Click here to load reader

6 ano caderno de apoio pedagógico (aluno)

  • View
    250

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Caderno sala de apoio de português desenvolvida pelo Estado do Rio de Janeiro

Text of 6 ano caderno de apoio pedagógico (aluno)

  • Coordenadoria de Educao

    Lngua Portuguesa Aluno (a)6 ANO

    II CADERNO DE APOIO PEDAGGICO

    2010

  • Nome da escola:________________________________________Nome:________________________________________________

    6 ANO Julho/ 2010 II Caderno

    Coordenadoria de Educao

    Eduardo PaesPrefeito da Cidade do Rio de Janeiro

    Prof Claudia CostinSecretria Municipal de Educao

    Prof Regina Helena Diniz BomenySubsecretria de Ensino

    Prof Maria de Nazareth Machado de Barros VasconcellosCoordenadora de Educao

    Prof Maria Socorro Ramos de SouzaProf Maria de Ftima Cunha

    Coordenao Pedaggica

    Prof Dr Maria Teresa Tedesco Vilardo Abreu (UERJ)Consultora - Lngua Portuguesa

    Prof Renata Ramos SaderProf. Welington Martins Machado

    Produo

    Prof Leila Cunha de OliveiraProf Simone Cardozo Vital da Silva

    Reviso

    Prof Leticia Carvalho MonteiroProf. Maurcio Mendes PintoProf Renata Ramos Sader

    Prof Simone Cardozo Vital da SilvaDiagramao

    Voc est recebendo o II Caderno de Apoio Pedaggico temtico. Este Caderno est dividido em quatro fichas temticas: Ficha 1 Minha terra tem palmeiras,

    Onde canta o sabi ... Ficha 2 Minha terra tem vida

    preciso preservar ... Ficha 3 Minha terra tem histrias, cultura,

    Um folclore a explorar Ficha 4 Minha terra tem Noel

    E o samba a embalar ...Leia os textos apresentados e desenvolva as

    atividades propostas. Voc s tem a aprender!

  • Cano do exlioGonalves Dias

    Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabi; As aves, que aqui gorjeiam, No gorjeiam como l.

    Nosso cu tem mais estrelas, Nossas vrzeas tm mais flores, Nossos bosques tm mais vida, Nossa vida mais amores.

    Em cismar, sozinho, noite, Mais prazer encontro eu l; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabi.

    Minha terra tem primores, Que tais no encontro eu c; Em cismar sozinho, noite Mais prazer encontro eu l; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabi.

    No permita Deus que eu morra, Sem que eu volte para l; Sem que desfrute os primores Que no encontro por c; Sem qu'inda aviste as palmeiras, Onde canta o Sabi.

    DIAS, Gonalves. Primeiros Cantos. Belo Horizonte, Autntica, 1998.

    Minha ptria a lngua portuguesa, disse o grande poeta portugus, Fernando Pessoa. Vejamos como, na ptria comum da lngua portuguesa, poetas falam, de maneiras diferentes, com amor, orgulho, s vezes com saudade, da terra em que nascemos.

    Cano do exlio o poema que abre o livro Primeiros Cantos, de Gonalves Dias, e que marca a obra do autor, como um dos mais conhecidos poemas da lngua portuguesa no Brasil. Emblemtico na cultura brasileira, o poema, escrito em julho de 1843, em Coimbra, Portugal, evoca a ptria distante, tema caracterstico do Romantismo.

    Texto 1

    Nome da escola:________________________________________Nome:________________________________________________

    6 ANO Julho/ 2010Ficha 1

    Coordenadoria de Educao

  • Nome da escola:________________________________________Nome:________________________________________________ Ficha 1

    Coordenadoria de Educao

    1- H palavras, no poema, que expressam que existem dois lugares em contraposio, Portugal e Brasil. Que palavras so estas? ________________________________________________________________________

    2- O eu potico exalta caractersticas que no encontra no local do exlio. Transcreva os versos que apresentam tais caractersticas. _________________________________________________

    _________________________________________________

    3- Releia a segunda estrofe do poema.

    Nosso cu tem mais estrelas, Nossas vrzeas tm mais flores, Nossos bosques tm mais vida, Nossa vida mais amores.

    Agora responda: a) Qual o efeito de sentido produzido pela repetio do advrbio de intensidade mais?_________________________________________________

    b) Qual a inteno do uso do pronome possessivo nosso/a?_________________________________________________

    5- Analise a ltima estrofe do poema.

