A história das limas - .desenvolvimento de limas uma ciência industrial. Esse processo envolve

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of A história das limas - .desenvolvimento de limas uma ciência industrial. Esse processo envolve

  • 196Os produtos Apex passam por constantes modernizaes, portanto, as fotos so meramente ilustrativas e podem diferir do produto comercializado.

    Limas

    O primeiro registro que se tem da utilizao de limas pelo homem est na Bblia e remonta ao ano 1090 a.C.. Elas teriam sido utilizadas para a afiao de variadas ferramentas primitivas.

    Os modelos atuais evoluram de simples pedras para desbaste, que, por meio de mquinas de picar bem rudimen-tares, eram transformadas em limas com dentes de ngulo reto. Essas primeiras mquinas surgiram a partir de uma inveno de Leonardo Da Vinci, por volta do ano 1490.

    Quase 300 anos mais tarde, em 1750, foi construda por Chopitel a primeira estrutura eficiente para picar limas, que utilizava ao doce na produo, dispensando o recozimento. Para produzir superfcies duras, os dentes da ferramenta tinham de passar por vrios mtodos de cementao, envolvendo muitos processos manuais, administrados por mestres artesos com suas tcnicas secretas.

    Hoje, h vrios tipos de materiais, produtos, acabamen-tos e condies de trabalho que tornam a produo e o desenvolvimento de limas uma cincia industrial.

    Esse processo envolve o estudo da composio dos tipos de ao, temperabilidade e resistncia, bem como exige profundas anlises para a determinao de tipos e formatos necessrios para se adequar as limas s diferentes aplicaes.

    Ao para limas: Ao especial de alto carbono, em bobinas ou barras de diferentes dimenses e perfis (retangulares, quad-radas, triangulares, redondas e meias-canas), cortadas nos comprimentos apropriados.

    Forma bruta: O "blank" (pr-forma da lima) aquecido e for-jado em martelos para formar a espiga e a ponta.

    Recozimento: O "blank" forjado aquecido e resfriado len-tamente sob condies controladas de temperatura para uni-

    formizar sua estrutura interna e diminuir a dureza do ao, per-mitindo a picagem dos dentes.

    Formato final: Os "blanks" recozidos so retificados para eliminar possvel descarbonetao e produzir a superfcie necessria formao uniforme dos dentes.

    Formao dos dentes: Uma picadora que movimenta rpi-da e alternadamente um chisel de grande dureza, que penetra no "blank" amolecido, formando os dentes da lima por defor-mao.

    Tmpera: A lima endurecida pelo aquecimento em fornos especiais, seguido de resfriamento muito rpido. Com isso, se obtm mxima dureza nos dentes.

    Acabamento: A lima limpa e afiada por meio de um jato de areia. A espiga temperada no leo, proporcionando resistn-cia sem fragilidade.

    A partir de ento a Nicholson passou a ser sinnimo de limas, com reconhecimento mundial. Com o tempo, a linha de produtos da marca foi ampliada e agora inclui grosas, serras e serrotes, todos fabricados com alta tecnologia.

    No Brasil, a Nicholson chegou por volta dos anos 70, quando adquiriu tambm a companhia Kearney & Foot, que deu origem marca K&F. A partir desse perodo as limas passaram a ser fabricadas em solo brasileiro e hoje, mais de 150 anos depois da inveno de William T. Nicholson, somos a fabricante de limas mais reconhecida do mundo.

    Mas em 1864, William T. Nicholson mudou a histria: Ele pro-jetou e patenteou um equipamento que possibilitava a fabri-cao em grande escala de limas, com qualidade superior.

    A histria das limas

    Como feita uma lima

  • 197

    O comprimento medido do ombro da lima at a ponta. O tipo de material e o tamanho da rea a ser trabalhada determinaro o comprimento desejado.

    A rea a ser limada determinar o perfil da lima a ser usado.

    O trabalho a ser executado, de desbaste ou acabamento, determinar o tipo de dente e de corte para cada aplicao. As limas tipo bastarda so ideais para re-moo mais agressiva de material e as limas tipo mura so utilizadas para aca-bamento final.

    Classifica-se o picado das limas, com referncia s caractersticas dos dentes em: simples, duplo e grosa.

    REDONDOpara ajustar

    formas redondas ou cncavas.

    QUADRADOpara ajustar

    furos retangulares ou

    cantos.

    BASTARDA MURA

    TRIANGULARpara ngulos

    internos agudos, como por exemplo,

    para afiao de serras, serrotes

    etc.

    CHATOuso geral para

    superfcies planas ou convexas.

    MEIA-CANAdupla finalidade, lado chato para

    superfcies planas ou

    convexas e lado curvo para

    superfcies redondas ou cncavas.

    CORTE SIMPLES: Os dentes so diagonais paralelos. As limas de corte simples so usadas para afiar facas, tesouras, serras, enxadas, faces, entre outros materiais.

    GROSA: A grosa apresenta uma srie de dentes individuais que formam um corte agressivo, usado principalmente em madeiras, cascos de animais, alumnio e chumbo.

    CORTE DUPLO: Dois grupos de dentes diagonais. O segundo grupo de dentes picado na direo diagonal oposta e sobre o primeiro grupo de dentes. As limas de corte duplo so usadas com presso maior do que as de corte simples com a finalidade de desbastar o material.

