of 55 /55
2ª aula 2ª aula Impactos sobre o meio Impactos sobre o meio físico físico

2ª aula Impactos sobre o meio físico. Impactos, recuperação e conservação de ecossistemas aquáticos

Embed Size (px)

Text of 2ª aula Impactos sobre o meio físico. Impactos, recuperação e conservação de ecossistemas...

  • Slide 1
  • 2 aula Impactos sobre o meio fsico
  • Slide 2
  • Slide 3
  • Impactos, recuperao e conservao de ecossistemas aquticos
  • Slide 4
  • Recursos hdricos - ecolgico, econmico e social Gerenciamento - conservao-recuperao desses sistemas , de importncia desses sistemas , de importncia economia, economia, na rea social nos usos dos sistemas aquticos.
  • Slide 5
  • Diferenas geomorfolgicas, ecolgicas e antropolgicas as vrias latitudes no Brasil, Explorao dos recursos hdricos: Produo de energia, BiomassaIrrigao,
  • Slide 6
  • Para suprir os grandes centros urbanos necessrio gerar uma grande demanda e articulaes entre as bases de pesquisas, conhecimentos cientficos acumulado, e aes de gerenciamento e engenharia.
  • Slide 7
  • preciso levar em conta no somente o sistema aqutico, mas a bacia hidrogrfica na qual ele se insere e os usos desta unidade-bacia-hidrogrfica- rio-lago ou reservatrio. Sem este conceito h pouca probabilidade de um gerenciamento efetivo do sistema.
  • Slide 8
  • Sem este conceito h pouca probabilidade de um gerenciamento efetivo do sistema. Sem este conceito h pouca probabilidade de um gerenciamento efetivo do sistema.
  • Slide 9
  • Principais impactos DESMATAMENTO- Perda da zona tampo entre sistemas terrestres e aquticos, aumento do material particular em suspenso na gua, perda de florestas riprias e hbitats para as aves aquticas, alteraes na composio do sedimento dos sistemas aquticos.
  • Slide 10
  • Slide 11
  • DESMATAMENTO
  • Slide 12
  • MINERAO - Atividades de minerao de ouro, areia e bauxita produziram alteraes fsicas e qumicas extremamente elevadas nos sistemas. Acmulo de mercrio tem sido outro problema grave como conseqncia da minerao de ouro.
  • Slide 13
  • CONSTRUO DE RODOVIAS E FERROVIAS - remoo de reas alagadas e florestas, alteraes nos rios e lagos ao longo de obras rodovirias e ferrovirias.
  • Slide 14
  • Slide 15
  • MAL PLANEJAMENTO NA CONSTRUO DE ESTRADAS
  • Slide 16
  • DESPEJO DE MATERIAL RESIDUAL Material residual proveniente de fontes orgnicas e inorgnicas, resultantes de atividades industriais, agrcolas ou de resduos domsticos, outra fonte extremamente importante de poluio e contaminao.
  • Slide 17
  • LANAMENTO DE ESGOTOS NOS CURSOS DGUA
  • Slide 18
  • INTRODUO DE ESPCIES EXTICAS A introduo de espcies exticas de plantas, peixes e outros organismos produz extensas modificaes nas cadeias alimentares, em lagos e reservatrios no Brasil. Por exemplo, a introduo acidental ou proposital de Cichla occelaris (tucunar) alterou profundamente as cadeias alimentares em lagos do rio Doce. A introduo de espcies exticas de plantas, peixes e outros organismos produz extensas modificaes nas cadeias alimentares, em lagos e reservatrios no Brasil. Por exemplo, a introduo acidental ou proposital de Cichla occelaris (tucunar) alterou profundamente as cadeias alimentares em lagos do rio Doce.
  • Slide 19
  • AGRICULTURA EM REAS IMPRPRIAS (APP)
  • Slide 20
  • REMOO DE ESPCIES CRTICAS Espcies crticas que tm uma importncia fundamental para as cadeias alimentares, ou para a manuteno da biodiversidade sustentada dos ecossistemas aquticos, podem ser removidas por presso de pesca, caa ou poluio, produzindo grandes transformaes no sistema. Espcies crticas que tm uma importncia fundamental para as cadeias alimentares, ou para a manuteno da biodiversidade sustentada dos ecossistemas aquticos, podem ser removidas por presso de pesca, caa ou poluio, produzindo grandes transformaes no sistema.
