of 41/41
CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SÉRGIO MENDES www.pontodosconcursos.com.br 1 AULA 6 EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA 1. INTRODUÇÃO Olá amigos! Como é bom estar aqui! É a nossa última aula juntos e a antepenúltima do curso. Espero de vocês animação e força de vontade nos estudos! Sei que não é fácil conciliar a vida cotidiana com a gama de matérias que se tem que estudar para um concurso. No final este sacrifício seu e de todos que estão a seu redor será muito recompensador. Todos nós já somos privilegiados simplesmente porque sabemos ler e porque temos objetivos na vida. E, por meio do estudo de cada aula, estamos subindo mais um degrau para alcançá-los. “Estou agradecido. Primeiro porque nunca fui roubado antes. Segundo porque, apesar de terem levado minha carteira, eles não me tiraram a vida. Terceiro, porque, apesar de terem levado tudo, não perdi muita coisa. E, quarto, porque não fui eu quem roubei”. (Matthew Henr) Nesta aula trataremos da execução da receita e da despesa orçamentária. Na primeira parte da aula falaremos dos estágios da receita e da despesa. Na segunda parte trataremos dos temas conta única do tesouro nacional; programação orçamentária e financeira; contingenciamento e limite de empenho e de movimentação financeira; descentralização de créditos orçamentários e recursos financeiros. Como introdução trataremos das etapas da receita e da despesa. Para melhor compreensão do processo orçamentário, o novo Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público divide a gestão da receita orçamentária e da despesa orçamentária em três etapas cada. Etapas da receita orçamentária: Planejamento: Compreende a previsão de arrecadação da receita orçamentária constante da LOA, resultante de metodologias de projeção usualmente adotadas, observada as disposições constantes da LRF. Execução: A Lei 4.320/64 estabelece como estágios da execução da receita orçamentária o lançamento, a arrecadação e o recolhimento.

AFO 06 - Sérgio

  • View
    140

  • Download
    36

Embed Size (px)

Text of AFO 06 - Sérgio

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

AULA 6EXECUO ORAMENTRIA E FINANCEIRA

1. INTRODUOOl amigos! Como bom estar aqui! a nossa ltima aula juntos e a antepenltima do curso. Espero de vocs animao e fora de vontade nos estudos! Sei que no fcil conciliar a vida cotidiana com a gama de matrias que se tem que estudar para um concurso. No final este sacrifcio seu e de todos que esto a seu redor ser muito recompensador. Todos ns j somos privilegiados simplesmente porque sabemos ler e porque temos objetivos na vida. E, por meio do estudo de cada aula, estamos subindo mais um degrau para alcan-los. Estou agradecido. Primeiro porque nunca fui roubado antes. Segundo porque, apesar de terem levado minha carteira, eles no me tiraram a vida. Terceiro, porque, apesar de terem levado tudo, no perdi muita coisa. E, quarto, porque no fui eu quem roubei. (Matthew Henr) Nesta aula trataremos da execuo da receita e da despesa oramentria. Na primeira parte da aula falaremos dos estgios da receita e da despesa. Na segunda parte trataremos dos temas conta nica do tesouro nacional; programao oramentria e financeira; contingenciamento e limite de empenho e de movimentao financeira; descentralizao de crditos oramentrios e recursos financeiros. Como introduo trataremos das etapas da receita e da despesa. Para melhor compreenso do processo oramentrio, o novo Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Pblico divide a gesto da receita oramentria e da despesa oramentria em trs etapas cada. Etapas da receita oramentria: Planejamento: Compreende a previso de arrecadao da receita oramentria constante da LOA, resultante de metodologias de projeo usualmente adotadas, observada as disposies constantes da LRF. Execuo: A Lei 4.320/64 estabelece como estgios da execuo da receita oramentria o lanamento, a arrecadao e o recolhimento.

www.pontodosconcursos.com.br

1

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

Controle e avaliao: Esta fase compreende a fiscalizao realizada pela prpria administrao, pelos rgos de controle e pela sociedade. O controle do desempenho da arrecadao deve ser realizado em consonncia com a previso da receita, destacando as providncias adotadas no mbito da fiscalizao das receitas e combate sonegao, as aes de recuperao de crditos nas instncias administrativa e judicial, bem como as demais medidas para incremento das receitas tributrias e de contribuies. Etapas da despesa oramentria: Planejamento e Contratao: abrange, via de regra, a fixao da despesa oramentria, a descentralizao/movimentao de crditos, a programao oramentria e financeira, o processo de licitao e a formalizao do contrato. Execuo: a etapa em que os atos e fatos so praticados na Administrao Pblica para implementao da ao governamental, e na qual ocorre o processo de operacionalizao objetiva e concreta de uma poltica pblica. A Lei 4.320/64 estabelece como estgios da execuo da despesa oramentria o empenho, a liquidao e o pagamento. Controle e Avaliao: como na receita, compreende a fiscalizao realizada pelos rgos de controle e pela sociedade. Ver que os estgios da receita e despesa esto compreendidos em suas etapas. Caiu na prova: (ESAF AFC/CGU Auditoria e Fiscalizao - 2006) Para o Governo operacionalizar o processo de alocao de recursos da gesto pblica ele se utiliza do ciclo da gesto, que se divide em etapas. A etapa em que os atos e fatos so praticados na Administrao Pblica para implementao da ao governamental, e na qual ocorre o processo de operacionalizao objetiva e concreta de uma poltica pblica denomina-se: a) planejamento. b) execuo. c) programao. d) oramentao. e) controle. Logo, a etapa em que os atos e fatos so praticados na Administrao Pblica para implementao da ao governamental, e na qual ocorre o processo de operacionalizao objetiva e concreta de uma poltica pblica denomina-se execuo. Resposta: Letra B

www.pontodosconcursos.com.br

2

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

2. ESTGIOS DA RECEITA PBLICA2.1 Introduo Ao longo do exerccio financeiro, concomitantemente, as receitas so arrecadadas e as despesas so executadas. Nesta parte da aula, teremos a oportunidade de estudar como ocorre a realizao de receitas e despesas, por meio dos denominados estgios da receita e da despesa pblica. O estgio da receita oramentria cada passo identificado que evidencia o comportamento da receita e facilita o conhecimento e a gesto dos ingressos de recursos. Os estgios da receita oramentria so os seguintes: Previso; Lanamento; Arrecadao; Recolhimento. O comportamento dos estgios da receita oramentria dependente da ordem de ocorrncia dos fenmenos econmicos e obedece ordem acima. Esses estgios so estabelecidos levando-se em considerao um modelo de oramento existente no pas e a tecnologia utilizada. Dessa forma, a ordem sistemtica inicia-se com a previso e termina com o recolhimento. A Lei n 4.320/64 traz ainda alguns dispositivos importantes relacionados aos estgios da Receita Pblica: Segundo o art. 51, nenhum tributo ser exigido ou aumentado sem que a lei o estabelea, nenhum ser cobrado em cada exerccio sem prvia autorizao oramentria, ressalvados a tarifa aduaneira e o imposto lanado por motivo de guerra. De acordo com o art. 54, no ser admitida a compensao da observao de recolher rendas ou receitas com direito creditrio contra a Fazenda Pblica. Exemplo: se o contribuinte tem um valor a receber da Prefeitura porque ganhou uma ao judicial contra ela, no pode compensar deixando de pagar o IPTU. 2.2 Previso A previso (ou planejamento) se configura por meio da estimativa de arrecadao da receita, constante da Lei Oramentria Anual LOA, resultante de metodologia de projeo de receitas oramentrias. Segundo a LRF: Art. 12. As previses de receita observaro as normas tcnicas e legais, consideraro os efeitos das alteraes na legislao, da variao do ndice de preos, do crescimento econmico ou de qualquer outro fator relevante e sero acompanhadas de demonstrativo de sua evoluo nos ltimos trs anos, dawww.pontodosconcursos.com.br3

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

projeo para os dois seguintes quele a que se referirem, e da metodologia de clculo e premissas utilizadas. Logo, so parmetros para previso de receitas os efeitos das alteraes na legislao, como a alterao de alquotas, as desoneraes fiscais e a concesso de crditos tributrios. Devem ser considerados, ainda, a variao do ndice de preos, do crescimento econmico ou de qualquer outro fator relevante. 2.3 Lanamento O art. 53 da Lei 4320/64 define o lanamento da receita como o ato da repartio competente, que verifica a procedncia do crdito fiscal e a pessoa que lhe devedora e inscreve o dbito desta. De forma mais completa, o lanamento, segundo o art. 142 do Cdigo Tributrio Nacional, o procedimento administrativo tendente a verificar a ocorrncia do fato gerador da obrigao correspondente, determinar a matria tributvel, calcular o montante do tributo devido, identificar o sujeito passivo e, sendo o caso, propor a aplicao da penalidade cabvel. Tendo ocorrido o fato gerador, h condies de se proceder ao registro contbil do direito a receber da fazenda pblica em contrapartida a uma variao ativa, em contas do sistema patrimonial, o que representa o registro da receita por competncia. Segundo a Lei 4320/64: Art. 52. So objeto de lanamento os impostos diretos e quaisquer outras rendas com vencimento determinado em lei, regulamento ou contrato. O que se desprende desse artigo que algumas receitas no percorrem o estgio do lanamento. So tipicamente objetos de lanamentos os impostos diretos e quaisquer outras rendas com vencimento determinado em lei, regulamento ou contrato. O lanamento ato indispensvel para que o fisco possa exigir do contribuinte o seu direito de receber os valores correspondentes s exaes por ele devidas, no possuindo, entretanto, o condo de constituir o crdito tributrio. Para continuar com os tipos de lanamentos, devemos saber que compem a obrigao tributria nascida com a ocorrncia do fato gerador o sujeito ativo e o sujeito passivo. O sujeito ativo ser a pessoa jurdica, normalmente de direito pblico, titular do direito subjetivo de exigir a prestao pecuniria (tributo ou penalidade) ou a prestao no-pecuniria positiva ou negativa. J a pessoa natural ou jurdica, privada ou pblica, de quem se exige o cumprimento da

