Click here to load reader

Abrigo de Maquinas Agricolas e Ferramentas

  • View
    3.316

  • Download
    10

Embed Size (px)

Text of Abrigo de Maquinas Agricolas e Ferramentas

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIOSA CENTRO DE CINCIAS AGRRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRCOLA REA DE MECANIZAO AGRCOLA

ABRIGO DE MQUINAS AGRCOLAS E FERRAMENTAS

Autores: Prof.: Mauri Martins Teixeira Prof. Subtistuto: Renato Adriane Alves Ruas

Viosa - MG Novembro - 2006

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

ABRIGO DE MQUINAS AGRCOLAS E FERRAMENTAS ndiceABRIGO DE MQUINAS AGRCOLAS .................................................................................................................... 2 1 Introduo............................................................................................................................................................... 2 2 Fatores que influenciam na construo do abrigo de mquinas agrcolas .............................................................. 3 3 Partes constituintes de um abrigo de mquinas ...................................................................................................... 3 Abrigo para tratores e mquinas autopropelidas ............................................................................................. 4 3.1 Abrigo para implementos ............................................................................................................................... 5 3.2 Ptio de manobras........................................................................................................................................... 5 3.3 Depsito de combustvel ................................................................................................................................ 6 3.4 Vala de manuteno ....................................................................................................................................... 6 3.5 Rampa para encarretar .................................................................................................................................... 7 3.6 Oficina mecnica ............................................................................................................................................ 7 3.7 Equipamentos existentes na oficina mecnica ........................................................................................ 8 3.7.1 Segurana na utilizao dos equipamentos da oficina .......................................................................... 14 3.7.2 Partes constituintes da oficina de mquinas agrcolas .......................................................................... 15 3.7.3 FERRAMENTAS MANUAIS UTILIZADAS EM OFICINAS MECNICAS .......................................................... 17 1. Introduo............................................................................................................................................................. 17 2. Principais tipos de ferramentas ............................................................................................................................. 17 2.1. Chaves de fenda simples............................................................................................................................... 17 2.2. Chave de fenda cruzada ou chave phillips .................................................................................................... 18 2.3. Chave allen ................................................................................................................................................... 18 2.4. Chave de boca............................................................................................................................................... 18 2.5. Chave de estrias ou chave estrela ................................................................................................................. 19 2.6. Chave Combinada ........................................................................................................................................ 20 2.7. Chave soquete............................................................................................................................................... 20 2.8. Chave grifo ................................................................................................................................................... 21 2.9. Chave inglesa................................................................................................................................................ 21 Alicates ..................................................................................................................................................... 21 2.10. Martelo ..................................................................................................................................................... 23 2.11. Limas ........................................................................................................................................................ 25 2.12. Arco de Serra ............................................................................................................................................ 26 2.13. Extratores.................................................................................................................................................. 27 2.14. Brocas ....................................................................................................................................................... 27 2.15. Machos de roscar ...................................................................................................................................... 27 2.16. Cossinetes ................................................................................................................................................. 28 2.17. Chave de corrente ou de filtro .................................................................................................................. 28 2.18. Cuidados gerais com as ferramentas ......................................................................................................... 29 2.19. 3. LITERATURA CONSULTADA ......................................................................................................................... 30

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 1

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

ABRIGO DE MQUINAS AGRCOLAS 1 Introduo So considerados abrigos de mquinas quaisquer instalaes existentes na fazenda que permitam guardar as mquinas e os implementos agrcolas. Essas instalaes podem ser constitudas de estruturas sofisticadas ou mesmo bastantes simples, o importante que elas protejam o maquinrio de intempries como raios solares, chuvas, ventos, geadas, entre outros. Os abrigos devem estar adequadamente equipados para atender s necessidade especficas de cada tipo de mquina. A construo de um abrigo de mquinas permite que as diversas operaes de manuteno sejam otimizadas, pois, nele, disponibilizada toda a infraestrutura para se manter o maquinrio em boas condies de uso, proporcionando maior rendimento das mquinas no campo. A Figura 1 apresenta alguns exemplos de abrigos de mquinas.

Figura 1 Abrigos de mquinas agrcolas do centro de treinamento da Massey Ferguson.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 2

