A Sociologia em Émile Durkheim .A bipolarização social preocupava profundamente ... rotativas

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of A Sociologia em Émile Durkheim .A bipolarização social preocupava profundamente ... rotativas

  • A Sociologia em mile Durkheim

    Por Consultoria Florestan Fernandes

    1. Situao do Autor

    1.1. Marcos sociais

    Na adolescncia, o jovem David mile presenciou uma srie de acontecimentos que marcaram decisivamente todos os franceses em geral e a ele prprio em particular: a 1 de setembro de 1870, a derrota de Sedan; a 28 de janeiro de 1871, a capitulao diante das tropas alems; de 18 de maro a 28 de maio, a insurreio da Comuna de Paris; a 4 de setembro, a proclamao da que ficou conhecida como III Repblica, com a formao do governo provisrio de Thiers at a votao da Constituio de 1875 e a eleio do seu primeiro presidente (Mac-Mahon). Thiers fora encarregado tanto de assinar o tratado de Frankfurt como de reprimir os communards, at liquidao dos ltimos remanescentes no "muro dos federados". Por outro lado, a vida de David mile foi marcada pela disputa franco-alem: em 1871, com a perda de uma parte da Lorena, sua terra natal tornou-se uma cidade fronteiria; com o advento da Primeira Guerra Mundial, ele viu partir para o front numerosos discpulos seus, alguns dos quais no regressaram, inclusive seu filho Andrs, que parecia destinado a seguir a carreira paterna.

    No entretempo, Durkheim assistiu e participou de acontecimentos marcantes e que se refletem diretamente nas suas obras, ou pelo menos nas suas aulas. O ambiente por vezes assinalado como sendo o vazio moral da III Repblica

    2, marcado seja pelas conseqncias

    diretas da derrota francesa e das dvidas humilhantes da guerra, seja por uma srie de medidas de ordem poltica, dentre as quais duas merecem destaque especial, pelo rompimento com as tradies que elas representam. A primeira e a chamada lei Naquet, que instituiu o divrcio na Frana aps acirrados debates parlamentares, que se prolongaram de 1882 a 84. A segunda representada pela instruo laica, questo levantada na Assemblia em 1879, por Jules Ferry, encarregado de implantar o novo sistema, como Ministro da Instruo Pblica, em 1882. Foi quando a escola se tornou gratuita para todos, obrigatria dos 6 aos 13 anos, alm de ficar proibido formalmente o ensino da religio.

    3 O vazio correspondente ausncia do

    ensino de religio na escola pblica tenta-se preencher com uma pregao patritica representada pela que ficou conhecida como instruo moral e cvica.

    Ao mesmo tempo que essas questes polticas e sociais balizavam o seu tempo, uma outra questo de natureza econmica e social no deixava de apresentar continuadas repercusses polticas e o que se denominava questo social, ou seja, as disputas e conflitos

  • decorrentes da oposio entre o capital e o trabalho, vale dizer, entre patro e empregado, entre burguesia e proletariado. Um marco dessa questo foi a criao, em 1895, da Confdration Gnrale du Travail (CGT). A bipolarizao social preocupava profundamente tanto a polticos como a intelectuais da poca, e sua intervenincia no quadro poltico e social do chamado tournant du sicle no deixava de ser perturbadora.

    Com efeito, apesar dos traumas polticos e sociais que assinalam o incio da III Repblica, o final do sculo XIX e comeo do sculo XX correspondem a uma certa sensao de euforia, de progresso e de esperana no futuro. Se bem que os xitos econmicos no fossem de tal ordem que pudessem fazer esquecer a sucesso de crises (1900-01, 1907, 1912-13) e os problemas colocados pela concentrao, registrava-se uma srie de inovaes tecnolgicas que provocavam repercusses imediatas no campo econmico. a era do ao e da eletricidade que se inaugura, junto com o incio do aproveitamento do petrleo como fonte de energia ao lado da eletricidade que se notabiliza por ser uma energia limpa, em contraste com a negritude do carvo, cuja era declinava e que, ao lado da telegrafia, marcam o incio do que se convencionou chamar de segunda revoluo industrial, qual seja, a do motor de combusto interna e do dnamo.

    Alm dessas invenes, outras se sucediam. Embora menos importantes, eram sem dvida mais espetaculares, como o avio, o submarino, o cinema, o automvel, alm das rotativas e do linotipo que tornaram as indstrias do jornal e do livro capazes de produes baratas e de atingir um pblico cada vez maior. Tudo isso refletia um avano da cincia, marcada pelo advento da teoria dos quanta, da relatividade, da radioatividade, da teoria atmica, alm do progresso em outros setores mais diretamente voltados aplicao, como a das ondas hertzianas, das vitaminas, do bacilo de Koch, das vacinas de Pasteur etc.

    No pois de se admirar que vigorasse um estilo de vida belle poque, com a Exposio Universal, comemorativa do centenrio da revoluo, seguida da exposio de Paris, simultnea com a inaugurao do mtro em 1900. O ltimo quartel do sculo fora marcado, alm da renovao da literatura, do teatro e da msica, pelo advento do impressionismo, que tirou a arte pictrica dos ambientes fechados, dos grandes acontecimentos e das grandes personalidades da monumentalidade, enfim para se voltar aos grandes espaos abertos, para as cenas e os homens comuns para o cotidiano.