www.pontodosconcursos.com.br

4

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

prestao pecuniria (tributo ou penalidade) ou a prestao no pecuniria positiva ou negativa, denomina-se sujeito passivo. Existem trs tipos de lanamento tributrio: lanamento por declarao, lanamento por homologao e lanamento de ofcio. Lanamento por declarao ou misto: compreende a espontaneidade do sujeito passivo em declarar corretamente. Esse tipo de lanamento enseja para o sujeito passivo um papel fundamental, de grande importncia. o prprio contribuinte que dever apurar o valor devido. Segundo Amaro, para que isso ocorra, necessrio que o contribuinte majore os fatos ocorridos afim de que o agente fazendrio, a vista das informaes contidas na declarao, efetive documentadamente, o ato de lanamento, do qual deve dar cincia ao sujeito passivo, a fim de tornar exigvel o tributo. As informaes do sujeito passivo serviro de base para a quantificao do montante devido. Exemplos: imposto de exportao e imposto de renda. Lanamento por homologao ou autolanamento: No lanamento por homologao, o pagamento e as informaes prestadas pelo contribuinte so realizados sem qualquer exame prvio da autoridade administrativa. Segundo Amaro, cuida-se aqui de tributos que, por sua natureza (multiplicidade de fatos geradores, de carter instantneo) tm o recolhimento exigido do devedor independentemente de prvia manifestao do sujeito ativo, vale dizer, sem que o sujeito ativo deva lanar para tornar exigvel a prestao tributria. Ex: ICMS e IPI. Lanamento de ofcio ou direto: Como regra, o lanamento de ofcio adequado aos tributos que tm como fato gerador uma situao cujos dados constam dos cadastros fiscais, de modo que basta autoridade administrativa a consulta a aqueles registros para que se tenha s mos dados fticos necessrios realizao do lanamento. Desta forma, efetuado pela administrao sem a participao do contribuinte. Ex: IPTU. Caiu na prova: (CESPE Analista - ANTAQ 2009) No que concerne a estgios da receita, o lanamento de ofcio efetuado pela administrao sem a participao do contribuinte. Como regra, o lanamento de ofcio adequado aos tributos que tm como fato gerador uma situao cujos dados constam dos cadastros fiscais, de modo que basta autoridade administrativa a consulta a aqueles registros para que se tenha s mos dados fticos necessrios realizao do lanamento. Desta forma, efetuado pela administrao sem a participao do contribuinte. Ex: IPTU. Resposta: Certa.www.pontodosconcursos.com.br5

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

2.4 Arrecadao Falaremos agora da arrecadao. Do ponto de vista oramentrio, o reconhecimento da receita oramentria ocorre no momento da arrecadao. Tal situao decorre da aplicao da Lei n 4.320/64, que em seu art. 35 dispe que pertencem ao exerccio financeiro as receitas nele arrecadadas. O regime adotado para reconhecimento das receitas decorre do enfoque oramentrio dessa lei, com o objetivo de evitar o risco de que a execuo das despesas oramentrias ultrapasse a arrecadao efetivada. A arrecadao a entrega, realizada pelos contribuintes ou devedores aos agentes arrecadadores ou bancos autorizados pelo ente, dos recursos devidos ao Tesouro. Eles atuam como depositrios, ora descontando e retendo tributos sobre rendimento pagos, ora cobrando de seus clientes e consumidores tributos sobre bens e servios fornecidos. Assim, os contribuintes quitam seus dbitos tributrios mediante pagamento aos agentes arrecadadores, em geral instituies financeiras autorizadas, j que no tm acesso direto ao Tesouro Pblico. Segundo o art. 55 da Lei 4320/64, os agentes da arrecadao devem fornecer recibos das importncias que arrecadarem, em uma nica via, os quais devem conter o nome da pessoa que paga a soma arrecadada, provenincia e classificao, bem como a data e a assinatura do agente arrecadador. 2.5 Recolhimento O recolhimento a transferncia dos valores arrecadados conta especfica do Tesouro, responsvel pela administrao e controle da arrecadao e programao financeira, observando o Princpio da Unidade de Caixa, representado pelo controle centralizado dos recursos arrecadados em cada ente. O recolhimento ao Tesouro realizado pelos prprios agentes ou bancos arrecadadores. Essa ordem bastante ntida, pois os agentes arrecadadores podem ser bancos ou caixas avanados do prprio ente. A arrecadao consiste na entrega do recurso ao agente ou banco arrecadador pelo contribuinte ou devedor. J o recolhimento consiste no depsito em conta do Tesouro, aberta especificamente para esse fim, pelos caixas ou bancos arrecadadores. Dependendo da sistematizao dos processos dos estgios da arrecadao e do recolhimento, no momento da classificao da receita devero ser compatibilizadas as arrecadaes classificadas com o recolhimento efetivado. Caiu na prova: (FCC - Analista do MP/SE Contabilidade 2009) Considere as afirmativas a seguir.www.pontodosconcursos.com.br6

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

I. Recolhimento a entrega, realizada pelos contribuintes ou devedores, aos agentes ou bancos autorizados pelo ente, dos recursos devidos ao Tesouro. II. Arrecadao a transferncia dos valores arrecadados conta especfica do Tesouro, responsvel pela administrao e controle da arrecadao e programao financeira. III. Planejamento compreende a previso de arrecadao da receita oramentria constante da Lei Oramentria Anual LOA, resultante de metodologias de projeo usualmente adotadas, observada as disposies constantes na Lei de Responsabilidade Fiscal LRF. Est correto o que se afirma APENAS em: (A) III. (B) I. (C) I e III. (D) II. (E) II e III. I) Errado. Arrecadao a entrega, realizada pelos contribuintes ou devedores, aos agentes ou bancos autorizados pelo ente, dos recursos devidos ao Tesouro. II) Errado. O recolhimento a transferncia dos valores arrecadados conta especfica do Tesouro, responsvel pela administrao e controle da arrecadao e programao financeira, observando o Princpio da Unidade de Caixa, representado pelo controle centralizado dos recursos arrecadados em cada ente. III) Correto. A previso (ou planejamento) se configura por meio da estimativa de arrecadao da receita, constante da Lei Oramentria Anual LOA, resultante de metodologia de projeo de receitas oramentrias, observada as disposies constantes na LRF, como aquelas j estudadas do art. 12. Logo, apenas o item III est correto. Resposta: Letra A

3. ESTGIOS DA DESPESA PBLICA3.1 Introduo Ao longo do exerccio financeiro, ao mesmo tempo, as receitas so arrecadadas e as despesas so executadas. Assim como ocorre com as receitas, cujos estgios j estudamos, para que se execute uma despesa do Poder Pblico ela deve passar por estgios de execuo, os quais devem ser seguidos com rigor. Uma vez publicada a LOA, observadas as normas de execuo oramentria e de programao financeira da Unio, estabelecidas para o exerccio, e lanadas as informaes oramentrias, fornecidas pela Secretaria de Oramento Federal, no SIAFI, por intermdio da gerao automtica do documento Nota de Dotao

www.pontodosconcursos.com.br

7

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

ND, cria-se o crdito oramentrio e, a partir da, tem-se o incio da execuo oramentria propriamente dita. A doutrina majoritria considera que os estgios da despesa so fixao (ou programao), empenho, liquidao e pagamento. So eles que estudaremos nos prximos itens. 3.2 Fixao ou Programao J vimos que a doutrina majoritria considera que os estgios da despesa so fixao (ou programao), empenho, liquidao e pagamento. Acrescento que h praticamente consenso que empenho, liquidao e pagamento so estgios da execuo da despesa. Atualmente se encontra em aplicao a sistemtica do pr-empenho antecedendo esses estgios, j que, aps o recebimento do crdito oramentrio e antes do seu comprometimento para a realizao da despesa, existe uma fase geralmente demorada de licitao obrigatria junto a fornecedores de bens e servios que impe a necessidade de se assegurar o crdito at o trmino do processo licitatrio. A fixao da despesa estabelecida na Lei Oramentria Anual. a dotao inicial da LOA que, segundo o princpio do equilbrio, visa assegurar que as despesas no sero superiores previso das receitas. A legislao no permite a inverso de qualquer estgio. O que pode ocorrer exceo quanto ao estgio da programao, como acontece com as despesas realizadas atravs da abertura de crditos extraordinrios. Este tipo de despesa no passa pelo estgio da programao, em virtude de sua imprevisibilidade e urgncia. A licitao considerada por parte da doutrina como estgio da despesa. A licitao o procedimento administrativo que tem por objetivo verificar, entre vrios fornecedores habilitados, quem oferece condies mais vantajosas para a aquisio de bem ou servio. A licitao regra para a Administrao Pblica. No entanto, a lei apresenta excees a esta regra. So as situaes onde ela inexigvel, dispensvel ou dispensada, conforme a Lei 8.666/93, estudada pelo Direito Administrativo. 3.3 Empenho 3.3.1 Conceitos e Modalidades de Empenho Executar o oramento realizar as despesas pblicas nele previstas e apenas essas, pois, para que qualquer utilizao de recursos pblicos seja efetuada, awww.pontodosconcursos.com.br8