  • Slide 21
  • Slide 22
  • AUSNCIA TOTAL DE MATA CILIAR
  • Slide 23
  • CONSTRUO DE RESERVATRIOS A construo de reservatrios de represas produz inmeros impactos no sistema, com alteraes qualitativas e quantitativas. Como conseqncia destes impactos, os sistemas aquticos passam por inmeras alteraes e mudanas estruturais e funcionais. A construo de reservatrios de represas produz inmeros impactos no sistema, com alteraes qualitativas e quantitativas. Como conseqncia destes impactos, os sistemas aquticos passam por inmeras alteraes e mudanas estruturais e funcionais.
  • Slide 24
  • Conseqncias dos impactos EUTROFIZAO - Acelera o aumento de matria orgnica nos sistemas, produz concentraes indesejveis de fitoplncton (com predominncia de Cianofceas), e macrfitas aquticas (geralmente Eichornia crassipes e Pistia stratioides) e promovem um aumento de doenas de veiculao hdrica.
  • Slide 25
  • AUMENTO DE MATERIAL EM SUSPENSO E ASSOREAMENTO AUMENTO DE MATERIAL EM SUSPENSO E ASSOREAMENTO H um aumento considervel do material em suspenso: H um aumento considervel do material em suspenso: Reduo da zona euftica; Reduo da zona euftica; Reduo da concentrao de oxignio dissolvido na gua; Reduo da concentrao de oxignio dissolvido na gua; Reduo da produo primria fitoplanctnica; Mortalidade em massa de macrfitas Reduo da produo primria fitoplanctnica; Mortalidade em massa de macrfitas Mortalidade em massa de peixes. Mortalidade em massa de peixes. Assoreamento rpido, diminuindo a capacidade de usos dos lagos e represas. Assoreamento rpido, diminuindo a capacidade de usos dos lagos e represas.
  • Slide 26
  • PERDA DA DIVERSIDADE BIOLGICA Produz alteraes substanciais nas cadeias trficas e mudanas na estrutura e funo dos sistemas aquticos. Produz alteraes substanciais nas cadeias trficas e mudanas na estrutura e funo dos sistemas aquticos. A remoo de macrfitas aquticas, emersas ou submersas das reas alagadas, interfere com a capacidade de desnitrificao do sistema. A remoo de macrfitas aquticas, emersas ou submersas das reas alagadas, interfere com a capacidade de desnitrificao do sistema.
  • Slide 27
  • Alteraes no nvel da gua e no ciclo hidrolgico A diminuio da altura do nvel da gua com efeitos nos rios, nos lagos adjacentes e lagoas marginais, nas guas subterrneas e nas florestas riprias ao longo de rios e reas alagadas.
  • Slide 28
  • PERDA DA CAPACIDADE TAMPO reas alagadas, florestas riprias, interfaces entre sistemas terrestre e aquticos, so regies tampo que removem nitrognio (por desnitrificao) e fsforo (por desnitrificao) e fsforo (por precipitao e complexo no sedimento e agradado em partculas s razes de macrfitas ). (por precipitao e complexo no sedimento e agradado em partculas s razes de macrfitas ).
  • Slide 29
  • Expanso geogrfica de doenas tropicias de veiculao hdrica A construo de reservatrios, canais, e mudanas no regime dos rios e reas alagadas, produz muitos impactos relacionados com a expanso de vetores de doenas tropiciais como a esquistossomose, a leishmaniose e doenas entricas como clera, amebase, e outras.
  • Slide 30
  • Recuperao de ecossistemas aquticos Envolvem a bacia hidrogrfica, o ecossistema aqutico e seus componentes, fsicos, qumicos e biolgicos. Esta recuperao tem as seguintes etapas definidas:
  • Slide 31
  • diagnstico inicial dos sistemas e seu estgio de contaminao ou degradao; diagnstico dos custos e perdas envolvidos com o processo de degradao, diagnstico dos custos e perdas envolvidos com o processo de degradao, depreciao em propriedades,
  • Slide 32
  • diagnstico dos custos e perdas envolvidos com o processo de degradao, e a depreciao em propriedades, perdas da biodiversidade, e perdas de processos; avaliao das alternativas para a recuperao e custos de recuperao.
  • Slide 33
  • perdas da biodiversidade, e perdas de processos; avaliao das alternativas para a recuperao e custos de recuperao.
