Affonso Eduardo Reidy

  • View
    228

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

por hilmar diniz

Text of Affonso Eduardo Reidy

  • Affonso Eduardo Reidy

    Hilmar Diniz Paiva Filho

  • Vista do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

    Affonso Eduardo Reidy

    A obra de Affonso Eduardo Reidy se confunde com a prpria arquitetura moderna brasileira. Nascido em 1909, em Paris, filho de me brasileira e pai escocs, viveu quase sempre no Brasil, onde estudou e se graduou arquiteto pela Escola Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro no ano de 1930.

    Segundo Bruand, sem dvida nenhuma, Affonso Reidy figura de proa, no sendo exagero consider-lo chef de file, junto com Lcio Costa e Oscar Niemeyer.

    Ainda na faculdade, trabalhou no escritrio de Alfred Agache, arquiteto francs, contratado pela Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro para elaborar o Plano Diretor da cidade, poca com pouco mais de 2 milhes de habitantes.

    Com a ascenso de Getlio Vargas ao poder, aps a Revoluo de 30, inicia-se o chamado perodo nacional-desenvolvimentista, que foi de fundamental importncia para a fundamentao e afirmao da moderna arquitetura brasileira.

    Em 1931, Lcio Costa nomedo diretor da Escola Nacional de Belas Artes (ENBA) e contrata Reidy para trabalhar como assistente de Gregori Warchavchik, que por sua vez foi contratado para dar uma nova feio ao ensino da Arquitetura. Com a sada de Costa, e Warchavchik, Reidy assume a cadeira de Pequenas Composies at 1933.

    Em 1932 ingressa no servio pblico e a partir da comea a trabalhar principalmente com as demandas da Prefeitura do Rio de Janeiro, o que possibilitou a Reidy a desenvolver diversos projetos com forte apelo social, principalmente nos conjuntos habitacionais de Pedregulho e da Gvea.

  • Vista do Aterro do Flamengo

    Cronologia da vida e principais obras

    1909 Nasce em Paris. 1931 Forma-se na Escola de Belas Artes do Rio de Janeiro. 1931 indicado assistente de Gregori Warchavchik, na Faculdade de

    Arquitetura da ENBA. 1931 Ganha o 1 Prmio do Concurso para o Projeto do Albergue da Boa

    Vontade, uma das primeiras obras Modernas no Brasil. 1932 Ingressa na Prefeitura do Rio de Janeiro. 1935 Participa do Concurso para o novo edifcio do Ministrio da Educao e

    Sade Pblica. 1936/1942 Participa da equipe que projetou edifcio do Ministrio da Educao e

    Sade Pblica. Onde trabalhou com Le Corbusier. 1946 Projeto do Concurso residencial de Pedregulho. 1947/1958 Construo do Conjunto Residencial de Pedregulho. 1948 Reelabora o Plano Diretor da Cidade do Rio de Janeiro. 1950 Projeto do Teatro de Marechal Hermes. 1950 Projeto da Residncia Carmen Portinho. 1951 Recebe o 1 Prmio da 1 Bienal de Arte da Cidade de So Paulo pelo

    projeto de Pedregulho. 1952 Projeto do Conjunto Residencial da Gvea. 1954/1958 Projeto do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. 1959 Casa em Itaipava. 1962/1964 Projeta vrios edifcios e equipamentos construdos no Aterro do

    Flamengo. 1964 Morre aos 55 anos.

  • Ministrio da Educao e Sade Pblica Esplanada do Castelo, Rio de Janeiro, 1935

    Em 1935 participa do concurso para o edifcio do Ministrio da Educao e Sade Pblica, com uma proposta dentro dos preceitos da ento nova arquitetura moderna.

    Apesar da sua desclassificao, esse fato foi fundamental na sua carreira, pois com a anulao do concurso pelo ministro Gustavo Capanema, Lcio Costa, chamado a elaborar um novo projeto, convida Reidy para fazer parte de sua equipe, juntamente com Jorge Moreira, Ernani Vasconcelos, Carlos Leo e Oscar Niemeyer.

    Esse fato marcante, pois para dar consultoria a essa equipe foi contratado Le Corbusier, que influenciou enormemente o grupo e assinalou efetivamente a renovao na Arquitetura Brasileira.

    O prdio do Ministrio, fruto da criao desta equipe e que inegavelmente assimilou todos os preceitos do mestre franco suo, tornou-se um paradigma da nova arquitetura.

    Perspectiva s das 2 primeiras propostas.

    Edidfio construdo com a contribuio de Le Corbusier.

  • Conjunto Residencial Prefeito Mendes de Moraes Pedregulho, Rio de Janeiro, 1946

    A Prefeitura do Rio queria construir um conjunto habitacional para os seus funcionrios e a partir de uma minuciosa pesquisa junto aos futuros moradores, Reidy elabora um projeto que uma brilhante sntese de todo o pensamento moderno. Em Pedregulho aparecem todos os conceitos de Le Corbusier, tratados por Reidy com uma viso muito acurada das particularidades que o programa exaustivamente estudado exigia.

    A proposta de Reidy previu a construo de dois blocos de apartamentos dispostos paralelamente e um bloco serpenteante que acompanha a topografia do terreno, mais os blocos destinados a escola e rea esportiva.