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

primeira condio que esse gasto tenha sido legal, oficialmente previsto e autorizado pelo Congresso Nacional, e que sejam seguidos risca os trs estgios da execuo das despesas previstos na Lei 4320/64: empenho, liquidao e pagamento. Portanto, o oramento um instrumento de verificao prvia do emprego do dinheiro pblico. Passa pela aprovao dos representantes da populao, j que, segundo o art. 166 da CF/88, os projetos de lei relativos ao plano plurianual, s diretrizes oramentrias, ao oramento anual e aos crditos adicionais sero apreciados pelas duas Casas do Congresso Nacional, na forma do regimento comum. O empenho o primeiro estgio da execuo da despesa. Segundo o art. 58 da Lei 4320/64, o empenho o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigao de pagamento pendente ou no de implemento de condio. O empenho da despesa no poder exceder o limite dos crditos concedidos. Por exemplo, se o crdito de R$ 100.000,00; o empenho no poder ser superior a esse valor. Assim, o empenho precede a realizao da despesa e est restrito ao limite do crdito oramentrio. O empenho importa deduzir seu valor de dotao adequada despesa a realizar, por fora do compromisso assumido. Se na mesma dotao de R$ 100.000,00 for empenhado R$ 40.000,00; este valor ser deduzido do total. Assim, restar o valor de R$ 60.000,00 para novos empenhos nessa dotao. As despesas s podem ser realizadas mediante prvio empenho, consoante a Lei 4320/64, a qual veda a realizao de despesa sem prvio empenho: Art. 60. vedada a realizao de despesa sem prvio empenho. 1 Em casos especiais previstos na legislao especfica ser dispensada a emisso da nota de empenho. O Decreto 93.872/86 dispe sobre a unificao dos recursos de caixa do Tesouro Nacional, atualiza e consolida a legislao pertinente, bem como trata dos estgios da despesa. Refora em seu art. 24 que vedada a realizao de despesa sem prvio empenho e acrescenta que, em caso de urgncia caracterizada na legislao em vigor, admitir-se- que o ato do empenho seja contemporneo realizao da despesa. Ateno: O que pode ser dispensado a nota de empenho e nunca o empenho. Em caso de urgncia caracterizada na legislao em vigor, admitir-se- que o ato do empenho seja contemporneo realizao da despesa. A nota de empenho (NE) a materializao do empenho. um documento extrado para cada empenho, o qual indicar o nome do credor, a representao e a importncia da despesa, bem como a deduo desta do saldo da dotaowww.pontodosconcursos.com.br9

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

prpria. Na Unio elaborado no Sistema Integrado de Administrao Financeira do Governo Federal SIAFI e impresso aps o empenho da despesa. a emisso da nota de empenho que poder ser dispensada em casos especiais previstos na legislao especfica. Por exemplo, as NEs so dispensadas em despesas com sentenas judiciais, pessoal e encargos sociais, juros e encargos da dvida, etc. Os empenhos so classificados consoantes sua natureza e finalidade. So modalidades de empenho: Empenho ordinrio: para as despesas com montante previamente conhecido e cujo pagamento deve ocorrer de uma s vez. Empenho global: para atender s despesas com montante tambm definido. A especificidade que tal modalidade permitida para atender despesas contratuais e outras sujeitas a parcelamento. So exemplos os aluguis, salrios, prestao de servios, etc. Empenho por estimativa: a caracterstica desta modalidade a existncia de despesa cujo montante no se possa determinar. Normalmente possui base no homognea, ou seja, o valor sempre varia. So exemplos as contas de gua, luz e telefone; dirias, gratificaes, etc. Caso o empenho se revele insuficiente para atender a um determinado compromisso ao longo do exerccio financeiro, existe a possibilidade de a Unidade emitente reforar o empenho. Assim, o novo valor do empenho passa a ser o valor inicial mais o valor do reforo. 3.3.2 Anulao de empenho O empenho dever ser parcialmente anulado no decorrer do exerccio quando seu valor exceder o montante da despesa realizada. Dever ser totalmente anulado quando o servio contratado no tiver sido prestado, o material encomendado no tiver sido entregue, ou o empenho tiver sido emitido incorretamente. A anulao tambm realizada por meio de nota de empenho. Segundo o art. 35 do Decreto 93.872/86, o empenho de despesa no liquidada ser considerado anulado em 31 de dezembro, para todos os fins, salvo quando: I - vigente o prazo para cumprimento da obrigao assumida pelo credor, nele estabelecida; II - vencido o prazo de que trata o item anterior, mas esteja em cursos a liquidao da despesa, ou seja de interesse da Administrao exigir o cumprimento da obrigao assumida pelo credor; III - se destinar a atender transferncias a instituies pblicas ou privadas; IV - corresponder a compromissos assumidos no exterior.www.pontodosconcursos.com.br10

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

E tambm consoante o referido Decreto: Art. 28 A reduo ou cancelamento no exerccio financeiro, de compromisso que caracterizou o empenho, implicar sua anulao parcial ou total, revertendo a importncia correspondente respectiva dotao, pela qual ficar automaticamente desonerado o limite de saques da unidade gestora. Logo, a reduo ou cancelamento no exerccio financeiro, de compromisso que caracterizou o empenho, implicar sua anulao parcial ou total. A importncia correspondente ser revertida respectiva dotao oramentria. 3.3.3 Outras consideraes sobre empenho O empenho no poder exceder o saldo disponvel de dotao oramentria, nem o cronograma de pagamento o limite de saques fixado, evidenciados pela contabilidade, cujos registros sero acessveis s respectivas unidades gestoras em tempo oportuno. As despesas relativas a contratos ou convnios de vigncia plurianual sero empenhadas em cada exerccio financeiro pela parte a ser executada no referido exerccio. Segundo o Decreto 93.872/86: Art. 27. As despesas relativas a contratos, convnios, acordos ou ajustes de vigncia plurianual, sero empenhadas em cada exerccio financeiro pela parte nele a ser executada. Interessante conhecer tambm o art. 59 da Lei 4320/64, o qual dispe que vedado aos Municpios, no ltimo ms do mandato do prefeito, assumir, por qualquer forma, compromissos financeiros para execuo depois do trmino do mandato do Prefeito. No entanto, tal dispositivo no se aplica nos casos comprovados de calamidade pblica. Caiu na prova: (FCC ACE - TCE/AM 2008) Quanto ao estgio de empenho da despesa, considere: I. A nota de empenho o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigao de pagamento pendente ou no de implemento de condio. II. A realizao de despesa sem prvio empenho permitida quando no se pode determinar o montante exato da despesa. III. A reduo ou cancelamento no exerccio financeiro de compromisso que caracterizou o empenho implicar sua anulao parcial ou total, revertendo o valor respectiva dotao. IV. A realizao de empenho global permitida para os casos de despesas contratuais e outras sujeitas a parcelamento.

www.pontodosconcursos.com.br

11

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

V. As despesas relativas a contratos, convnios, acordos ou ajustes de vigncia plurianual, sero empenhadas em cada exerccio financeiro pela parte nele a ser executada. Est correto o que se afirma APENAS em (A) I, II e III. (B) I, III e IV. (C) I, II e V. (D) II, III e IV. (E) III, IV e V. I) Errado. O empenho o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigao de pagamento pendente ou no de implemento de condio. J a nota de empenho o documento que materializa o empenho. II) Errado. vedada a realizao de despesa sem prvio empenho. Quando no se pode determinar o montante exato da despesa, procede-se ao empenho por estimativa. III) Correto. Segundo o art. 28 do Decreto 93.872/86, a reduo ou cancelamento no exerccio financeiro, de compromisso que caracterizou o empenho, implicar sua anulao parcial ou total, revertendo a importncia correspondente respectiva dotao, pela qual ficar automaticamente desonerado o limite de saques da unidade gestora. IV) Correto. Conforme o 3 do art. 60 da Lei 4320/64, permitido o empenho global de despesas contratuais e outras sujeitas a parcelamento. V) Correto. o art. 27 do Decreto 93.872/86: as despesas relativas a contratos, convnios, acordos ou ajustes de vigncia plurianual, sero empenhadas em cada exerccio financeiro pela parte nele a ser executada. Logo, esto corretos os itens III, IV e V. Resposta: Letra E 3.4 Liquidao Segundo o art. 63 da Lei 4320/64, a liquidao da despesa consiste na verificao do direito adquirido pelo credor tendo por base os ttulos e documentos comprobatrios do respectivo crdito. Assim, a despesa deve passar pelo processo de verificao do direito adquirido do credor denominado liquidao, antes de ser paga. Esse procedimento tem como objetivo verificar a importncia exata a pagar e a quem se deve pagar, para extinguir a obrigao. A liquidao tambm realizada no SIAFI, por meio da Nota de Liquidao (NL). A liquidao tem por finalidade reconhecer ou apurar: A origem e o objeto do que se deve pagar; A importncia exata a pagar; e A quem se deve pagar a importncia para extinguir a obrigao.12