    Porque este homem comum que se v diante dos grandes problemas representados pelo pauperismo, pelo desemprego, pelos grandes fluxos migratrios. Ele objeto de preocupao do movimento operrio, que inaugura, com a fundao da CGT no Congresso de Limoges, uma nova era do sindicalismo, que usa a greve como instrumento de reivindicao econmica e no mais exclusivamente poltica. certo que algumas conquistas se sucedem, com os primeiros passos do seguro social e da legislao trabalhista, sobretudo na Alemanha de Bismarck.

    Mas se objetivam tambm medidas tendentes a aumentar a produtividade do trabalho, como o taylorismo (1912). Tambm a Igreja se volta para o problema, com a encclica Rerum Novarum (1891), de Leo XIII, que difunde a idia de que o proletariado poderia deixar de ser revolucionrio na medida em que se tornasse proprietrio. a chamada desproletarizao que se objetiva, tentada atravs de algumas "solues milagrosas", tais como o cooperativismo, corporativismo,, participao nos lucros etc. Pretende-se, por vrias maneiras, contornar a questo social e eliminar a luta de classes, espantalhos do industrialismo.

    Enfim, estamos diante do esprito moderno. Na cole Normale Suprieure, o jovem David mile tivera oportunidade de assistir s aulas de Boutroux, que assinala os principais traos caractersticos dessa poca: progresso da cincia (no mais contemplativa, mas agora transformadora da realidade), progresso da democracia (resultante do voto secreto e da crescente participao popular nos negcios pblicos), alm da generalizao e extraordinrio progresso da instruo e do bem-estar. Como corolrio desses traos, o mestre neokantiano ressalta as correntes de idias derivadas, cuja difuso viria encontrar eco na obra de Durkheim: aspira-se constituio de uma moral realmente cientfica (o progresso moral equiparando-se ao progresso cientfico); a moral viria a ser considerada como um setor da cincia das

  • condies das sociedades humanas (a moral ela prpria um fato social); a moral se confunde enfim com civilizao o povo mais civilizado o que tem mais direitos e o progresso moral consiste no domnio crescente dos povos cuja cultura seja a mais avanada.

    4

    No pois de se admirar que essa poca viesse tambm a assistir a uma nova vaga de colonialismo, no mais o colonialismo da caravela ou do barco a vapor, mas agora o colonialismo do navio a diesel, da locomotiva, do aeroplano, do automvel e de toda a tecnologia implcita e eficiente, alm das novas manifestaes morais e culturais. Enfim, Durkheim foi um homem que assistiu ao advento e expanso do neocapitalismo, ou do capitalismo monopolista. Ele no resistiu aos novos e marcantes acontecimentos polticos representados pela Primeira Guerra Mundial, com o aparecimento simultneo tanto do socialismo na Rssia como da nova roupagem do neocapitalismo, representada pelo Welfare State.

    1.2. Durkheim e os homens de seu tempo

    Durkheim nasceu em pinal, Departamento de Vosges, que fica exatamente entre a Alscia e a Lorena, a 15 de abril de 1858. Morreu em 1917. De famlia judia, seu pai era rabino e ele prprio teve seu perodo de misticismo, tornando-se porm agnstico aps a ida para Paris. Aqui, no Lyce Louis-le-Grand (em pleno corao do Quartier Latin, entre a Sorbonne, o Collge de France e a Facult de Droit), preparou-se para o baccalaurat, que lhe permitiu entrar para a cole Normale Suprieure. Bastou-lhe, pois, atravessar a praa do Panthon para atingir a famosa rue dUlm, sem sair portanto do mesmo quartier, para completar sua formao.

    Na Normale vai se encontrar com alguns homens que marcaram sua poca. Entra em 1879 e sai em 1882, portando o ttulo de Agrg de Philosophie. Ali se tornara amigo ntimo de Jaurs, que obtivera o 1 lugar na classificao de 1876 e sara em 3 na agrgation de 1881; foi colega de Bergson, que entrou igualmente em 1876 em 3 lugar e saiu em 1881 em 2. Dois colegas que se notabilizaram: o primeiro como filsofo, mas sobretudo como tribuno, lder socialista, que se popularizou como defensor de Dreyfus e acabou por ser assassinado em meio ao clima de tenso poltica s vsperas da deflagrao da guerra em 1914; o segundo, filsofo de maior expresso, adotou uma linha menos participante e muito mstica, apesar de permanecer no index do Vaticano, e alcanou os pncaros da glria, nas Academias, no Collge de France, na Sociedade das Naes e como Prmio Nobel de Literatura em 1928.

    Entre esses dois homens to amigos mas to adversos Durkheim permaneceu no meio-termo e num plano mais discreto. O Diretor da Normale era Bersot, crtico literrio preocupado com a velha Frana e que chama a ateno do jovem mile para a obra de Montesquieu. Sucede-o na direo Fustel de Coulanges, historiador de renome que influencia o jovem mile no estudo das instituies da Grcia e Roma. Ainda como mestres sobressaem os neokantianos Renouvier e sobretudo o citado Boutroux.