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

2 Fatores que influenciam na construo do abrigo de mquinas agrcolas O projeto de construo de um abrigo de mquinas envolve diversas etapas, no existindo um padro pr-estabelecido para tal objetivo. Porm, alguns aspectos gerais devem ser observados. O abrigo deve ser construdo em um ponto central da fazenda, de modo que a maioria das reas a serem trabalhadas situa-se aproximadamente mesma distncia at o abrigo. Isso evitar deslocamentos longos do abrigo at o local onde a mquina ir trabalhar, ou vice-versa, proporcionando maior economia de combustvel. importante que o local onde ser construdo o abrigo no possua histrico de encharcamento. O acesso ao local do abrigo deve ser facilitado por estradas largas que permitam transportar implementos muitas vezes mais largos que os prprios tratores. Alm disso, ao longo dessas estradas, h de preocupar-se com a adequao de porteiras, pontes e mata-burros em funo das mquinas maiores e mais pesadas. A segurana outro fator importante de ser levado em considerao quando da construo do abrigo de mquinas. Mquinas agrcolas constituem-se alto capital e comumente so alvos de roubos. Para evitar ou minimizar esse problema, adequado o estabelecimento do abrigo prximo sede da fazenda. Alm de garantir maior segurana, essa proximidade facilita a administrao das mquinas e dos funcionrios. Para o adequado funcionamento do abrigo e de toda a sua estrutura, fundamental que exista disponibilidade de gua e energia eltrica. A gua utilizada para lavar mquinas e atender as instalaes destinadas aos funcionrios como cantina e sanitrios. A energia eltrica indispensvel para acionar os diversos equipamentos existentes na oficina mecnica.

3 Partes constituintes de um abrigo de mquinas Um abrigo de mquinas agrcolas constitui-se de diferentes partes, como por exemplo: abrigo para tratores e mquinas autopropelidas, abrigo para implementos, ptio de manobras, oficina mecnica, depsito de combustvel, vala de manuteno e uma rampa para encarretar.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 3

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

3.1

Abrigo para tratores e mquinas autopropelidas

Os tratores e outras mquinas autopropelidas devem, preferencialmente, ficar em local diferente dos implementos. Este local pode ser um abrigo simples construdo com pilares de madeira, estrutura metlica ou cimento. O seu tamanho varivel de acordo com a quantidade de mquinas a serem abrigadas, para isso, considera-se que um trator deva ocupar uma rea de aproximadamente 12 m2. A altura do p-direito deve ser em funo da altura das mquinas mais altas, porm deve-se evitar usar p-direito maior que 6 m. interessante que o formato do abrigo seja retangular, facilitando futuras ampliaes. A disposio do abrigo no terreno deve ser preferencialmente no sentido leste/oeste, permitindo um deslocamento do sol exatamente sobre a cumieira do telhado e, com isso, evitando incidncia de raios solares diretamente no interior do abrigo na maior parte do dia. Alm disso, os beirais devem ser longos o bastante para evitar insolao e respingos de chuva nas mquinas. O piso do abrigo de tratores, quando no cimentado, deve ser suficientemente compactado. As laterais podero ser totalmente ou parcialmente abertas (meia-parede). Elas no devem ser totalmente fechadas para permitir a disperso dos gases txicos emitidos pelos motores de combusto interna dos tratores e das mquinas autopropelidas. importante ressaltar tambm que no aconselhvel guardar material combustvel como por exemplo: diesel, gasolina, lcool, querosene ou feno, junto com mquinas autopropelidas, pois, neste caso, pode existir risco de incndio. Os abrigos mais largos devem possuir uma rua para circulao interna. Esta rua deve possuir uma largura de aproximadamente trs metros para facilitar o deslocamento e o engate das mquinas pelos tratores. Se o abrigo possuir meias-paredes laterais deve-se prever a colocao de portes, sendo um em cada extremidade para facilitar a circulao das mquinas. Neste caso, deve-se planejar um sentido de circulao obrigatrio das mquinas no interior do abrigo, sendo que as mesmas devem ser estacionadas formando um ngulo de aproximadamente 45 com as paredes do abrigo de modo a facilitar as manobras. A Figura 2 apresenta um esquema de abrigo para tratores e mquinas autopropelidas com meia-parede, denominado espinha de peixe.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 4

Engenharia na Agricultura Posicionamento

Caderno 47

Circulao

Figura 2. Esquema de circulao e disposio dos tratores e mquinas no abrigo.

3.2

Abrigo para implementos

O abrigo para implementos o local onde se guardam os implementos como arados, grades, pulverizadores, semeadoras, enxada rotativa, etc. A estrutura do abrigo dever ter suas dimenses (largura, comprimento, altura do p-direito) em funo das dimenses, movimentao e manobras das mquinas. A nvel de projeto pode-se considerar uma rea mdia de 6 m2 por implemento. Alguns abrigos para implementos podero ter paredes laterais at o teto para manter animais e/ou curiosos longe das mquinas, evitando assim possveis acidentes. Porm, o mais comum so as laterais totalmente abertas de modo a facilitar o acoplamento de implementos e outras mquinas. Os implementos tambm devem ficar dispostos seguindo o esquema tipo espinha de peixe no sentido do comprimento do galpo para permitir fcil acoplamento e desacoplamento, agilizando as operaes. 3.3 Ptio de manobras

Para o ptio de manobras deve ser destinada uma rea ampla e sem obstculos. Nela sero realizadas as regulagens preliminares dos conjuntos mecanizados, treinamento de operadores e manobras em geral. Deve estar localizado em terreno plano e com piso firme. Em alguns casos ______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 5

