A Guerra dos Fae vol 3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

OS FAE DA LUZ EM COMBATE CONTRA OS FAE DAS TREVAS JAYNE SPARKS ESTÁ MAIS DESTEMIDA DO QUE NUNCA! O terceiro volume da série GUERRA DOS FAE, LUZ E TREVAS, é uma vitória definitiva do estilo de Elle Casey nesta saga consagrada pelo sucesso entre os leitores jovens americanos e brasileiros. Jayne Sparks está mais destemida, engraçada e rebelde do que nunca, tendo que enfrentar os problemas causados acidentalmente pelo duende Tim, aprender a manipular melhor seus poderes com O Verde, conhecer traições de um grande amigo e descobrir quais são os motivos secretos pelos quais há uma guerra incessante entre Faes das Trevas e Faes da Luz. Seus poderes podem torná-la vulnerável às manipulações dos Fae das Trevas, e ela poderá torna-se prisioneira de forças inimigas. Mas sua astúcia sempre estará lá. Acompanhe agora esta terceira parte agitada e emocionante.

Text of A Guerra dos Fae vol 3

  • A Guerr a dos Fae

    l i v r o t r s

    L u z e T r e va s

    traduo:

    C h i c o Lop e s

    elle casey

  • Captulo 1

    A mo de Tony, meu melhor amigo, pousou sobre meu ombro,

    apaziguando meu corao o que no era pouca coisa, considerando

    que nesse momento em particular eu estava presa em uma batalha po-

    tencialmente pica com ningum menos que Ben, o Fae das Trevas, de-

    mnio de fogo que agora parecia uma criatura sada direto das profun-

    dezas do inferno. Tony ter dito que queria ir comigo e que no tnhamos

    mais que icar separados era a melhor notcia que eu recebia em dois

    meses, desde que eu me transformara de humana em fae. Agora, tudo

    que eu tinha que fazer era descobrir como lidar com o terror lamejante

    parado minha frente com uma bomba de fogo nas mos.

    Ben, ele no quer ir com voc! Ele vem comigo!

    Pensei que o rugido de nossos poderes opostos tornaria difcil ou-

    vir, mas aparentemente no havia razes para eu gritar, pois Ben me

    respondeu em um tom de voz perfeitamente normal, e eu o entendi sem

    problemas.

    Eu o ouvi. Mas no acho que ele tenha todas as informaes ne-

    cessrias para tomar uma deciso. justo que ele entre nessa sabendo

    de tudo, no acha?

    Ele arqueou as sobrancelhas para mim com um ar condescendente,

    fazendo que eu me sentisse pequena e estpida. Eu detestava me sentir

    pequena e estpida, e detestava ainda mais quando era Ben que me fazia

  • Elle Casey A G u e r r a d o s Fa e

    8

    sentir assim. A resposta dele tambm era preocupante, porque eu no

    queria que Tony achasse que eu estava escondendo alguma coisa. Eu sa-

    bia a verdade, e j a havia dito a Tony antes de Ben aparecer. Ns ramos

    os bonzinhos, os Fae da Luz; Ben representava os malvados, os Fae das

    Trevas. No havia mais o que dizer, de verdade.

    Era bvio que esse Ben sabia um pouco de combate psicolgico.

    Provavelmente ele mesmo havia inventado o termo, uns cem anos

    atrs ou algo assim. No se consegue dizer a idade de um fae s de

    olhar para ele. Por fora, ele era um humano srio e terrivelmente bo-

    nito de dezoito anos. Por dentro, devia ter uns trezentos e cinquenta

    anos, horroroso como um fae serpente, usando um feitio para me

    fazer acreditar que ele era a gostosura em pessoa. Eu nem sabia se

    existia um fae serpente, mas ele poderia ser um. Ele certamente era

    escorregadio.

    Sacudi a cabea, forando-me a parar de pensar na aparncia dele.

