AÇÕES ELEITORAIS - tribcast-midia.s3-sa-east-1. ?· (FUJB –2012 –MPE-RJ –Promotor de Justiça)…

  • Published on
    28-Nov-2018

  • View
    212

  • Download
    0

Transcript

  • 1

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    Contedo do Programa de Direito Eleitoral

    Parte I

    Conceito. Legislao. Fases e Subfases. Princpios. Poder

    Normativo. Consulta. Organizao da Justia eleitoral. Ministrio

    pblico eleitoral. Partidos Polticos. Artigo 14 da lei maior.

    Condies de elegibilidade. Perda e suspenso dos direitos

    polticos. Inelegibilidades. Registros de candidatos. Ao de

    impugnao ao requerimento de registro de candidatos.

    Propaganda poltica eleitoral e partidria. Abuso do poder

    econmico e Poltico.

    Contedo do Programa de Direito Eleitoral

    Parte II

    Representaes. Captao ilcita de Sufrgio. Condutas vedadas

    aos agentes pblicos em campanhas eleitorais. Prestao de

    contas de campanhas. Representao. Doadores. Ao de

    impugnao ao mandato eletivo e recurso contra a expedio do

    diploma. Recursos eleitorais.

    AES ELEITORAIS

    Ao de Impugnao ao Registro de Candidatura

    AIRC

    Ao de Investigao Judicial Eleitoral

    AIJE

    Ao de Impugnao de Mandato Eletivo

    AIME

    Recurso contra Expedio de Diploma

    RCED

  • 2

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    AO DE IMPUGNAO AO REGISTRO DE CANDIDATURA

    MOTIVO LEGITIMIDADE

    Ausncia de condies de

    elegibilidade ou causas de

    inelegibilidade:

    Idade inferior a mnima prevista

    na CF

    Analfabetismo

    Domiclio eleitoral

    Desincompatibilizao

    Ativa:

    Qualquer candidato

    Partido poltico

    Coligao

    Ministrio Pblico Eleitoral

    Passiva: candidato e seu vice.

    NO H LITISCONSRCIO COM

    O PARTIDO!

    OBS.

    Partido poltico

    ColigaoOBSERVAO

    PARTIDO SOZINHO PARTIDO COLIGADO

    PODE IMPUGNAR

    SOZINHHO

    S PODE IMPUGNAR

    ATRAVS DA

    COLIGAO

    COMPETNCIA PARA JULGAR A AIRC:

    Eleies municipais

    Juiz eleitoral

    Eleies estaduais

    TRE

    Eleio presidencial

    TSE

    PRAZO

    DECADENCIAL

    RITO

    PROCESSUAL

    CONSEQUNCIAS

    DA PROCEDNCIA

    5 DIAS contados do

    dia seguinte ao da

    publicao da lista

    com os nomes dos

    pr-candidatos.

    Ordinrio Eleitoral

    artigos 3 e

    seguintes da LC

    64/90

    Nega o registro

    Cancela o que foi

    dado

    Declara nulo o

    diploma e os

    votos recebidos.

  • 3

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    PROCEDIMENTO ORDINRIO LC 64/90 (arts. 3 ao 9)

    Impugnao (5 dias) podendo arrolar at 6 testemunhas

    Contestao em 7 dias, podendo

    arrolar at 6 testemunhas

    Instruo probatria

    (4 dias)

    Alegaes finais,

    inclusive o MP, em 5 dias

    Sentena ou acrdo em 3 dias *

    Recurso para o TRE ou TSE

    em 3 dias

    2

    Sentena ou acrdo em 3 dias*

    Smula n 10 do TSE

    No processo de registro de candidatos,

    quando a sentena for entregue em

    cartrio antes de trs dias contados da

    concluso ao juiz, o prazo para o recurso

    ordinrio, salvo intimao pessoal

    anterior, S SE CONTA DO TERMO

    FINAL DAQUELE TRDUO.

    PGR - 2005 - PGR - Procurador da Repblica

    1) Nas eleies municipais de 2004, o juiz eleitoral recebeu

    do cartrio ao de impugnao de registro de candidatura

    no dia 02/08/2004, segunda-feira, tendo o magistrado

    devolvido os autos, com sentena julgando procedente a

    impugnao, no dia 04/08/2004, quarta-feira. diante de tal

    situao, indaga-se: quando ocorreu o termo final do prazo

    para a interposio de recurso para o tribunal regional

    eleitoral?

    2

    a) ( ) dia 07 de agosto de 2004 (Sbado);

    b) ( ) dia 08 de agosto de 2004 (Domingo);

    c) ( ) dia 09 de agosto de 2004 (Segunda- feira);

    d) ( ) no 3 (terceiro) dia da publicao da sentena por edital,em cartrio.

    2

  • 4

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    b) ( ) dia 08 de agosto de 2004 (Domingo);

    2

    2 3 4 5 6 7 8

    Recebeu

    do

    cartrio

    Devolveu Trmino

    do

    prazo

    1 dia 2 dia 3 dia

    3 dias para sentenciar

    Smula n 10 do TSE

    No processo de registro de candidatos, quando a sentena for entregue

    em cartrio antes de trs dias contados da concluso ao juiz, o prazo

    para o recurso ordinrio, salvo intimao pessoal anterior, S SE

    CONTA DO TERMO FINAL DAQUELE TRDUO.

    RITO DO RECURSO NO TRE

    Relator

    Oitiva do Procurador

    Regional Eleitoral (2 dias)

    Em mesa para

    julgamento no prazo de 3

    dias

    Acrdo

    publicado em

    sesso

    3 dias para

    recorrer para

    o TSE

    Relator

    Oitiva do Procurador

    Geral Eleitoral (2 dias)

    Em mesa para

    julgamento no prazo de 3

    dias

    RITO DO RECURSO NO TSE

    Acrdo

    publicado em

    sesso

    3 dias para

    recorrer para

    o STF

    (FUJB 2012 MPE-RJ Promotor de Justia)

    2) A ao de impugnao de pedido de registro de candidatura se

    fundamenta na ausncia de condies de elegibilidade com

    relao quele que pretende o registro, ou na presena de

    causas que o tornem inelegvel.

    1

  • 5

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    CESPE - 2012 - MPE-RR - Promotor de Justia

    3) No processo de impugnao de registro de candidatura,

    a) o prazo para impugnao de 5 dias, contados da publicao

    do pedido de registro do candidato.

    b) a impugnao poder ser feita por qualquer eleitor, desde que

    esteja em dia com a Justia Eleitoral.

