A Demonstração dos Fluxos de Caixa nas Instituições ...· DFC – Demonstração dos Fluxos de

Embed Size (px)

Text of A Demonstração dos Fluxos de Caixa nas Instituições ...· DFC – Demonstração dos Fluxos de

  • A Demonstrao dos Fluxos de Caixa nas Instituies

    Particulares de Solidariedade Social

    Cludia Cristina Pinto Soares

    Dissertao de Mestrado

    Mestrado em Contabilidade e Finanas

    Porto 2015

    INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAO DO PORTO INSTITUTO POLITCNICO DO PORTO

  • A Demonstrao dos Fluxos de Caixa nas Instituies

    Particulares de Solidariedade Social

    Cludia Cristina Pinto Soares

    Dissertao de Mestrado

    apresentada ao Instituto Superior de Contabilidade e Administrao do

    Porto para a obteno do grau de Mestre em Contabilidade e Finanas, sob

    orientao do Professor Doutor Eurico Cirne de Lima Basto

    Esta verso contm as crticas e sugestes dos elementos do jri.

    Porto 2015

    INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAO DO PORTO INSTITUTO POLITCNICO DO PORTO

  • A Demonstrao dos Fluxos de Caixa nas Instituies Particulares de Solidariedade Social

    III

    Quem sabe concentrar-se numa coisa e insistir nela como nico objectivo,

    obtm, ao fim e ao cabo, a capacidade de fazer qualquer coisa.

    Mohandas Karamchand Gandhi

    Tenho a impresso de ter sido uma criana brincando beira-mar,

    divertindo-me em descobrir uma pedrinha mais lisa ou uma concha mais bonita que as outras,

    enquanto o imenso oceano da verdade continua misterioso diante de meus olhos.

    Isaac Newton

  • A Demonstrao dos Fluxos de Caixa nas Instituies Particulares de Solidariedade Social

    IV

    Resumo

    Dada a atual conjuntura econmica internacional, a Economia Social tem vindo a aumentar

    consideravelmente a sua importncia. Desta forma, torna-se importante conhecer o normativo

    contabilstico que aplicado em Portugal. No caso concreto das Entidades do Setor No

    Lucrativo, surgiu a necessidade de se encontrarem formas mais eficientes de gerir os recursos

    para dar resposta s necessidades sociais emergentes, e por isso, estas entidades foram, em

    2011, enquadradas num novo contexto legal.

    O sucesso, o crescimento e a sobrevivncia de uma entidade dependem da sua capacidade para

    gerar fluxos de caixa e/ou obter os recursos financeiros necessrios ao desenvolvimento da sua

    atividade. Neste sentido, a Demonstrao de Fluxos de Caixa (DFC) que fornece aos seus

    utilizadores uma base para avaliar a capacidade da entidade gerar e utilizar os seus fluxos de

    caixa.

    Esta dissertao aborda uma rea de estudo, ainda pouco investigada, a Economia Social e, em

    particular, as Instituies Particulares de Solidariedade Social (IPSS), sendo notrio que o

    interesse por esta rea tem vindo a acentuar-se nos ltimos anos. Assim, fazendo o respetivo

    enquadramento terico e normativo, avalia-se a importncia da DFC, mais especificamente, a

    importncia do relato dos fluxos nas IPSS.

    Para a realizao desta dissertao, foi feita a anlise em profundidade do relato da DFC nas

    IPSS, recorrendo metodologia qualitativa, nomeadamente, investigao descritiva, aos

    mtodos e tcnicas de recolha de dados, e, por ltimo, anlise de contedo para tratar os dados

    qualitativos, tais como, as entrevistas. Para tratar alguns dados estatsticos foi utilizado o Microsoft

    Excel do Microsoft Office.

    A presente dissertao demonstra que o relato dos fluxos da DFC extremamente importante,

    pois proporciona informao financeira que importante no processo de tomada de deciso e na

    avaliao do desempenho financeiro das IPSS.

    Palavras chave: Entidades do Setor No Lucrativo, Instituies Particulares de Solidariedade

    Social, Norma Contabilstica e de Relato Financeiro para Entidades do Setor No Lucrativo,

    Demonstrao dos Fluxos de Caixa, Relato Financeiro.

  • A Demonstrao dos Fluxos de Caixa nas Instituies Particulares de Solidariedade Social

    V

    Abstract

    Given the current international economic situation Social Economy has increased its importance.

    Thus, it is important to know the accounting standards which are applied in Portugal. In the specific

    case of the Nonprofit Sector Entities it became necessary to find more effective ways to manage

    resources to meet emerging social needs, and therefore, these entities were, in 2011, framed in a

    new legal context.

    The success, growth and survival of an organization depends on its ability to generate cash flows

    and / or obtain the necessary financial resources for the development of its activity. Therefore, it is

    the Cash Flow Statement (CFS) that provides its users with a basis for assessing the entity's ability

    to generate and use their cash flows.

