A Importância do Fluxo de Caixa

  • Published on
    26-Nov-2015

  • View
    37

  • Download
    14

Embed Size (px)

Transcript

<ul><li><p>UNIGRANRIO - UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO </p><p>CV &amp; C - CONSULTORES ASSOCIADOS </p><p>MBA EM CONTROLADORIA E FINANAS FLUXO DE CAIXA IMPORTNCIA, COMPOSIO </p><p>E APLICAO NAS EMPRESAS </p><p> Fbio Castelo Branco Ponte de Arajo </p><p>Mariana Monte Holanda </p><p> FORTALEZA CEAR </p><p> 2004 </p></li><li><p>UNIGRANRIO - UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO </p><p>CV &amp; C - CONSULTORES ASSOCIADOS </p><p>MBA EM CONTROLADORIA E FINANAS FLUXO DE CAIXA IMPORTNCIA, COMPOSIO </p><p>E APLICAO NAS EMPRESAS </p><p>Fbio Castelo Branco Ponte de Arajo Mariana Monte Holanda </p><p>Norma Vasconcelos Ucha </p><p> Monografia apresentada com ao Curso de Especializao em Controladoria e Finanas da Universidade do Grande Rio UNIGRANRIO como parte exigncias para a obteno do ttulo de Especializao em nvel de Ps-Graduao Lato Sensu. </p><p>Orientador: Willian Celso Silvestre </p><p>FORTALEZA CEAR </p><p>2004 </p></li><li><p>UNIGRANRIO - UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO </p><p>CV &amp; C - CONSULTORES ASSOCIADOS </p><p>MBA EM CONTROLADORIA E FINANAS FLUXO DE CAIXA IMPORTNCIA, COMPOSIO </p><p>E APLICAO NAS EMPRESAS </p><p>Fbio Castelo Branco Ponte de Arajo Mariana Monte Holanda </p><p>Norma Vasconcelos Ucha Defesa em:___/___/_____ Conceito Obtido:________ </p><p> Banca Examinadora </p><p> ____________________________ </p><p>Cludio Ferreira Bastos Mestre </p></li><li><p>AGRADECIMENTOS </p><p>Aos nossos familiares e a todos que direto e indiretamente contriburam para a realizao desse curso. </p></li><li><p>RESUMO </p><p>O objetivo principal do trabalho Fluxo de Caixa Importncia, </p><p>Composio e Aplicao nas empresas estabelecer um estudo sobre </p><p>a importncia e a aplicao do Fluxo de Caixa nas empresas. O </p><p>desenvolvimento desse tema envolve, inicialmente, discusses sobre as </p><p>conceituaes gerais bsicas, alm de justificar sua importncia e a </p><p>utilizao de demonstrativos de Fluxo de Caixa como ferramentas </p><p>indispensveis boa gesto das organizaes. Conceitua os tipos de </p><p>Fluxos de Caixa. Indica os vrios elementos que devem compor o fluxo e </p><p>as formas adequadas para a anlise e utilizao. Mostra tambm as </p><p>transaes que afetam e no afetam o caixa. </p></li><li><p>SUMRIO INTRODUO ......................................................................................................07 </p><p>CAPTULO 1 </p><p>ASPECTOS GLOBAIS DO FLUXO DE CAIXA NA CONTABILIDADE .................09 </p><p>CAPTULO 2 </p><p>A UTILIZAO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS....................................14 </p><p>CAPTULO 3 </p><p>MTODOS PARA ELABORAO DA DEMONSTRAO DOS FLUXOS DE CAIXA ..................................................................................................................24 </p><p>CAPTULO 4 </p><p>FLUXO DE CAIXA ASPECTOS COMPLEMENTARES E MODELO .................34 </p><p>CONCLUSO .......................................................................................................38 </p><p>BIBLIOGRAFIA ...................................................................................................40 </p></li><li><p>INTRODUO </p><p>Com a nova conjuntura econmica mundial, se exige que o </p><p>administrador financeiro esteja preparado para os novos desafios. Hoje, </p><p> preciso gerenciar com competncia todos os recursos financeiros </p><p>disponvel na empresa. Porm s ser possvel, se for realizado com a </p><p>participao e integrao de todos os responsveis pela empresa. </p><p>No processo de elaborao do fluxo de caixa devero ser </p><p>utilizadas tcnicas gerenciais para se projetar as vendas e os custos da </p><p>empresa, de forma que no existam desperdcios para o seus caixas. </p><p>O fluxo de caixa constitui-se em instrumento essencial para que </p><p>a empresa possa ter agilidade e segurana em suas atividades </p><p>financeiras. Logo, o fluxo de caixa dever refletir com preciso a situao </p><p>econmica da empresa, em termos financeiros de futuro. </p><p>A metodologia