#22 - GUIA CURITIBA APRESENTA - ABRIL/2009

  • View
    226

  • Download
    4

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Abertura da Temporada 2009 da Camerata Antiqua de Curitiba 180 Anos da Imigração Alemã no Paraná Pág. 04 Pág. 23 CURITIBA APRESENTA - nº22 - abril de 2009 | Distribuição Gratuita

Text of #22 - GUIA CURITIBA APRESENTA - ABRIL/2009

  • ABRIL2009

    CU

    RIT

    IBA

    APR

    ESEN

    TA -

    n2

    2 -

    abri

    l de

    200

    9 |

    Dis

    trib

    ui

    o G

    ratu

    ita

    Abertura da Temporada 2009

    da Camerata Antiqua de Curitiba Pg. 23

    180 Anos da Imigrao

    Alem no Paran Pg. 04

  • n d i c e

    Destaque Cul tura l Os 180 anos da imigrao alem no Paran 04

    Entrev ista Ingrid Mller Seraphin 06

    Imperd ve l por Maria Christina de Andrade Vieira 08

    Teatro e C i rco Levitaes, aparies e sumios inexplicveis 10

    L i teratura Literatura em rede 15

    Dana Projeto de dana do Fundo Municipal da Cultura premiado em festival internacional 19

    Msica Camerata Antiqua de Curit iba comemora 35 anos 23

    C inema 100 anos de cinema polons 34

    Artes V isuais Despertar um novo olhar para o mundo da arte 38

    In fant i l Nova temporada de teatro de bonecos 48

    Arte por Onde Voc Anda Artistas unidos numa rede de solidariedade 54

    Outras Artes 55

    D iv i r ta -se que lugar esse? 56 palavra cruzadas 57

    Endereos e Contatos 58

    Conselho Editorial - Paulino Viapiana, Eduardo Pimentel Slaviero, Jos Roberto Lana, Loismary Pache, Luci Daros, Thaisa Marques Teixeira Sade, Valria Teixeira. Jornalista Responsvel - Juliana Ceccato Pires MTB 5788. Colaboradores - Ana Luzia Palka, Aparecido Casemiro de Oliveira, Carla Anete Berwig, Izabel Taschini, Jayne Sfair Suny, Lucas Ajuz, Luclia Guimares, Luiz Cequinel, Marceline Quadros Achcar, Mayra Pedroso, Miguel ngelo Gubert, Srgio Serena, Thasa Carolina Moreira, Vivian Siedel Schroeder. Capa Camerata Antiqua de Curitiba (foto: Luclia Guimares) . Contatos - Departamento de Imprensa (41) 3213-7590 - agendacul-tural@fcc.curitiba.pr.gov.br e Departamento Comercial (41) 3213-7514 - comercial@icac.org.br. Projeto Grfico - Aliens Design. Endereo - Rua Eng. Rebouas, 1732 Cep: 80230-040 Curitiba-PR. Esta uma publicao do Instituto Curitiba de Arte e Cultura. Todos os direitos reservados. www.fccdigital.com.br

    Centro de Criatividade de CuritibaAntigas instalaes de uma fbrica de cola, na regio do Parque So Loureno, foram transformadas, em 1973, no Centro de Criatividade de Curitiba, considerado um marco das inovaes culturais vividas pela cidade naquela dcada. Com uma rea de 2.500 m, o espao tornou-se um importante polo de discusso de arte e cultura. Abrigou os primeiros atelis e mostras de gravuras, por onde passaram grandes artistas e nomes reconhecidos no cenrio nacional. Hoje o Centro de Criatividade continua fun-cionando como um laboratrio de criao, com diversos atelis e cursos das mais variadas modalidades artsticas. Possui atelis permanentes de escultura, gravura e cermica, alm de cursos nas reas de msica, dana e artesanato. No CCC funcionam tambm salas de exposies temporrias, o Teatro Cleon Jacques e a Casa Erbo Stenzel, com mostra permanente de esboos e desen-hos do artista, autor de esculturas que marcam a paisagem urbana de Curitiba. Recentemente, o Centro de Criatividade ganhou a Casa da Leitura Augusto Stress-er, nova unidade da Fundao Cultural de Curitiba dedicada literatura.

    Programao:- Cursos livres - Pgs. 21, 25, 26, 40, 41, 42, 49, 50 e 51- Exposio Ilustraes de Rogrio Coelho em cartaz at 3 de maio Pg. 43- Ao Educativa com visitas guiadas para turistas e escolas

    w w w . f c c d i g i t a l . c o m . b r

    foto

    : Luc

    lia

    Gui

    mar

    es

  • Os 180 anos da imigrao alem no ParanO ano vai ser de comemorao para a comunidade germnica do Paran. Uma extensa programao cultural est sendo organiza-da para celebrar os 180 anos da imigrao alem. As atividades comemorativas acontecem at dezembro, em vrias cidades para-naenses, sendo uma oportunidade para a populao, de descen-dentes ou no, participar de festas e eventos tpicos que destacam a cultura, a culinria e os costumes.

    Em Curitiba, uma das atraes o concerto da Camerata Antiqua

    de Curitiba, marcado para os dias 3 e 4 de abril, com regncia

    do maestro alemo Hans-Peter Frank e repertrio que inclui uma

    obra de Johann Sebastian Bach, um dos maiores compositores de

    todos os tempos. A primeira apresentao ser no Clube Concr-

    dia, uma das sociedades criadas pelos imigrantes alemes e que

    tambm est em festa, completando 140 anos de existncia. O

    segundo concerto acontece na Capela Santa Maria Espao Cul-

    tural.