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

Durante o exerccio financeiro, a Secretaria do Tesouro Nacional considera despesa aquela que j foi liquidada. No entanto, toda aquela que foi empenhada e no anulada no fim do exerccio financeiro (31/12) ser considerada despesa nas demonstraes contbeis. As despesas com fornecimento ou com servios prestados tero por base: O contrato, ajuste ou acordo respectivo; A nota de empenho; e Os comprovantes da entrega de material ou da prestao efetiva dos servios. certo que antes deve ser criada a obrigao de pagamento que constitui ato praticado por autoridade competente para tal fim. J sabemos que o empenho o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigao de pagamento pendente ou no de implemento de condio. Estando a despesa legalmente empenhada, nem assim o Estado se v obrigado a efetuar o pagamento, uma vez que o implemento de condio poder estar concludo ou no. A Lei 4320/64 determina que o pagamento de qualquer despesa pblica, seja ela de que importncia for, passe pelo crivo da liquidao. nesse segundo estgio da execuo da despesa que ser cobrada a prestao dos servios ou a entrega dos bens, ou ainda, a realizao da obra, evitando, dessa forma, o pagamento sem o implemento de condio. Segundo a Lei 4320/64: Art. 62. O pagamento da despesa s ser efetuado quando ordenado aps sua regular liquidao. Somente aps a apurao do direito adquirido pelo credor, tendo por base os documentos comprobatrios do respectivo crdito ou da completa habilitao da entidade beneficiada, a Unidade Gestora providenciar o imediato pagamento da despesa. Assim, nenhuma despesa poder ser paga sem estar devidamente liquidada. Caiu na prova: (ESAF AFC/STN Contbil Financeiro - 2005) A liquidao da despesa de que trata o art. 36 do Decreto n 93.872/96 tem por finalidade, entre outras: a) estimar o montante da despesa quando o empenho no for ordinrio. b) definir a importncia exata a pagar. c) deduzir o valor da despesa da dotao autorizada. d) informar ao credor o compromisso da administrao em realizar a aquisio. e) comprometer recursos com o credor. A liquidao tem por finalidade reconhecer ou apurar: A origem e o objeto do que se deve pagar;www.pontodosconcursos.com.br13

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

A importncia exata a pagar; e A quem se deve pagar a importncia para extinguir a obrigao. Logo, definir a importncia exata a pagar uma das finalidades da liquidao da despesa. Resposta: Letra B 3.5 Pagamento O pagamento consiste na entrega de recursos ao credor equivalente dvida lquida, mediante ordem bancria no SIAFI. a ltima fase da despesa. O pagamento da despesa s ser efetuado quando ordenado aps sua regular liquidao. Desta forma, nenhuma despesa poder ser paga sem estar devidamente liquidada. O art. 64 da Lei 4320/64 define ainda a ordem de pagamento, a qual o despacho exarado por autoridade competente determinando que a despesa seja paga. Ou seja, a assinatura do Gestor Pblico determinando o pagamento. Ateno: Ordem de pagamento o despacho determinando o pagamento da despesa. J a Ordem Bancria o documento emitido por meio do SIAFI transferindo o numerrio para a conta do credor. Quanto ao pagamento antecipado de fornecimento de bens, execuo de obra ou prestao de servio, o Decreto 93.872/86 determina: Art. 38. No ser permitido o pagamento antecipado de fornecimento de materiais, execuo de obra, ou prestao de servio, inclusive de utilidade pblica, admitindo-se, todavia, mediante as indispensveis cautelas ou garantias, o pagamento de parcela contratual na vigncia do respectivo contrato, convnio, acordo ou ajuste, segundo a forma de pagamento nele estabelecida, prevista no edital de licitao ou nos instrumentos formais de adjudicao direta. Caiu na prova: (CESPE Analista Ambiental- Administrao e Planejamento MMA- 2008) Na vigncia de um convnio ou contrato, permitido o pagamento antecipado de fornecimento de bens, execuo de obra ou prestao de servio, desde que esse procedimento possibilite abreviar o prazo de execuo do respectivo convnio ou contrato. O Decreto 93.872/86 determina que no ser permitido o pagamento antecipado de fornecimento de materiais, execuo de obra, ou prestao de servio, inclusive de utilidade pblica, admitindo-se, todavia, mediante as indispensveis cautelas ou garantias, o pagamento de parcela contratual na vigncia do respectivo contrato, convnio, acordo ou ajuste, segundo a forma de pagamento

www.pontodosconcursos.com.br

14

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

nele estabelecida, prevista no edital de licitao ou nos instrumentos formais de adjudicao direta. Logo, a possibilidade de abreviar o prazo de execuo do respectivo convnio ou contrato no exceo para que ocorra o pagamento antecipado. Resposta: Errada.

4. CONTA NICAVimos na aula atinente aos princpios oramentrios que o princpio da Unidade de Caixa respalda a Conta nica do Tesouro. Vamos aprofundar no tema Conta nica do Tesouro. Art. 56. O recolhimento de todas as receitas far-se- em estrita observncia ao princpio de unidade de tesouraria, vedada qualquer fragmentao para criao de caixas especiais. O art. 164 da CF/88 determina o destino das disponibilidades: 3 - As disponibilidades de caixa da Unio sero depositadas no banco central; as dos Estados, do Distrito Federal, dos Municpios e dos rgos ou entidades do Poder Pblico e das empresas por ele controladas, em instituies financeiras oficiais, ressalvados os casos previstos em lei. A LRF traz uma observao importante ao princpio da unidade de caixa, pois em seu artigo 43 estabelece que as disponibilidades de caixa relativas Previdncia Social devero ser separadas das demais disponibilidades do ente pblico: 1o As disponibilidades de caixa dos regimes de previdncia social, geral e prprio dos servidores pblicos, ainda que vinculadas a fundos especficos a que se referem os arts. 249 e 250 da Constituio, ficaro depositadas em conta separada das demais disponibilidades de cada ente e aplicadas nas condies de mercado, com observncia dos limites e condies de proteo e prudncia financeira. A Conta nica do Tesouro Nacional mantida junto ao Banco Central do Brasil e sua operacionalizao ser efetuada por intermdio do Banco do Brasil, ou, excepcionalmente, por outros agentes financeiros autorizados pelo Ministrio da Fazenda. A Instruo Normativa STN n 4, de 31 de julho de 1998, regulamenta o assunto. Note: Art. 1 A Conta nica do Tesouro Nacional, MANTIDA no Banco Central do Brasil, tem por finalidade acolher as disponibilidades financeiras da Unio a serem movimentadas pelas Unidades Gestoras - UG da Administrao Federal,www.pontodosconcursos.com.br15

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

Direta e Indireta e outras entidades integrantes do Sistema Integrado de Administrao Financeira do Governo Federal - SIAFI, na modalidade online. Art. 2 A OPERACIONALIZAO da Conta nica do Tesouro Nacional ser efetuada por intermdio do Banco do Brasil S/A, ou, excepcionalmente, por outros agentes financeiros autorizados pelo Ministrio da Fazenda. O SIAFI o principal instrumento utilizado para registro, acompanhamento e controle da execuo oramentria, financeira e patrimonial do Governo Federal. um sistema informatizado que processa e controla, por meio de terminais instalados em todo o territrio nacional, a execuo oramentria, financeira, patrimonial e contbil dos rgos da Administrao Pblica Direta federal, das autarquias, fundaes e empresas pblicas federais e das sociedades de economia mista que estiverem contempladas no Oramento Fiscal e/ou no Oramento da Seguridade Social da Unio. O sistema pode ser utilizado pelas Entidades Pblicas Federais, Estaduais e Municipais apenas para receberem, pela Conta nica do Governo Federal, suas receitas (taxas de gua, energia eltrica, telefone, etc) dos rgos que utilizam o sistema. Entidades de carter privado tambm podem utilizar o SIAFI, desde que autorizadas pela STN. No entanto, essa utilizao depende da celebrao de convnio ou assinatura de termo de cooperao tcnica entre os interessados e a STN, que o rgo gestor do SIAFI. Muitas so as facilidades que o SIAFI oferece a toda Administrao Pblica que dele faz uso, mas podemos dizer, a ttulo de simplificao, que essas facilidades foram desenvolvidas para registrar as informaes pertinentes s trs tarefas bsicas da gesto pblica federal dos recursos arrecadados legalmente da sociedade: execuo oramentria; execuo financeira; e elaborao das demonstraes contbeis, consolidadas no Balano Geral da Unio. Dessa forma, a Conta nica, implantada em setembro de 1988, representou uma mudana radical no controle de caixa do Tesouro Nacional, em virtude da racionalizao na movimentao dos recursos financeiros no mbito do Governo Federal. Com ela, todas as Unidades Gestoras on-line do SIAFI passaram a ter os seus saldos bancrios registrados e controlados pelo sistema, sem contas escriturais no Banco do Brasil. Assim, a Conta nica uma conta mantida junto ao Banco Central do Brasil, operacionalizada via SIAFI pelo Banco do Brasil, destinada a acolher, em conformidade com o disposto no artigo 164 da Constituio Federal, as disponibilidades financeiras da Unio que se encontram disposio das Unidades Gestoras on-line, nos limites financeiros previamente definidos. movimentada pelas Unidades Gestoras - UG da Administrao Pblica Federal, inclusive Fundos, Autarquias, Fundaes, e outras entidades integranteswww.pontodosconcursos.com.br16

