 2 fagotes, 4 trompas, 2 trompetes, 3 trombones, tuba, tmpanos, percusso, harpa, cordas.

    EDITORA Edition Tair

    PARA OUVIR CD Franck-Rachmaninoff-Ravel Cleveland Orchestra George Szell, regente Leon Fleisher, piano CBS 1989

    PARA ASSISTIR Orchestra Sinfonia Nazionale della RAI Eliahu Inbal, regente Lilya Zilberstein, pianoAcesse: fil.mg/rpaganini

    PARA LER Sergei Bertensson e Jay Leyda Sergei Rachmaninoff: a lifetime in music Indiana University Press 2001

    Igor Stravinski e Robert Craft Conversas com Igor Stravinski Perspectiva 1984

    Beverly Hills, Estados Unidos, 1943Oneg, Rssia, 1873

    ltima apresentao desta obra 12 abr 2012Fabio Mechetti, regente | Conrad Tao, piano

    22 min

    Em conversas com Robert Craft, depois

    transformadas em livro, o compositor

    Igor Stravinsky d um depoimento um

    tanto anedtico e no mnimo curioso

    sobre Rachmaninov: Lembro-me das

    primeiras composies de Rachmaninov.

    Eram aquarelas, canes e peas para

    piano influenciadas por Tchaikovsky.

    Depois, aos vinte e quatro anos,

    voltou-se para a pintura a leo,

    e tornou-se, na verdade, um compositor

    velho. No se pensa, porm, que eu v

    desprez-lo por isso. Ele era, como j

    disse, um homem apavorante e, alm

    do mais, h muitos outros para serem

    desprezados antes dele. [...] E ele era

    o nico pianista que jamais encontrei

    que no fazia caretas. Isto j muito.

    Este depoimento, dado por um

    compositor engajado com as mudanas

    revolucionrias por que passa a msica

    no sculo XX, traduz bem a figura de

    Rachmaninov no contexto musical

    contemporneo: aos artistas criadores e

    aos musiclogos, em sua grande maioria,

    sua obra no causa entusiasmo ou

    desprezo. Por outro lado, aos intrpretes

    e ao pblico em geral, ela soa atraente

    e desafiadora... Por vezes, mesmo

    comovente. certo que a linguagem de

    Rachmaninov parece ignorar os caminhos

    abertos por Debussy desde o final do

    sculo XIX e permanece ligada s formas

    tradicionais e s tcnicas de composio

    herdadas do Romantismo. No entanto,

    ele foi, antes de tudo, um pianista.

    A parcela mais importante de sua obra,

    dedicada ao piano, o atesta. Essa ligao

    visceral com o seu instrumento o faz

    adotar uma esttica ultrarromntica, que

    leva a graus exponenciais o tratamento

    pianstico, transcendendo (e s vezes

    superando, sua maneira), inclusive,

    as grandes investidas de Liszt. parte

    as pequenas obras para piano, nota-se

    esse pianismo ultrarromntico

    sobretudo em seus concertos para

    piano e na celebrada Rapsdia sobre

    um tema de Paganini, op. 43.

    Composta em 1934, esta obra foi estreada

    no mesmo ano em Baltimore, Estados

    Unidos, pela Orquestra da Filadlfia,

    sob a regncia de Leopold Stokowski,

    tendo como solista o prprio compositor.

    Trata-se de uma obra concertante, para

    piano e orquestra, constituda de vinte

    e quatro variaes sobre o tema do

    vigsimo quarto Capricho de Paganini

    (composto para violino solo). A figura

    mtica de Paganini, que ajudou a moldar

    a mentalidade romntica, transparece em

    suas obras, de grande dificuldade, cujo

    exemplo mais clebre so justamente os

    vinte e quatro Caprichos. De alguns deles,

    Schumann e Liszt fizeram transcries

    para piano, e Brahms elaborou, com o

    tema principal do ltimo, duas sries

    de variaes para piano. nessa mesma

    tradio romntica que Rachmaninov

    compe sua Rapsdia, op. 43.

    Na obra, notam-se trs sees distintas:

    a primeira, fundamentada no tema original;

    a segunda, que comea a partir da stima

    variao, marcada pela exposio

    de um tema extrado de cantocho, que

    evoca um trecho do Dies Irae, da missa

    para os defuntos; a terceira, que comea

    com a dcima terceira variao, se

    fundamenta na inverso do tema original.