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

aconselhvel que se faa o calamento do ptio de manobras ou se espalhe brita, evitando a formao de barro nas pocas chuvosas e poeira em pocas ensolaradas. 3.4 Depsito de combustvel

desejvel que o abrigo tenha um posto para abastecimento de combustvel e armazenamento de lubrificantes. Deve-se planejar corretamente o gasto de combustvel da fazenda e o intervalo de tempo que o depsito vai ser abastecido, de modo a no permitir que o mesmo fique com meia capacidade, pois, isso poder resultar na formao de condensao de gua no seu interior. Na instalao do tanque de combustvel deve-se atentar para a importncia de instalar o mesmo com pequena inclinao para evitar a sada de gua junto com o combustvel. A Figura 3 apresenta um esquema de montagem de um tanque de combustvel no abrigo de mquinas.

Combustvel c

gua

Figura 3. Esquema de instalao do depsito de combustvel no abrigo de mquinas.

3.5

Vala de manuteno

o local usado para a lavao de mquinas e implementos aps as operaes. As lavaes so necessrias para melhor conservao do maquinrio, alm de contribuir para evitar a disseminao de pragas e doenas entre as reas da propriedade, removendo-se solo e resduos que se aderem aos pneus e aos elementos ativos dos implementos. A vala de manuteno pode ser usada para reparos na parte de baixo das mquinas e implementos. Neste caso, deve possuir um ladro na parte mais baixa para escoamento da gua e ser bem sinalizada para que se evite acidentes.______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 6

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

As guas utilizadas na lavao de mquinas e implementos devem ser coletadas para posterior descarte em rea apropriada para evitar contaminao ambiental. 3.6 Rampa para encarretar

O abrigo de mquinas deve ter uma rampa para encarretar para subir e descer mquinas que chegam na propriedade ou vo ser transportadas para outros lugares. A rampa para encarretar pode ser uma estrutura simples, podendo ser construda em um barranco que seja de fcil acesso tanto pela parte mais alta como pela parte mais baixa. Em algumas ocasies a rampa para encarretar pode ser substituda por um guincho. 3.7 Oficina mecnica

A oficina mecnica um dos locais mais importantes do abrigo de mquinas, pois, nela que sero realizados os reparos mais simples e rotineiros no maquinrio da propriedade. Isso evita que mquinas e implementos fiquem parados por longos perodos aguardando o socorro chegar da cidade. Os reparos de maior complexidades devem ser deixados a cargo de oficinas mais especializadas. A oficina deve ser montada no interior de um galpo, ou seja, uma construo cercada por todos os lados, com paredes at o teto e com um porto de acesso largo. Na oficina, importante se destacar alguns pontos como: Piso O piso da oficina mecnica deve ser de cimento para evitar a formao de p e proporcionar uma resistncia tal que permita o apoio de equipamentos com segurana, como por exemplo, o macaco hidrulico, que suporta cargas elevadas. Alm disso, deve oferecer uma aderncia suficiente para que os equipamentos pesados no deslizem e no causem acidentes. Recomenda-se que o piso da oficina seja construdo a uma altura de aproximadamente 10 cm acima do piso do ptio para evitar entrada de gua da chuva e facilitar o escoamento da gua de lavao. Espao O espao interno da oficina deve ser amplo o suficiente de modo permitir adequada movimentao das mquinas e que o operador possa trabalhar livremente em volta da mesma. A______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 7

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

oficina deve ser cercada por paredes at o teto. A altura do p direito e a entrada principal devem permitir livre passagem de todas as mquinas existentes no abrigo visando realizao dos reparos. Luminosidade e arejamento A oficina deve possuir janelas com rea total de 20% da rea interna, sendo que, cerca de 50% da rea dessas janelas devem possuir abertura para ventilao. Ambientes com pouca luminosidade e pouco arejados, alm de aumentarem os riscos de acidentes de trabalho, proporcionam formao de umidade, que por sua vez, pode oxidar diversos equipamentos na oficina. indispensvel que exista iluminao artificial para a realizao de trabalhos durante a noite. Neste caso, pode-se utilizar diferentes tipos de lmpadas, normalmente a uma altura mnima de 3,5 m. 3.7.1 Equipamentos existentes na oficina mecnica

A oficina de um abrigo de mquinas deve dispor de alguns equipamentos bsicos, como por exemplo: Torno manual para trabalhos de bancada importante que na oficina exista um torno fixado uma bancada para prender as peas a serem trabalhadas. A bancada uma mesa robusta e pesada, com uma altura adequada para se poder trabalhar comodamente. A colocao da bancada no interior da oficina deve levar em considerao, sobretudo, o espao e a luminosidade do local. Normalmente deve situar-se junto s janelas ou, na ausncia de luz natural, devem-se utilizar lmpadas fluorescentes sobre as mesmas. A Figura 4 apresenta um torno manual para trabalhos de bancada.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 8

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

Figura 4. Torno manual para trabalho em bancada. Policorte O policorte um equipamento basicamente constitudo por motor eltrico, transmisso por polias e correias e um disco abrasivo, que utilizado para cortar perfis metlicos, principalmente aqueles de maior dimetro e menor espessura. um equipamento que, quando mal utilizado oferece srios riscos de acidentes. A Figura 5 apresenta um policorte.