    No permita Deus que eu morra, Sem que eu volte para l; Sem que desfrute os primoresQue no encontro por c; Sem qu'inda aviste as palmeiras,Onde canta o Sabi.

    a)Que sentimentos o eu potico expressa? _____________________________________________

    b) Justifique a utilizao da expresso quinda._____________________________________________

    6- A partir da leitura do poema, justifique o ttulo Cano do exlio._____________________________________________

    7- Voc observou que o poema Cano do exlioapresenta musicalidade? Numa msica, refro designa verso(s) que se repete(m) vrias vezes. Identifique, no poema, os versos que funcionam como refro.

    http://maximum.com.sapo.pt/images/sabia_laranjeira_small.jpg

    6 ANO Julho/ 2010

  • Nome da escola:________________________________________Nome:________________________________________________ Ficha 1

    Coordenadoria de Educao

    A Ptria

    !"!#

    $%! %!

    &"

    $%!!

    $%!'!!

    (!

    )*"

    +

    &

    !!

    $%

    ,

    -!

    http://pt.poesia.wikia.com

    1- Qual a inteno do eu potico ao optar, no poema, pelo uso de verbos no imperativo?______________________________________________________

    2- Voc observou que o poema apresenta vrios pontos de exclamao? Qual o efeito de sentido produzido pela sequncia de frases exclamativas na terceira linha do poema?

    Olha que cu! que mar! que rios! que floresta!______________________________________________________

    4- A quem o eu potico dirige este poema? Apresente o verso que comprova a sua resposta.______________________________________________________

    5- Que verso expressa que o Brasil um pas incomparvel?______________________________________________________

    ______________________________________________________

    O poema de Gonalves Dias deu origem a muitas outras canes de exlio, feitas por diferentes poetas, em diferentes momentos de nossa histria.

    Texto 2

    2

    .

    b

    p

    .

    b

    l

    o

    g

    s

    p

    o

    t

    .

    c

    o

    m

    /

    .

    .

    .

    /

    s

    3

    2

    0

    /

    c

    r

    i

    a

    n

    a

    -

    b

    r

    a

    s

    i

    l

    .

    g

    i

    f

    6 ANO Julho/ 2010

  • Nome da escola:________________________________________Nome:________________________________________________ Ficha 1

    Coordenadoria de Educao

    6- Nos versos 11 e 12:Boa terra! jamais negou a quem trabalhaO po que mata a fome, o teto que agasalha

    a) O que significam as expresses po que mata a fome e teto que agasalha (linha 12)?__________________________________________________________________________________________________

    b) Qual o efeito de sentido produzido pelo uso das reticncias?__________________________________________________________________________________________________

    c) O que, nos dois versos, justifica que o eu potico exclame Boa terra!?__________________________________________________________________________________________________

    d) De acordo com o eu potico, a quem a boa terra concede o po que mata a fome e o teto que agasalha (verso 12)?__________________________________________________________________________________________________

    7- Nos versos 13 e 14: Quem com seu suor a fecunda e umedece,V pago o seu esforo, e feliz, e enriquece!

    a) Que expresso o termo destacado substitui, no poema? ______________________________________

    b) H entre os versos uma relao de causa e consequncia. Com suas palavras, explique esta relao.___________________________________________________________________________________________________

    c) Voc concorda com o que se afirma nesses versos? Por qu?___________________________________________________________________________________________________

    ___________________________________________________________________________________________________

    h

    t

    t

    p

    :

    /

    /

    w

    w

    w

    .

    h

    u

    m

    o

    r

    n

    a

    n

    e

    t

    .

    c

    o

    m

    /

    f

    i

    l

    e

    s

    2

    /

    i

    m

    g

    s

    2

    0

    0

    2

    /

    d

    e

    s

    p

    o

    r

    t

    o

    /

    0

    1

    7

    5

    _

    h

    u

    m

    o

    r

    n

    a

    n

    e

    t

    _

    c

    o

    m

    _

    d

    e

    .

    g

    i

    f

    6 ANO Julho/ 2010

  • Nome da escola:________________________________________Nome:________________________________________________ Ficha 1

    Coordenadoria de Educao

    I

    !

    II" !"#$

    "$$

    $$$

    %&

    '(

    %!

    !

    Letra do Hino Nacional BrasileiroLetra: Joaquim Osrio Duque-Estrada

    Composio: Francisco Manuel da SilvaTexto 3

    a

    l

    e

    m

    d

    o

    q

    u

    e

    s

    e

    v

    e

    2

    .

    w

    o

    r

    d

    p

    r

    e

    s

    s

    .

    c

    o

    m

    /

    2

    0

    0

    9

    /

    0

    6

    /

    6 ANO Julho/ 2010

  • Nome da escola:________________________________________Nome:________________________________________________ Ficha 1

    Coordenadoria de Educao

    1- Na composio do Hino Nacional Brasileiro, como o texto aparece estruturado?___________________________________________________________________________________________________

    2- Associe a letra do Hino Nacional Brasileiro ao poema Cano do Exlio, de Gonalves Dias. Identifi

Search related