    1

    c) o fato em que se funda a impugnao dever ser provado de

    plano, atravs de documentos, vedada a coleta de prova

    testemunhal.

    d) o prazo para impugnao ser de quinze dias, quando o

    impugnante for o Ministrio Pblico Eleitoral.

    e) o prazo para impugnao ser contado em dobro quando o

    impugnante for coligao

    1

    b) a impugnao poder ser feita por qualquer eleitor, desde

    que esteja em dia com a Justia Eleitoral.

    c) o fato em que se funda a impugnao dever ser provado de

    plano, atravs de documentos, vedada a coleta de prova

    testemunhal (pode arrolar at 6 testemunhas)

    d) o prazo para impugnao ser de quinze dias (5 dias),

    quando o impugnante for o Ministrio Pblico Eleitoral.

    e) o prazo para impugnao ser contado em dobro (no existe

    essa previso na lei) quando o impugnante for coligao

    1

    PGR - 2011 - PGR - Procurador da Repblica

    4) RELATIVAMENTE AO DE IMPUGNAO DE

    REGISTRO DE CANDIDATURA, ASSINALE A

    ALTERNATIVA ERRADA:

    a) uma de suas hipteses de cabimento e atacar a incidncia de

    causa de inelegibilidade de candidato;

    b) a competncia para processar e julgar impugnao contra de

    candidatura ao Senado Federal pertence ao Tribunal Regional

    Eleitoral onde foi requerida o referido registro;

    4

  • 6

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    c) a impugnao, por parte do candidato, partido politico ou

    coligao, no impede a ao do Ministrio Pblico Eleitoral no

    mesmo sentido;

    d) pode ser ajuizada desde a publicao do registro da

    candidatura do candidato at o dia da eleio.

    4

    d) pode ser ajuizada desde a publicao do registro da

    candidatura do candidato at o dia da eleio.

    PRAZO DECADENCIAL: 5 DIAS contados do dia seguinte ao

    da publicao da lista com os nomes dos pr-candidatos.

    4

    VUNESP - 2011 TJ-SP - Juiz

    5) O instrumento processual que tem como objetivo impedir que o

    cidado possa disputar o pleito eleitoral, obstando sua passagem

    da condio de pr-candidato de candidato, :

    a) Ao de impugnao de registro de candidato.

    b) Ao de impugnao ao mandato eletivo.

    c) Recurso contra a expedio de diploma.

    d) Ao de investigao judicial eleitoral.

    e) Ao de prestao de contas.

    1

    AO DE INVESTIGAO JUDICIAL ELEITORAL

    PROTEGER

    O PLEITO

    ABUSO DO PODER

    ECONMICO

    ABUSO DO PODER

    POLTICO

    ABUSO DOS MEIOS DE

    COMUNICAO

    CONTRA

    LEGITIMIDADE

    NORMALIDADEATOS

    GRAVES

  • 7

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    FUNDAMENTO LEGITIMIDADE

    Artigos 19 a 24 da LC 64/90.

    Combater o uso excessivo e

    irregular de recursos

    financeiros e humanos que

    afetem a legitimidade e

    normalidade das eleies.

    Ativa:

    Qualquer candidato

    Partido poltico

    Coligao

    Ministrio Pblico Eleitoral

    Passiva: candidato (proporcionais

    e majoritrias), vice (majoritrias) e

    terceiros que auxiliaram no ilcito,

    salvo pessoas jurdicas.

    OBS.

    AO DE INVESTIGAO JUDICIAL ELEITORAL

    Partido

    poltico

    Coligao

    1) SOMENTE AT A DATA DAS

    ELEIES.

    2) APS, MESMO COLIGADO O

    PARTIDO PODE PROPOR A AO

    SOZINHO.

    (FUJB 2012 MPE-RJ Promotor de Justia)

    6) As aes de impugnao de pedido de registro de candidatura

    e de investigao judicial eleitoral podem ser propostas por

    quaisquer candidatos, eleitores, partidos polticos ou coligaes,

    bem como pelo Ministrio Pblico Eleitoral.

    2

    (FUJB 2012 MPE-RJ Promotor de Justia)

    6) As aes de impugnao de pedido de registro de candidatura

    e de investigao judicial eleitoral podem ser propostas por

    quaisquer candidatos, eleitores, partidos polticos ou coligaes,

    bem como pelo Ministrio Pblico Eleitoral.

    2

  • 8

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    COMPETNCIA PARA A INVESTIGAO:

    Eleies municipais

    JUIZ ELEITORAL

    Eleies estaduais

    CORREGEDORES REGIONAL (TRE)

    Eleio presidencial

    CORREGEDOR ELEITORAL (TSE)

    O CORREGEDOR RELATA, MAS QUEM

    JULGA O COLEGIADO, EM SESSO.

    PRAZO

    DECADENCIAL

    RITO

    PROCESSUAL

    CONSEQUNCIAS

    DA PROCEDNCIA

    Do deferimento da

    candidatura at a

    data da diplomao

    (eleio) (*TSE)

    Mesmo que para

    fatos anteriores ao

    registro da

    candidatura

    Artigo 22 da LC

    64/90.

    Inelegibilidade (8

    anos)

    Cassao do

    registro/diploma

    Anulao dos votos

    (art. 224 do CE)

    (*) Antes, a AIJE somente poderia ser ajuizada at a data daeleio. MUDANA DE ENTENDIMENTO DO TSE:

    Ac.-TSE, de 8.8.2006, no Ag n 6.821: possibilidade de

    propositura de ao de investigao judicial eleitoral fundada

    em abuso do poder poltico aps a data do pleito, no incidindo,

    na espcie, o entendimento consubstanciado em questo de ordem

    no REspe n 25.935/2006. Ac.-TSE, de 19.8.2010, no AgR-REspe n

    35.721 e Ac.-TSE, de 25.3.2008, no REspe n 28.469: a AIJE

    proposta com base no art. 41-A da Lei n 9.504/1997

    (CAPTAO ILCITA DE SUFRGIO) pode ser ajuizada at a

    data da diplomao. Ac.-TSE, de 17.4.2008, no RO n 1.530:

    possibilidade de propositura de ao de investigao judicial

    eleitoral antes de iniciado o perodo eleitoral.

    Art. 22 da LC 64/90. Qualquer partido poltico, coligao,

    candidato ou Ministrio Pblico Eleitoral poder representar

    Justia Eleitoral, diretamente ao Corregedor-Geral ou

    Regional, relatando fatos e indicando provas, indcios e

    circunstncias e pedir abertura de investigao judicial para

    apurar uso indevido, desvio ou abuso do poder econmico ou do

    poder de autoridade, ou utilizao indevida de veculos ou meios

    de comunicao social, em benefcio de candidato ou de partido

    poltico, obedecido o seguinte rito:

    (...)

