A Vocação do Evangelho

Embed Size (px)

DESCRIPTION

O chamado do evangelho precisa ser entregue a todas as pessoas. A Bíblia não deixa dúvida sobre isso. Na Grande Comissão, Jesus disse aos seus discípulos e à igreja de todas as eras: "Vá e faça discípulos de todas as nações". Ainda que as igrejas de persuasão reformada têm afirmado a doutrina da eleição incondicional (de que Deus tem escolhido seu povo graciosamente desde antes da criação do mundo) e a expiação limitada (que Cristo expiou os pecados daqueles que foram escolhidos como seu povo), essas igrejas têm também — com exceções ocasionais — afirmado que a oferta do evangelho deve ser entregue a todos os ouvidos do mundo. Anthony Hoekema

Text of A Vocação do Evangelho

  • Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura. Mas ns pregamos a Cristo crucificado,

    escndaloparaos judeus, loucuraparaosgentios;masparaosqueforamchamados, tanto judeuscomo

    gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus. Vinde a mim, todos vs que estais

    cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Respondeu-lhes Jesus: Sai pelos caminhos e atalhos e

    obriga a todos a entrar, para que a casa fique cheia. Porque muitos so chamados, mas poucos os

    escolhidos.OEspritoeanoivadizem:Vem!Aquelequeouve, diga: Vem!Aqueleque temsedevenha, e

    quemquiserrecebadegraaaguadavida.OEspritoeanoivadizem:Vem!Aquelequeouve,diga:Vem!

    Aquelequetemsedevenha,equemquiser recebadegraaaguadavida.Poracasotenhoeuprazerna

    mortedoperverso?dizoSenhorDeus;nodesejoeu,antes,queeleseconvertadosseuscaminhose

    viva?. Tocertocomoeuvivo,dizoSenhorDeus,no tenhoprazernamortedoperverso,masemqueo

    perverso se converta do seu caminho e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossosmaus caminhos,

    pois por quehaveis demorrer, casa de Israel?. E nopensemosque apalavra deDeus tenha falhado,

    porque nem todos os de Israel so, de fato, israelitas. Jerusalm, Jerusalm, que matas os profetas e

    apedrejasosquete foramenviados!Quantasvezesquiseureuniros teus filhos,comoagalinhaajuntaos

    seus pintinhos debaixo das asas, e vs no o quisestes! Quantas vezes eu quis... e vs no o quisestes.

    Quemv amim, v ao Pai.Omeuensinono meu, e simdaquele quemeenviou. Pode-se perguntar

    aqui:seDeusnoquerqueningu a,porquetantos,naverdade,perecem?Minharespostaque

    nohmeno, ,sobreo odeDeuspeloqualosmpiosso nados runa,sendo

    re di avs do evang s

    seg (de zi- i)aquelesque e l .De rteque

    somosembai deCristo, como . Emnomede

    Cristo, pois, ro s concilieis com D s. va gelho a tod

    ns s a Cristo crucificado os gentios;mas

    para ados, tanto judeusco sa doria

    deDeus squeestaiscan ados,

    Jesus: obrigaatodosae queacasa

    os, O Esprito e a izem: Vem! Aque

    nh ebad a gua O t

    uele ha,equem

    ortedopervers horDeus s,q

    co rto comoeu orDeus, o

    dope doseuc vertei- s

    ssosmausca cas em

    nhafalhado fato

    e ar

    a

    criatura. Mas ara

    osque foramc m deDeusesabe

    .Vindeamim,tod sv uvos viarei.Respondeu-lhes

    Saipeloscaminhosea fiqu h .Porquemuitosso

    chamad mas poucos o qu ou diga: Vem!

