A GEOMETRIA DESCRITIVA E A TECNOLOGIA .A GEOMETRIA DESCRITIVA E A TECNOLOGIA COMPUTACIONAL Maria

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of A GEOMETRIA DESCRITIVA E A TECNOLOGIA .A GEOMETRIA DESCRITIVA E A TECNOLOGIA COMPUTACIONAL Maria

  • A GEOMETRIA DESCRITIVA E A TECNOLOGIA

    COMPUTACIONAL

    Maria da Conceio Amaral Alves UEFS Universidade Estadual de Feira de Santana, Dept de Letras e Artes

    amaral@uefs.br

    Ivoneide de Frana Costa UEFS Universidade Estadual de Feira de Santana, Dept de Letras e Artes

    neidefc@uefs.br

    Christina Arajo Paim Cardoso FAUFBA Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia,

    Departamento das Geometrias de Representao crispaim8@hotmail.com

    Resumo

    A capacidade de visualizao espacial uma habilidade cognitiva essencial para profissionais que atuam em reas como a engenharia, a matemtica e o desenho. Juntamente com essa constatao podemos observar a ausncia desta habilidade nos estudantes oriundos do ensino mdio, o que constitui um desafio para os professores que lidam com disciplinas da rea grfica e que, muitas vezes, tentam superar tal deficincia com a utilizao da tecnologia, associada computao grfica. Neste cenrio nossa pesquisa busca enumerar alguns aplicativos computacionais que podem ser utilizados nas aulas de Geometria Descritiva e analisar a contribuio que a tecnologia computacional pode oferecer como suporte ao processo de ensino-aprendizagem. Palavras-chave: Geometria Descritiva, Tecnologia Computacional, Viso Espacial.

    Abstract

    The ability of spatial visualization is an essential cognitive skill for professionals working in areas such as engineering, mathematics and drawing. Along with this observation we may note the absence of this ability in students coming from secondary school which is a the graphic area, often trying to overcome this deficiency with the use of technology associated the computer graphics. In this scenario our research tries to enumerate some computer applications that can be used in Descriptive Geometry classes and analyze the contribution that computer technology can offer to support the teaching and learning process.

  • Keywords: Geometry, Computer Technology, Space Vision.

    1 Introduo

    Com a permanncia do ensino tradicional do desenho em algumas instituies de

    ensino superior e com o avano das novas tecnologias e dos software existentes na

    rea da expresso grfica, buscou-se investigar a ferramenta grfica a partir de um

    levantamento bibliogrfico cujos pesquisadores tratam da implantao e aplicao de

    um mtodo de ensino e utilizam o computador como instrumento de trabalho no ensino

    da Geometria Descritiva, considerando que os software existentes ajudam a

    desenvolver a percepo espacial na tentativa de minimizar a dificuldade que a

    maioria dos discentes encontra no processo de visualizao.

    O uso do computador no ensino vem trazendo outras formas de interao do

    discente com aplicativos voltados ao ensino da Geometria Descritiva, cuja ao que

    exige e transforma as habilidades. Enquanto ferramenta de trabalho impe adaptao,

    aperfeioamento e atualizao no ensino e nas metodologias de transmisso de

    conhecimento, proporcionando aos discentes enfrentarem os desafios e mudanas

    impostas por essa realidade (ALVES, et al, 2007).

    2 A Geometria Descritiva

    A Geometria Descritiva (GD)1 possibilita ao discente construir uma relao com o

    espao tridimensional atravs da manipulao de elementos grficos, descobrindo

    suas associaes e inter-relaes no contexto das respectivas reas de formao. A

    GD est inserida nos cursos de Engenharia Civil, Arquitetura, Matemtica, Desenho,

    dentre outros. Observa-se que, com o tempo, esta disciplina vem sendo

    descaracterizada, perdendo a sua funo, resultando na sua desvalorizao e, por

    vezes, at criticada. Existe tambm a dificuldade de mant-la em alguns cursos de

    graduao devido falta de embasamento terico em relao viso espacial por

    parte dos discentes. Algumas pesquisas realizadas nesta rea, a exemplo de Bulhes

    (2004), Kopke (2006) e Seabra e Santos (2007) mostram que a maioria dos discentes

    ingressos em cursos de Matemtica e Engenharia no apresenta um desenvolvimento

    satisfatrio de suas habilidades de visualizao espacial.

    O ensino superior presencia a cada dia o ingresso de discentes nas reas

    voltadas para o ensino da expresso grfica sem os conhecimentos mnimos

    1Idealizada pelo matemtico francs Gaspard Monge (1746 1818) em meados do sculo

    XVIII. Monge nasceu na cidade de Beaume, na Frana, em maio de 1746 e estudou na Collge dOratoriens. Aos dezesseis anos, tornou-se professor de fsica no Colgio de Lyon. Posteriormente ingressou na Escola Militar de Mzires, obtendo o diploma de engenheiro militar (GANI, 2004, p. 23).

