A TACTILIDADE EM DISPOSITIVOS MÓVEIS: PRIMEIRAS .Com a evolução dos dispositivos móveis, principalmente

  • View
    218

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of A TACTILIDADE EM DISPOSITIVOS MÓVEIS: PRIMEIRAS .Com a evolução dos dispositivos móveis,...

contemporanea|comunicao e culturaW W W . C O N T E M P O R A N E A . P O S C O M . U F B A . B R

668contemporanea | comunicao e cultura - v.10 n.03 set-dez 2012 p. 668-685 | ISSN: 18099386

A TACTILIDADE EM DISPOSITIVOS MVEIS: PRIMEIRAS REFLEXES E ENSAIO DE TIPOLOGIAS

TACTILITY AND MOBILE DEVICES: FIRST APPROXIMATIONS AND A TYPOLOGY Marcos Silva Palacios1Rodrigo do Esprito Santo da Cunha2

RESUMO

Seis propriedades fundamentais caracterizam os espaos de informao jornalstica na

internet: hipertextualidade, interatividade, multimidialidade ou convergncia, persona-

lizao, atualizao contnua e memria. A introduo dos smartphones e tablets pro-

duziu o surgimento de um novo elemento que se soma s caractersticas anteriores: a

tactilidade. Antes ligada apenas a recursos de acessibilidade para deficientes visuais,

tornou-se elemento essencial na comunicao em dispositivos mveis com tela sensvel

ao toque. Pesquisas na rea da tecnologia hptica abrem mais perspectivas para apre-

sentao e consumo de informao. Este artigo discute aspectos gerais da tactilidade,

como caracterstica a ser pesquisada e experimentada, assinala alguns exemplos de uso,

prope uma tipologia preliminar para as diversas formas de sua operacionalizao. Uma

breve aproximao ao uso jornalstico das interfaces hpticas complementa o artigo.

PALAVRAS-CHAVE

tecnologia hptica; tactilidade; smartphones; tablets; design .

ABSTRACT

Six fundamental properties characterize the spaces of journalistic information in nter-

net: hypertextuality, interactivity, multimidiality, personalization, continuous updating

and memory. The introduction of smartphones and tablets led to the emergence of a

new element that is added to the above characteristics: tactility. Associated primarily

to accessibility tools for the visually impaired, tactility has become an essential ele-

ment in communication on mobile devices with touch screen. Research in the area of

1 Professor Titular de Jornalismo, Universidade Federal da Bahia, alm de catedrtico Visitante na Universidade da Beira Interior (Portugal). marcos.palacios@gmail.com Salvador, BRASIL.

2 Doutorando no Programa da Ps-Graduao em Comunicao e Cultura Contemporneas, UFBA. rodrigoescunha@gmail.com Salvador, BRASIL.

PALACIOS E CUNHAA TACTILIDADE EM DISPOSITIVOS...: PRIMEIRAS REFLEXES...

669contemporanea | comunicao e cultura - v.10 n.03 set-dez 2012 p. 668-685 | ISSN: 18099386

haptic technology opens new perspectives for presentation and consumption of infor-

mation. This article discusses general aspects of tactility, as a new characteristic of

mobile communication devices to be researched and tested. Some examples of tactility

usage are presented, and a preliminary typology is proposed for the different forms

of its operation. A description of some applications of haptic interfaces to journalism

complements the text.

KEYWORDS

haptic technology; tactility, smartphones, tablets, journalistic design

INTRODUO

Com a evoluo dos dispositivos mveis, principalmente a partir da introduo de smar-

tphones e tablets, a tactilidade apresenta-se como novo elemento que se soma s carac-

tersticas tradicionalmente associadas produo discursiva na Web (hipertextualida-

de, interatividade, multimidialidade, personalizao, atualizao contnua e memria).

Antes ligada apenas ao recurso de acessibilidade para deficientes visuais, a tactilidade

tornou-se elemento essencial para comunicao em aplicativos instalados nesses dispo-

sitivos mveis, que utilizam o recurso do touchscreen ou tela sensvel ao toque. Outros

recursos incorporados a dispositivos mveis tambm passaram a permitir maior intera-

o com dados: GPS, acelermetro, giroscpio, sensores de luz e proximidade.

Vrios termos so utilizados para descrever aquilo que pode ser sentido por meio do

tato, como tateabilidade, tatibilidade e tatilidade. Optamos pela utilizao da palavra

tactilidade, por se aproximar do termo ingls tactility e do latim tactilis, que descre-

vem algo tangvel, sentido pelo toque.

As interfaces que produzem sinais mecnicos responsveis por estmulos cinestsicos1

e de tato so denominadas interfaces hpticas. Seu estudo multidisciplinar, envol-

vendo reas como a robtica, psicologia experimental, biologia, cincias informticas,

sistemas e controles, entre outras (HAYWARDS et al., 2004, p. 16). O termo hptico de-

riva do grego () com o sentido original de tocar ou agarrar. A bibliografia sobre

o assunto vasta, ainda que difusa por vrios campos de conhecimento, e o interesse

pelo uso da pele como um canal sensvel de comunicao retrocede, pelo menos, aos

finais do sculo XIX, havendo notcias de interesse prtico pelo assunto j no sculo XVI

(GILMER, 1966).