    Aquele que temsede ve a, uiser rec da vida . Espri oiva dizem:

    Vem!Aquelequeouve,diga:V quetemsed quiserrece aguada

    vida.Poracasotenhoeupraze m o? izoSen ;nodes oe e ueele

    se nverta dos seus caminh eviva?. To ce vivo, diz o Senh n tenhopraz r na

    morte rverso,masemq eoperversoseconverta aminhoeviva.Con vo ,convertei-

    vosdos vo minhos, poisporquehaveis demorrer, ade Israel?. Enopens osquea

    palavradeDeuste ,porquenemtodososdeIsraelso,de , israelitas.AfirmamosqueDeus

    noqueramortedopecador,umavezque lechamatodosigualmenteao rependimentoeprometea

    simesmoestarpreparadopara receb-los seeles seriamente searrependerem. Sealgumobjetasse

    entonohaveriaeleiodeDeuspelaqualelepredestinouumnmerofixoparaasalvaoaresposta

    estaria mo: o Profeta no fala aqui do conselho secreto de Deus, mas s chama do desespero aos

    homensmiserveis, para que eles apreendamaesperana doperdo, e se arrependameembracema

    salvao oferecida. Jerusalm, Jerusalm, quematas os profetas e apedrejas os que te foram enviados!

    Quantasvezesquiseureunirosteusfilhos,comoagalinhaajuntaosseuspintinhosdebaixodasasas,evs

    nooquisestes!Quantasvezeseuquis...evsnooquisestes.Quemvamim,vaoPai.Omeuensinono

    meu,esimdaquelequemeenviou.Pode-seperguntaraqui:seDeusnoquerqueningumperea,por

    quetantos,naverdade,perecem?Minharespostaquenohmeno,aqui,sobreodecretosecretode

    Deuspeloqual os mpios socondenados runa, sendo revelado somente suamisericrdia atravsdo

    evangelho.Ali,Deusestendesuamoatodos,masssegura(deformaaconduzi-losasi)aquelesqueele

    escolheuantesdafundaodomundo.DesortequesomosembaixadoresemnomedeCristo,comose

    Deus exortasse por nosso intermdio. Emnomede Cristo, pois, rogamos que vos concilieis comDeus.

    mpere

    aqui decretosecret conde

    velado somente sua misericr a atr elho. Ali, Deus estende sua mo a todos, mas

    ura formaacondu losas ele scoheuantesdafundaodomundo so

    xadores emnome seDeus exortassepor nosso intermdio

    gamos que vo eu por todo o mundo, e pregai o e n

    pregamo , escndalo para os judeus, loucura p

    ha mogregos,pregamo Cristo,poder

    o sadosesobrecarreg ee ali

    talhose ntrar,para ec eia

    s escolhidos. noiva d le e ve,

    e quemq egraa oe an

    em!Aq even badegraa

    rna d ej u,ant

    os e

    u

    do evangelhoA VOCAO

    Anthony Hoekema

  • Anthony Andrew Hoekema (1913-1988) nasceu em Dra-chten, Friesland, na Holanda e mudou-se para os Estados Unidos com a famlia em 1923. Serviu em vrias igrejas como pastor e foi tambm professor de Teologia Sistem-tica no Calvin Theological Seminary (USA). Alm de outros ttulos, publicou sua trilogia de estudos expositivos sobre temas centrais da f crist, que inclui, na rea da antropolo-gia, Created in Gods Image (indito em portugus), na rea de escatologia, A Bblia e o Futuro (publicado por esta edito-ra) e na rea de soteriologia Salvos Pela Graa.Extrado do livro Salvos Pela Graa, Editora cultura Crist, pp. 75-86 (Com autorizao)Editorao Eletrnica e Capa: Heraldo Almeida

  • A Vocaodo Evangelho

    Por Anthony Hoekema

    O chamado do evangelho precisa ser entregue a todas as pessoas. A Bblia no deixa dvida sobre isso. Na Gran-de Comisso, Jesus disse aos seus discpulos e igreja de todas as eras: "V e faa discpulos de todas as naes". Ainda que as igrejas de persuaso reformada tm afirmado a doutrina da eleio incondicional (de que Deus tem escolhido seu povo graciosamente desde antes da criao do mundo) e a expiao limitada (que Cristo expiou os pecados daqueles que foram es-colhidos como seu povo), essas igrejas tm tambm com ex-cees ocasionais afirmado que a oferta do evangelho deve ser entregue a todos os ouvidos do mundo.