    A obra termina, depois de um crescendo

    contnuo, com o retorno do tema

    original e do Dies Irae, antes expostos.

    A Rapsdia, op. 43, de Rachmaninov

    constitui amostragem clara de seu

    pianismo e de sua linguagem, merecendo,

    por isso mesmo, a ateno e entusiasmo

    de seus intrpretes e de seu pblico.

    MOACYR LATERZA FILHO Pianista e

    cravista, Doutor em Literaturas de

    Lngua Portuguesa, professor da

    Universidade do Estado de Minas Gerais

    e da Fundao de Educao Artstica.

  • R I C H A R D S T R A U S SO cavaleiro da rosa, op. 59: Primeira sequncia de valsas

    O cavaleiro da rosa (Der Rosenkavalier)

    um tributo a Mozart. Trata-se da

    quinta pera de Richard Strauss e

    sua segunda parceria com Hugo von

    Hofmannsthal, escritor e dramaturgo

    vienense. A msica uma fuso do

    estilo refinado de Strauss com a

    leveza mozartiana, com espao para

    vrios momentos da encantadora

    valsa vienense. A ao se d na Viena

    do sculo XVIII. A princesa Maria

    Teresa von Werdenberg (conhecida

    como Marechala, pelo seu casamento

    com o Marechal von Werdenberg), na

    casa dos trinta, tem um caso com o

    jovem Octavian, um jovem cavaleiro

    de famlia nobre (cantado por uma

    mezzo-soprano, assim como o

    Cherubino, de As bodas de Fgaro,

    de Mozart). Quando o caricato

    Baro Ochs auf Lerchenau, parente

    da Marechala, conta-lhe de seu amor

    pela jovem Sophie, ela lhe prope que

    Octavian leve a rosa com a proposta de

    casamento do Baro. No momento em

    que Octavian e Sophie se encontram

    pela primeira vez eles se apaixonam

    perdidamente e, a partir de ento,

    uma srie de situaes cmicas tem

    incio, quando eles tentam, a todo

    custo, esconder de todos o seu amor.

    Ao final, o romance descoberto,

    e a pera termina com um belssimo

    trio cantado por Octavian, Sophie

    e a Marechala, sendo que esta

    ltima cede o amante rival,

    para que possam ser felizes.

    Der Rosenkavalier foi composta nos anos

    1909 e 1910. A primeira apresentao

    se deu na pera de Dresden, no dia

    26 de janeiro de 1911, sob a regncia

    de Ernst von Schuch. O sucesso

    foi to grande que, nos anos que

    se seguiram estreia, a pera foi

    apresentada nos principais teatros

    da Europa e dos Estados Unidos

    para uma plateia cada vez mais

    apaixonada. Mais de um sculo

    depois, possvel ainda perceber

    que a paixo do pblico por esta

    pera no parece diminuir em nada.

    As valsas no existem como peas

    isoladas na pera, mas esto

    presentes na msica de vrias

    cenas, especialmente no segundo e

    terceiro atos. Em 1944, com dinheiro

    confiscado na Inglaterra e falido por

    causa da Segunda Guerra Mundial,

    Richard Strauss criou uma sequncia

    de suas valsas favoritas. Por conter

    valsas dos atos I e II, essa sequncia

    acabou levando o nome de Sequncia

    de Valsas n 1, embora ele j tivesse

    composto, em 1911, uma sequncia

    de valsas extradas dos atos II e III

    (agora renomeada Sequncia de Valsas

    n 2). Em ambas as Sequncias Strauss

    reordenou a ordem de apario das

    valsas, dando prioridade ao sentido

    musical. Uma vez que se trata de

    msica instrumental, e o argumento

    teatral encontra-se ausente, o

    compositor sentiu-se livre para

    acomodar os diversos trechos musicais

    de acordo com sua fantasia. Nessas

    Sequncias, a mestria orquestral

    de Strauss salta imediatamente

    aos ouvidos. Na Sequncia de

    Valsas n 2 Strauss apresenta no

    apenas uma verso condensada

    da introduo da pera como uma

    nova Coda ampliada e brilhante.