  • 9

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    Art. 224 do Cdigo Eleitoral. Se a nulidade atingir a mais de

    metade dos votos do Pas nas eleies presidenciais, do

    Estado nas eleies federais e estaduais ou do Municpio nas

    eleies municipais, julgar-se-o prejudicadas as demais

    votaes e o Tribunal marcar dia para nova eleio dentro

    do prazo de 20 (vinte) a 40 (quarenta) dias.

    NO SE TRATA DE MANIFESTAO

    APOLTICA DO ELEITOR (votos brancos

    e nulos), MAS DE VCIO NA

    LEGITIMIDADE DO PLEITO.

    EXEMPLO:

    1) Candidato A 40% dos votos

    Candidato B 8% dos votos

    Votos brancos e nulos 52%

    2) Candidato A 52% dos votos

    Candidato B 30% dos votos

    Votos brancos e nulos 18%

    Ser diplomado.

    AIJE procedente com

    anulao dos votos

    B no pode ser

    diplomado novo pleito

    PROCEDIMENTO ARTIGO 22 DA LC 64/90

    Oferecimento de

    representao

    pelo autor, que

    pode arrolar at

    6 testemunhas

    Magistrado

    verifica o

    fumus boni

    iuris da

    representao

    NO: Indefere a

    petio inicial

    SIM: Cita o ru

    para defesa em 5

    dias.

    PROCEDIMENTO ARTIGO 22 DA LC 64/90

    Contestao em

    5 dias, podendo

    CADA PARTE

    arrolar at 6

    testemunhas

    Se for

    necessria a

    instruo

    probatria

    (5 dias)

    Oitiva das

    testemunhas,

    de preferncia

    na mesma

    audincia

    3 dias para

    diligncias

  • 10

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    PROCEDIMENTO ARTIGO 22 DA LC 64/90

    Encerrada a

    instruo ou

    sendo

    desnecessria

    Alegaes

    finais em 2

    dias (prazo

    comum)

    Concluso

    Corregedor

    relata e leva

    sesso

    Juiz eleitoral

    prolata

    sentena

    PGR - 2005 - PGR - Procurador da Repblica

    7) EM SEDE DE INVESTIGAO JUDICIAL ELEITORAL:

    I. O abuso do poder econmico, quanto a fatos ocorridos

    anteriormente a fase do registro, deve ser apurado na ao de

    impugnao de registro de candidaturas (AIRC), sob pena de

    precluso, sendo, por outro lado, apurado por meio de

    investigao judicial eleitoral (IJE) em relao aos ocorridos

    posteriormente quela fase.

    2

    II. O termo final para o ajuizamento da Investigao judicial

    eleitoral (IJE) o da data da eleio, inclusive.

    Ill. A deciso Julgando procedente investigao judicial eleitoral

    (IJE) ajuizada com o fito de apurar a utilizao indevida de meios

    de comunicao social em benefcio de candidato no necessita

    de trnsito em julgado para a sua execuo.

    22

    IV. No tendo havido, ainda, o julgamento de investigao judicial

    eleitoral (lJE) ajuizada, em face de candidato, para apurar abuso

    do poder econmico quando j transcorridos os prazos para a

    interposio de recurso contra a expedio do diploma (RCED) e

    o ajuizamento de ao de impugnao de mandato eletivo

    (AIME), deve ela, por flagrante perda de objeto, ser julgada

    extinta, sem julgamento do mrito.

    2

  • 11

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    Das assertivas acima:

    a) ( ) todas esto corretas;

    b) ( ) somente esto corretas as de nmeros I e ll;

    c) ( ) somente corretas as de nmeros Il e Ill;

    d) ( ) todas esto incorretas.

    4

    I. O abuso do poder econmico, quanto a fatos ocorridos

    anteriormente a fase do registro, deve ser apurado na ao de

    impugnao de registro de candidaturas (AIRC), sob pena de

    precluso, sendo, por outro lado, apurado por meio de

    investigao judicial eleitoral (IJE) em relao aos ocorridos

    posteriormente quela fase (pode tratar de fatos anteriores

    ao deferimento da candidatura)

    2

    II. O termo final para o ajuizamento da Investigao judicial

    eleitoral (IJE) o da data da eleio (novo entendimento do

    TSE at a data da diplomao) inclusive.

    Ill. A deciso julgando procedente investigao judicial eleitoral

    (IJE) ajuizada com o fito de apurar a utilizao indevida de meios

    de comunicao social em benefcio de candidato no necessita

    de trnsito em julgado para a sua execuo. (As

    consequncias so graves: inelegibilidade e cassao)

    22

    IV. No tendo havido, ainda, o julgamento de investigao judicial

    eleitoral (lJE) ajuizada, em face de candidato, para apurar abuso

    do poder econmico quando j transcorridos os prazos para a

    interposio de recurso contra a expedio do diploma (RCED) e

    o ajuizamento de ao de impugnao de mandato eletivo

    (AIME), deve ela, por flagrante perda de objeto, ser julgada

    extinta, sem julgamento do mrito. (a sano pode ser de

    cassao do registro ou diploma, a depender da fase em que

    ocorrer o julgamento)

    2

  • 12

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    REPRESENTAES PREVISTAS NA LEI 9.504

    Art. 30-A

    Ilcitos de gastos com a campanha

    Art. 41-A

    Captao ilcita de sufrgio

    Art. 73, 12 e 13

    Desequilbrio do pleito eleitoral

    SEGUEM O RITO DA AIJE (art.22 da L.C 64/90), MAS NO SO DA

    COMPETNCIA DO CORREGEDOR (JUZES AUXILIARES)

    CAUSA DE

    PEDIR

    Princpio da moralidade ilcitos durante a

    campanha (arrecadao e gastos)

    GRAVIDADE DA CONDUTA

    LEGITIMIDADE

    Ativa: Ministrio Pblico Passiva: Candidato

    Partido Poltico Vice

    Coligao

    PRAZO

    DECADENCIALAt 15 DIAS aps a diplomao

    PROCEDNCIANEGAO/CASSAO DIPLOMA +

    INELEGIBILIDADE + ANULAO DE VOTOS

    REPRESENTAO DO ART. 30-A DA LEI 9.504:

    Art. 30-A. Qualquer partido poltico ou coligao poder

    representar Justia Eleitoral, no prazo de 15 (quinze) dias

    da diplomao, relatando fatos e indicando provas, e pedir a

    abertura de investigao judicial para apurar condutas em

    desacordo com as normas desta Lei, relativas arrecadao e

    gastos de recursos.