utilizada neste trabalho cientfico foi de pesquisas </p><p>bibliogrficas, artigos publicados e pesquisas na Internet. </p><p>No captulo 1, sero tratados os aspectos globais do Fluxo de </p><p>Caixa na Contabilidade. No captulo 2, ser tratado a utilizao do Fluxo </p><p>de Caixa nas Empresas. </p><p>No captulo 3, sero tratados os mtodos para a elaborao da </p><p>demonstrao dos Fluxo de Caixa. No ltimo captulo sero tratados os </p><p>aspectos complementares do Fluxo de Caixa. </p></li><li><p>Em resumo, o fluxo de caixa o instrumento que permite ao </p><p>administrador financeiro planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar </p><p>os recursos financeiros de sua empresa para determinado perodo. </p></li><li><p>CAPTULO 1 ASPECTOS GLOBAIS DO FLUXO DE CAIXA NA CONTABILIDADE </p><p>1.1. Consideraes Gerais </p><p>A Contabilidade tem sido classificada, quanto s suas </p><p>finalidades, como cincias social, embora sua metodologia de </p><p>mensurao abarque tambm o quantitativo. Conceituada como sendo </p><p>um sistema de informaes e avaliao, capaz de prover seus usurios </p><p>com demonstraes de natureza econmica, financeira, fsica e de </p><p>produtividade, devidamente estruturadas, tem se constitudo, ao longo </p><p>dos tempos, ferramenta indispensvel boa gesto das organizaes. </p><p>A legislao pertinente Lei N 6.404/76 que regulamenta as </p><p>Normas Contbeis que devem ser observadas pelas Sociedades </p><p>Annimas obriga as empresas a apresentarem, juntamente com seus </p><p>balanos, a Demonstrao das Origens e Aplicaes dos Recursos que </p><p>procura evidenciar as movimentaes que propiciam margem nos </p><p>recursos de curto prazo. Para o futuro, alguns autores apiam a idia de </p><p>substituio da Demonstrao das Origens e Aplicaes dos Recursos </p><p>pelo Fluxo de Caixa. </p><p>A principal justificativa tem consistido, basicamente, na maior </p><p>facilidade de entendimento do Fluxo de Caixa, onde as informaes </p><p>sobre o fluxo financeiro podem ser visualizadas de forma mais clara </p><p>durante o perodo, apesar de a Demonstrao das Origens e aplicaes </p><p>dos Recursos (DOAR) ser, incontestavelmente, mais rica em </p><p>informaes. </p></li><li><p>As longo dos tempos, a busca pelo maior envolvimento dos </p><p>contadores na administrao das organizaes, tem conduzido a </p><p>atividade de contabilidade da condio de cincia voltada exclusivamente </p><p>para os registros patrimoniais com fins legais ou fiscais, para uma </p><p>situao de parceria de decises de negcios, capaz de propiciar </p><p>informaes e anlises de natureza econmica, financeira, fsica e de </p><p>produtividade, bem como, de oferecer estudos, projees e desenhos de </p><p>cenrios futuros das organizaes. </p><p>As limitaes decorrentes das Demonstraes que possuem </p><p>carter esttico, ou seja, que representam uma determinada situao ou </p><p>um determinado nvel ou estoque em determinado momento, motivou a </p><p>adoo de demonstraes que representassem fluxos, com a finalidade </p><p>se subsidiar a anlise dos balanos das organizaes. A anlise com </p><p>base nos demonstrativos representativos de fluxos propicia a </p><p>compreenso das modificaes ocorridas nos nveis de estoques dos </p><p>mesmos atravs da anlise de suas movimentaes. Assim, o Balano </p><p>Patrimonial, que representa o estoque de bens, direitos e obrigaes de </p><p>uma entidade, demonstra uma situao momentnea, ou seja, indica os </p><p>nveis observados num momento pontual. </p><p>Para melhor compreenso da evoluo dos nveis de estoques </p><p>encontrados no Balano Patrimonial, necessrio se faz recorrer a outros </p><p>demonstrativos que representem fluxos e indiquem as movimentaes </p><p>que geraram as alteraes observadas no espao entre um perodo e </p><p>outro. A anlise da situao ganhar maior consistncia e proveito a </p><p>partir da anlise, por exemplo, da Demonstrao de Resultados do </p><p>Exerccio, que apresenta a movimentao dos fluxos de receitas e </p><p>despesas indicando como foram gerados os resultados da organizao e </p><p>qual a participao de cada componente na formao do resultado. </p></li><li><p>Tambm, na linha desse mesmo Demonstrativo, encontra-se a </p><p>Demonstrao