Figura 5. Policorte. Moto-esmeril O moto-esmeril um equipamento que possui um ou dois discos abrasivos que podem ser utilizados para amolar ferramentas de corte, realizar desbaste e acabamento em peas metlicas. A Figura 6 apresenta um moto-esmeril.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 9

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

Figura 6. Moto-esmeril. Furadora de coluna A furadora de coluna utilizada para fazer orifcio em materiais metlicos, onde, normalmente, o trabalho manual exigiria muito esforo do operador. necessrio que o local onde se deseja furar seja marcado com puno permitindo melhor direcionamento da broca furadora. Para abertura de orifcios de maior dimetro necessrio que se inicie a operao com uma broca de dimetro inferior. Durante a operao deve-se resfriar o local de contato da broca com a pea a ser perfurada evitando um super aquecimento e impedindo que as peas percam a tmpera, tornando-as menos resistente. A Figura 7 apresenta uma furadora de coluna.

Figura 7. Furadora de coluna. Torno-mecnico O torno mecnico um equipamento de elevado custo e deve ser utilizado somente por operador treinado. utilizado para usinagem de peas metlicas de vrios tipos. Entretanto, pode

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 10

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

ser dispensado da oficina dependendo do porte do abrigo de mquinas. A Figura 8 apresenta um torno mecnico.

Figura 8. Torno-mecnico. Mquina de solda A mquina de solda muito utilizada na oficina mecnica para unir peas metlicas pela fuso de suas extremidades ou pela incluso de um terceiro material entre elas. Pode ser do tipo eltrica, oxi-acetilnica, solda branca e MIG. A Figura 9 apresenta uma mquina de solda.

Figura 9. Mquina de solda. Tesoura mecnica um equipamento usado tanto para desbastar como para cortar chapas metlicas ou outros materiais. So fabricados em ao de alto teor de carbono e tratadas termicamente. Devem estar bem afiadas e sempre que apresentarem rebarbas ou dentes provocados pelos impactos que______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 11

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

recebem, devem ser eliminados para evitar a projeo de estilhaos. A Figura 10 apresenta uma tesoura mecnica.

Figura 10. Tesoura mecnica. Macaco hidrulico Os macacos hidrulicos so utilizados para levantar e manter levantado o equipamento afim de se realizar manutenes. Durante a sua operao deve-se tomar o cuidado para que seja apoiado em local firme e resistente, evitando-se acidentes. A Figura 11 apresenta um macaco hidrulico.

Figura 11. Macaco hidrulico.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 12

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

Borracharia A oficina mecnica deve possuir uma borracharia composta basicamente de um compressor de ar e uma vulcanizadora para encher e tampar furos em cmaras de ar, respectivamente. A Figura 12 apresenta um compressor de ar e uma vulcanizadora.

(a)

(b) Figura 12. Compressor de ar (a) e vulcanizadora (b).

Viradora A viradora utilizada para dobrar perfis e chapas metlicas em vrios ngulos. A Figura 13 apresenta uma viradora.

Figura 13. Viradora. Ferramentas manuais Em uma oficina mecnica imprescindvel a existncia de diversos tipo de ferramentas. Tendo em vista a sua importncia, ser destinado um tpico somente a respeito deste assunto mais adiante neste trabalho.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 13

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

3.7.2

Segurana na utilizao dos equipamentos da oficina

A utilizao de equipamentos de proteo individual obrigatrio em grande parte das operaes nas oficinas do abrigo de mquinas. De modo geral, o trabalhador de uma oficina mecnica deve adotar procedimentos bsicos para garantir a sua integridade fsica e evitar acidentes de trabalho, como por exemplo: Operao com mquina de solda Utilizar mscaras para soldador com lentes protetoras contra radiao ultra violeta, alm de luvas, avental e botas contra queimaduras. Operao com policorte e moto-esmeril Utilizar culos contra fagulhas, avental, luvas, botas e abafadores de rudos. Operao com torno-mecnico Utilizar culos contra fagulhas, avental, luvas e botas. No utilizar roupas largas de modo a evitar que as mesmas sejam presas pelas partes mveis do equipamento. Lavao das peas com solventes Utilizar aventais impermeveis, culos de ampla viso, luvas nitrlicas, mscaras e bota impermevel. Para alguns solventes existem cremes protetores da pele que devem ser usados aps a operao. Manuteno dos equipamentos da oficina Para que a operao dos equipamentos seja segura, muito importante que os mesmos passem periodicamente por manutenes, como limpezas, lubrificaes, verificao do estado de correias, rolamentos, catracas, desgaste de dentes ou afiao de partes cortantes, etc. Extintor de incndio Na oficina deve existir um extintor de incndio carregado, devendo o mesmo ficar em local bem sinalizado e desimpedido.______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 14