    Tinha certeza de que a regra que eu tinha para garotos humanos se apli-

    cava para os fae tambm ou seja, quanto mais bonitos eles forem, pior

    trataro as garotas e mais supericiais sero. Que garoto vai desenvolver

    uma personalidade decente se todo o mundo simplesmente lhe d tudo

    que ele quer s porque lindo? Foco, Jayne. Tenho que ignorar esse ros-

    to bonito... Concentrar-me na escurido de sua alma e no quanto eu o

    desprezo por tentar roubar Tony de mim.

    Tony sabe de tudo. Eu j havia lhe contado antes de voc chegar;

    alis, sem ser convidado ou desejado, devo acrescentar.

    Ben parou de me encarar e se voltou para Tony.

    Ela lhe contou que vai for-lo a lutar na guerra? Que voc vai ter

    que matar gente?

    Senti a mo de Tony abandonar meu ombro, o que me deixou ins-

    tantaneamente preocupada. Eu havia acabado de passar os ltimos

    trinta minutos convencendo Tony de que ele tinha que ir comigo e que

  • Luz e Trevas

    9

    tudo ia icar bem. Mas sabia que ele no gostava da ideia de violncia, e

    aparentemente Ben tambm no.

    Tony sabe o suiciente para tomar uma boa deciso, coisa que ele j

    fez. Ento, por que voc no d o fora daqui para podermos seguir nosso

    caminho?

    Humm, Jayne... a voz assustada de Tony surgiu atrs de mim ,

    eu... eu no quero fazer parte da guerra...

    Sua voz foi se apagando at desaparecer, mas eu sabia o que isso sig-

    niicava. Eu tinha que fazer algo para remediar a situao o melhor que

    pudesse e rpido. Fixei em Ben o olhar mais raivoso que meu medo

    me permitia.

    Diminua o poder, babaca, assim poderemos falar sobre isso sem

    explodir a vizinhana.

    Eu diminuo se voc diminuir.

    Ele levantou as sobrancelhas de novo, dessa vez com ar desaiador.

    Cara, ele mesmo bom com esse negcio da sobrancelha.

    Relaxei um pouco meu domnio sobre O Verde, informando-lhe que

    queria que ele voltasse pela fronteira dos mundos embaixo da casa de

    Tony e fosse para dentro da Terra, onde descansava, antes que eu o cha-

    masse para cima e o usasse para fazer minhas vontades. O brilho verme-

    lho que se juntava aos poucos nas mos de Tony se dissipou a princpio

    por seus braos, e depois por todo o seu corpo. Logo estvamos ambos pa-

    rados ali, parecendo adolescentes normais de novo. Nada mais de brilho.

    Nada de barulho ou de agitao. Dei uma olhada para os garotos ao meu

    lado Finn, Jared, Spike e Chase. Todos haviam visivelmente relaxado

    suas posturas de combate, mas ainda estavam apreensivos.

    Eu no conio nele disse Finn.

    Nem eu acrescentou Spike.

    Chase permaneceu em silncio como sempre segurando

    meu amigo pixie, Tim, que jazia machucado, uma vez que Ben o havia

  • Elle Casey A G u e r r a d o s Fa e

    10

    praticamente fritado no ar com um raio de fogo. Meu outro amigo,

    Jared, um demnio, tambm estava em silncio. Mesmo assim, eu sabia

    que eles no coniavam mais em Ben do que eu.

    Bom, eu conio disse Tony.

    Eu olhei para ele, frustrada.

    Droga, Tony, mas o que que... Achei que j havamos supe-

    rado isso.

    Sim, voc est certa, j superamos. No estou dizendo que vou a

    algum lugar com ele ou que no vou com voc. S digo que conio nele.

    Ele foi legal comigo, Jayne, e nunca fez nada para me machucar. E, apa-

    rentemente, ele poderia, se quisesse.

    Ele olhou para Ben, dando um sorriso nervoso.

    Isso era to tpico de Tony: dar a algum o benefcio da dvida, mes-

    mo que fosse um maldito imbecil que fritava pixies.