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

do Sistema Integrado de Administrao Financeira do Governo Federal - SIAFI, na modalidade on-line. A movimentao de recursos da Conta nica ser efetuada por meio de Ordem Bancria - OB, Documento de Arrecadao de Receitas Federais - DARF, Guia da Previdncia Social - GPS, Documento de Receita de Estados e/ou Municpios - DAR, Guia do Salrio Educao - GSE, Guia de Recolhimento do FGTS e de Informaes da Previdncia Social - GFIP, Nota de Sistema - NS ou Nota de Lanamento - NL, de acordo com as respectivas finalidades. O SIAFI consolidar, diariamente, as Ordens Bancrias emitidas, de acordo com a respectiva finalidade, gerando a Relao de Ordens Bancrias Intra-SIAFIRT e a Relao de Ordens Bancrias Externas RE. Destaca-se a Ordem Bancria de Carto, a qual utilizada para registro de saque, efetuado pelo portador do Carto de Pagamento do Governo Federal (CPGF ou tambm chamado Carto Corporativo), em moeda corrente, observado o limite estipulado pelo Ordenador de Despesas; e a Ordem Bancria de Sistema OBS, utilizada para cancelamento de Ordem Bancria pelo agente financeiro com devoluo dos recursos correspondentes, bem como pela STN para regularizao das remessas no efetivadas. A Guia de Recolhimento de Receitas da Unio GRU o documento padronizado para registrar os ingressos de valores na Conta nica. Devero ser recolhidas por GRU as taxas (custas judiciais, emisso de passaporte etc.), aluguis de imveis pblicos, servios administrativos e educacionais (inscrio de vestibular/concursos, expedio de certificados), receitas de multas (da Polcia Rodoviria Federal, do Cdigo Eleitoral, do Servio Militar etc.) e outras. Excetuam-se do recolhimento por meio da GRU as receitas do Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, recolhidas mediante a Guia de Previdncia Social GPS, e as receitas administradas pela Secretaria da Receita Federal do Brasil RFB e pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional - PGFN, recolhidas por meio do Documento de Arrecadao de Receitas Federais - DARF. A GPS o documento que permite registrar o recolhimento das contribuies para a Seguridade Social por meio de transferncias de recursos intra-SIAFI entre a UG recolhedora e a Conta nica do Tesouro Nacional. J o DARF o documento que registra a arrecadao de tributos e demais receitas diretamente na Conta nica do Tesouro Nacional, sem trnsito pela rede bancria, ou seja, por meio de transferncias de recursos intra-SIAFI. O DARF eletrnico nada mais que o instrumento de registro dessas informaes no SIAFI. Segundo o art. 43 da Instruo Normativa n 4, de 13 de agosto de 2002, ficam institudas as seguintes modalidades de aplicao financeira na Conta nica do Tesouro Nacional, mediante registro especfico no SIAFI: aplicao financeira

www.pontodosconcursos.com.br

17

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

diria e aplicao financeira a prazo fixo, sendo esta efetuada mediante entendimentos prvios e a critrio do rgo central de programao financeira. Ainda consoante a referida Portaria: Art. 44. As aplicaes financeiras definidas no art. 43 podero ser efetuadas: I - no caso de aplicaes financeiras dirias, pelas autarquias, fundos e fundaes pblicas que contarem com autorizao legislativa especfica, no se admitindo aplicaes por parte de entidades no integrantes do Oramento Fiscal e da Seguridade Social; e II - no caso de aplicaes financeiras a prazo fixo, pelas autarquias, fundos, fundaes pblicas e os rgos da Administrao Pblica Federal direta, integrantes do Oramento Fiscal e da Seguridade Social. Caiu na prova: (ESAF - Analista Administrativo - ANA - 2009) - Sobre o tema Conta nica do Tesouro Nacional, assinale a opo correta. a) mantida no Banco Central do Brasil e tem por finalidade acolher as disponibilidades financeiras da Unio, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios. b) Sua operacionalizao efetuada, exclusivamente, por intermdio do Banco do Brasil S/A. c) movimentada pelas Unidades Gestoras da Administrao Pblica Federal integrantes do SIAFI, inclusive na modalidade off-line. d) As Ordens Bancrias contra ela emitidas so consolidadas diariamente no mbito do SIDOR, de acordo com a respectiva finalidade. e) A movimentao de seus recursos efetuada, entre outros, por meio da Guia da Previdncia Social (GPS) e da Guia de Recolhimento do FGTS e de Informaes da Previdncia Social (GFIP). a) Errada. A Conta nica do Tesouro Nacional, mantida no Banco Central do Brasil, tem por finalidade acolher as disponibilidades financeiras da Unio a serem movimentadas pelas Unidades Gestoras - UG da Administrao Pblica Federal, inclusive Fundos, Autarquias, Fundaes, e outras entidades integrantes do Sistema Integrado de Administrao Financeira do Governo Federal - SIAFI, na modalidade on-line. b) Errada. A operacionalizao da Conta nica do Tesouro Nacional ser efetuada por intermdio do Banco do Brasil S/A, ou por outros agentes financeiros autorizados pelo Ministrio da Fazenda. c) Errada. movimentada pelas Unidades Gestoras - UG da Administrao Pblica Federal, inclusive Fundos, Autarquias, Fundaes, e outras entidades integrantes do Sistema Integrado de Administrao Financeira do Governo Federal - SIAFI, na modalidade on-line. d) Errada. O SIAFI consolidar, diariamente, as Ordens Bancrias emitidas, de acordo com a respectiva finalidade, gerando a Relao de Ordens Bancrias Intra-SIAFI-RT e a Relao de Ordens Bancrias Externas RE.www.pontodosconcursos.com.br18

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

e) Correta. A movimentao de recursos da Conta nica ser efetuada por meio de Ordem Bancria - OB, Documento de Arrecadao de Receitas Federais DARF, Guia da Previdncia Social - GPS, Documento de Receita de Estados e/ou Municpios - DAR, Guia do Salrio Educao - GSE, Guia de Recolhimento do FGTS e de Informaes da Previdncia Social - GFIP, Nota de Sistema - NS ou Nota de Lanamento - NL, de acordo com as respectivas finalidades. Resposta: Letra E

5. PROGRAMAO ORAMENTRIA E FINANCEIRAA programao oramentria e financeira consiste na compatibilizao do fluxo dos pagamentos com o fluxo dos recebimentos, visando o ajuste da despesa fixada s novas projees de resultados e da arrecadao. Compreende um conjunto de atividades com o objetivo de ajustar o ritmo de execuo do oramento ao fluxo provvel de recursos financeiros, assegurando a execuo dos programas anuais de trabalho, realizados por meio do SIAFI, com base nas diretrizes e regras estabelecidas pela legislao vigente. NA LRF: Art. 8 At trinta dias aps a publicao dos oramentos, nos termos em que dispuser a lei de diretrizes oramentrias e observado o disposto na alnea c do inciso I do art. 4, o Poder Executivo estabelecer a programao financeira e o cronograma de execuo mensal de desembolso. Logo aps a sano presidencial Lei Oramentria aprovada pelo Congresso Nacional, o Poder Executivo mediante decreto estabelece em at trinta dias a programao financeira e o cronograma de desembolso mensal por rgos, observadas as metas de resultados fiscais dispostas na Lei de Diretrizes Oramentrias. O Sistema de Administrao Financeira Federal visa ao equilbrio financeiro do Governo Federal, dentro dos limites da receita e despesa pblicas. Compreende as atividades de programao financeira da Unio, de administrao de direitos e haveres, garantias e obrigaes de responsabilidade do Tesouro Nacional e de orientao tcnico-normativa referente execuo oramentria e financeira. Integram o Sistema de Administrao Financeira Federal a Secretaria do Tesouro Nacional, como rgo central; e os rgos setoriais, que so as unidades de programao financeira dos Ministrios, da Advocacia-Geral da Unio, da VicePresidncia e da Casa Civil da Presidncia da Repblica. Os rgos setoriais ficam sujeitos orientao normativa e superviso tcnica do rgo central do Sistema, sem prejuzo da subordinao ao rgo em cuja estrutura administrativa estiverem integrados.www.pontodosconcursos.com.br19

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

Segundo o art. 12 da Lei 10.180/01, compete s unidades responsveis pelas atividades do Sistema de Administrao Financeira Federal: I - zelar pelo equilbrio financeiro do Tesouro Nacional; II - administrar os haveres financeiros e mobilirios do Tesouro Nacional; III - elaborar a programao financeira do Tesouro Nacional, gerenciar a Conta nica do Tesouro Nacional e subsidiar a formulao da poltica de financiamento da despesa pblica; IV - gerir a dvida pblica mobiliria federal e a dvida externa de responsabilidade do Tesouro Nacional; V - controlar a dvida decorrente de operaes de crdito de responsabilidade, direta e indireta, do Tesouro Nacional; VI - administrar as operaes de crdito sob a responsabilidade do Tesouro Nacional; VII - manter controle dos compromissos que onerem, direta ou indiretamente, a Unio junto a entidades ou organismos internacionais; VIII - editar normas sobre a programao financeira e a execuo oramentria e financeira, bem como promover o acompanhamento, a sistematizao e a padronizao da execuo da despesa pblica; IX - promover a integrao com os demais Poderes e esferas de governo em assuntos de administrao e programao financeira. Subordinam-se tecnicamente Secretaria do Tesouro Nacional os representantes do Tesouro Nacional nos conselhos fiscais, ou rgos equivalentes das entidades da administrao indireta, controladas direta ou indiretamente pela Unio. Tais representantes devero ser, preferencialmente, servidores integrantes da carreira Finanas e Controle que no estejam em exerccio nas reas de controle interno no ministrio ou rgo equivalente ao qual a entidade esteja vinculada. Assim, a Programao Financeira se realiza em trs nveis distintos, sendo a Secretaria do Tesouro Nacional o rgo central, contando ainda com a participao das Subsecretarias de Planejamento, Oramento e Administrao (ou equivalentes, os chamados rgos setoriais de programao financeira OSPF) e as Unidades Gestoras Executoras (UGE). Compete ao Tesouro Nacional estabelecer as diretrizes para a elaborao e formulao da programao financeira mensal e anual, bem como a adoo dos procedimentos necessrios a sua execuo. Aos rgos setoriais competem a consolidao das propostas de programao financeira dos rgos vinculados (UGE) e a descentralizao dos recursos financeiros recebidos do rgo central. s Unidades Gestoras Executoras cabem a realizao da despesa pblica nas suas trs etapas, ou seja: o empenho, a liquidao e o pagamento.