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

As principais causas de acidentes nas operaes com equipamentos de oficinas mecnicas esto relacionadas com falhas humanas. De acordo com instituies ligadas segurana do trabalho, as causas mais graves e freqentes de acidentes nestes ambientes, so: No utilizar os EPIs adequados. Usar equipamentos sem treinamento prvio adequado. Usar equipamentos em velocidade que no seja a adequada para a operao ou em desacordo com as especificaes do fabricante. Consertar ou fazer a manuteno em equipamentos energizados. Posicionar-se de modo inadequado para realizar a operao. Realizar a operao em ambiente imprprio. 3.7.3 Partes constituintes da oficina de mquinas agrcolas

Para que a oficina consiga atender adequadamente as necessidades do abrigo de mquinas agrcolas, imprescindvel que ela seja constituda de algumas partes importantes, como por exemplo: almoxafirado, ferramentaria, escritrio, enfermaria simples, cantina e sanitrios. Almoxarifado O almoxarifado o local existente na oficina onde so guardadas as peas de reposio peridica utilizadas nas mquinas e implementos visando realizao dos reparos. Normalmente, o almoxarifado possui paredes at o teto e somente uma porta de acesso. Isso visa restringir a entrada de pessoas naquele ambiente. importante que seja realizado um correto planejamento das peas que sero guardadas no almoxarifado, de modo a evitar que algumas fiquem encalhadas. De modo geral, as peas a serem guardadas no almoxarifado so aquelas escolhidas em funo das necessidades de reparos mais comuns na oficina, por exemplo: filtros, correias, rolamentos, fusveis, parafusos, porcas, pinos, contra-pinos, lmpadas, etc. importante ressaltar que o controle do estoque das peas que devero existir no almoxarifado de fundamental importncia para o andamento dos trabalhos na oficina.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 15

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

Ferramentaria A ferramentaria o local da oficina mecnica destinado a guardar as ferramentas quando as mesmas no esto sendo utilizadas. Assim como no almoxarifado, a ferramentaria tambm deve ser um ambiente fechado e de acesso restrito aos funcionrios. Deve ser um local projetado adequadamente em funo das necessidades da oficina e deve ser mantido sempre organizado, de modo a permitir facilidade de se encontrar as ferramentas desejadas no momento certo. As ferramentas devem ser colocadas ordenadamente em um quadro no qual, pode-se esboar o contorno de cada ferramenta, visando rapidez na identificao do local da mesma. A Figura 14 apresenta um quadro de ferramentas.

Figura 14. Quadro de ferramentas. Escritrio O escritrio o local onde se realiza o controle de todo o maquinrio, como nmero de horas trabalhadas, datas de manutenes, determinao de custos operacionais e controle de horrio de trabalho do funcionrios. Enfermaria simples A existncia de uma enfermaria no abrigo de mquinas importante para atender aos casos de primeiro socorros, como, por exemplo, a realizao de pequenos curativos. Cantina e Sanitrio O abrigo de mquinas deve fornecer infraestrura adequada ao trabalho dos funcionrios. Para isso, importante que disponha de cantina e sanitrios em nmero adequado ao nmero de funcionrios.______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 16

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

FERRAMENTAS MANUAIS UTILIZADAS EM OFICINAS MECNICAS

1.

Introduo

O emprego das ferramentas pelo homem representou um marco na evoluo da histria da humanidade. As tcnicas bsicas de utilizao de vrias ferramentas j eram conhecidas a cerca de dois milhes de anos. Naquela poca, o homem j conhecia algumas relaes entre o tamanho do cabo e peso do percussor para que o martelo pudesse quebrar pedras ou frutos, ou talhar madeira. Entretanto, na histria das ferramentas, o fato mais importante se deu a aproximadamente mil e duzentos anos, com o domnio da tcnica de fuso e tratamento do ferro. Desde ento, o homem vem aprimorando suas ferramentas, no intuito de executar as tarefas manuais empregando o mnimo possvel de esforo fsico, tornando os trabalhos mais rpidos, precisos e confortveis. Tendo em vista que atualmente a principal forma de ligao das peas feita atravs de parafusos, porcas, pregos entre outros, razovel conclui-se que as ferramentas so indispensveis em trabalhos de manutenes e reparos nas mquinas em geral. Atualmente existem diversos tipos de ferramentas, cada uma destinada a uma operao especfica. Normalmente so caracterizadas por uma unidade de medida que pode ser milmetros ou polegadas. Nas medidas encontradas em polegadas, normalmente a menor diviso corresponde a 1/16". Essas subdivises so chamadas de polegadas fracionrias. 2. Principais tipos de ferramentas

A seguir so descritas as principais ferramentas comumente utilizadas na oficina mecnica de um abrigo de mquinas agrcolas. 2.1. Chaves de fenda simples A chave de fenda uma ferramenta de aperto constituda de uma haste cilndrica de ao carbono, com uma de suas extremidades forjada em forma de cunha e a outra em forma de espiga prismtica ou cilndrica estriada, onde se acopla um cabo de madeira ou plstico. utilizada para______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 17

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

aperto ou desaperto de parafusos com cabea de fenda simples. A Figura 15 apresenta um exemplo de chave de fenda simples.