    A Escritura claramente ensina que o evangelho precisa ser pregado a todos. Se podemos ajustar isso com a eleio particu-lar, outra questo. Mas a regra para nossa pregao deve ser a vontade de Deus revelada. Em ltima anlise, cabe a Deus har-monizar o predeterminado resultado da pregao do evangelho com a oferta geral da salvao. Somos limitados aos meios que Deus prescreveu para conduzir pessoas salvao. E o meio mais importante a pregao do evangelho.

    A vocao evanglica pode ser definida assim: a oferta da salva-o em Cristo a pessoas, junto com um convite para vir a Cristo em arrependimento e f, para que recebam o perdo dos pecados e a vida eterna.1 Podemos da distinguir os seguintes trs elementos:

    1 Adaptado de Berkhof, ST, p. 459.

  • 4A Vocao do Evangelho

    (1) A apresentao dos fatos do evangelho e dos meios de salvao.A obra que Cristo realizou pela nossa salvao precisa ser clara e cuidadosamente colocada. Isso deve ser feito em linguagem compreensvel ao povo de hoje e relevante s necessidades e problemas presentes. To importante quan-to isso que o pregador precisa, antes de tudo, ser fiel s Escrituras. Num sentido, a mensagem do Cristo crucificado vai parecer sempre irrelevante e ofensiva. No prazeroso escutar que somos pecadores, por natureza objetos da ira de Deus e incapazes de, por nossa prpria fora, escapar desse juzo. Paulo cria dessa forma: mesmo assim, conti-nuava a pregar o evangelho que ofendia a alguns: ... Mas ns pregamos a Cristo crucificado, escndalo para os judeus, loucura para os gentios; mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus" (I Co 1.23,24).

    (2) Um convite para vir a Cristo em arrependimento e f.O convite do evangelho precisa ser mais que uma apresenta-

    o; precisa incluir um convite honesto. Jesus mesmo convida pessoas a virem a ele em arrependimento e f: "Vinde a mim, todos vs que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos ali-viarei" (Mt 11.28). O pregador no pode minimizar a seriedade do pecado, mas precisa enfatizar a importncia do genuno ar-rependimento. Deve ser deixado claro que f no apenas um assentimento intelectual a certas verdades, mas o vir a Cristo com todo o ser, incluindo compromisso de servio.A vocao evanglica ao mesmo tempo uma ordem, como uma convocao vinda de um rei. Observe como Jesus expressa isso na Parbola da Grande Ceia: Respondeu-lhes Jesus: Sai pelos caminhos e atalhos e obriga a todos a entrar, para que a casa fique cheia". O convite do evangelho no algo que deixe a pessoa livre para aceitar ou declinar, como algum que convidado para o futebol, mas uma ordem

  • 5Anthony Hoekemado soberano Senhor de toda a criao que manda que ve-nhamos a ele para salvao uma ordem que no pode ser ignorada a custo de uma eterna perdio. um erro srio pensar que pastores que pregam a mem-bros de igrejas estabelecidas no precisam fazer convites para receberem a Cristo como Salvador. Herman Bavinck conduz significante discusso sobre extremos a serem evi-tados na pregao.2 Pregao equilibrada, diz ele, precisa combinar a nfase sobre o pacto e sobre o evangelismo. Em sermes dirigidos a pessoas que no tenham ouvido antes o evangelho, o pregador precisa no apenas convidar seus ouvintes a crer e se arrepender; precisa tambm edific-los na f. Em sermes dirigidos a membros de igrejas estabele-cidas, por outro lado, o pregador no deve se satisfazer em edificar os crentes na f, meramente esboando as implica-es da f que devem ter. necessrio, e sempre ser, mes-mo na pregao dirigida a crentes, um apelo srio ao arre-pendimento e f. Nenhum pregador pode ingenuamente presumir que todos em sua igreja sejam salvos.