www.pontodosconcursos.com.br

20

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

6. LIMITAO DE EMPENHO E DE MOVIMENTAO FINANCEIRA o previsto de maneira explcita no caput do art. 9 da LRF: Art. 9 Se verificado, ao final de um bimestre, que a realizao da receita poder no comportar o cumprimento das metas de resultado primrio ou nominal estabelecidas no Anexo de Metas Fiscais, os Poderes e o Ministrio Pblico promovero, por ato prprio e nos montantes necessrios, nos trinta dias subsequentes, limitao de empenho e movimentao financeira, segundo os critrios fixados pela lei de diretrizes oramentrias. O contingenciamento uma forma de preveno para que se mantenha o equilbrio de fato entre despesas e receitas, alicerce da responsabilidade da gesto fiscal. O contingenciamento ocorre quando h frustrao de receita, definida como a ausncia de realizao de qualquer item de receita previsto na LOA. Se houver frustrao da receita estimada no oramento, dever ser estabelecida limitao de empenho e movimentao financeira, com objetivo de atingir os resultados previstos na LDO e impedir a assuno de compromissos sem respaldo financeiro, o que acarretaria uma busca de socorro no mercado financeiro, situao que implica em encargos elevados. Analisando o art. 9, no h a possibilidade de contingenciamento por outro motivo que no seja a frustrao de receita. O Gestor pblico s tem permisso legal para proceder limitao de empenho quando a realizao da receita (e no a execuo da despesa) comprometer as metas fiscais, como o superavit primrio. Outra observao que alm do Poder Executivo, h a extenso da limitao de empenho aos Poderes Legislativo, Judicirio e Ministrio Pblico. No sero objeto de limitao as despesas que constituam obrigaes constitucionais e legais do ente, inclusive aquelas destinadas ao pagamento do servio da dvida, e as ressalvadas pela lei de diretrizes oramentrias. No caso de restabelecimento da receita prevista, ainda que parcial, a recomposio das dotaes cujos empenhos foram limitados dar-se- de forma proporcional s redues efetivadas. At o final dos meses de maio, setembro e fevereiro, o Poder Executivo demonstrar e avaliar o cumprimento das metas fiscais de cada quadrimestre, em audincia pblica na comisso mista referida na Constituio ou equivalente nas Casas Legislativas estaduais e municipais. Cabe ressaltar que em relao o 3 do art. 9 foi proposta uma Ao Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) perante o Supremo Tribunal Federal, o qual suspendeu liminarmente a eficcia deste dispositivo:

www.pontodosconcursos.com.br

21

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

3o No caso de os Poderes Legislativo e Judicirio e o Ministrio Pblico no promoverem a limitao no prazo estabelecido no caput, o Poder Executivo autorizado a limitar os valores financeiros segundo os critrios fixados pela lei de diretrizes oramentrias. Assim, atualmente, devido ADIN, o Poder Executivo no autorizado a limitar os Poderes Legislativo e Judicirio e o Ministrio Pblico caso estes no promovam a limitao no prazo estabelecido no caput do art. 9. H a extenso da limitao de empenho aos Poderes Legislativo, Judicirio e Ministrio Pblico, mas ela deve ser efetuada por ato prprio.

7. DESCENTRALIZAO ORAMENTRIA E FINANCEIRACom a publicao da Lei Oramentria Anual LOA, o seu consequente lanamento no SIAFI e o detalhamento dos crditos autorizados, inicia-se a sua movimentao entre as Unidades Gestoras, para que se viabilize a execuo oramentria propriamente dita, j que s aps o recebimento do crdito que as Unidades Gestores esto em condies de efetuar a realizao das despesas pblicas. As descentralizaes de crditos oramentrios ocorrem quando for efetuada movimentao de parte do oramento, mantidas as classificaes institucional, funcional, programtica e econmica, para que outras unidades administrativas possam executar a despesa oramentria. As descentralizaes de crditos oramentrios no se confundem com transferncias e transposio, pois no modifica o valor da programao ou de suas dotaes oramentrias (crditos adicionais); tampouco altera a unidade oramentria (classificao institucional) detentora do crdito oramentrio aprovado na lei oramentria ou em crditos adicionais (transferncia/transposio). Quando a descentralizao envolver unidades gestoras de um mesmo rgo temse a descentralizao interna, tambm chamada de proviso. Se, porventura, ocorrer entre unidades gestoras de rgos ou entidades de estrutura diferente, terse- uma descentralizao externa, tambm denominada de destaque. Na descentralizao, as dotaes sero empregadas obrigatria e integralmente na consecuo do objetivo previsto pelo programa de trabalho pertinente, respeitada fielmente a classificao funcional e a estrutura programtica. Portanto, a nica diferena que a execuo da despesa oramentria ser realizada por outro rgo ou entidade. A descentralizao de crdito externa depender de celebrao de convnio ou instrumento congnere, disciplinando a consecuo do objetivo colimado e as relaes e obrigaes das partes.www.pontodosconcursos.com.br22

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

Assim, a movimentao de crditos, a que chamamos habitualmente de Descentralizao de Crditos, consiste na transferncia, de uma Unidade Gestora para outra, do poder de utilizar crditos oramentrios que lhe tenham sido consignados no Oramento ou lhe venham a ser transferidos posteriormente. A descentralizao pode ser interna, se realizada entre Unidades Gestoras do mesmo rgo (proviso); ou externa, se efetuada entre rgos distintos (destaque). J a movimentao de recursos financeiros oriundos do Oramento da Unio, entre as Unidades Gestoras que compem o Sistema de Programao Financeira, se d sob a forma de liberao de cotas, repasses, sub-repasses para o pagamento de despesas e por meio de concesso de limite de saque Conta nica do Tesouro. A primeira fase da movimentao dos recursos a liberao de Cota e deve ser realizada em consonncia com o cronograma de desembolso aprovado pela Secretaria do Tesouro Nacional. Assim, cota o montante de recursos colocados disposio dos rgos Setoriais de Programao Financeira OSPF pela Coordenao-Geral de Programao Financeira COFIN/STN mediante movimentao intra-SIAFI dos recursos da Conta nica do Tesouro Nacional. A segunda fase a liberao de Repasse ou Sub-repasse. Repasse a movimentao de recursos realizada pelos OSPF para as unidades de outros rgos ou ministrios e entidades da Administrao Indireta, bem como entre esses; e sub-repasse a liberao de recursos dos OSPF para as unidades sob sua jurisdio e entre as unidades de um mesmo rgo, ministrio ou entidade. A descentralizao de recursos realizada no SIAFI por meio da Nota de Programao Financeira (NPF), que o documento utilizado para registrar e contabilizar as etapas da programao financeira. Assim, a NPF o documento que permite registrar os valores constantes da Proposta de Programao Financeira (PPF) e a Programao Financeira Aprovada (PFA), envolvendo a COFIN/STN e os OSPF. A partir da, com recursos em caixa, ou seja, com disponibilidades financeiras, as unidades podem dar incio fase de pagamento de suas despesas. QUADRO DESCENTRALIZAO Destaque: Descentralizao externa de crditos, pois efetuada entre rgos distintos. Proviso: Descentralizao interna de crditos, pois realizada entre UGs do mesmo rgo. Cota: o montante de recursos colocados disposio dos OSPF pela COFIN/STN. Repasse: a movimentao externa de recursos, pois realizada pelos OSPF para aswww.pontodosconcursos.com.br23

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

unidades de outros rgos ou ministrios e entidades da Administrao Indireta, bem como entre esses. Sub-repasse: a liberao interna de recursos dos OSPF para as unidades sob sua jurisdio e entre as unidades de um mesmo rgo, ministrio ou entidade. Caiu na prova: (CESPE Analista - ANTAQ 2009) O destaque, que a descentralizao das disponibilidades financeiras vinculadas ao oramento, compete aos rgos setoriais de programao financeira, que transferem tais disponibilidades para outro rgo ou ministrio. O Repasse a movimentao de recursos (disponibilidades financeiras) realizada pelos OSPF para as unidades de outros rgos ou ministrios e entidades da Administrao Indireta, bem como entre esses. Resposta: Errada.