    1 Na apurao de que trata este artigo, aplicar-se- oprocedimento previsto no art. 22 da Lei Complementar n 64, de

    18 de maio de 1990, no que couber.

    (...)

    CAUSA DE

    PEDIR

    Captao ilcita de sufrgio (DOPE) entre o

    registro da candidatura e as eleies

    D - doar

    O - oferecer

    P - prometer

    E - entregar

    LEGITIMIDADE

    Ativa: Ministrio Pblico Passiva: Candidato

    Partido Poltico Vice

    Coligao

    Candidato

    REPRESENTAO DO ART. 41-A DA LEI 9.504:

    Vantagem

    individual

  • 13

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    PRAZO

    DECADENCIALAt a diplomao

    PROCEDNCIA

    CASSAO DO REGISTRO/DIPLOMA

    INELEGIBILIDADE (8 ANOS)

    MULTA DE 1.000 A 50.000 UFIR

    ANULAO DOS VOTOS (art. 224 DO CE)

    REPRESENTAO DO ART. 41-A DA LEI 9.504: Art. 41-A. Ressalvado o disposto no art. 26 e seus incisos,

    constitui captao de sufrgio, vedada por esta Lei,

    o candidato doar, oferecer, prometer, ou entregar, ao

    eleitor, com o fim de obter-lhe o voto, bem ou vantagem

    pessoal de qualquer natureza, inclusive emprego ou funo

    pblica, desde o registro da candidatura at o dia da eleio,

    inclusive, sob pena de multa de mil a cinquenta mil UFIR,

    e cassao do registro ou do diploma, observado o

    procedimento previsto no art. 22 da Lei Complementar n 64, de

    18 de maio de 1990.

    (...)

    CAUSA DE

    PEDIR

    Garantir o equilbrio do pleito eleitoral.

    Coibir condutas tendentes a afetar a

    igualdade de oportunidades entre candidatos

    LEGITIMIDADE

    Ativa: Ministrio Pblico Passiva: Candidato

    Partido Poltico Vice

    Coligao

    Candidato

    REPRESENTAO DO ART. 73,12 E 13 DA LEI 9.504:

    PRAZO

    DECADENCIALAt a diplomao

    PROCEDNCIA

    MULTA DE 5.000 A 100.000 UFIR

    CASSAO DO REGISTRO/DIPLOMA

    (GRAVIDADE DO FATO)

    INELEGIBILIDADE (8 ANOS)

    ANULAO DOS VOTOS (art. 224 DO CE)

    REPRESENTAO DO ART. 73,12 E 13 DA LEI 9.504:

  • 14

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    Art. 73. So proibidas aos agentes pblicos, servidores ou no,

    as seguintes condutas tendentes a afetar a igualdade de

    oportunidades entre candidatos nos pleitos eleitorais:

    I ceder ou usar, em benefcio de candidato, partido poltico ou

    coligao, bens mveis ou imveis pertencentes

    administrao direta ou indireta da Unio, dos Estados, do

    Distrito Federal, dos Territrios e dos Municpios, ressalvada a

    realizao de Conveno partidria;

    (...)

    PGR - 2012 - PGR - Procurador da Repblica

    8) ASSINALE A AO ELEITORAL QUE PODE SER AJUIZADA

    APS A DATA DA DIPLOMAO DOS ELEITOS:

    a) ao de investigao judicial eleitoral por uso indevido dos

    meios de comunicao;

    b) ao por captao ou gasto ilcito de recurso para fins

    eleitorais;

    c) ao por captao ilcita de sufrgio:

    d) ao por conduta vedada a agentes pblicos.

    2

    8) ASSINALE A AO ELEITORAL QUE PODE SER AJUIZADA

    APS A DATA DA DIPLOMAO DOS ELEITOS:

    a) ao de investigao judicial eleitoral por uso indevido dos

    meios de comunicao (at a diplomao);

    b) ao por captao ou gasto ilcito de recurso para fins

    eleitorais; (at 15 dias aps a diplomao)

    c) ao por captao ilcita de sufrgio; (at a diplomao)

    d) ao por conduta vedada a agentes pblicos. (at a

    diplomao).

    2

    AO DE IMPUGNAO DE MANDATO ELETIVO

    FINALIDADE

    Desconstituir o mandato do ELEITO

    NATUREZA JURDICA

    Cvel (no possui ndole

    criminal)

    OBJETO

    Tutela da cidadania,

    lisura e equilbrio do

    pleito

  • 15

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    AO DE IMPUGNAO DE MANDATO ELETIVO

    FUNDAMENTOS

    ABUSO DO PODER

    ECONMICO

    Mau uso do poder

    econmico

    CORRUPODesvirtuamento

    das atividades do agente estatal

    FRAUDE

    (votao)

    Influncia ou manipulao do

    resultado da eleio

    (FUJB 2012 MPE-RJ Promotor de Justia)

    9) A prtica de atos que configurem abuso de poder econmico

    em benefcio de candidato pode ensejar o ajuizamento de

    investigao judicial eleitoral, bem como de ao de impugnao

    de mandato eletivo, cada qual em seu momento oportuno.

    1

    Art. 14, 10, da CF/88 - O mandato eletivo poder serimpugnado ante a Justia Eleitoral no prazo de quinze dias

    contados da diplomao, INSTRUDA A AO COM

    PROVAS DE ABUSO DO PODER ECONMICO,

    CORRUPO OU FRAUDE.

    11 - A ao de impugnao de mandato TRAMITAR EMSEGREDO DE JUSTIA, respondendo o autor, na forma da lei,

    se temerria ou de manifesta m-f.EXISTNCIA OBJETIVA DO

    EVENTO

    GRAVIDADE

    POTENCIAL LESIVIDADE

    NO NECESSRIO

    ALTERAR

    EFETIVAMENTE O

    RESULTADO DO

    PLEITO

    Art. 22, XVI, LC 64/90 Para a configurao do ato

    abusivo, no ser considerada a potencialidade de o

    fato alterar o resultado da eleio, mas apenas a

    gravidade das circunstncias que o caracterizam.

    SO SUFICIENTES:

  • 16

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    FUNDAMENTOS LEGITIMIDADE

    Artigo 14, 10 e 11 da CF/88.

    ABUSO DO PODER

    ECONMICO

    CORRUPO

    FRAUDE

    Ativa:

    Qualquer candidato

    Partido poltico

    Coligao

    Ministrio Pblico Eleitoral

    Passiva: candidato (proporcionais

    e majoritrias), vice (majoritrias) e

    suplentes (proporcionais).