    1909/19101944

    (reviso)

    GUILHERME NASCIMENTO

    Compositor, Doutor em Msica pela

    Unicamp, professor na Escola de Msica

    da UEMG, autor dos livros Os sapatos

    floridos no voam e Msica menor.

    INSTRUMENTAO 3 flautas, 3 obos, requinta, 2 clarinetes, clarone, 3 fagotes, 4 trompas, 3 trompetes, 3 trombones, tuba, tmpanos, percusso, harpa, cordas.

    EDITORA Boosey & Hwkes

    PARA OUVIR CD Richard Strauss Der Rosenkavalier-Suite and Waltz Sequences Seattle Symphony Gerard Schwarz, regente Naxos 2012 (sequncia de valsas)

    Staatskapelle Dresden Rudolf Kempe, regenteAcesse: fil.mg/scavaleirorosa

    PARA ASSISTIR DVD Strauss Der Rosenkavalier Mnchner Philharmoniker Christian Thielemann, regente Decca 2009 (pera completa)

    PARA LER Michael Kennedy Richard Strauss: man, musician, enigma Cambridge University Press 2006

    13 min

    Munique, Alemanha, 1864 Garmisch-Partenkirchen, Alemanha, 1949

  • SS003317-an_15x25_sempre_as_quartas_fin.indd 1 10/07/17 11:12

    O importante evitar o desperdcio. Na sada, voc pode levar o Fortissimo ou deix-lo nas caixas para que seja reutilizado.

    RECICLANDO HBITOSDuas pessoas, um s programa de concerto.

  • CONSELHO ADMINISTRATIVO

    PRESIDENTE EMRITO Jacques Schwartzman

    PRESIDENTE Roberto Mrio Soares

    CONSELHEIROS Angela GutierrezBerenice MenegaleBruno VolpiniCelina SzrvinskFernando de Almeidatalo GaetaniMarco Antnio Pepino Marco Antnio Soares da Cunha Castello BrancoMauricio FreireOctvio ElsioPaulo BrantSrgio Pena

    DIRETORIA EXECUTIVA

    DIRETOR PRESIDENTE Diomar Silveira

    DIRETOR ADMINISTRATIVO-FINANCEIROEstvo Fiuza

    DIRETORA DE COMUNICAO Jacqueline Guimares Ferreira

    DIRETORA DE MARKETING E PROJETOS Zilka Carib

    DIRETOR DE OPERAES Ivar Siewers

    EQUIPE TCNICA

    GERENTE DE COMUNICAO Merrina Godinho Delgado

    GERENTE DE PRODUO MUSICAL Claudia da Silva Guimares

    ASSESSORA DE PROGRAMAO MUSICALGabriela Souza

    PRODUTORES Luis Otvio RezendeNarren Felipe

    ANALISTAS DE COMUNICAO Marciana Toledo Mariana GarciaRenata GibsonRenata Romeiro

    ANALISTA DE MARKETING DE RELACIONAMENTO Mnica Moreira

    ANALISTAS DE MARKETING E PROJETOS Itamara KellyMariana Theodorica

    ASSISTENTE DE MARKETING DE RELACIONAMENTO Eularino Pereira

    ASSISTENTES DE PRODUO Rildo LopezTatiane Muniz

    EQUIPE ADMINISTRATIVA

    GERENTE ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA Ana Lcia Carvalho

    GERENTE DE RECURSOS HUMANOSQuzia Macedo Silva

    ANALISTAS ADMINISTRATIVOS Joo Paulo de OliveiraPaulo Baraldi

    ANALISTA CONTBIL Graziela Coelho

    SECRETRIA EXECUTIVAFlaviana Mendes

    ASSISTENTE ADMINISTRATIVACristiane Reis

    ASSISTENTE DE RECURSOS HUMANOSVivian Figueiredo

    RECEPCIONISTAMeire Gonalves

    AUXILIAR ADMINISTRATIVO Pedro Almeida

    AUXILIARES DE SERVIOS GERAIS Ailda ConceioRose Mary de Castro

    MENSAGEIROSBruno RodriguesDouglas Conrado

    JOVEM APRENDIZYana Arajo

    ESTAGIRIAMaria Teresa Rocha

    SALA MINAS GERAIS

    GERENTE DE INFRAESTRUTURA Renato Bretas

    GERENTE DE OPERAES Jorge Correia

    TCNICOS DE UDIO E DE ILUMINAODaniel SaavedraRafael Franca

    ASSISTENTE OPERACIONALRodrigo Brando

    DIRETOR ARTSTICO E REGENTE TITULAR Fabio MechettiREGENTE ASSOCIADO Marcos Arakaki