Figura 15. Chave de fenda simples. 2.2. Chave de fenda cruzada ou chave phillips A chave phillips uma variao da chave de fenda. uma ferramenta de aperto utilizada em parafusos com cabea de fenda cruzada. A Figura 16 apresenta um exemplo de chave de fenda cruzada ou phillips.

Figura 16. Chave de fenda cruzada ou chave phillips. 2.3. Chave allen A chave allen, assim como a chave phillips tambm uma variao da chave de fenda. Possui o formato em L e constituda por seis lados, sendo tambm chamada de chave L. utilizada em parafusos com depresso na cabea em formato hexagonal. A Figura 17 apresenta um exemplo de uma chave allen.

Figura 17. Chave allen. 2.4. Chave de boca As chaves de boca so ferramentas de aperto que possuem aberturas fixas nas extremidades e utilizam o princpio da alavanca para apertar ou desapertar parafusos e porcas. As extremidades da chave de boca possuem dimenses diferentes e podem apresentar as unidades de medidas em milmetros ou polegadas. A Figura 18 apresenta uma chave de boca simples.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 18

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

Figura 18. Chave de boca. 2.5. Chave de estrias ou chave estrela A chave de estrias ou chave estrela uma variao da chave de boca. Esta chave se ajusta melhor ao redor da porca ou parafuso, dando maior firmeza e proporcionando um aperto mais regular e maior segurana ao operador do que a chave de boca simples. So indicadas para fazer apertos finais e desapertos iniciais, possibilitando torques superiores e mais seguros que a chave de boca. Outra vantagem da chave de estrias em relao chave de boca que sua extremidade pode ser fabricada mais fina, o que lhe permite entrar em locais apertados, onde as chaves de boca simples no conseguem penetrar. A Figura 19 apresenta uma chave de estrias.

Figura 19. Chave de estrias. Assim como as chaves de boca, as extremidades da chave de estria possuem dimenses diferentes e podem apresenta as unidades de medidas em milmetros ou polegadas. Desta forma, considerando um jogo de chave de estria com uma variao de 1/16", cuja a menor medida seja " e a maior 13/16" teremos portanto um jogo com cinco peas e dez diferentes medidas, pois: 3/8 5/8

5/16

7/16

9/16

11/16

13/16

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 19

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

2.6. Chave Combinada A chave combinada uma associao da chave de boca simples com a chave de estrias. A parte de estriais mais usada para quebrar o aperto e a parte de boca para extrair por completo a porca ou parafuso. A Figura 20 apresenta uma chave combinada.

Figura 20. Chave combinada. A chave combinada possui as extremidades com formatos diferentes porm, com as mesmas medidas. Assim, considerando um jogo de chave de estria com uma variao de 1/16", cuja a menor medida seja 3/8" e a maior 9/16" teremos portanto um jogo com quatro peas e quatro diferentes medidas, pois:3/8 7/16 9/16

3/8

7/16

9/16

2.7. Chave soquete Os soquetes ou chaves de caixa podem ser includas entre as chaves de estrias, sendo tambm conhecidas como chave cachimbo. Substituem as chaves de estrias e de boca. Permitem operar em montagem e manuteno de parafusos ou porcas colocadas em lugares de difcil acesso. Um exemplo de um jogo de chave de soquete apresentado na Figura 21.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 20

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

Figura 21. Jogo de chave de soquete ou cachimbo. 2.8. Chave grifo A chave grifo, tambm conhecida como chave de cano, muito utilizada em operaes hidrulicas, sendo bastante utilizada para segurar ou apertar cano. Possui uma porca reguladora que permite abrir ou fechar a mandbula mvel da chave. A Figura 22 apresenta uma chave grifo.

Figura 22. Chave grifo. 2.9. Chave inglesa A chave inglesa nada mais do que uma chave de boca regulvel. Diferente da chave grifo a chave inglesa possui um parafuso que permite abrir e fechar a boca da chave. A Figura 23 apresenta uma chave inglesa.