    AO DE IMPUGNAO DE MANDATO ELETIVO COMPETNCIA PARA JULGAR A AIME:

    Eleies municipais

    Juiz eleitoral

    Eleies estaduais

    TRE

    Eleio presidencial

    TSE

    PRAZO

    DECADENCIAL

    RITO

    PROCESSUAL

    CONSEQUNCIAS

    DA PROCEDNCIA

    15 DIAS contados

    da diplomao

    Ordinrio Eleitoral

    artigos 3 e

    seguintes da LC

    64/90 (orientao

    TSE)

    TRAMITA EM

    SEGREDO DE

    JUSTIA

    PERDA DO

    MANDATO

    ANULAO DOS

    VOTOS

    No possvel

    aplicar a sano de

    inelegibilidade

    (UFPR 2013 TJ-PR Juiz)

    10) Tratando-se de ao de impugnao de mandato eletivo,

    assinale a alternativa INCORRETA:

    a) Nos termos da Constituio Federal, a ao tramitar sob

    segredo de justia.

    b) A ao de impugnao de mandato eletivo no pode ser

    manejada contra o suplente diplomado, porque este no exerce

    mandato.2

  • 17

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    c) A ao dever ser ajuizada no prazo de 15 dias contados da

    diplomao, e dever ser instruda com provas de abuso do

    poder econmico, corrupo ou fraude.

    d) O prazo para ajuizamento da ao de impugnao de mandato

    eletivo decadencial.

    2

    TJ-PR - 2011 - Juiz

    11) A ao de impugnao de mandato eletivo, prevista pelo

    artigo 14, 10 da Constituio, no possui lei regulamentadoramas, segundo o Tribunal Superior Eleitoral, deve seguir o rito da

    Lei Complementar n 64/90.

    1

    FCC - 2012 - MPE-AL - Promotor de Justia

    12) A ao de impugnao de mandato eletivo

    a) no caso de serem diplomados senadores e deputados federais

    insere-se na competncia originria do Tribunal Superior Eleitoral.

    b) tem a sua propositura condicionada ao prvio ajuizamento de

    investigao judicial eleitoral.

    c) exige a diplomao como pr-requisito e pressuposto

    processual para o seu ajuizamento.

    3

    d) no est sujeita a prazo de decadncia e pode ser proposta a

    qualquer tempo, enquanto durar o mandato eletivo.

    3

  • 18

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    a) no caso de serem diplomados senadores e deputados federais

    insere-se na competncia originria do Tribunal Superior

    Eleitoral (TRE)

    b) tem a sua propositura condicionada ao prvio ajuizamento de

    investigao judicial eleitoral (so aes distintas com

    objetivos distintos)

    d) no est sujeita a prazo de decadncia (15 dias a contar da

    diplomao) e pode ser proposta a qualquer tempo, enquanto

    durar o mandato eletivo.

    3

    FCC - 2012 TRE-CE - Analista

    13) A ao de impugnao de mandato eletivo

    a) pode ser ajuizada contra candidato eleito, at a diplomao.

    b) contra deputados federais deve ser ajuizada perante o Tribunal

    Superior Eleitoral.

    c) s pode ser ajuizada por partido poltico ou coligao.

    d) deve tramitar em segredo de justia.

    e) comporta recurso somente quando for julgada improcedente.

    4

    VUNESP - 2011 TJ-SP - Juiz

    14) Leia atentamente as assertivas a seguir.

    I. O mandato eletivo poder ser impugnado ante a Justia

    Eleitoral no prazo de 15 dias contados da proclamao dos

    resultados eleitorais.

    II. A ao de impugnao de mandato exercvel por qualquer

    cidado e se submete ao princpio da mais completa publicidade.

    2 2

    III. A impugnao do mandato eletivo no prescinde de provas de

    abuso do poder econmico, corrupo ou fraude.

    Est correto apenas o item:

    a) I

    b) I e III

    c) II

    d) II e III

    e) III

    5

  • 19

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    I. O mandato eletivo poder ser impugnado ante a Justia

    Eleitoral no prazo de 15 dias contados da proclamao dos

    resultados eleitorais (diplomao).

    II. A ao de impugnao de mandato exercvel por qualquer

    cidado (eleitor no tem legitimidade) e se submete ao

    princpio da mais completa publicidade (tramita sob segredo

    de justia).

    2 2

    Por que no pode ser aplicada

    a sano de inelegibilidade na

    AIME? E quando o ilcito

    corresponder ao abuso de

    poder econmico,

    expressamente mencionado

    pela LC 64/90?

    Art. 1, inciso I, d da LC 64/90. Os que tenham contra sua

    pessoa representao julgada procedente pela Justia Eleitoral,

    em deciso transitada em julgado ou proferida por rgo colegiado,

    em processo de apurao de abuso do poder econmico ou

    poltico, para a eleio na qual concorrem ou tenham sido

    diplomados, bem como para as que se realizarem nos 8 (oito) anos

    seguintes;

    AIME

    Abuso do poder econmico

    Corrupo

    Fraude

    Fundamentos

    AIME

    Abuso do poder econmico

    Corrupo

    Fraude

    Fundamentos

    TSE diz que no pode ser aplicado apenas para um

    fundamento e afasta a sano no caso de procedncia da

    AIME

    Ac.-TSE, de 8.2.2011, no AgR-RO n 371450: no incidncia da

    inelegibilidade desta alnea quando proferida em sede de

    RCED ou AIME.

  • 20

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    PROCEDIMENTO ORDINRIO LC 64/90 (arts. 3 ao 9)

    Impugnao (5 dias) podendo arrolar at 6 testemunhas

    Contestao em 7 dias, podendo

    arrolar at 6 testemunhas

    Instruo probatria

    (4 dias)

    Alegaes finais,

    inclusive o MP, em 5 dias

    Sentena ou acrdo em 3 dias

    Recurso para o TRE ou TSE

    em 3 dias

    RECURSO CONTRA EXPEDIO DE DIPLOMA

    Alterado pela Lei 12.891/2013 (no

    foi aplicada s eleies de 2014)

    Art. 262. do CE. O recurso contra expedio de diploma caber

    somente nos casos de inelegibilidade superveniente ou de

    natureza constitucional e de falta de condio de elegibilidade.

    I - (revogado);

    II - (revogado);

    III - (revogado);

    IV - (revogado). (NR)

    ANTES DA ALTERAO

    Art. 262. O recurso contra expedio de diploma caber somente nos

    seguintes casos:

    I - inelegibilidade ou incompatibilidade de candidato;

    II - errnea interpretao da lei quanto aplicao do sistema de

    representao proporcional;

    III - erro de direito ou de fato na apurao final, quanto determinao

    do quociente eleitoral ou partidrio, contagem de votos e classificao

    de candidato, ou a sua contemplao sob determinada legenda;

    IV - concesso ou denegao do diploma, em manifesta contradio

    com a prova dos autos, na hiptese do art. 222.