    * principal ** principal associado *** principal assistente **** msico convidado

    Orquestra Filarmnica de Minas GeraisGOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Fernando Damata Pimentel

    VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Antnio Andrade

    SECRETRIO DE ESTADO DE CULTURA DE MINAS GERAIS Angelo Oswaldo de Arajo Santos

    SECRETRIO DE ESTADO ADJUNTO DE CULTURA DE MINAS GERAIS Joo Batista Miguel

    Oscip Organizao da Sociedade Civil de Interesse Pblico Lei 14.870 / Dez 2003

    Instituto Cultural Filarmnica

    FORTISSIMOagosto / setembro n 16 / 2017ISSN 2357-7258

    EDITORA Merrina Godinho DelgadoEDIO DE TEXTO Berenice Menegale

    ILUSTRAESMariana SimesFOTO DE CAPARafael Motta

    O Fortissimo est indexado aos sistemas nacionais e internacionais de pesquisa. Voc pode acess-lo tambm em nosso site.

    PRIMEIROS VIOLINOS Anthony Flint SpallaRommel Fernandes Spalla associadoAra Harutyunyan Spalla assistenteAna Paula SchmidtAna ZivkovicArthur Vieira TertoBojana PantovicDante BertolinoHyu-Kyung JungJoanna BelloRoberta ArrudaRodrigo BustamanteRodrigo M. BragaRodrigo de Oliveira

    SEGUNDOS VIOLINOSFrank Haemmer *Gideni LoamirJovana TrifunovicLuka MilanovicMartha de Moura PacficoMatheus BragaRadmila BocevRodolfo ToffoloTiago EllwangerValentina GostilovitchEliseu Barros ****

    VIOLASJoo Carlos Ferreira *Roberto Papi ***Flvia MottaGerry VaronaGilberto Paganini Juan DazKatarzyna Druzd Luciano GatelliMarcelo NbiasNathan Medina

    VIOLONCELOSPhilip Hansen *Robson Fonseca ***Camila PacficoCamilla RibeiroEduardo SwertsEmilia NevesLina RadovanovicLucas BarrosWilliam Neres

    CONTRABAIXOSNilson Bellotto *Andr Geiger ***Marcelo CunhaMarcos LemesPablo Guiez Rossini ParucciWalace Mariano

    FLAUTASCssia Lima *Renata Xavier ***Alexandre BragaElena Suchkova

    OBOSAlexandre Barros *Pblio Silva ***Israel MunizMoiss Pena

    CLARINETESMarcus Julius Lander *Jonatas Bueno ***Ney FrancoAlexandre Silva

    FAGOTESCatherine Carignan *Victor Morais ***Andrew HuntrissFrancisco Silva

    TROMPASAlma Maria Liebrecht *Evgueni Gerassimov ***Gustavo Garcia TrindadeJos Francisco dos SantosLucas FilhoFabio Ogata