das Mutaes do Patrimnio Lquido. Este ltimo criado, </p><p>provavelmente, para controlar um grupo de contas de interesse direto </p><p>dos proprietrios do Capital das organizaes. </p><p>Por muito tempo as organizaes tiveram que se contentar, </p><p>exclusivamente, com os Balanos Patrimoniais, as Demonstraes de </p><p>Resultado do Exerccio e as Demonstraes das Mutaes no Patrimnio </p><p>Lquido. Entretanto, as organizaes continuavam a demandar </p><p>instrumentos mais dinmicos, que se propusessem a acomodar fluxos </p><p>completos de toda a movimentao financeira e no se limitassem a </p><p>apresentar receitas e despesas exclusivamente segundo os regimes de </p><p>competncia. Como resposta a essa demanda, com a pretenso de se </p><p>tornar um Demonstrativo capaz de diferenciar-se dos demais, pela </p><p>explicao conjunta das movimentaes dos fluxos, surgiu o Fluxo de </p><p>Fundos. </p><p>A expresso fundos, segundo o perodo considerado na </p><p>anlise, pode assumir diversas interpretaes. Assim, para uma anlise a </p><p>partir das mudanas observadas no ativo lquido decorrentes de </p><p>operaes, ou seja, a estruturao dos fluxos de rendas do perodo. Em </p><p>situaes que envolvam prazos menores o enfoque recomendvel ser o </p><p>de capital circulante lquido, e finalmente se a situao de curtssimo </p><p>prazo o enfoque volta-se para o caixa propriamente dito. Note-se, que a </p><p>definio mais comum para o fluxo de fundos como capital circulante </p><p>lquido, ou seja, pela diferena entre o ativo circulante e o passivo </p><p>circulante. </p><p>No Brasil, a Demonstrao das Origens e Aplicaes dos </p><p>Recursos (DOAR) foi adotada com base no conceito de capital circulante </p></li><li><p>lquido e evidencia a situao financeira de curto prazo das </p><p>organizaes. A tendncia da adoo do Fluxo de fundos tendo, </p><p>inclusive se tornado obrigatrio para as empresas americanas. </p><p>1.2 A Importncia do Fluxo de Caixa </p><p>Entende-se como Fluxo de Caixa o registro e controle sobre a </p><p>movimentao do caixa de qualquer empresa, expressando as entradas </p><p>e sadas de recursos financeiros ocorridos em determinados perodos de </p><p>tempo. (CAMPOS FILHO, 1997). O Fluxo de Caixa assume importante </p><p>papel no planejamento financeiro das empresas. Portanto, constitui-se </p><p>num exerccio dinmico, que deve ser constantemente revisto, atualizado </p><p>e utilizado na tomada de decises. Normalmente a anlise realizada </p><p>atravs de indicadores especficos, de acordo com cada projeto ou </p><p>situao analisada, tais como: Valor Presente (Valor Atual Lquido), Taxa </p><p>Interno de Retorno, Paybaxck e Taxa Mdia de Retorno. </p><p>O presente trabalho dar enfoques da contabilidade, </p><p>considerando a Demonstrao das Origens e Aplicaes dos Recursos </p><p>(DOAR) como instrumento para a anlise financeira das organizaes e, </p><p>da Demonstrao do Fluxo de Caixa na perspectiva futura. </p><p>O Fluxo de Caixa constitui ferramenta de fundamental </p><p>importncia para a boa administrao e avaliao das organizaes. A </p><p>sua adoo possibilita uma boa gesto dos recursos financeiros, </p><p>evitando situaes de insolvncia ou falta de liquidez que representam </p><p>srias ameaas continuidade das organizaes. </p><p>A boa utilizao da ferramenta fluxo de caixa tambm possibilita </p><p>o conhecimento do grau de independncia financeira das organizaes, </p></li><li><p>com base na avaliao do seu potencial para gerao de recursos no </p><p>futuro para saldar seus compromissos e para pagar a remunerao dos </p><p>seus empreendedores. </p><p>Viabiliza, ainda, a avaliao da capacidade de financiamento do </p><p>seu capital de giro ou se depende de recursos externos, permitindo </p><p>conhecer a capacidade de expanso com recursos prprios, gerados a </p><p>partir de suas prprias operaes a aferir o potencial efetivo das </p><p>organizaes para implementar decises de investimento, financiamento, </p><p>distribuio de lucros e/ou pagamento de dividendos. </p><p>Tambm, gera indicadores do memento ideal para a realizao </p><p>de emprstimos ou captaes de recursos externos, tanto para a </p><p>cobertura de eventuais situaes dficits, como para implementar </p><p>decises que dependem de aportes adicionais, alm de orientar as </p><p>aplicaes dos excedentes de caixa (supervites) no mercado financeiro, </p><p>possibilitando maiores ganhos para a organizao e melhor </p><p>compatibilizao dos prazos. </p></li><li><p>CAPTULO 2 A UTILIZAO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS 2.1. Fluxo de Caixa Histrico X Projetado </p><p>Existem duas formas para tratamento das informaes relativas </p><p>ao Fluxo de Caixa; a primeira forma refere-se ao Fluxo de Caixa Histrico </p><p>(ou Passado) que apresenta o desempenho passado; e a segunda ao </p><p>Fluxo de Caixa Projetado (ou Oramento de Caixa) que procura antever </p><p>as situaes relacionadas ao caixa das organizaes. </p><p>O Fluxo de Caixa Histrico coloca-se como instrumento </p><p>complementar s demais demonstraes contbeis, especialmente ao </p><p>Balano Patrimonial e a Demonstrao de Resultado do Exerccio. </p><p>Procura esclarecer e historiar as atividades operacionais de investimento </p><p>e de financiamento. Estabelece o rastreamento da atividade passada </p><p>com vistas a elucidar pontos crticos no desempenho financeiro das </p><p>organizaes, fornecendo subsdio para a tomada de decises, correo </p><p>de rumos e incrementos de resultados. Sua anlise permite avaliar a </p><p>forma como o recurso de cada fonte vem sendo aplicado e proporciona </p><p>uma viso acerca do crescimento da organizao. Tambm, aliado a </p><p>outros indicadores, serve como base para a construo do Fluxo de </p><p>Caixa Projetado. </p><p>O Fluxo de Caixa Projetado ou Oramento de Caixa antecipa </p><p>situaes futuras de caixa, antevendo pontos crticos que podero ser </p><p>antecipadamente tratados ou situaes de excesso de caixa que podem </p><p>ensejar decises de redirecionamento de recursos. </p></li><li><p>Construdos a partir de critrios previamente definidos, aliados a </p><p>informaes disponveis nas organizaes e com auxlio de modelos </p><p>matemticos e estatsticos, essas previses no esto isentas dos </p><p>efeitos da subjetividade, sendo, portanto de extrema importncia a </p><p>observao do princpio da prudncia por ocasio de sua elaborao. </p><p>Mesmo entre os Fluxos de Caixa pode-se observar que, enquanto </p><p>o Fluxo Histrico limita-se a explicar o passado o Fluxo de Caixa </p><p>Projetado lana-se a frente procurando estabelecer o futuro. A </p><p>importncia de um e de outro relativa e poder ser maior ou menor </p><p>dependendo do momento e da utilizao que se deseje dar. Se a ante </p><p>viso do futuro possibilita agilidade na adaptao a situaes novas, o </p><p>conhecimento do passado e a sua comparao ao planejado se constitui </p><p>em elemento aferido dos critrios utilizados para as projees. </p><p>2.2- Estrutura da Demonstrao do Fluxo de Caixa </p><p>Para uma perfeita anlise das informaes o Fluxo de Caixa de </p><p>uma organizao deve apresentar uma estrutura com determinado grau </p><p>de detalhamento, para que o administrador possa analisar, entender e </p><p>decidir adequadamente sobre sua liquidez. </p><p>Os Fluxos Operacionais representam todos os gastos </p><p>relacionados com a produo e comercializao dos bens e servios da </p><p>empresa. Deve conter como entradas a cobrana das vendas dos </p><p>produtos/servios gerados e comercializados; e como sadas os </p><p>elementos que esto ligados gerao, administrao e comercializao </p><p>de tais produtos como: pagamentos a fornecedores, gastos com servios </p><p>pblicos, etc. </p></li><li><p>Os Fluxos de Investimentos envolvem a aquisio e venda de </p><p>ativos que sero utilizados na produo de bens uso servios, a </p><p>concesso e o recebimento de emprstimos, as movimentao relativas </p><p>s aplicaes financeiras e as participaes em outras empresas. </p><p>So consideradas entradas de Atividades de Investimentos: </p><p>recebimento de emprstimos concedidos, recebimentos por resgate de </p><p>aplicaes financeiras, recebimento por vendas de participaes </p><p>acionrias em outras empresas, etc. E como sadas podemos citar: </p><p>desembolso por concesso de emprstimos, pagamento para aquisio </p><p>de ttulo financeiros, pagamentos para aquisio de participao </p><p>acionri...</p></li></ul>