    A abertura das festividades ocorreu em fevereiro, numa sesso

    solene da Assemblia Legislativa do Paran, ocasio em que

    foram lanados um selo e um carimbo comemorativo dos Cor-

    reios. Em Curitiba, h eventos programados tambm na Biblio-

    teca Pblica e no Teatro Guara. Est previsto para setembro um

    concerto da Orquestra Sinfnica do Paran com repertrio voltado

    exclusivamente aos compositores alemes. Na mesma poca, o

    Clube Concrdia abre o Salo Primavera de Artes.

    Histria e influncias

    a partir das primeiras dcadas do sculo XIX que o Paran

    comea a receber sucessivas levas de imigrantes europeus. Os

    alemes foram os primeiros a chegar, em 1829, estabelecendo-

    se na colnia de Rio Negro. A fundao desse primeiro ncleo

    era consequncia da poltica imigratria do governo brasileiro da

    poca, que incentivou a vinda das famlias europias como estra-

    tgia para povoar o territrio e estimular a produo agrcola.

    Boa parte dos alemes, entretanto, deixa a colnia e fixa-se em

    Curitiba e seus arredores, na perspectiva de suprir o mercado lo-

    cal com gneros alimentcios e dedicar-se a atividades industriais

    urbanas. Mais tarde, novos grupos de imigrantes foram se esta-

    belecendo no norte do estado.

    Em Curitiba, os alemes influenciaram fortemente a cultura, a ar-

    quitetura e a economia local. Os descendentes contriburam como

    construtores de grande parte das edificaes, influenciando no

    aspecto arquitetnico de moradias e casas de comrcio. Os prin-

    cipais exemplares encontram-se no setor histrico do centro de

    Curitiba, como a Casa Hoffmann, o Palacete Wolf, o Hotel John-

    scher, e a prpria Catedral, de estilo romntico.

    Para preservar suas tradies, os imigrantes organizaram-se em

    sociedades, como os clubes Concrdia, Rio Branco, Duque de

    Caxias, Thalia e Graciosa Country Club. Deixaram suas marcas em

    inmeros empreendimentos industriais e nos servios Fundio

    Meller, Pianos Essenfelder, Leiteria Schaffer e Padaria Amrica

    so alguns exemplos. A culinria passou a incorporar novos sa-

    bores, como o da vina e o do strudel. Depois de quase dois scu-

    los do marco da imigrao, a cultura alem se faz presente na

    histria e na vida cotidiana de todos os paranaenses.

    Dest

    aque

    Cul

    tura

    l

    > Famlia Burmeister - Coleo Erwin Marckman (1902)

    > Ginastas da Sociedade Teuto-Brasileira, atual Sociedade Duque de Caxias - Coleo Isolda Tovar (1910)

    > Grupo de homens bebendo cerveja no incio do sculo XX - Coleo Marcos Assenheimer

    foto

    s: E

    std

    io V

    olk

    e Jo

    s W

    eiss

    Dest

    aque

    Cul

    tura

    l

    > Bosque Alemo

    04

    Curit

    iba

    Apre

    sent

    a /

    Abril

    200

    9

    05

    Curit

    iba

    Apre

    sent

    a /

    Abril

    200

    9

  • menagem Sociedade de Cultura Artstica Brasilio Itiber, que estava encerrando suas atividades e doou um piano orquestral para o espao. O Solar do Baro foi a sede da Camerata por mais de 30 anos e foi ali tambm que nasceu a Oficina de Msica de Curitiba.

    Qual a importncia da Camerata para a msica erudita no Paran?O trabalho desenvolvido junto Camerata trouxe credibilidade ao movimento da msica antiga no pas e abriu um novo campo de estudos e trabalho para os msicos, diversidade para as salas de concerto e para o mercado fonogrfico. As crticas eram sempre muito favorveis e com isto a Ca-merata pde crescer e se transformar num dos prin-cipais grupos de msica antiga do Brasil. Quando a Camerata comeou a ganhar mais instrumentos modernos e a se dedicar mais ao barroco, aqueles que tocavam flauta-doce, viola da gamba, alade e percusso acabaram formando um outro grupo, o Renascentista de Curitiba, que tambm recebeu apoio da FCC e ensaiava no Solar do Baro. Ele foi provavelmente o grupo que mais ousou, utilizando recursos cnicos nas apresentaes, levando ao pblico no s a msica, mas todo o contexto histrico em que ela fora composta. E isto acon-teceu num momento em que havia um interesse muito grande pela msica do passado e novos con-juntos estavam surgindo na Europa, Estados Unidos e mesmo aqui no Brasil. A existncia da Camerata, o incio do grupo Renascentista e de vrios outros que surgiram no decorrer dos anos, foram fatores muito importantes e que reforaram o movimento da msica antiga.

    Havia muita procura para participar da Camerata?No incio os msicos eram convidados para par-ticipar. Como eu dava aulas na EMBAP, conhecia muitos jovens que acabaram fazendo parte do grupo. Com o passar do tempo, a procura aumen-tou e tivemos que montar testes de seleo e con-cursos para a escolha. Tanto a Camerata quanto o Renascentista reuniam msicos de grande talento e isto gerava um fluxo, pois eles acabavam sendo convidados para compor orquestras, muitos foram em busca de aperfeioamento na Europa, mas novos msicos iam chegando e o trabalho continu-ava. Na gesto do presidente Carlos Mars, os dois grupos receberam a opo de continuar na FCC ou seguir carreira independente. A Camerata optou por permanecer e