A l idariedade er vivida - Colônia de Férias .Filme sobre fome Esqueça as favelas ... fala de

  • View
    216

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of A l idariedade er vivida - Colônia de Férias .Filme sobre fome Esqueça as favelas ... fala de

  • A Solidariedade

    a ser vivida

  • 4444

    Triste estatstica No mundo a cada sete segundos morre uma criana de fome. Calcula-se que, a cada dia, 100.000 pessoas morrem de fome ou de suas conseqncias e que o nmero de seres humanos com carncias alimentares chega a 840 milhes.

    Filme sobre fomeEsquea as favelas do Rio de Janeiro, os tiroteios e as cenas de tortura. O novo filme de Jos Padilha, o documentrio em preto-e-branco Garapa, fala de um outro tipo de violncia que o capito Nascimento no tem como combater -- a fome e a misria.Por 30 dias, as filmagens de Garapa acompanharam trs famlias cearenses em situao de fome e misria.O diretor de Tropa de Elite, vencedor do Urso de Ouro no Festival de Berlim, seguiu por 30 dias a rotina de trs famlias cearenses em situao de insegurana alimentar grave, um problema que atinge mais de 10 milhes de brasileiros, segundo o Instituto Brasileiro de Anlises Sociais e Econmicas (Ibase). (http://cinema.uol.com.br/ultnot/2008/07/14/ult26u26609.jhtm)

    5,9 milhes de brasileiros deixam a linha da pobrezaOs nmeros de 2006 no s do seqncia s conquistas observadas desde a piora da pobr-eza com a recesso de 2003, como tambm constitui o melhor ano isolado da srie histrica da nova Pnad, com queda de 15% da misria no Pas o melhor resultado dos ltimos dez anos, afir-ma o coordenador do Centro de Polticas Sociais do Instituto Brasileiro de Economia, Marcelo Neri. Isto significa que o bolo continuou a crescer para todos, mas com mais fermento para os mais pobre. Os indi-cadores sociais baseados na renda so os melhores dos ltimos dez anos. Desde o boom do Real que no se via melhora to acentuada, enfatiza o economista.(http://pre-vestibular.arteblog.com.br/26641/diminui-a-pobreza-brasileira-Os-dados-da-fundacao-Getulio-Vargas/)

    UNICEF agradece a solidariedade dos brasileiros O Fundo das Naes Unidas para a Infncia UNICEF agradeceu, hoje, aos brasileiros e brasileiras que demonstraram sua generosidade e contriburam para ajudar crianas e adolescentes sobreviventes dos tsu-namis que atingiram o sul da sia e a costa leste da frica no dia 26 de dezembro de 2004, deixando quase 200.000 mortos e destruindo cidades inteiras.No Brasil, em dois meses de arrecadao, 8.370 doaes de pessoas fsicas e jurdicas alcanaram R$ 1.204.691,30 para a ajuda emergencial aos sobreviventes dos tsunamis. Os recursos foram enviados para o fundo global do UNICEF. Graas a essas contribuies, centenas de milhares de meninos e meninas puderam sobreviver, recuperar a sade, reencontrar suas famlias e voltar para a escola aps o desastre. (http://www.unicef.org.br)

    Dando voz aos pobresA Comisso Nacional de Justia e Paz, ao promover uma audio pblica, com o tema Dar voz aos pobres para erradicar a pobreza, pretende convocar pobres e no-pobres para uma reflexo conjunta com vista desconstruo dos preconceitos acerca da pobreza e, por essa via, contribuir para fomentar uma cultura de justia, de solidariedade e de coeso social. nossa inteno reunir na mesma mesa as pessoas que vivem ou viveram situaes de pobreza e os responsveis pelas polticas pblicas, dirigentes e tcnicos de organizaes de solidariedade social, investigadores, bem como gente da cultura e da comunicao social para, em conjunto, encontrarmos caminhos para vencer a pobreza.

    OLHANDOFatos da vida, notcias, estatsticas - proposta de TelejornalFolhas

    Nenhum ser humano uma ilha, j diz uma frase popular que nos mostra como precisamos uns dos outros. Num mundo cheio de desigualdades, a solidariedade aproxima as pessoas, libertando-as do egosmo. Para os cristos, a expresso concreta do amor em Cristo: Amai-vos uns aos outros(Jo 15,12)

    Apresentao

  • 45

    Os J

    oven

    s a

    sere

    m a

    colh

    idos

    45

    A S

    olid

    aried

    ade

    a se

    r vi

    vida

    Tragdia africanafrica, bero da humanidade segundo arquelogos e outros cientistas, outrora cenrio de importantes civili-zaes, tornou-se o continente com a maior concentrao de pases pauprrimos do mundo, ganhando essa corrida s avessas at para a Amrica latina.(Editorial do Jornal do Commercio, 14 de julho de 2008)

    Tsunami silenciosoDe acordo com o Programa Mundial de Alimentos (PMA) das Naes Unidas, a falta de alimentos ameaa como um tsunami silencioso, e pode afundar na fome 100 milhes de pessoas. De acordo com a FAO - Orga-nizao das Naes Unidas para Agricultura e Alimentao, so quatro os principais fatores que influenciam a alta dos preos dos alimentos: (1) aumento da demanda, (2) alta do petrleo, (3) especulao e (4) condies climticas desfavorveis. H controvrsias sobre a dimenso da responsabilidade dos biocombustveis, cujas matrias-primas (cana, milho e outras) disputam espao com culturas destinadas produo de comida.