  • Slide 34
  • TOXICIDADE Esta contaminao conseqncia dos usos de pesticidas, herbicidas, usos de pesticidas, herbicidas, poluio atmosfrica e tambm em poluio atmosfrica e tambm em algumas regies de chuva cida. algumas regies de chuva cida.
  • Slide 35
  • IMPACTOS FSICOS DE BARRAGENS IMPACTOS FSICOS DE BARRAGENS ALTERNATIVAS & SOLUES ALTERNATIVAS & SOLUES
  • Slide 36
  • Barragens - construdas h milhares de anos. A mais antiga - Mesopotmia, Com mais de oito mil anos. Vestgios de barragens - encontradas no Jordo, Egito e outros locais do Oriente Mdio datam de, no mnimo, 3000 AC (WCD, 2000).
  • Slide 37
  • Uma das barragens mais antigas- a de Tashahayan, na China, com 27 m de altura, construda em 833. Na Inglaterra, a primeira grande barragem, Na Inglaterra, a primeira grande barragem, com 15 m de altura, foi concluda em 1787 com 15 m de altura, foi concluda em 1787 A primeira barragem com finalidade de A primeira barragem com finalidade de gerao hidreltrica que se tem notcia foi gerao hidreltrica que se tem notcia foi inaugurada em 30/09/1882, inaugurada em 30/09/1882, em Appleton, Wisconsin, EUA. em Appleton, Wisconsin, EUA.
  • Slide 38
  • Em setembro de 1889, s vsperas da Em setembro de 1889, s vsperas da Proclamao da Repblica, foi inaugurada a Proclamao da Repblica, foi inaugurada a primeira hidreltrica de maior porte, a Usina primeira hidreltrica de maior porte, a Usina de Marmelos no rio Paraibuna, com potncia instalada de 250 kW, com o objetivo de fornecer eletricidade para iluminao de Juiz de Fora, em Minas Gerais. de Marmelos no rio Paraibuna, com potncia instalada de 250 kW, com o objetivo de fornecer eletricidade para iluminao de Juiz de Fora, em Minas Gerais.
  • Slide 39
  • Impactos fsicos mais comuns de uma barragem
  • Slide 40
  • - Alterao do regime de vazes do rio; - Alterao do regime de vazes do rio; Eroso das margens e do fundo do canal a jusante da barragem, nos deltas e esturios; Eroso das margens e do fundo do canal a jusante da barragem, nos deltas e esturios; Alterao do nvel fretico nas reas marginais do reservatrio; Alterao do nvel fretico nas reas marginais do reservatrio; Possibilidade de alterao do micro clima na regio do reservatrio; Possibilidade de alterao do micro clima na regio do reservatrio;
  • Slide 41
  • alterao no teor de matria orgnica e nutrientes dissolvidos na vazo efluente; alterao no teor de matria orgnica e nutrientes dissolvidos na vazo efluente; alterao no transporte e concentrao de sedimentos no reservatrio e a jusante da barragem; alterao no transporte e concentrao de sedimentos no reservatrio e a jusante da barragem; estratificao trmica do reservatrio; estratificao trmica do reservatrio; alterao da qualidade da gua pela decomposio da biomassa inundada alterao da qualidade da gua pela decomposio da biomassa inundada
  • Slide 42
  • -Alterao da condutividade eltrica; -Alterao da condutividade eltrica; Contaminao e eutrofizao das guas do reservatrio; Contaminao e eutrofizao das guas do reservatrio; Instabilidade de encostas do reservatrio; Instabilidade de encostas do reservatrio; Sismicidade induzida pelo reservatrio; Sismicidade induzida pelo reservatrio; Salinizao dos solos no entorno do reservatrio. Salinizao dos solos no entorno do reservatrio.
  • Slide 43
  • Os cinco pases com maior concentrao de barragens no mundo totalizam cerca de 80% das grandes barragens, sendo que a China, possui quase metade das grandes barragens do mundo, a se considerar as 22.000 barragens estimadas pelo WCD (2000). Antes de 1949, a China possua apenas 22 grandes barragens. Os cinco pases com maior concentrao de barragens no mundo totalizam cerca de 80% das grandes barragens, sendo que a China, possui quase metade das grandes barragens do mundo, a se considerar as 22.000 barragens estimadas pelo WCD (2000). Antes de 1949, a China possua apenas 22 grandes barragens.