    TROMPETESMarlon Humphreys *rico Fonseca **Daniel Leal ***Tssio Furtado

    TROMBONESMark John Mulley *Diego Ribeiro **Wagner Mayer ***Renato Lisboa

    TUBASEleilton Cruz *

    TMPANOSPatricio Hernndez Pradenas *

    PERCUSSORafael Alberto *Daniel Lemos ***Srgio AluottoWerner Silveira

    HARPAMarcelo Penido ****

    TECLADOSAyumi Shigeta *

    GERENTE Jussan Fernandes

    INSPETORAKarolina Lima

    ASSISTENTE ADMINISTRATIVA Dbora Vieira

    ARQUIVISTAAna Lcia Kobayashi

    ASSISTENTESClaudio StarlinoJnatas Reis

    SUPERVISOR DE MONTAGEMRodrigo Castro

    MONTADORESAndr BarbosaHlio SardinhaJeferson SilvaKlnio CarvalhoRisbleiz Aguiar

  • para melhor apreciar um concerto FILARMNICA ONLINEWWW.FILARMONICA.ART.BR

    VEJA A PROGRAMAO COMPLETA

    filarmonica.art.br/concertos/agenda-de-concertos

    CONHEA TODAS AS APRESENTAES

    filarmonica.art.br/filarmonica/sobre-a-filarmonica RUA PIUM-, 229

    CRUZEIRO

    RUA JUIZ DE FORA, 1.257

    SANTO AGOSTINHO

    RUA LUDGERO DOLABELA, 738

    GUTIERREZ

    Nos dias de concerto, apresente seu ingresso em um dos restaurantes parceiros e obtenha descontos especiais.

    ASSESSORIA DE RELACIONAMENTO

    (31) 3219-9009 | [email protected]

    AMIGOS DA FILARMNICA

    (31) 3219-9029 | [email protected]

    CONVERSAO silncio o espao

    da msica. Por isso,

    evite conversas ou

    comentrios durante

    a execuo das obras.

    PONTUALIDADE

    Seja pontual. Aps o terceiro sinal as portas de

    acesso sala de concertos sero fechadas.

    APARELHOS CELULARES

    No se esquea de desligar o seu celular ou

    qualquer outro aparelho eletrnico. O som e

    a luz atrapalham a orquestra e o pblico.

    CUIDADOS COM A SALA

    Abaixe o assento antes de ocupar a cadeira.

    Tambm evite balanar-se nela, pois, alm de

    estrag-la, voc incomoda quem est na sua fila.

    COMIDAS E BEBIDAS

    No so permitidas no interior da sala

    de concertos.

    FOTOS E GRAVAES EM UDIO E VDEO

    No so permitidas durante os concertos.

    TOSSE

    A tosse perturba a concentrao. Tente

    control-la com a ajuda de um leno ou pastilha.

    CRIANAS

    No recomendvel a presena de menores de 8 anos

    nos concertos noturnos. Caso traga crianas, escolha

    assentos prximos aos corredores para que voc possa

    sair rapidamente se elas se sentirem desconfortveis.

    APLAUSOS

    Deixe os aplausos para o final das obras. Veja no

    programa o nmero de movimentos de cada uma

    e fique de olho na atitude e gestos do regente.

    Concertos setembro

    DIA 2, 20h30TURN ESTADUAL / SANTA BRBARA

    DIAS 4 E 5, 9h30 E 14h30DIDTICOS

    DIA 10, 11hJUVENTUDE / ERA UMA VEZ O BRASIL

    DIA 16, 18hFORA DE SRIE / BARROCO ATRAVS DO TEMPO Bach / Stokowski Stravinsky Haendel Gluck Respighi Purcell / Holst Britten

    DIA 17, 17hTURN ESTADUAL / TIRADENTES

    DIAS 21 E 22, 20h30ALLEGRO / VIVACE Britten Vaughan Williams Dvork

    DIAS 28 E 29, 20h30PRESTO / VELOCE Liadov Tomasi Walton

    2018 est logo ali!

    Com o novo ano, teremos uma nova programao

    e o mesmo desejo de oferecer a beleza da msica

    com qualidade e potencial de transformao.

    se voc assinante ou amigo,mantenha seu cadastro atualizado para

    receber informaes sobre as campanhas de

    Assinatura e de Amigos da Filarmnica.

    se voc quer participar de perto da nova temporada, como amigo ou assinante, escreva para ns e mande o seu contato.

    ASSINATURAS [email protected]

    QUERO ASSINAR [email protected]

    AMIGOS DA FILARMNICA [email protected]

  • /filarmonicamgWWW.FILARMONICA.ART.BR

    Rua Tenente Brito Melo, 1.090 | Barro Preto | CEP 30.180-070

    Belo Horizonte - MG

    (31) 3219.9000 | Fax (31) 3219.9030

    Sala Minas Gerais

    CO

    MU

    NIC

    A

    O

    IC

    F

    DIVULGAO

    PATROCNIO MSTER

    APOIO INSTITUCIONAL

    MANTENEDOR

    REALIZAO

    APOIO