21 - almg.gov.br ?· estar físico, mental, emocional e social. Nesse sentido os desafios que se avizinham…

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

21

22

ENVELHECIMENTO

E QUALIDADE

DE VIDA

O que envelhecimento com qualidade de vida?

Imagem: https://encrypted-tbn0.gstatic.com/

O senso comum costuma associar o

envelhecimento a um processo natural da vida

que diz respeito apenas s pessoas mais velhas.

Habitualmente, costuma ser caracterizado como

um processo que produz, ou decorrente, de

uma srie de perdas: reduo da autonomia;

sada do mercado de trabalho; reduo da renda; declnio das capacidades fsicas e mentais;

isolamento social; perda de parentes e amigos, dentre outros.

Seria assim mesmo?

Vejam o que Hermann Hesse, no livro Elogio da velhice diz:

Fonte: http://www.citador.pt/textos/a-sabedoria-da-velhice-herman-hesse

http://www.citador.pt/textos/a-sabedoria-da-velhice-herman-hesse

23

Mas compreender o envelhecimento como um processo apenas das pessoas mais

velhas um equvoco. Apesar de produzir efeitos mais visveis nos indivduos das faixas

etrias superiores (acima de 60 anos), trata-se de um processo contnuo que decorre

tanto de fatores naturais, quanto de fatores sociais. Por isso tambm simplista

consider-lo como um processo que produz perdas inevitveis, pois parte significativa das

experincias associados ao envelhecimento decorrente da ausncia ou da insuficincia

de aes sociais e de polticas pblicas direcionadas para esse tema.

Com as transformaes sociais e os avanos cientficos, sobretudo no ltimo

sculo, a proporo de pessoas que tem alcanado a chamada terceira idade (maiores de

60 anos) tem crescido em todo o mundo, o que representa uma mudana irreversvel do

processo demogrfico em escala mundial.

No mundo, atualmente, 1 em cada 9 pessoas tem 60 ou mais anos. Em 2050 a

proporo ser de 1 idoso para cada 5 indivduos no idosos, o que significa que a

populao idosa dever alcanar o nmero de 2 bilhes de indivduos, o que dever

representar aproximadamente 22% da populao mundial, sendo superior ao nmero de

crianas e jovens at 15 anos. No Brasil, projees apontam que a populao idosa, com 60

anos ou mais de idade, ser de 55 milhes de pessoas em 2040, e passar, entre 2000 e

2050, de 7,8% para 23,6%, enquanto a populao jovem reduzir de 28,6% para 17,2%, e a

adulta de 66,0% para 64,4%. (Dados da Secretaria de Direitos Humanos SDH e da ONU).

24

Fonte:http://profpauloamaral.wordpress.com/2013/01/05/envelhecimento-da-populacao-brasileira/

O crescimento da populao com idade superior a 60 anos em todo o mundo, por

si s, no representa um avano, se no for acompanhado do crescimento das aes e

polticas que propiciem qualidade de vida a esses indivduos, ou seja, que propiciem bem

estar fsico, mental, emocional e social. Nesse sentido os desafios que se avizinham so

imensos, j que a maior parte da populao idosa j se encontra em pases

em desenvolvimento (aproximadamente 60%), e que devero concentrar at 2050 cerca

de 80% da populao idosa do mundo.

E voc jovem? O que pensa sobre o envelhecimento?

http://profpauloamaral.wordpress.com/2013/01/05/envelhecimento-da-populacao-brasileira/

25

A maior concentrao de idosos em pases menos desenvolvidos aponta para um

processo de envelhecimento marcado por uma srie de problemas j comuns aos

estratos mais jovens de suas populaes, e que nesses grupos tendem a se agravar, tais

como a violncia urbana, a pobreza e servios pblicos de baixa qualidade (sade,

educao, etc), dentre outros. Tambm h a tendncia de haver o crescimento de um

fenmeno conhecido como feminilizao da velhice, caracterizado pelo desequilbrio

populacional nas faixas etrias superiores do ponto de vista de gnero, o que aponta para

se pensar aes e polticas especficas para esse grupo.

Logo abaixo, indicamos um vdeo que traz algumas reflexes sobre o

envelhecimento ativo, conceito utilizado pela Organizao Mundial de Sade que

considera necessrio, para que o envelhecimento seja uma experincia positiva, criar

oportunidades contnuas de sade, participao e segurana. O vdeo apresenta

algumas necessidades sociais e culturais para uma velhice bem sucedida.

Pea: O idoso e a construo do envelhecimento saudvelhttp://www.youtube.com/watch?v=SfXx597JQyA

http://www.youtube.com/watch?v=SfXx597JQyA

26

O Brasil est preparado para conviver com o envelhecimento, com os idosos?