  • Slide 44
  • Os Estados Unidos possuem atualmente mais de 6.390 grandes barragens, a ndia mais de 4.000, o Japo e a Espanha entre 1.000 e 1.200 grandes barragens cada um (WCD, 2000). Os Estados Unidos possuem atualmente mais de 6.390 grandes barragens, a ndia mais de 4.000, o Japo e a Espanha entre 1.000 e 1.200 grandes barragens cada um (WCD, 2000).
  • Slide 45
  • Slide 46
  • Alternativas de Soluo para os Impactos Fsicos de Barragens Alternativas de Soluo para os Impactos Fsicos de Barragens
  • Slide 47
  • Por outro lado, no final do sculo XX, surgiu tambm uma outra tendncia relacionada s grandes barragens: o descomissionamento. Por outro lado, no final do sculo XX, surgiu tambm uma outra tendncia relacionada s grandes barragens: o descomissionamento.
  • Slide 48
  • O descomissionamento permite a restaurao dos processos pesqueiros e ecolgicos O descomissionamento permite a restaurao dos processos pesqueiros e ecolgicos ribeirinhos, mas tambm pode causar impactos ambientais, como o sbito ribeirinhos, mas tambm pode causar impactos ambientais, como o sbito escoamento dos sedimentos acumulados no reservatrio, que podem estar contaminados com substncias txicas, prejudicando a vida aqutica. escoamento dos sedimentos acumulados no reservatrio, que podem estar contaminados com substncias txicas, prejudicando a vida aqutica.
  • Slide 49
  • O descomissionamento deve ser precedido de estudos ambientais que indiquem as aes mitigadoras adequadas a cada caso. Para evitar impactos locais como: o prejuzo para as captaes dgua, controle de cheias, recreao, navegao e outros servios proporcionados pela barragem, pela alterao no escoamento e nos nveis dgua, e os impactos na ocupao do entorno do reservatrio e nas margens do rio a jusante. Para evitar impactos locais como: o prejuzo para as captaes dgua, controle de cheias, recreao, navegao e outros servios proporcionados pela barragem, pela alterao no escoamento e nos nveis dgua, e os impactos na ocupao do entorno do reservatrio e nas margens do rio a jusante.
  • Slide 50
  • Barragens de grande porte tem sido consideradas como um importante meio de conseguir satisfazer as necessidades de gua e energia e, a longo prazo, um investimento estratgico com capacidade para agregar inmeros benefcios. investimento estratgico com capacidade para agregar inmeros benefcios.
  • Slide 51
  • Benefcios: Benefcios: -Desenvolvimento regional; -Desenvolvimento regional; -Criao de empregos; -Criao de empregos; -Fomento a indstrias de base com capacidade para exportao; -Fomento a indstrias de base com capacidade para exportao; -Criao de renda com o lucro das exportaes, sejam venda direta da eletricidade, de safras ou de produtos processados em indstrias eletrointensivas, como a de alumnio. -Criao de renda com o lucro das exportaes, sejam venda direta da eletricidade, de safras ou de produtos processados em indstrias eletrointensivas, como a de alumnio.
  • Slide 52
  • Barragens para Irrigao Barragens para Irrigao
  • Slide 53
  • responsvel pelo maior consumo de gua doce no mundo atualmente, cerca de 67% do total consumido (WCD, 2000). Cerca de um quinto da terra agriculturvel do mundo irrigada, correspondendo a 268 milhes de hectares irrigados, e essa rea responsvel por 40% da produo agrcola mundial (WCD, 2000). responsvel pelo maior consumo de gua doce no mundo atualmente, cerca de 67% do total consumido (WCD, 2000). Cerca de um quinto da terra agriculturvel do mundo irrigada, correspondendo a 268 milhes de hectares irrigados, e essa rea responsvel por 40% da produo agrcola mundial (WCD, 2000).
  • Slide 54
  • Mais de um tero (36%) das grandes barragens do mundo foi construda exclusivamente ou com o objetivo principal de irrigao e estima-se que 30 a 40% da rea irrigada dependem de barragens. (WCD, 2000). exclusivamente ou com o objetivo principal de irrigao e estima-se que 30 a 40% da rea irrigada dependem de barragens. (WCD, 2000).
  • Slide 55
  • Barragens para Abastecimento Domstico e Industrial Barragens para Abastecimento Domstico e Industrial