    Como uma das maiores preocupaes de Reidy era com a implantao de seu projeto como um todo, ele determinou que a construo comeasse pelos prdios comunitrios, garantindo assim a integridade do conjunto.. Os acessos ao bloco maior so feitos por um pavimento intermedirio, eliminando com isso a instalao de elevadores.

    Esse projeto um dos exemplares de arquitetura brasileira mais divulgados no Brasil e no exterior, garantindo com isso uma grande notoriedade ao trabalho de Reidy.

    Vista do conjunto. Paisagismo Burle Marx.

    Implantao.

  • Conjunto Residencial Marqus de So Vicente Gvea, Rio de Janeiro, 1952

    Em funo de um programa e condies topogrficas similares, no conjunto da Gvea Reidy adota soluo semelhante a de Pedregulho, porm com um desenho muito mais refinado, onde a influncia de Niemeyer notada particularmente no desenho em V dos pilares do pavimento intermedirio que assim como em Pedregulho tambm serve como pavimento de acesso.

    Infelizmente esse projeto no foi executado em sua totalidade e - pior que isso durante a ditadura militar sofreu uma terrvel mutilao. O grande arco de transio no nvel dos pilotis foi suprimido juntamente com vrios apartamentos no dois primeiros andares para permitir a passagem de uma autopista que faria a ligao com o tnel Dois Irmos.

    Maquete do bloco A.

    Vista do bloco A.

  • Teatro Popular Armando Gonzaga Marechal Hermes, Rio de Janeiro, 1950

    Esta obra esta muito prxima as experincias realizadas em Pedregulho. Forma e contexto.

    Um volume claro, mas com interessante resoluo estrutural, d uma nova interpretao ao edifcio teatral. Seu volume nico, nitidamente procurando unificar o programa, causa uma ruptura no modelo tradicional do teatro, que se arrastava desde o Renascimento. No se percebe mais volumes diferentes em funo de seus usos (saguo, platia e palco).

    Vista externa. Paisagismo de Roberto Burle Marx. Painis laterais de Paulo Werneck.

    Corte longitudinal.

  • Residncia Carmen Portinho Jacarepagu, Rio de Janeiro, 1950

    Aqui novamente Reidy retorna ao seu repertrio formal. Dois blocos trapezoidais acomodam o programa da residncia num terreno com forte inclinao. Um desses volumes repousa sobre o solo, enquanto o outro se adapta ao terreno atravs de pilotis.

    A obra destaca-se do entorno, fazendo claro os princpios do racionalismo a interferncia do homem. Explora-se a paisagem, mas sem agressividade. A casa mantm-se discreta, mas no confunde-se com o ambiente.

    Caixilho da sala dominando inteiramente a fachada sudoeste.

    Residncia vista do solo.

  • Colgio Brasil-Paraguai Assuno, Paraguai, 1952

    No Colgio Brasil-Paraguai aparece nitidamente a influencia que Reidy teve de Oscar Niemeyer e Le Corbusier.

    Os projetos contemporneos desta obra, as construes realizadas por Niemeyer em Diamantina, Minas Gerais e o edifcio em Marselha de Le Corbusier, j exploravam novas formas dos pilotis.

    Reidy utiliza os pilotis de uma maneira a proporcionar a maior transparncia e continuidade possvel, resultando assim em uma estrutura semi-porticada. Nesta operao consegue um resultado bastante expressivo e uniformidade para o programa quanto as condies de iluminao e ventilao.

    Vista do bloco escola.

    Perspectiva interna do pavimento trreo do bloco escola.

  • Detalhe dos pilares V, de apoio da 1a laje.

    Sees transversas.

  • Oscar Niemeyer, Hotel, Diamantina, 1951.

    Oscar Niemeyer, Escola Julia Kubitschek, Diamantina, 1951.

  • Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro Aterro do Flamengo, Rio de Janeiro, 1953

    O projeto realizado em uma rea central da cidade do Rio de Janeiro reservada para a instalao de um parque pblico, o Aterro do Flamengo, possui bastante critrio em sua implantao.

    A horizontalidade e a transparncia foram o partido adotado, contemplando os marcantes aspectos fsicos do local, uma baa circundada por montanhas.

    O resultado do programa sintetizado em 3 blocos tenta interferir o mnimo possvel com a estrutura da paisagem. O bloco principal, o de exposies, possui o seu andar trreo livre e desobstrudo. As pesquisas iniciadas no Colgio Brasil-Paraguai prosseguiram no Museu de Arte Moderna. Agora prticos dispostos a cada 10 metros permitiram uma transparncia inicial onde o obstculo pode ser cortado pelo olhar.

    Vista frontal do jardim.

  • Planta Pavimento Trreo.

    Planta 1 Pavimento - Subsolo do Teatro - Subsolo Bloco Escola

    Planta 2 Pavimento.

  • Seo da estrutura da Galeria Exposies.

    Seo da estrutura da Galeria Exposies. Notar iluminao zenital.

    Teatro fachada sul.

  • Esquema de utilizao da Galeria de Exposies.

    rea de exposio.

  • Bibliografia

    BRUAND, Yves. Arquitetura Contempornea no Brasil. So Paulo: Perspectiva, 1981.

    BONDUKI, Nabil e PORTINHO, Carmen. Affonso Eduardo Reidy. So Paulo: Editorial Blau, 2000.