Figura 23. Chave inglesa. 2.10. Alicates Os alicates so ferramentas manuais de ao carbono compostas de dois braos e um pino de articulao. O Alicate utilizado para segurar, cortar, dobrar, colocar e retirar determinadas______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 21

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

peas. Diferentemente do que se imagina, os alicates no so ferramentas de apertos. Se for utilizado para tal finalidade, corre-se o risco de danificar a pea que se est trabalhando, pois o apoio e firmeza da mesma depender somente da fora exercida pela mo do operador. Os alicates possuem diversas variaes. A seguir, so listados alguns tipos alicates. Alicate Universal O alicate universal serve para efetuar operaes como segurar, cortar e dobrar. Pode ter os braos com isolamento, o que permite seu uso com materiais energizados. A Figura 24 apresenta um alicate universal.

Figura 24. Alicate universal com isolamento nos braos. Alicate de presso O alicate de presso basicamente utilizado para segurar objetos. Possuem dispositivos que permitem segurar firmemente as peas a serem trabalhadas, sendo sua presso regulada por meio de molas e parafusos ajustveis. Com isso, o operador fica com as mos livres para executar outras tarefas. A Figura 25 apresenta um alicate de presso.

Figura 25. Alicate de presso. Alicate de corte O alicate de corte serve para cortar chapas metlicas, arames e fios de ao. A Figura 26 apresenta um alicate de corte.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 22

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

Figura 26. Alicate de corte. Alicate de bico O alicate de bico possui as pontas afiladas permitindo que se alcance locais de difcil acesso. So utilizados para a colocao ou retiradas de anis de presso. A Figura 27 apresenta um alicate de bico

Figura 27. Alicate de bico. 2.11. Martelo O martelo uma ferramenta de impacto, constituda de um bloco de ao carbono preso a um cabo de madeira, sendo as partes com que se do os golpes, temperadas. Deve-se evitar golpear com o cabo do martelo ou us-lo como alavanca. O peso do martelo varia de 200 a 1000 gramas. Algumas variaes de martelos so mostradas a seguir. Martelo de bola O martelo de bola basicamente utilizado em trabalhos com chapas finas de metal e tambm na fixao de pregos, grampos, etc. A Figura 28 apresenta um martelo de bola.

Figura 28. Martelo de bola.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 23

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

Martelo de carpinteiro ou tipo unha O martelo de carpinteiro ou tipo unha muito utilizado em trabalhos de carpintaria e marcenaria. Possui um dos lados dotado de estrutura na forma de unha que utilizada para arrancar pregos. A Figura 29 apresenta um martelo de carpinteiro ou tipo unha.

Figura 29. Martelo de carpinteiro ou tipo unha. Martelo tipo pena O martelo tipo pena utilizado basicamente em trabalhos de construo civil, principalmente por pedreiros e bombeiros hidrulicos. A Figura 30 apresenta um martelo tipo pena.

Figura 30. Martelo tipo pena. Martelo de borracha O martelo de borracha permite a realizao de trabalhos em chapas de metal, ou outra superfcie sensvel impactos, sem contudo, danificar ou marcar o material trabalhado. A Figura 31 apresenta um martelo de borracha.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 24

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

Figura 31. Martelo de borracha. Macete O macete tambm uma ferramenta de impacto, constituda de uma cabea de madeira, alumnio, plstico, cobre ou chumbo e um cabo de madeira. utilizado para bater em peas ou materiais cujas superfcies sejam lisas e que no possam sofrer deformao por efeito de pancadas. A Figura 32 apresenta um macete.

Figura 32 - Macete. Marreta A diferena bsica entre o martelo e a marreta a massa. Enquanto o martelo tem uma massa at 1000g a massa da marreta sempre superior a esse valor. Portanto, a marreta destina-se a realizao de servios mais pesados. A Figura 33 apresenta uma marreta.

Figura 33 - Marreta. 2.12. Limas As limas so ferramentas manuais de ao carbono, denticulado e temperada, utilizada na operao de limar ou amolar ferramentas de corte. Para serem usadas com segurana e bom

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 25

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

rendimento, devem estar bem encabadas, limpas e com o picado (ranhuras) em bom estado de corte. Para a limpeza das limas pode-se usar uma escova de ao. As limas so sensveis oxidao, por isso, o operador deve segur-la somente pelo cabo, evitando o contato do suor e oleosidade da mo com a lima. Existem diversos tipos de limas, com diferentes formatos, de modo que cada formato se adequa melhor a amolar um tipo de superfcie especfica. Uma classificao simplificada das limas pode ser feita pela forma e tamanho. Assim, temos os seguintes tipos de limas: paralela (Figura 34), meia-cana (Figura 35), de bordos redondos (Figura 36), tipo faca (Figura 37), quadrada (Figura 38), redonda (Figura 39), chata (Figura 40), e triangular (Figura 41).

Figura 34. Lima paralela.

Figura 35. Lima meia-cana.

Figura 36. Lima de bordos redondos.

Figura 37. Lima faca.

Figura 38. Lima quadrada.

Figura 39. Lima redonda.

Figura 40. Lima chata.

Figura 41. Lima triangular.