    FACAPara superfcies planas, convexas ou para ngulos

    agudos.

    Como escolher a lima certa para sua necessidade

    COMPRIMENTO:

    PERFIL:

    TIPOS DE CORTE: TIPOS DE DENTES:

    Ombro

    Espiga Comprimento do Corpo

    Ponta

  • 198Os produtos Apex passam por constantes modernizaes, portanto, as fotos so meramente ilustrativas e podem diferir do produto comercializado.

    Como utilizar corretamente uma lima

    Basicamente, h trs formas de trabalhar com a lima:

    Para uma limagem plana, os movimentos devem ser para frente, numa linha praticamente reta. O curso deve ser modificado apenas o suficiente para evitar sulcos na pea. Deve-se evitar o movimento de vaivm, pois este produzir superfcies arredondadas. O movi-mento para trs deve ser leve, para no prejudicar a estrutura dos dentes.

    A aplicao excessiva ou insuficiente de presso na lima durante o trabalho reduz rapidamente sua vida til. Cada material necessita de uma presso diferente. E isso se obtm com a utilizao da lima correta. intil e contraproducente tentar alcanar um desbaste maior com excesso de presso, por exemplo. Para isso, deve-se utilizar uma lima mais resistente.

    LIMAGEM RETA: movimento de vaivm longitudinal. A lima empurrada sobre a pea diretamente para frente ou ligeiramente na diagonal.

    TRANSLIMAGEM: com as mos segurando as extremidades, a lima empurrada e puxada sobre a pea.

    LIMAGEM EM TORNO: a lima movimentada contra a pea, que gira num torno. Para peas que podem ser danificadas devido presso no torno, devem ser colocados protetores de zinco, cobre ou alumnio entre elas e as garras do maquinrio.

    QUANDO A LIMA FOR UTILIZADA COM AS DUAS MOS: O cabo deve ficar acomodado na palma da mo, mais prximo da base do dedo mnimo. O polegar deve segurar o cabo em posio paralela ao comprimento deste. Na outra mo, a ponta da lima deve ficar presa entre o polegar e os dedos indicador e mdio. Se o movimento no exigir muita presso, o polegar da mo que segura a ponta pode ficar num ngulo reto em relao ao comprimento da lima. O posicionamento da mo depende da presso necessria para cada trabalho.

    Quando apenas uma das mos segurar a lima: Para limar peas que no esto presas a um torno ou a uma morsa, geralmente o dedo indicador colocado sobre o cabo, em linha com a lima.

    Para atingir o resultado desejado no trabalho, a lima deve ser utilizada corretamente. Para cada tipo de servio existe um modelo ideal, assim como uma forma de manej-la.

    A AO DE LIMAR:

    O MODO DE SEGURAR:

    A MOVIMENTAO DA LIMA:

    COMO MANTER A LIMA CORTANDO:

  • 199

    Aplicaes Especiais

    A translimagem consiste em segurar a lima em ambas as extremidades e alternadamente empurr-la e pux-la transversalmente pela pea de trabalho. Sendo as limas feitas para cortar em movimentos longitudinais para a frente, uma lima de ngulo de corte agudo (< 45) nunca dever ser usada, pois marcar e riscar em vez de raspar e cortar. Quando bem feita, a translimagem produz um acabamento melhor do que a limagem normal.

    Ao limar peas em rotao num torno, a lima no deve ser mantida rigidamente ou permanecer estacionria, mas ser movimentada constantemente. Um rpido movimento de deslizamento ou em sentido lateral ajuda a lima a livrar-se das limalhas e evita a formao de salincias e sulcos. Embora seja possvel usar uma lima de serra de engenho para trabalhos de limagem em torno, existe uma lima chata especial para torno, com dentes picados em ngulo maior. As bordas lisas dessa lima protegem as partes do trabalho que no devem ser limadas e as peas que o prendem.

    A limagem em torno geralmente usada para ajuste de eixos. Para o desbaste indicado o uso de limas chatas de torno de 12/305 mm ou 14/355 mm. limas chatas muras. Limas de serra de engenho tambm so usadas na limagem em torno para melhor acabamento da superfcie.

    Usando-se a lima chata para torno, deve-se tomar cuidado nas extremidades dos eixos, pois esse modelo de corte rpido poder desbastar o material em excesso.

    Outro cuidado que deve ser tomado o de no passar a mo sobre a pea trabalhada no torno, pois gordura e umidade podem cobrir a superfcie, dificultando o trabalho da lima. Para trabalhos em torno, com formas ovais, elpticas ou arredondadas irregulares, limas especiais de corte mais fino so recomendadas.

    Esta aplicao exige limas redondas, especificamente projetadas para a afiao de motosserras. Estas limas so dimensionadas com dimetro exato para perfeita ajustagem aos dentes das motosserras.

    A lima colocada contra a superfcie chanfrada de corte dos dentes que se estendem para ambos os lados e asseguram sua prpria folga a um ngulo de 20 a 45 em relao lmina da serra, dependendo das especificaes do fabricante. A direo do movimento de limagem para fora da borda de corte.

    essencial que a lima seja mantida em nvel, devendo ser pressionada na parte