EXERCCIOS1) (ESAF Tcnico de Nvel Superior/SPU MPOG 2006) A Programao Financeira, conjunto de atividades cujo objetivo ajustar o ritmo de execuo do oramento ao fluxo provvel de recursos financeiros, realizada em trs nveis distintos: o primeiro, pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN), rgo central do sistema; o segundo, pelas Subsecretarias de Planejamento, Oramento e Administrao ou equivalentes, os chamados rgos Setoriais de Programao Financeira (OSPF) e, por fim, pelas Unidades Gestoras Executoras (UGE). Nesse contexto, compete ao Tesouro Nacional: a) a realizao da despesa pblica nas suas trs etapas, ou seja: o lanamento, a arrecadao e o recolhimento. b) estabelecer as diretrizes para a elaborao e formulao da programao financeira mensal e anual, bem como a adoo dos procedimentos necessrios sua execuo. c) a consolidao das propostas de programao financeira dos rgos vinculados (UGE) e a descentralizao dos recursos financeiros recebidos do rgo central. d) a realizao da despesa pblica nas suas trs etapas, ou seja: o empenho, a liquidao e o pagamento. e) elaborar, isoladamente, o projeto de lei do oramento anual. Compete ao Tesouro Nacional estabelecer as diretrizes para a elaborao e formulao da programao financeira mensal e anual, bem como a adoo dos procedimentos necessrios a sua execuo. Aos rgos setoriais competem a consolidao das propostas de programao financeira dos rgos vinculados (UGE) e a descentralizao dos recursos financeiros recebidos do rgo central.www.pontodosconcursos.com.br24

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

s Unidades Gestoras Executoras cabem a realizao da despesa pblica nas suas trs etapas, ou seja: o empenho, a liquidao e o pagamento. Resposta: Letra B 2) (FCC ACE - TCE/CE 2008) Observadas as normas tcnicas e legais, as previses de receita consideraro os efeitos das alteraes na legislao, da variao do ndice de preos, do crescimento econmico ou de qualquer outro fator relevante, e sero acompanhadas, alm do demonstrativo de sua evoluo nos ltimos trs anos, da: (A) projeo para as receitas obtidas com servios de terceiros. (B) metodologia de clculo do impacto dos resultados nominal e primrio que possam afetar as receitas. (C) projeo da estimativa do impacto oramentrio e financeiro do exerccio em que entrar em vigor. (D) demonstrao da composio das dvidas ativas decorrentes de financiamentos e da metodologia de clculo e premissas utilizadas. (E) projeo para os dois seguintes exerccios queles a que se referirem, e da metodologia de clculo e premissas utilizadas. Segundo a LRF: Art. 12. As previses de receita observaro as normas tcnicas e legais, consideraro os efeitos das alteraes na legislao, da variao do ndice de preos, do crescimento econmico ou de qualquer outro fator relevante e sero acompanhadas de demonstrativo de sua evoluo nos ltimos trs anos, da projeo para os dois seguintes quele a que se referirem, e da metodologia de clculo e premissas utilizadas. Resposta: Letra E 3) (CESPE Analista Administrativo ANAC 2009) Ao se realizar a execuo oramentria da despesa, deve haver, no momento da liquidao, a baixa do crdito disponvel de acordo com sua a destinao. Segundo o Decreto 93.872/86: Art. 25. O empenho importa deduzir seu valor de dotao adequada despesa a realizar, por fora do compromisso assumido. Logo, no momento do empenho que deve ocorrer a deduo do crdito disponvel da dotao, de acordo com sua destinao. Resposta: Errada. 4) (ESAF AFC/STN Econmico Financeiro - 2005) De acordo com as Finanas Pblicas, afirma-se que os estgios da receita pblica representam as fases percorridas pela receita na execuo oramentria. Aponte a opo correta que diz respeito ao ato pelo agente, pelo qual os agentes arrecadadores entregam diretamente ao tesouro pblico o produto da arrecadao.www.pontodosconcursos.com.br25

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

a) lanamento b) recolhimento c) previso d) declarao e) arrecadao Ateno: A diferena entre arrecadao e recolhimento muito cobrada em provas. A arrecadao consiste na entrega do recurso ao agente ou banco arrecadador pelo contribuinte ou devedor. J o recolhimento consiste no depsito em conta do Tesouro do produto da arrecadao, aberta especificamente para esse fim, pelos caixas ou bancos arrecadadores. Logo, o ato o qual os agentes arrecadadores entregam diretamente ao tesouro pblico o produto da arrecadao denomina-se recolhimento. Resposta: Letra B 5) (CESPE Agente Polcia Federal 2009) O estgio de execuo da receita classificado como arrecadao ocorre com a transferncia dos valores devidos pelos contribuintes ou devedores conta especfica do Tesouro. A arrecadao consiste na entrega do recurso ao agente ou banco arrecadador pelo contribuinte ou devedor. O recolhimento a transferncia dos valores arrecadados conta especfica do Tesouro, responsvel pela administrao e controle da arrecadao e programao financeira, observando o Princpio da Unidade de Caixa, representado pelo controle centralizado dos recursos arrecadados em cada ente. Resposta: Errada. 6) (FGV Auditor Substituto de Conselheiro TCM/RJ - 2008) Em relao despesa pblica, assinale a afirmativa incorreta. (A) Liquidao da despesa consiste na verificao do direito adquirido pelo credor tendo por base os ttulos e documentos comprobatrios do respectivo crdito. (B) Empenho de despesa ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigao de pagamento pendente ou no de implemento de condio. (C) Despesas de capital so voltadas para a manuteno de servios j criados ou para a realizao de obras de conservao de bens imveis. (D) O pagamento da despesa s ser efetuado quando ordenado aps regular liquidao. (E) vedada a realizao de despesa sem prvio empenho. Questo totalmente baseada na Lei 4320/64, interessante para revermos diversos dispositivos:

www.pontodosconcursos.com.br

26

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

a) Correta. Segundo o art. 63, a liquidao da despesa consiste na verificao do direito adquirido pelo credor tendo por base os ttulos e documentos comprobatrios do respectivo crdito. b) Correta. Conforme o art. 58, o empenho de despesa o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigao de pagamento pendente ou no de implemento de condio. c) a incorreta. Segundo o 1 do art. 12, classificam-se como Despesas de Custeio as dotaes para manuteno de servios anteriormente criados, inclusive as destinadas a atender a obras de conservao e adaptao de bens imveis. d) Correta. Consoante o art. 62, o pagamento da despesa s ser efetuado quando ordenado aps sua regular liquidao. e) Correta. De acordo com o art. 60, vedada a realizao de despesa sem prvio empenho. Resposta: Letra C 7) (ESAF AFCE TCU 2006) Assinale a opo que aponta a correta correlao entre as colunas: 1) lanamento 2) arrecadao 3) recolhimento 4) empenho 5) liquidao 6) pagamento ( ) ato emanado de autoridade competente que cria para o estado obrigao de pagamento, pendente ou no de implemento de condio. ( ) momento em que os contribuintes comparecem perante aos agentes arrecadadores a fim de liquidarem suas obrigaes para com o estado. ( ) emisso do cheque ou ordem bancria em favor do credor. ( ) verificao do implemento de condio, ou seja, verificao objetiva do cumprimento contratual. ( ) relao individualizada dos contribuintes, discriminando a espcie, o valor e o vencimento do imposto de cada um. ( ) ato pelo qual os agentes arrecadadores entregam diariamente ao Tesouro pblico o produto da arrecadao. a) 1 - 3 - 6 - 5 - 4 - 2 b) 4 - 3 - 6 - 5 - 1 - 2 c) 1 - 3 - 5 - 6 - 4 - 2 d) 4 - 2 - 6 - 5 - 1 - 3 e) 5 - 2 - 3 - 1 - 4 - 6 (4) empenho: ato emanado de autoridade competente que cria para o estado obrigao de pagamento, pendente ou no de implemento de condio. (2) arrecadao: momento em que os contribuintes comparecem perante aos agentes arrecadadores a fim de liquidarem suas obrigaes para com o estado.www.pontodosconcursos.com.br27

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

(6) pagamento: emisso do cheque ou ordem bancria em favor do credor. (5) liquidao: verificao do implemento de condio, ou seja, verificao objetiva do cumprimento contratual. (1) lanamento: relao individualizada dos contribuintes, discriminando a espcie, o valor e o vencimento do imposto de cada um. (3) recolhimento: ato pelo qual os agentes arrecadadores entregam diariamente ao Tesouro pblico o produto da arrecadao. Logo, a ordem 4 - 2 - 6 - 5 - 1 - 3. Resposta: Letra D (CESPE Analista SERPRO 2008) Com a publicao da LOA, o seu consequente lanamento no SIAFI e o detalhamento dos crditos autorizados, inicia-se a sua movimentao entre as unidades gestoras. Acerca da movimentao de crditos oramentrios e recursos financeiros, julgue os seguintes itens. 8) So operaes descentralizadoras de crditos oramentrios a cota, o repasse e o sub-repasse. A cota, o repasse e o sub-repasse so operaes descentralizadoras de recursos. A primeira fase da movimentao dos recursos a liberao de Cota. o montante de recursos colocados disposio dos rgos Setoriais de Programao Financeira OSPF pela Coordenao-Geral de Programao Financeira COFIN/STN mediante movimentao intra-SIAFI dos recursos da Conta nica do Tesouro Nacional. A segunda fase a liberao de Repasse ou Sub-repasse. O Repasse a movimentao de recursos realizada pelos OSPF para as unidades de outros rgos ou ministrios e entidades da Administrao Indireta, bem como entre esses; e sub-repasse a liberao de recursos dos OSPF para as unidades sob sua jurisdio e entre as unidades de um mesmo rgo, ministrio ou entidade. Resposta: Errada. 9) A movimentao de recursos financeiros deve ser realizada em consonncia com o cronograma de desembolso aprovado pela Secretaria de Oramento Federal. A movimentao dos recursos deve ser realizada em consonncia com o cronograma de desembolso aprovado pela Secretaria do Tesouro Nacional. Resposta: Errada. 10) (ESAF AFC/CGU - 2008) So consideradas etapas da execuo oramentria e financeira, os ingressos de recursos na conta nica do Tesouro e as descentralizaes de crditos e recursos entre as unidades integrantes do SIAFI .