    Jovens que no se rendemEm Crdoba, na Argentina, jovens sensveis difcil situao social e movidos pelos sentimentos de fraterni-dade, freqentam um bairro de periferia, todos os domingos. Mobilizaram um amigo dentista para dar palestras sobre higiene bocal s crianas e aos pais delas, oferecendo tambm escovas e pasta de dentes.Os jovens organizaram tambm o fornecimento de refeies dirias a 50 meninos e meninas de 6 a 12 anos e ainda uma biblioteca infantil, com reforo escolar. (Cidade Nova, 8/2005)

    Construo de cisternasUma das lutas mais bonitas pela gua, acontece na regio semi-rida no Nordeste brasileiro, Ale. ONGs, Igreja, Diocese, pastorais, movimentos sindicais, movimentos sociais j vinham, h anos, buscando caminhos para resolver o problema trgico dos sem gua.

    Sem barreiras para ajudarQuando a idia ajudar, trabalhando com os ltimos, a idade no representa uma barreira. Janaina Nunes participa de uma campanha organizada pelo Movimento Jovens por um Mundo Unido (JPMU), que for-nece aproximadamente 100 litros de leite mensais a uma associao de mes para combater o cncer, em Minas Gerais.(Cidade Nova, N 1-2, janeiro-fevereiro de 2007)

    CelebrAo dA SolidAriedAdePreparaoPainis com fotos de trabalhos em conjunto, de pessoas ajudando outras, frases de solidariedade. Ensaiar todos os cantos e refres momentos antes para que to-dos participem.

    AcolhidaMeus queridos irmos sejam todos bem vindos a esta celebrao, pois, o Senhor bom para conosco. Assim, seguindo o seu exemplo devemos tambm sermos solidrios com os nossos irmos que tanto precisam de ns e que, s vezes, no os vemos. CantoLeitor 1: Solidariedade , sem sombra de dvidas, a forma maior de algum expressar o seu amor.Leitor 2: Ningum nesse mundo foi to solidrio s pessoas quanto Jesus. Ensinou-nos a repartir o po. Mostrou-nos como devemos ser solidrios aos mais fracos e oprimidos. E como se isso no bastasse, atingiu o ponto mximo da solidariedade quando, em nosso lugar, morreu na cruz.Refro: (cantado)Leitor 1: O mundo est cheio de exemplos de pessoas que so a prpria solidariedade personificada, que so verdadeiros tesouros, que fazem desse sentimento bssola para o seu caminhar.

    REZANDOOraes, celebraes, dilogo com Deusrazes

  • 4646

    Leitor 2: Os jovens cada vs mais percebem que necessrio unir-se para serem mais eficazes nas realizaes, para se sentirem solidrios, para oferecerem uma contribuio melhor sociedade em que vivem e s regies mais necessitadas do Pas.Refro: (cantado)Canto de aclamaoLeitura do Evangelho: Lc 10, 25-37 (Dramatizado. Personagens: Jesus, doutor da Lei, Homem agredido, assaltantes,sacerdote, levita, samaritano, dono da penso).Reflexo (Para ajudar na reflexo utilizar um exemplo de solidariedade que a comunidade vivenciou).Preces espontneasPai-nosso - Ave-Maria Orao Final Deus da vida, Criador da Terra e de todos que nela habitam, enche de esperana nossos coraes. Inspira-nos, para que a solidariedade seja nossa bandeira para a vida; que possam germinar essas sementes de justia, paz e solidariedade, e assim participemos com nossos irmos, em especial, os que mais sofrem, com a fora da tua ressurreio, que tambm a nossa ressurreio. Amm.Canto final: O senhor colocou-nos no mundo

    A. bbliA e SolidAriedAde

    A pessoa desesperada tem direito solidariedade do amigo (J 6,14)

    Eu garanto a vocs: todas as vezes que vocs fizeram isso a um dos menores de meus irmos, foi a mim que o fizeram (Mt 25, 40)

    E Jesus perguntou: 36 Na sua opinio, qual dos trs foi o prximo do homem que caiu nas mos dos assaltantes? 37 O especialista em leis respondeu: Aquele que praticou misericrdia para com ele. Ento Jesus lhe disse: V, e faa a mesma coisa. (Lc 10,36-37)

    A multido dos fiis era um s corao e uma s alma. Ningum considerava propriedade particular as coisas que possua, mas tudo era posto em comum entre eles. (At 4,32)

    Com o apoio e solidariedade da igreja de Antioquia, eles atravessaram a Fencia e a Samaria. Contaram sobre a converso dos pagos, e deram uma grande alegria a todos os irmos. (At 15,3)

    Sejam solidrios com os cristos em suas necessidades e se aperfeioem na prtica da hospitalidade. (Rm 12,13)

    A Macednia e Acaia resolveram fazer uma coleta em favor dos cristos pobres da comunidade de Jerusalm. (Rm 15,26)

    Tenham todos a mesma atitude, sejam compassivos, cheios de amor fraterno, misericordiosos e de esprito humilde. 9 No paguem o mal com o mal, nem o insulto com outro insulto; pelo contrrio, abenoem, porque para isso vocs foram chamados, isto , para serem herdeiros da bno. (1Pd 3,8-9)

    O Senhor rico em compaixo e misericrdia. (Tg 5,11b)

    b. PAPA e SolidAriedAdeA solidariedade a chave que permitir eliminar a pobreza e o subdesenvolvimentoBento XVI, 16-10-2006

    Favoream o dilogo e a solidariedade, sobretudo em relao aos mais vulnerveis.Bento XVI, 16-10-2006

    A Eucaristia escola de caridade e de solidariedade. Quem se alimenta do Po de Cristo no pode ficar indifer-ente perante quem, mesmo nos nossos dias, no dispe do po quotidianohttp://www.anjosdejesus.com/start/index.php?option=com_content&task=view&