Fonte: http://www.uel.br/

Pensar o envelhecimento como processo que

ultrapassa uma faixa etria particular e como o

entrelaamento de variveis naturais e ambientais,

para a promoo de uma velhice com qualidade, o

desafio que se coloca como tema da 11 do

Parlamento Jovem de Minas em 2014:

Envelhecimento e Qualidade de Vida.

Por se tratar de um tema complexo, que envolve diferentes dimenses

(conceituais, culturais, legais, polticas, entre outras), as atividades do projeto sero

orientadas por trs subtemas:

O primeiro subtema aponta para a necessidade de se pensar o envelhecimento

com qualidade enquanto um processo que demanda aes sociais e polticas

intersetoriais que devem ser concebidas na perspectiva dos direitos humanos. O segundo

ressalta a importncia de se pensar estratgias para a aproximao e o fortalecimento

efetivo dos laos de solidariedade entre diferentes faixas etrias e geracionais, como

elemento necessrio para a promoo da incluso social dos indivduos mais velhos. O

http://www.uel.br/portaldoaposentado/dicas/destaques_8.php

27

terceiro destaca a necessidade de se pensar aes e polticas pblicas para a promoo

do envelhecimento com qualidade que surjam do debate e do envolvimento efetivo dos

mais diferentes grupos da sociedade civil organizada, sobretudo idosos.

Envelhecer com qualidadepor Fatima Teixeira http://www.partes.com.br/ed19/terceiraidade.asp

Simone de Beauvoir em seu livro "A Velhice" escreve: " Morrer prematuramente ou

envelhecer: no h outra alternativa"... (1990:347)

O envelhecimento um processo natural e inevitvel, sendo assim, a velhice uma

fase que, como a infncia, a adolescncia e a juventude, faz parte do ciclo biolgico e

natural da vida. No entanto, trata-se de uma construo social e histrica devido s

variadas formas pelas quais o processo de envelhecimento entendido e vivido nas

diferentes sociedades.

Na Frana do sculo XlX por exemplo, a velhice passou a ser tratada como um

problema social, isto porque, mais da metade da populao com idade acima de 65 anos

vivia em precrias condies de vida. O crescimento rpido da classe operria, a

expanso do sistema capitalista do trabalho e o conjunto de procedimentos que passaram

a orientar a ordem social vigente, foram as causas principais do agravamento da

situao do idoso, que no possua salrio ou penso e vivia sob a dependncia dos

filhos ou de instituies assistenciais. Nessa poca foram criados os primeiros asilos

construdos com recursos de fundos privados, doaes de famlias de banqueiros e

industriais. Pesquisas apontam que 40% dos asilos na Frana foram construdos no

http://www.partes.com.br/ed19/terceiraidade.asp

28

sculo XlX. (Lenoir,1996:82)

Como vemos a velhice enquanto representao social, vem atrelada, participao do

indivduo no sistema produtivo. Freqentemente, o grau de respeito e de reconhecimento

social das pessoas idosas est relacionado produtividade.

O tratamento dado questo da velhice na Frana se constituiu na formulao de

polticas sociais, resultando numa mudana da estrutura social na dcada de 60 do sculo

XX, traduzida em prestgio aos aposentados e transformao da imagem das pessoas

envelhecidas em sujeitos respeitados.

No Brasil, o processo de mudana da imagem da velhice , teve incio no final da

dcada de 60 e as leis voltadas para a proteo da pessoa idosa datam de 1973 com a

concesso pelo Ministrio do Trabalho e o INPS a aposentadoria velhice para homens a

partir dos 60 anos e mulheres com idade acima dos 60 anos.

A Renda Mensal Vitalcia foi instituda em 1973, oferecendo 60% do salrio mnimo

para pessoas com mais de 70 anos.

A Constituio Federal de 1988 por meio de sua Poltica de Assistncia Social,

conferiu ao idoso e a pessoa portadora de deficincia a possibilidade de uma renda de

sobrevivncia. Trata-se de um salrio para os no contribuintes e est previsto na Lei

Orgnica da Assistncia Social LOAS, (Lei no8742/93 artigos 20 e 21), como benefcio de

prestao continuada. Este benefcio veio a substituir a Renda Mensal Vitalcia em 1996.

Na dcada de 60 surgiram no Brasil os primeiros programas institucionais para

atender o idoso. Porm, tiveram maior desenvolvimento nos anos 80, devido ao crescimento

real desta faixa da populao, mas sobretudo, pela construo de uma imagem do idoso e do

envelhecer diferente da idia tradicional. A imagem veiculada, em geral, identificava a

pessoa ido