  • necessrios de Geometria e Desenho. Esta situao dificulta o desenvolvimento de

    alguns cursos universitrios cuja linguagem geomtrica essencial ao

    desenvolvimento de saberes, como nas disciplinas Geometria Descritiva, Desenho

    Arquitetnico e Desenho Tcnico (KOPKE, 2006). Tal situao tem causado

    desestmulo por parte de alguns docentes, porm, para outros, esse estado tornou-se

    objeto de pesquisa para se implantar novas metodologias. Segundo Montenegro

    (2003) este fato se evidencia nos simpsios bienais de Geometria Descritiva e

    Desenho Tcnico os Graphicas, nos quais as reflexes e inquietaes so

    partilhadas e inmeras experincias didticas apresentadas, vrias delas por meio da

    tecnologia computacional, o que um alento para o processo de ensino-aprendizagem

    e prtica da Expresso Grfica no Brasil.

    3 A Tecnologia Computacional na Educao

    O uso de computadores na educao tem sido considerado como uma transformao

    no modo de pensar e educar e sugere a reduo dos custos da educao, viabilizando

    sua democratizao (ULBRICHT, 1997). Isso pode suscitar a necessidade de uma

    mudana na postura e na proposta pedaggicas, adotando prticas educativas e

    metodologias convenientes para o ensino-aprendizagem nas reas de conhecimento.

    Nota-se a intensificao e a complexidade que o desenvolvimento tecnolgico tm

    propiciado e despertado, assim como a criao de novas necessidades sociais.

    Atualmente, a informtica tem se tornado mais acessvel, inclusive no mbito

    educacional. Segundo Wanderlinde (1996), em 1926 iniciou-se um trabalho em uma

    rea denominada Computador Assistindo o Aprendizado (Computer Assisted

    Learning), fundamentada nas Mquinas de Aprendizado (Teaching Machines). Com o

    desenvolvimento da Computao Grfica, Ulbricht (1997), Rodrigues (1999),

    Gonalves (1999), Cardoso (2001), Bulhes (2004), Lima et al (2007), entre outros,

    propuseram-se a investigar e a desenvolver software na rea de Geometria Descritiva,

    na tentativa de estudar esta disciplina, tornando-a menos exaustiva, menos

    desestimulante, aliada ao incentivo de que seja atrativa, agradvel e til, alm de

    possibilitar ao discente, em paralelo com o ensino tradicional, o desenvolvimento do

    raciocnio espacial.

    4 Viso Espacial

    A viso espacial uma habilidade mental, cujos mecanismos so localizados do lado

    direito do crebro e seu aprendizado se d por caminhos diferentes. Quanto mais

    ldica for a metodologia utilizada, mais rpida a apreenso e assimilao (Kopke,

    2001). O desenvolvimento de atividades feitas pelo discente proposta pelo docente em

  • sala, no mbito da pesquisa ou extracurriculares, enriquece a habilidade espacial do

    discente e amplia suas possibilidades de maneira frutfera, construtiva e bem sucedida

    para integrar-se no mercado de trabalho. As atividades para desenvolver e/ou ampliar

    a viso espacial ocorrem gradativamente, como assinala Laia:

    Trabalhar a viso espacial uma experincia semelhante alfabetizao. Os primeiros contatos com a linguagem escrita do s palavras um significado absolutamente mgico. O professor v o resultado de seu trabalho acontecer diante dos olhos no momento em que cada criana, ao tomar um texto nas mos, articula as palavras e simplesmente L. uma descoberta encantadora (LAIA, 2000, p. 2).

    Desde 1994, no GRAPHICA, percebe-se a busca de profissionais da rea de

    expresso grfica em aprofundar o conhecimento, usando mecanismos que

    proporcionam ao discente desenvolver mentalmente formas espaciais, facilitar o

    aprendizado destas capacidades com o desenvolvimento de novas metodologias,

    aplicao de materiais didticos, atualizao e a valorizao deste ensino. Discute-se,

    ainda, uma maneira de reverter o posicionamento de alguns discentes com relao

    dificuldade de compreender os assuntos estudados na GD como outras que utilizam a

    representao grfica, a exemplo de Desenho Arquitetnico e do Desenho Tcnico.

    De acordo com Anjos:

    O problema surge quando eles tm que representar no papel o que facilmente conseguem visualizar no espao. A situao mais corriqueira durante as aulas a do estudante que grava o desenvolvimento mecnico (solues grficas) das questes propostas sem compreender o que realmente est sendo feito (ANJOS, 2000, p. 5).

    A cada dia tem-se buscado meios no intuito de proporcionar o desenvolvimento da

    visualizao do espao tridimensional. Valente (2003) assinala que a tentativa de

    superar a dificuldade de visualizao por parte do discente, seja pela variabilidade no

    processo de aprendizagem e/ou pela desmotivao na maneira como vem sendo

    trabalhada em relao ao ensino tradicional, constitui um motivo pelo qual o ensino

    informatizado, individualizado e de qualidade tornou-se a razo de muitas pesquisas e

    projetos. Para Rodrigues (1994), o ato mental de visualizar do ser humano depende do

    mecanismo psicolgico e da cultura da