    IV - concesso ou denegao do diploma em manifesta contradio

    com a prova dos autos, nas hipteses do art. 222 desta Lei, e do art.

    41-A da Lei no 9.504, de 30 de setembro de 1997.

    CAUSA DE

    PEDIR

    INELEGIBILIDADE OU AUSNCIA DE

    CONDIO DE ELEGIBILIDADE:

    a) Superveniente ao registro

    b) Constitucional (ex: analfabetismo)

    LEGITIMIDADE

    Ativa: Ministrio Pblico Passiva: Diplomado

    Partido Poltico Vice

    Coligao

    Candidato

    RECURSO CONTRA EXPEDIO DE DIPLOMA

  • 21

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    NATUREZA

    JURDICA (TSE)AO CONSTITUTIVA NO DE RECURSO

    FINALIDADE Desconstituir o diploma

    PRAZO

    DECADENCIAL3 DIAS a contar da diplomao

    PROCEDNCIA

    (*)

    DESCONSTITUIO DO DIPLOMA

    ANULAO DE VOTOS

    RECURSO CONTRA EXPEDIO DE DIPLOMA

    ENTENDIMENTO DO TSE:

    Ac.-TSE, de 8.2.2011, no AgR-RO n 371450: no incidncia da

    inelegibilidade desta alnea quando proferida em sede de

    RCED ou AIME.

    (*) TAMBM NO H NO RCED A SANO DA

    INELEGIBILIDADE

    COMPETNCIA PARA JULGAR O RCED

    Eleies municipais

    TRE

    Eleies estaduais

    TSE

    Eleio presidencial

    No cabe

    Interposta perante

    o juiz eleitoral

    Interposta perante

    o TRE

    PROCEDIMENTO EM ELEIES MUNICIPAIS

    Interposio do recurso em 3 dias perante o

    juiz eleitoral

    Contrarra-zes em 3

    dias

    Remessa ao TRE

    Designao de Relator

    Oitiva do MPVista ao

    Relator por 8 dias

    Vista ao Revisor por

    4 dias

    Designao de sesso

    de julgamento

    Sustentao oral (20

    minutos)Deciso

  • 22

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    PROCEDIMENTO EM ELEIES ESTADUAIS

    Interposio do recurso em 3 dias perante o

    TRE

    Contrarra-zes em 3

    dias

    Remessa ao TSE

    Designao de Relator

    Oitiva do MPVista ao

    Relator por 8 dias

    Vista ao Revisor por

    4 dias

    Designao de sesso

    de julgamento

    Sustentao oral (20

    minutos)Deciso

    (FUJB 2012 MPE-RJ Promotor de Justia)

    15) As causas de inelegibilidade no suscitadas em sede de ao

    de impugnao de pedido de registro de candidatura sujeitam- se,

    como regra, precluso, ressalvadas aquelas que versem sobre

    matria de ordem constitucional, as quais ainda podem ser

    suscitadas, juntamente com as causas de inelegibilidade

    supervenientes, em sede de recurso contra a diplomao.

    1

    VUNESP - 2012 TJ-MG - Juiz

    16) Com relao ao recurso contra a expedio de diploma, previsto

    pelo artigo 262 do Cdigo Eleitoral, correto afirmar, luz de

    doutrina predominante e jurisprudncia do Tribunal Superior Eleitoral

    (notadamente o Mandado de Segurana n. 3.100/MA, DJ

    07.02.2003), que tem natureza de

    a) recurso, quando interposto perante os Tribunais Regionais

    Eleitorais ou o Tribunal Superior Eleitoral, nas eleies submetidas

    s respectivas competncias, porque, nesses casos, haver efetivo

    duplo grau de jurisdio. Nas eleies municipais, tem natureza de

    ao constitutiva negativa do ato de diplomao, no caracterizado o

    duplo grau de jurisdio.4

    b) recurso, quando interposto perante os Tribunais Regionais

    Eleitorais ou o Tribunal Superior Eleitoral, nas eleies

    submetidas s respectivas competncias, porque, nesses casos,

    adota-se critrio orgnico, segundo o qual basta haver a

    denominao tribunal para o ato possuir natureza recursal. Nas

    eleies municipais, tem natureza de ao constitutiva negativa

    do ato de diplomao, porque no se aplica o referido critrio

    orgnico.

    4

  • 23

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    c) recurso em todas as hipteses, haja vista a inteno do

    legislador em atribuir tal natureza independentemente do rgo

    da Justia Eleitoral perante o qual interposto.

    d) ao constitutiva negativa do ato de diplomao, levando-se

    em conta a natureza administrativa do ato da diplomao.

    4

    CESPE - 2012 - MPE-RR - Promotor de Justia

    17) Cabe recurso contra a expedio do diploma no caso de erro

    de fato quanto determinao do quociente eleitoral.

    2

    17) (No) Cabe recurso contra a expedio do diploma no

    caso de erro de fato quanto determinao do quociente

    eleitoral.

    O gabarito, em 2012, estava correto, mas o RCED foi

    modificado pela reforma eleitoral de 2013 (Lei 12.891/13):

    CAUSA DE PEDIR: APENAS A INELEGIBILIDADE OU

    AUSNCIA DE CONDIO DE ELEGIBILIDADE:

    a) Superveniente ao registro

    b) Constitucional (ex: analfabetismo)

    1

    VUNESP - 2011 TJ-SP - Juiz

    18) O instrumento processual que tem como objetivo a

    desconstituio do pronunciamento judicial, que deferiu a

    homologao do resultado das eleies, por afrontar

    determinados requisitos constantes em lei,

    a) a ao de impugnao ao mandato eletivo.

    b) a ao de impugnao de registro de candidato.

    c) a ao de prestao de contas.

    d) a ao de investigao judicial eleitoral.

    e) o recurso contra a expedio de diploma.5

  • 24

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    VUNESP - 2011 TJ-SP - Juiz

    18) O instrumento processual que tem como objetivo a

    desconstituio do pronunciamento judicial, que deferiu a

    homologao do resultado das eleies, por afrontar

    determinados requisitos constantes em lei,

    a) a ao de impugnao ao mandato eletivo.

    b) a ao de impugnao de registro de candidato.

    c) a ao de prestao de contas.

    d) a ao de investigao judicial eleitoral.

    e) o recurso contra a expedio de diploma.5

    RECURSOS ELEITORAIS CVEIS

    1) NO TM EFEITO SUSPENSIVO, SALVO

    Art. 216, do CE

    Art. 26-C, da LC 64/90

    Art. 16-A, da Lei 9.504

    Art. 37, 4, da Lei 9.096

    Art. 45, 5, da Lei 9.096

    Art. 216 do CE. Enquanto o Tribunal Superior no decidir o

    recurso interposto contra a expedio do diploma, poder o

    diplomado exercer o mandato em toda a sua plenitude.