    Oua, Tony, entendo que voc se sentiu abandonado quando eu

    iquei na loresta e voc teve que voltar para c...

    Tony foi me interromper, mas como eu sabia bem o que ele ia dizer,

    levantei a mo para que ele se calasse.

    E sei que voc no se lembra de ter estado l, mas estava, e eu ica-

    rei feliz de lhe provar isso quando voltarmos. Mas temos que ir. Olhei

    para Ben. Voc pode coniar nele, mas ns no pensamos o mesmo; e

    temos um amigo que precisa de cuidados apontei com a cabea para

    Tim, cado nas mos de Chase com os restos de uma asa carbonizada

    despontando da lateral de seu corpo.

    Ele est respirando disse Chase.

    Bom, por sorte ele est inconsciente, porque sei bem que ter uma

    asa arrancada doloroso; certamente t-la queimada excruciante.

    Lancei a Ben um olhar que mostrava exatamente quo repulsivo eu

    o achava.

    Tony olhou para Tim, e sua expresso assumiu um ar enojado.

  • Luz e Trevas

    11

    Ben ia ignorar meu comentrio, mas, ento, ele viu o olhar de Tony

    tambm.

    Tony, voc tem que entender, pixies so realmente perigosos. Eles

    podem parecer pequenos e foinhos, mas ele estava vindo me atacar. Eu

    estava apenas me defendendo.

    Tony olhou para mim, concordando, o que me deixou desconfor-

    tvel. Por que que eu tinha que defender meu pequeno amigo, agora

    inerte, que estava apenas tentando nos salvar?

    Olhei para Ben com raiva.

    Tim, como voc convenientemente esqueceu, estava apenas nos

    protegendo. De voc!

    Eu no era perigoso para nenhum de vocs. No iz nada. Vocs

    que comearam com as ameaas.

    Quanto mais essa conversa avanava, pior eu me sentia. De alguma

    maneira, Ben estava virando tudo do avesso para fazer parecer que eu

    era a vil da situao. Eu sabia que meu rosto deixava clara minha frus-

    trao, e quando olhei para ele para responder, o vi sorrindo, satisfeito.

    O imbecil achava que havia me colocado em uma sinuca de bico.

    No ique a se fazendo de super-honesto. Voc nunca contou a

    Tony que era um fae, e nunca lhe revelou suas verdadeiras intenes

    olhei para Tony e continuei. Pergunte a ele, Tony. Pergunte por que

    ele no lhe contou. Voc coniou em um cara que estava mentindo e es-

    condendo coisas o tempo todo.

    Nesse exato momento algum bateu na porta do quarto de Tony.

    Tony? H algum com voc no quarto?

    O rosto de Tony assumiu uma expresso de pnico.

    No, me! s uma msica!

    Bom, diminua, ento. J passou bastante de sua hora de dormir.

    Finn deu uma risadinha, mas teve a decncia de parecer desgostoso

    quando olhei feio para ele. S o que faltava era que Tony achasse que

  • Elle Casey A G u e r r a d o s Fa e

    12

    estvamos rindo dele. Tudo bem, a me dele era tola e obviamente qua-

    se surda, mas isso no era culpa dele.

    Sussurrei para o grupo.

    Ouam, no vamos chegar a lugar nenhum com isso. Alm do

    mais, no h razo para isso. Tony vem conosco, e precisamos ir

    olhei para Tony, praticamente implorando com o olhar. Voc ainda

    vem, certo?

    , ainda vou. Mas quero ouvir o que Ben tem a dizer primeiro. Ele

    meu amigo, Jayne. Sei que voc no gosta disso, mas assim que . Eu

    devo a ele a oportunidade de me contar seu lado da histria.

    Ben sorriu.

    Tony uma pessoa justa. Sempre esteve disposto a ouvir. Talvez

    voc pudesse perder um minuto ouvindo tambm, Jayne. Voc pode se

    surpreende