PALACIOS E CUNHAA TACTILIDADE EM DISPOSITIVOS...: PRIMEIRAS REFLEXES...

670contemporanea | comunicao e cultura - v.10 n.03 set-dez 2012 p. 668-685 | ISSN: 18099386

A grande diferena entre interfaces grficas e interfaces hpticas que enquanto

uma tela grfica pode mudar suas propriedades ticas sob controle do computador, um

instrumento hptico pode mudar suas propriedades mecnicas sob controle do com-

putador (HAYWARDS et al., op. cit., p. 17), assim propiciando trocas bidirecionais de

energia (e portanto de informao) entre o usurio e o ambiente2. O Grfico 1 ilustra a

diferena entre uma interao com mouse e uma interao atravs de uma tela sensvel

ao toque (multitouch screen). As setas indicam direes de fluxos de informao.

GRFICO 1 TROCAS DE INFORMAO ENTRE USURIO E MQUINA

Modificado a partir de Haywards et al. (2004, p. 18)

CARACTERSTICAS EFETIVAS E POTENCIAIS

A identificao das caractersticas dos productos na WWW constituram marca impor-

tante dos primeiros estudos sobre a Internet enquanto espao de produo discursiva.

Hipertextualidade, interatividade e multimidialidade foram inicialmente identificadas

como as grandes novidades da prtica discursiva em redes digitais (MACHADO & PALA-

CIOS, 1996; KERCKHOV, 2001; DEUZE, 2001, 2003, dentre muitos outros).

medida que se consolidava a produo discursiva na Internet, outras caractersticas

foram sendo exploradas, chegando-se a um conjunto de seis propriedades quase que

consensualmente elencadas por pesquisadores da rea (DAZ NOCI, 2012): hipertextu-

alidade, interatividade, multimidialidade, personalizao, atualizao contnua e me-

mria3.

Dois elementos de qualificao so necessrios. Em primeiro lugar e apesar da ten-

tao de se analisar novas tecnologias preferencialmente em termos de rupturas que

provocam a maior parte das caractersticas elencadas para os productos disponi-

PALACIOS E CUNHAA TACTILIDADE EM DISPOSITIVOS...: PRIMEIRAS REFLEXES...

671contemporanea | comunicao e cultura - v.10 n.03 set-dez 2012 p. 668-685 | ISSN: 18099386

bilizados na Internet eram, fundamentalmente, continuidades potencializadas de ca-

ractersticas j existentes em outros suportes4. Em segundo lugar, vrias delas eram

apenas possibilidades a serem desenvolvidas e no propriamente recursos livremen-

te utilizveis na criao de material informativo na Web. Resulta impossvel falar-se

em produes efetivamente multimdia, por exemplo, com as velocidades mdias de

acesso disponveis at finais dos anos 90 e fica difcil se pensar em memria antes da

generalizao das bases de dados.

A histria da construo de marcos tericos/analticos sobre a produo de informao

na Internet apresenta um divisor de guas fundamental: o advento e a generalizao

do acesso em Banda Larga (BL), que possibilitou a efetiva incorporao dos recursos

potenciais da tecnologia digital (PALACIOS, 2003).

Os smartphones e tablets trazem uma novidade tecnolgica potencialmente geradora

de vrios desdobramentos: suas telas so sensveis ao toque (touchscreens ou multi-

-touchscreens). Diferentemente de recursos como a multimidialidade e a memria,

que nos primrdios da Internet eram apenas potencialidades, a tactilidade j nasce

plenamente aproprivel para utilizaes em aplicativos criados para plataformas m-

veis. Seu uso no est limitado por barreiras tcnicas, mas apenas circunscrito pela ca-

pacidade criativa para um melhor aproveitamento. Em ltima instncia, trata-se, como

de praxe cada vez que uma nova mdia ou neste caso um novo recurso miditico

surge, de criar/aperfeioar os softwares e dispositivos5 que tirem melhor proveito das

potencialidades oferecidas.

EVOLUO DA TACTILIDADE

A possibilidade da tela sensvel ao toque, prxima das que hoje utilizamos, foi introdu-

zida na dcada de 1960, a partir do artigo publicado por E. A. Johnson (1965, p. 219) na

revista Eletronic Letters. O sistema batizado de display touch, formado por pequenos

fios de cobre moldados ao tubo de raios catdicos, proporcionaria um acoplamento

mais eficiente entre homem e mquina, a partir do contato do dedo diretamente sobre

a tela. A primeira proposta de utilizao da tela sensvel seria auxiliar o trabalho de

controladores de trfego areo.

A tecnologia de touchscreen tornou-se conhecida do pblico a partir de 1971, com a

criao da empresa Elographics, fundada por San Hurst, responsvel por desenvolver

PALACIOS E CUNHAA TACTIL