    This study addresses an area of study that is still poorly investigated, the social economy, more

    specifically, Social Solidarity Private Institutions (SSPI), being clear that the interest in this area has

    been increasing during the last years. Thus, making the respective theoretical and normative

    framing, it is assessed the importance of CFS, particularly, the importance of reporting flows in the

    SSPI.

    To carry out this study it was done an in-depth analysis of the report of CFS in SSPI, using

    qualitative methodology, namely, a descriptive research, methods and data collection techniques,

    and, finally, an content analysis to treat qualitative data, such as interviews. To treat some

    statistical data it was used Microsoft Excel, from Microsoft Office.

    This work demonstrates that the report of CFS flows is extremely important as it provides financial

    information that is important in the decision-making process and in evaluating the financial

    performance of the SSPI.

    Key words: Nonprofit Sector Entities, Private Social Solidarity Institutions, Accounting Standards

    and Financial Reporting for Nonprofit Sector Entities, Cash Flow Statement, Financial Reporting.

  • A Demonstrao dos Fluxos de Caixa nas Instituies Particulares de Solidariedade Social

    VI

    Agradecimentos

    Concluda mais uma etapa muito importante da minha vida, no poderia deixar de expressar o

    meu agradecimento a todos os que me apoiaram, ajudaram, contribuiram e permitiram a

    concretizao desta dissertao.

    Ao Doutor Eurico Cirne de Lima Basto, o meu maior agradecimento por toda a disponibilidade,

    pacincia, dedicao, acompanhamento prestado e pelo apoio incondicional e compreenso que

    sempre manifestou.

    Ao Instituto da Segurana Social, I.P. e s Instituies Particulares de Solidariedade Social

    estudadas, o meu agradecimento pela disponiblidade e colaborao que permitiram a realizao

    desta dissertao.

    Ao Centro de Estudos em Cincias Empresariais e Jurdicas, o meu agradecimento pelo tempo

    disponibilizado e cooperao.

    minha familia, agradeo todo o apoio e coragem que sempre me transmitiram, em especial, ao

    meu marido, pela ajuda, compreenso e confiana que depositou em mim ao longo de todo o meu

    percurso acadmico, e ao meu filho pela pacincia e fora que sempre me deu.

    Aos meus amigos, agradeo por terem estado sempre presentes nesta etapa da minha vida.

  • A Demonstrao dos Fluxos de Caixa nas Instituies Particulares de Solidariedade Social

    VII

    Lista de Siglas e Abreviaturas

    Lista de Siglas

    CE Comunidade Europeia

    CIRC Cdigo de Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas

    CNC Comisso de Normalizao Contabilstica

    CRP Constituio da Repblica Portuguesa

    CSC Cdigo das Sociedades Comerciais

    DF Demonstrao Financeira

    DFs Demonstraes Financeiras

    DFC Demonstrao dos Fluxos de Caixa

    DR Demonstrao de Resultados

    EBITDA - Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization

    EC Estrutura Concetual

    EES Entidades da Economia Social

    ESFL Entidades Sem Fins Lucrativos

    ESNL Entidades do Setor No Lucrativo

    ETI Equivalente a Tempo Inteiro

    FASB - Financial Accounting Standards Board

    FSE Fornecimento de Servios Externos

    GP Gross Profit

    IAS International Accounting Standards

    IASB International Accounting Standards Board

    IASC International Accounting Standards Committee

    IFRIC International Financial Reporting Interpretations Committee

    IFRS International Financial Reporting Standards

    IMI Imposto Municipal sobre Imveis

    IMT Imposto Municipal sobre as Transaes Onerosas de Imveis

    IPSS Instituies Particulares de Solidariedade Social

    IRC Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas

    IS Imposto do Selo

  • A Demonstrao dos Fluxos de Caixa nas Instituies Particulares de Solidariedade Social

    VIII

    ISCAP - Instituto Superior de Contabilidade e Administrao do Porto

    ISV Imposto Sobre Veculos

    IUC Imposto nico de Circulao

    IVA Imposto sobre o Valor Acrescentado

    LBES Leis de Bases da Economia Social

    NCRF Norma Contabilstica e de Relato Financeiro

    NCRF-ESNL Norma Contabilstica e de Relato Financeiro para as Entidades do Setor No

    Lucrativo

    NCRF-PE - Norma Contabilstica e de Relato Financeiro para as Pequenas Entidades

    NI Normas Interpretativas

    NICs Normas Internacionais de Contabilidade

    OCFL Organizaes Com Fins Lucrativos

    OCIP Oramento e Contas de Instituies Particulares de Solidariedade Social

    OSFL Organizaes Sem Fins Lucrativos

    PCIPSS Plano de Contas das Instituies Particulares de Solidariedade Social

    PCUP Pessoas Coletivas de Utilidade Pblica

    SIC Standing Interpretations Committee

    SNC Sistema de Normalizao Con