    Art. 26-C da LC 64/90. O rgo colegiado do tribunal ao qual

    couber a apreciao do recurso contra as decises colegiadas a

    que se referem as alneas d, e, h, j, l e n do inciso I do art. 1

    poder, em carter cautelar, suspender a inelegibilidade sempre

    que existir plausibilidade da pretenso recursal e desde que a

    providncia tenha sido expressamente requerida, sob pena de

    precluso, por ocasio da interposio do recurso.

    Art. 16-A da Lei 9.504. O candidato cujo registro esteja sub

    judice poder efetuar todos os atos relativos campanha

    eleitoral, inclusive utilizar o horrio eleitoral gratuito no rdio e na

    televiso e ter seu nome mantido na urna eletrnica enquanto

    estiver sob essa condio, ficando a validade dos votos a ele

    atribudos condicionada ao deferimento de seu registro por

    instncia superior.

  • 25

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    Art. 37 da Lei 9.096. A falta de prestao de contas ou sua

    desaprovao total ou parcial implica a suspenso de novas

    cotas do Fundo Partidrio e sujeita os responsveis s penas da

    lei.

    4o Da deciso que desaprovar total ou parcialmente aprestao de contas dos rgos partidrios caber recurso para

    os Tribunais Regionais Eleitorais ou para o Tribunal Superior

    Eleitoral, conforme o caso, o qual dever ser recebido com efeito

    suspensivo.

    Art. 45 da Lei 9.096. Art. 45. A propaganda partidria gratuita,

    gravada ou ao vivo, efetuada mediante transmisso por rdio e

    televiso ser realizada entre as dezenove horas e trinta minutos

    e as vinte e duas horas para, com exclusividade:

    5o Das decises dos Tribunais Regionais Eleitorais quejulgarem procedente representao, cassando o direito de

    transmisso de propaganda partidria, caber recurso para o

    Tribunal Superior Eleitoral, que ser recebido com efeito

    suspensivo.

    PUC 2011 TJ-RO Juiz

    19) Enquanto pende de julgamento, no Tribunal Superior

    Eleitoral, recurso interposto contra a expedio do diploma,

    poder o diplomado exercer o mandato em toda a sua plenitude.

    1

    CESPE 2010 DPU Defensor

    20) No tem efeito suspensivo recurso interposto por indivduo

    que teve seu registro de candidatura indeferido em razo

    reconhecimento de inelegibilidade.

    2

  • 26

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    20) No tem efeito suspensivo recurso interposto por indivduo

    que teve seu registro de candidatura indeferido em razo

    reconhecimento de inelegibilidade.

    2

    Art. 16-A da Lei 9.504. O candidato cujo registro esteja sub

    judice poder efetuar todos os atos relativos campanha eleitoral,

    inclusive utilizar o horrio eleitoral gratuito no rdio e na televiso e

    ter seu nome mantido na urna eletrnica enquanto estiver sob essa

    condio, ficando a validade dos votos a ele atribudos condicionada

    ao deferimento de seu registro por instncia superior.

    RECURSOS ELEITORAIS CVEIS

    2) PRAZO PARA INTERPOSIO REGRA: 3 DIAS

    Mesmo prazo para contrarrazes

    3) PREVENO Artigo 260 do CE. A distribuio do primeiro

    recurso que chegar ao Tribunal Regional ou Tribunal Superior

    prevenir a competncia do Relator para todos os demais casos

    do mesmo Municpio ou Estado.

    RECURSOS ELEITORAIS CVEIS

    4) PRAZOS RECURSAIS PRECLUSIVOS, SALVO PARA

    MATRIA CONSTITUCIONAL.

    Art. 259 do CE. So preclusivos os prazos para interposio de

    recurso, salvo quando neste se discutir matria constitucional.

    Pargrafo nico. O recurso em que se discutir matria

    constitucional no poder ser interposto fora do prazo.

    Perdido o prazo numa fase prpria, s em outra que se

    apresentar poder ser interposto.

    CESPE 2011 TJ-PB Juiz

    21) So preclusivos os prazos para a interposio de recurso

    eleitoral, salvo quando nele se discutir matria constitucional, e,

    embora no possa ser interposto fora do prazo, o recurso pode

    ser apresentado em outra fase processual.

    1

  • 27

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    RECURSOS ELEITORAIS CVEIS

    5) AUTORIDADE A QUO, EM REGRA, NO EXAMINA OS

    PRESSUPOSTOS RECURSAIS, MAS EXERCE JUZO DE

    RETRATAO.

    6) DOS ATOS, RESOLUES OU DESPACHOS DOS JUZES

    OU JUNTAS ELEITORAIS CABER RECURSO AO TRIBUNAL

    REGIONAL ELEITORAL.

    MPE-PR - 2013 Promotor de Justia

    22) Quanto matria eleitoral, assinale a alternativa incorreta:

    a) Sempre que a lei no fixar prazo especial, o recurso dever ser

    interposto em cinco dias da publicao do ato, resoluo ou

    despacho;

    b) Por disposio expressa de lei, os recursos eleitorais no tem

    efeito suspensivo;

    1

    c) Cabe recurso contra a expedio de diploma no caso de

    inelegibilidade ou incompatibilidade de candidato;

    d) Dos atos, resolues ou despachos dos juzes ou juntas

    eleitorais caber recurso ao Tribunal Regional Eleitoral;

    e) O recurso contra a expedio de diploma deve ser interposto

    no prazo de trs dias.

    2

    a) Sempre que a lei no fixar prazo especial, o recurso dever ser

    interposto em cinco dias (TRS DIAS) da publicao do ato,

    resoluo ou despacho;

    1

  • 28

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    OFFICIUM - 2012 TJ-RS - Juiz

    23) Considere as assertivas abaixo sobre recursos no mbito do

    Direito Eleitoral.

    I - Cabe ao juiz eleitoral, ao receber o recurso, fixar os efeitos em

    que o recebe.

    II - Dos atos, resolues e despachos dos juzes eleitorais cabe

    agravo de instrumento.

    III - Sempre que a lei no fixar prazo especial, o recurso dever

    ser interposto no prazo de 3 (trs) dias contados da publicao do

    ato, resoluo ou despacho.

