of 29/29
Prof. Welber Lacerda

4 Lesão Plexo Braquial.ppt

  • View
    262

  • Download
    39

Embed Size (px)

Text of 4 Lesão Plexo Braquial.ppt

Prof. Welber Lacerda

Paralisia Braquial Obsttrica

Introduo o resultado de um parto laborioso onde houve leso neuronal por trao ou avulso das fibras do plexo braquial durante as manobras obsttricas quando do desprendimento do ombro do recm nascido. Paralisia Obsttrica uma leso neuronal nas fibras do plexo braquial - nervos responsveis pelo movimento e sensibilidade das mos, dos braos e dos dedos, resultante de dificuldades no parto, quando manobras do obstetra tracionam a coluna cervical. Ocorre em cerca de 25 a cada 10.000 nascidos

IntroduoEsse tipo de trauma fechado tambm pode ser observado no parto em apresentao ceflica. Aps o desprendimento da cabea quando o obstetra a traciona junto com o pescoo da criana para desprender o ombro.

Mecanismo de leso

Mecanismo de lesoOutro mecanismo na apresentao caudal quando a criana puxada pelo brao.

Abordagem diagnsticaA identificao da PBO em sua essncia clnica possvel j no berrio com uma avaliao neurolgica sumria do RN somada histria obsttrica e do parto. A me que indaga ao mdico a fraqueza ou hipotonia em um brao da criana que no est sendo usado espontaneamente e que, s vezes, leva ao choro quando manipulado.

Abordagem diagnstica Ocorre uma paralisia flcida total ou parcial do membro acometido onde o primeiro passo definir a anatomia da leso. importante definir se distal ou proximal ao gnglio da raiz dorsal pois quando prganglionar jamais se recupera e quando ps-ganglionar o faz algumas vezes.

Aspectos Morfolgicos

Aspectos Morfolgicos C5 + C6 = Tronco superior C7 = Tronco mdio C8+T1 = Tronco Inferior Fascculo posterior = C6 + C7 + C8 = n. radial e n. axilar = respectivamente inervam trceps braquial e deltide

Aspectos Morfolgicos Fascculo lateral = C5 + C7 = n. musculocutneo = Bceps braquial e Coracobraquial

Fascculo Medial = T1 = n. ulnar = musculatura intrnseca da mo Nervo mediano = Fascculo medial + Fascculo lateral = msculos flexores do antebrao

Aspectos Clnicos Neuropraxia - leso onde ocorre alterao da mielina, sem perda da continuidade do nervo, no ocorrendo degenerao deste, onde seu mecanismo de leso pode ocorrer por contuso ou compresso. Axioniotmese - j apresenta interrupes tanto na mielina quanto no axnio.

Aspectos Clnicos Neurotmese perda da continuidade anatmica do nervo produzida geralmente por seco ou arrancamento do nervo.

Classificao Erb Duchenne - Em 1872, descreve quatro casos de crianas com paralisia do plexo braquial resultante de dificuldades no parto e, em 1874, descreveu paralisias em adultos com as mesmas caractersticas. Total Klumpke - Em 1885, sugere uma explicao para este tipo de leso: avulso das razes C8-T1 com envolvimento do sistema nervoso simptico cervical homolateral.

Erb - Duchenne Mais comum, 75% dos casos Ocorrem em nvel de C5 e C6, so conseqncias do parto, em partos com apresentao ceflica.

O membro superior est flcido e rodado internamente O antebrao pronado e o ombro no abduz ativamente O cotovelo em extenso completa ou levemente fletido O punho pode estar fletido assumindo a clssica postura de garom pedindo gorjeta.

Erb - Duchenne O reflexo de Moro est assimtrico, o bicipital ausente e o de preenso palmar preservado. A sensibilidade ttil e dolorosa normal no antebrao e mo, e no h fenmenos vasomotores na extremidade.

Paralisia Braquial Total Sengundo tipo mais comum, 24% dos casos Todo o membro flcido e no h resposta a estmulos sensitivos. So observadas alteraes vasomotoras (palidez ou vermelhido da pele). Pode ocorrer ainda a sndrome de Claude-BernardHorner: plpebra cada, olho pequeno e pupila pequena. Em alguns casos esta forma evolui para a Erb-Duchene.

Paralisia de Klumpke a forma mais rara, seu prognstico pior, no havendo melhora espontnea e sobrevindo atrofia muscular e crescimento prejudicado do membro afetado. C8 e T1 Existe dficit motor e sensitivo da mo, estando o ombro e o cotovelo com mobilidade ativa preservada. O reflexo de Moro e bicipital esto presentes , mas o de preenso palmar est ausente devido a paralisia da musculatura flexora do punho e dedos.

Paralisia de Klumpke H neurotmesis ou avulso das razes inferiores o prognstico pior.

Teraputica O tratamento inicial conservador, baseado na imobilizao do RN j no berrio por enfaixamento toracobraquial por 10 dias para aliviar a dor e permitir que o edema das fibras lesadas regrida. Fisioterapia Quando no demonstra bom resultado clnico at o 3 ms encaminhado para cirurgia

Objetivos do Tratamento Fisioteraputico Criar melhores condies possveis para a recuperao da capacidade funcional (prevenir contraturas de tecidos moles e das deformidades, comportamento motor adaptativo e do desuso do membro). - Controle da dor e do edema.

- Manter ou aumentar a amplitude movimento do membro afetado.

de

Objetivos do Tratamento Fisioteraputico Proporcionar as condies ambientais necessrias para os msculos poderem reassumir sua funo.

-Treinar o controle motor mediante exerccios (feitos pelo fisioterapeuta e pelos pais, assim que os msculos estiverem reinervados e sejam capazes de se contrair). (STOKES,1992)

Tcnicas Fisioteraputicas Mobilizao Passiva Aplicao de talas e rteses Treinamento Motor Treino de Fora Trabalhar a motricidade Estimular a sensibilidade Estimulao Eltrica Funcional