2.13. Arco de Serra O arco de serra uma ferramenta manual constituda de um arco de ao carbono, onde montada uma lmina de ao ou ao carbono, dentada e temperada. A serra manual usada para cortar materiais ou para abrir fendas e rasgos. O arco de serra ajustvel de acordo com o comprimento da lmina, dando assim, a tenso adequada na lmina para a operao. Aps o uso, deve-se aliviar a tenso da lmina. A Figura 42 apresenta um arco de serra.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 26

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

Figura 42. Arco de serra. 2.14. Extratores Os extratores, tambm chamados de saca-polias, so ferramentas utilizadas para retirar polias e rolamentos de eixos. Podem possuir duas ou mais pernas, o que permite um maior apoio na pea a ser retirada. A Figura 43 apresenta um extrator.

Figura 43. Extrator de polias e rolamentos. 2.15. Brocas As brocas so ferramentas de corte, de forma cilndrica, utilizadas para abertura de orifcios em materiais metlicos e no metlicos. Na Figura 44 apresentada uma broca.

Figura 44. Broca. 2.16. Machos de roscar So ferramentas de corte, construdas em ao carbono, que se destinam a fazer roscas internas, como por exemplo, roscas em porcas. Uma de suas extremidade termina em uma cabea quadrada, que o prolongamento de haste cilndrica, onde se fixa o apoio para gir-lo sobre a pea a ser perfurada. A Figura 45 apresenta um macho de roscar.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 27

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

Figura 45. Macho de roscar. 2.17. Cossinetes Os cossinetes so ferramentas usadas para abrir roscas externas em peas cilndricas de um determinado dimetro, tais como parafusos e tubos. Na Figura 46 apresentado um cossinete e na Figura 47 apresentado um porta-cossinete que tem a funo de apoiar o cossinete.

Figura 46. Cossinete.

Figura 47. Porta-cossinete.

2.18. Chave de corrente ou de filtro A chave de corrente ou chave de filtro usada para servios em peas com diferentes formatos, sendo muito utilizadas para retirar ou apertar filtros ou tubulaes. So constitudas por uma corrente e uma haste como mostrado na Figura 48. Sua concepo simples permite fcil utilizao em locais de difcil acesso.

Figura 48. Chave de corrente ou chave de filtro.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 28

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

2.19. Cuidados gerais com as ferramentas importante que se tome alguns cuidados especiais com as ferramentas, garantindo-lhes maior vida til e segurana na execuo das tarefas. Para isso, elas devem ser guardadas nos seus devidos lugares sempre que no estiverem em uso. Isso permite maior agilidade na execuo de tarefas futuras, uma vez que o operador no ser obrigado a procurar a ferramenta toda vez que precisar utiliz-la. Alm disso, evita que a ferramenta seja abandonada em locais onde possam provocar acidentes. A limpeza das ferramentas, ao final da sua utilizao, muito importante para conserv-las em boas condies de uso. importante, que antes de iniciar o trabalho, o operador faa uma reviso na ferramenta, sobretudo, verificando cabos e encaixes, se existirem, assegurando-se que a mesma se encontre apta para a tarefa. As ferramentas devem ser transportadas em local apropriado, como por exemplo, em caixa sob medida. Ferramentas de corte nunca devem ser transportadas no bolso de calas ou camisas. Ferramentas manuais, comumente, so causas de muitos acidentes nas oficinas mecnicas, por isso, elas devem ser utilizadas de maneira correta e com o mximo de cuidado possvel. As improvisaes normalmente acarretam danos s peas e potencializa o risco de acidentes. Por isso, a ferramenta deve sempre estar adequada operao e ao operador. Ferramentas que demandam muito esforo fsico, por muito tempo, ou requerem posies incmodas devem ser evitadas.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 29

Engenharia na Agricultura

Caderno 47

3. LITERATURA CONSULTADA CARVALHO, R., AMARO, M., FERREIRA, V. Mquinas agrcolas. Algumas normas, cuidados, conselhos e esclarecimentos. Divulgao 14 : 1, 1982, p.69. FERNANDES, H.C., VILLIOTI, C. A. Caderno didtico Prticas de ENG 337. 2005, 55p. GEDORE. Catlogo eletrnico de produtos. Cd-Rom. 2004. GUIA Nei Brasil. Ferramentas manuais: a segurana e eficincia comandam o design. Disponvel em: . Acesso: 25/10//2006. INSTRUES NORMATIVAS EM SEGURANA DO TRABALHO - Instruo normativa N 17 - Preveno de riscos das oficinas mecnicas. Disponvel em: . Acesso: 11/11/2006. PAULI, E. A., ULIANA, F. S. Mecnica: Ferramentas e seus acessrios. SENAI&CST-ES, 1996, 68p. SILVEIRA, M. G. Os cuidados com o trator. Ed. Aprenda Fcil. Viosa-MG. Srie Mecanizao, v.1, 309p, 2001.

______________________________________________________________________________________________ 2006 AEAGRI/DEA/UFV Pgina 30