    221

    Quais so corretas?

    a) Apenas I

    b) Apenas II

    c) Apenas III

    d) Apenas II e III

    e) I, II e III

    3

    I - Cabe ao juiz eleitoral, ao receber o recurso, fixar os efeitos

    em que o recebe (em regra no tem efeito suspensivo,

    apenas devolutivo).

    II - Dos atos, resolues e despachos dos juzes eleitorais cabe

    agravo de instrumento (recurso para o TRE).

    III - Sempre que a lei no fixar prazo especial, o recurso

    dever ser interposto no prazo de 3 (trs) dias contados da

    publicao do ato, resoluo ou despacho.

    221

    RECURSOS EM ESPCIE

    JUIZ ELEITORALRECURSO

    INOMINADO

    JUNTAS ELEITORAIS

    RECURSO

    INOMINADO

    RECURSO PARCIAL

  • 29

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    TRE

    Recurso Inominado

    Recurso Parcial

    Impugnao da

    contagem dos

    votos durante a

    apurao

    RECURSOS EM ESPCIE

    TRE: Recurso parcial para o TSE

    Embargos de declarao (1)

    Recurso especial (2)

    Recurso ordinrio (3)

    Agravo Regimental (deciso monocrtica)

    Embargos de declarao (1):

    Omisso

    Obscuridade

    Contradio

    EFEITO

    Segundo o TSE:

    INTERRUPTIVO

    Segundo o CE:

    SUSPENSIVO

    Art. 275, 4, do CE. Os embargos de declarao suspendemo prazo para a interposio de outros recursos, salvo se

    manifestamente protelatrios e assim declarados na deciso que

    os rejeitar.

    Ac-TSE, de 23.6.2009, no Ag n 8.407; de 12.8.2008, nos ED-ED-

    REspe n 26.062 e, de 6.3.2007, no Ag n 5.902: os embargos de

    declarao protelatrios no interrompem o prazo para a

    interposio de outros recursos e sujeitam o embargante multa

    prevista no art. 538, pargrafo nico, do CPC.

    Ac.-TSE, de 15.3.2011, no AgR-AI n 369422; Ac.-TSE ns 12.071/1994

    e 714/1999: a hiptese de interrupo.

  • 30

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    Recurso Especial (2):

    Recurso Especial para o

    TSE

    Deciso contrria lei federal ou

    CF

    Divergncia entre Tribunais Regionais Eleitorais

    Cabe anlise

    dos

    pressupostos

    recursais pela

    autoridade a

    quo

    Se indeferir,

    cabe agravo de

    instrumentoPRAZO DE 3 DIAS!!

    CESPE - 2012 - MPE-RR - Promotor de Justia

    24) Interposto recurso especial contra deciso do Tribunal

    Regional Eleitoral, foi o mesmo denegado pelo Presidente. Dessa

    deciso,

    a) caber apenas pedido de reconsiderao no prazo de cinco

    dias.

    b) caber agravo regimental para o Plenrio do Tribunal Regional

    Eleitoral, no prazo de trs dias.4

    c) no caber recurso.

    d) caber agravo de instrumento para o Tribunal Superior

    Eleitoral, no prazo de trs dias.

    e) caber agravo regimental para o Plenrio do Tribunal Regional

    Eleitoral, no prazo de cinco dias.

    4

    FCC 2009 TJ-GO Juiz

    25) O prazo para interposio de recurso ordinrio e recurso

    especial contra decises dos Tribunais Regionais Eleitorais e de

    agravo de instrumento contra despacho denegatrio de recurso

    especial de

    a) 15, 15 e 10 dias, respectivamente.

    b) 3 dias.

    c) 3, 5 e 5 dias, respectivamente.

    d) 5 dias.

    e) 5, 5 e 10 dias, respectivamente.

    2

  • 31

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    CESPE 2011 TJ-PB Juiz

    26) O prazo para a interposio de agravo de instrumento contra

    deciso de presidente de TRE que denegue o seguimento de

    recurso especial de dez dias.

    2

    CESPE 2011 TJ-PB Juiz

    26) O prazo para a interposio de agravo de instrumento contra

    deciso de presidente de TRE que denegue o seguimento de

    recurso especial de dez dias (TRS DIAS).

    2

    Recurso Ordinrio (3):

    ELEIES

    ESTADUAIS E

    FEDERAIS

    Inelegibilidade

    Diplomao/Cassao

    Perda de Mandato

    Denegatria de HC, MS, habeas data e mandado de injuno

    PGR - Procurador da Repblica

    27) Das decises que versarem sobre a expedio de diplomas

    nas eleies federais ou estaduais e das decises que

    denegarem habeas corpus ou mandado de segurana,

    a) cabe recurso especial e ordinrio, respectivamente.

    b) cabe somente recurso especial.

    c) cabe recurso ordinrio e especial, respectivamente.

    d) cabe recurso ordinrio.

    e) no cabe recurso.

    4

  • 32

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    prof.luisalberto@gmail.com

    FCC 2008 MPE-PE Promotor de Justia

    28) Cabe recurso ordinrio para o Tribunal Superior Eleitoral das

    decises dos Tribunais Regionais Eleitorais que

    a) decretarem a perda do tempo relativo ao horrio eleitoral gratuito.

    b) confirmarem imposio de multa por infrao de norma relativa

    propaganda eleitoral.

    c) denegarem o direito de resposta no horrio eleitoral gratuito.

    d) aplicarem sano a partido poltico por infrao de normas

    relativas propaganda partidria.

    e) denegarem mandado de segurana.

    5

    RECURSOS EM ESPCIE

    TSE: Embargos de declarao (mesmasobservaes)

    Extraordinrio STF (1)

    Recurso ordinrio (deciso que denega HCou MS)

    Agravo Regimental (deciso monocrtica)

    Recurso Extraordinrio (1):

    Recurso Extraordinrio

    Deciso contraria CF

    Repercusso Geral

    Cabe anlise

    dos

    pressupostos

    recursais pela

    autoridade a

    quo

    Se indeferir,

    cabe agravo de

    instrumentoPRAZO DE 3 DIAS!!

    FCC 2011 TRE-TO Analista Judicirio

    29) Das decises do Tribunal Superior Eleitoral que declararem a

    invalidade de ato contrrio Constituio Federal e que

    denegarem habeas corpus, caber recurso

    a) ordinrio e recurso extraordinrio, respectivamente.

    b) extraordinrio e recurso ordinrio, respectivamente.

    c) ordinrio.

    d) extraordinrio.

    e) especial.

    .2

Recommended

View more >