www.pontodosconcursos.com.br

28

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

No que diz respeito ao assunto, julgue os itens que se seguem e marque, com V para os verdadeiros e F para os falsos, a opo que corresponde seqncia correta. I. A unidade gestora que recebe crditos oramentrios por descentralizao, sob a forma de destaque, receber os recursos financeiros sob a forma de repasse. II. A unidade gestora que descentralizou crditos oramentrios por meio de proviso receber os recursos financeiros sob a forma de sub-repasse. III. A descentralizao de recursos realizada no SIAFI por meio da Nota de Programao Financeira, que o documento utilizado para registrar e contabilizar as etapas da programao financeira. IV. A Guia de Recolhimento da Unio GRU documento utilizado para efetuar todo e qualquer depsito na conta nica do Tesouro, excetuadas as receitas recolhidas mediante a Guia de Previdncia Social GPS e por meio do Documento de Arrecadao de Receitas Federais - DARF. V. A Secretaria do Tesouro Nacional permite que autarquias, fundos e fundaes pblicas que contarem com autorizao legislativa especfica efetuem aplicaes financeiras dirias na conta nica. a) F,V,F,F,V b) V,V,V,V,V c) F,F,F,F,F d) V,V,V,V,F e) V,F,V,V,V I) Correto. A unidade gestora que recebe crditos oramentrios por descentralizao externa (destaque), que a efetuada entre rgos distintos, receber os recursos financeiros sob a forma de repasse, que a movimentao de recursos realizada pelos OSPF para as unidades de outros rgos ou ministrios e entidades da Administrao Indireta, bem como entre esses. II) Errado. A unidade gestora que descentralizou crditos oramentrios (OSPF), seja por proviso ou destaque, receber os recursos financeiros sob a forma de cota, que o montante de recursos colocados disposio dos OSPF pela COFIN/STN mediante movimentao intra-SIAFI dos recursos da Conta nica do Tesouro Nacional. III) Correto. A descentralizao de recursos realizada no SIAFI por meio da Nota de Programao Financeira (NPF), que o documento utilizado para registrar e contabilizar as etapas da programao financeira. Assim, a NPF o documento que permite registrar os valores constantes da Proposta de Programao Financeira (PPF) e a Programao Financeira Aprovada (PFA), envolvendo a COFIN/STN e os OSPF. A partir da, com recursos em caixa, ou seja, com disponibilidades financeiras, as unidades podem dar incio fase de pagamento de suas despesas.

www.pontodosconcursos.com.br

29

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

IV) Correto. A Guia de Recolhimento de Receitas da Unio GRU o documento padronizado para registrar os ingressos de valores na Conta nica. Devero ser recolhidas por GRU as taxas (custas judiciais, emisso de passaporte etc.), aluguis de imveis pblicos, servios administrativos e educacionais (inscrio de vestibular/concursos, expedio de certificados), receitas de multas (da Polcia Rodoviria Federal, do Cdigo Eleitoral, do Servio Militar etc.) e outras. Excetuam-se do recolhimento por meio da GRU as receitas do Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, recolhidas mediante a Guia de Previdncia Social GPS, e as receitas administradas pela Secretaria da Receita Federal do Brasil RFB e pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional - PGFN, recolhidas por meio do Documento de Arrecadao de Receitas Federais - DARF. A GPS o documento permite registrar o recolhimento das contribuies para a Seguridade Social por meio de transferncias de recursos intra-SIAFI entre a UG recolhedora e a Conta nica do Tesouro Nacional. J o DARF o documento que registra a arrecadao de tributos e demais receitas diretamente na Conta nica do Tesouro Nacional, sem trnsito pela rede bancria, ou seja, por meio de transferncias de recursos intra-SIAFI. O DARF eletrnico nada mais que o instrumento de registro dessas informaes no SIAFI. V) Correto. Segundo o art. 43 da Instruo Normativa n 4, de 13 de agosto de 2002, ficam institudas as seguintes modalidades de aplicao financeira na Conta nica do Tesouro Nacional, mediante registro especfico no SIAFI: aplicao financeira diria e aplicao financeira a prazo fixo, sendo esta efetuada mediante entendimentos prvios e a critrio do rgo central de programao financeira. Ainda consoante a referida Portaria: Art. 44. As aplicaes financeiras definidas no art. 43 podero ser efetuadas: I - no caso de aplicaes financeiras dirias, pelas autarquias, fundos e fundaes pblicas que contarem com autorizao legislativa especfica, no se admitindo aplicaes por parte de entidades no integrantes do Oramento Fiscal e da Seguridade Social; e II - no caso de aplicaes financeiras a prazo fixo, pelas autarquias, fundos, fundaes pblicas e os rgos da Administrao Pblica Federal direta, integrantes do Oramento Fiscal e da Seguridade Social. Logo, a sequencia correta V,F,V,V,V. Resposta: Letra E

www.pontodosconcursos.com.br

30

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

E assim terminamos nossa ltima aula juntos. E voc que chegou aqui, j um vitorioso, pela persistncia e fora de vontade. Segui estritamente o edital nessas sete aulas (0 a 6), aprofundando nos temas de acordo com o que vem sendo cobrado nas provas. Apesar de ser a primeira vez de AFO no concurso para Analista Tributrio, a ESAF e outras bancas vm exigindo mais que um conhecimento superficial, como pode ter constatado nas questes apresentadas, nos diversos concursos. Agradeo sinceramente os elogios, as crticas e as sugestes. dessa forma que o professor aprimora seu trabalho, enfatizando o que est dando certo e melhorando o que no est bom. Segue o nosso ltimo memento. Espero sinceramente que tenha gostado da iniciativa e que seja realmente til! Estar em boas mos nas duas ltimas aulas com o Prof. Francisco Mariotti. Desejo a voc um timo prosseguimento nos estudos e uma excelente prova! Lembro que estarei com voc at o fim de semana da prova no frum e sempre que necessitar no e-mail [email protected] Forte abrao! Srgio Mendes

www.pontodosconcursos.com.br

31

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

MEMENTO AULA 6ESTGIOS DA RECEITA:PREVISO Configura-se por meio da estimativa de arrecadao da receita, constante da LOA, resultante de metodologia de projeo de receitas oramentrias. As previses de receita observaro as normas tcnicas e legais e consideraro: os efeitos das alteraes na legislao, da variao do ndice de preos, do crescimento econmico ou de qualquer outro fator relevante e sero acompanhadas de demonstrativo de sua evoluo nos ltimos trs anos, da projeo para os dois seguintes quele a que se referirem, e da metodologia de clculo e premissas utilizadas. LANAMENTO o procedimento administrativo tendente a verificar a ocorrncia do fato gerador da obrigao correspondente, determinar a matria tributvel, calcular o montante do tributo devido, identificar o sujeito passivo e, sendo o caso, propor a aplicao da penalidade cabvel. Tipos de lanamento: Lanamento por declarao: compreende a espontaneidade do sujeito passivo em declarar corretamente. Lanamento por homologao: o pagamento e as informaes prestadas pelo contribuinte so realizados sem qualquer exame prvio da autoridade administrativa. Lanamento de ofcio: Como regra adequado aos tributos que tm como fato gerador uma situao cujos dados constam dos cadastros fiscais, de modo que basta autoridade administrativa a consulta a aqueles registros para que se tenha s mos dados fticos necessrios realizao do lanamento. Tendo ocorrido o fato gerador, h condies de se proceder ao registro contbil do direito a receber da fazenda pblica em contrapartida a uma variao ativa, em contas do sistema patrimonial, o que representa o registro da receita por competncia. ARRECADAO a entrega, realizada pelos contribuintes ou devedores aos agentes arrecadadores ou bancos autorizados pelo ente, dos recursos devidos ao Tesouro.www.pontodosconcursos.com.br32

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

Do ponto de vista oramentrio, o reconhecimento da receita oramentria ocorre no momento da arrecadao. RECOLHIMENTO a transferncia dos valores arrecadados conta especfica do Tesouro, responsvel pela administrao e controle da arrecadao e programao financeira, observando o Princpio da Unidade de Caixa, representado pelo controle centralizado dos recursos arrecadados em cada ente.

ESTGIOS DA DESPESA:FIXAO (PROGRAMAO) a dotao inicial da LOA que, segundo o princpio do equilbrio, visa assegurar que as despesas no sero superiores previso das receitas. No estgio da execuo da despesa. EMPENHO o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigao de pagamento pendente ou no de implemento de condio. materializado pela Nota de Empenho (NE) no SIAFI. vedada a realizao de despesa sem prvio empenho. O empenho importa deduzir seu valor de dotao adequada despesa a realizar, por fora do compromisso assumido. O que pode ser dispensado a nota de empenho e nunca o empenho. A reduo ou cancelamento no exerccio financeiro, de compromisso que caracterizou o empenho, implicar sua anulao parcial ou total. A importncia correspondente ser revertida respectiva dotao oramentria. Modalidades de empenho: Ordinrio: valor definido e pagamento de uma nica vez Global: valor definido e pagamento parcelado Por estimativa: valor indefinido e pagamento parcelado LIQUIDAO Consiste na verificao do direito adquirido pelo credor tendo por base os ttulos e documentos comprobatrios do respectivo crdito. realizada no SIAFI por meio da Nota de Liquidao (NL). Ter por base o contrato, ajuste ou acordo respectivo; a nota de empenho e os comprovantes da

www.pontodosconcursos.com.br

33

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

entrega de material ou da prestao efetiva do servio. A liquidao tem por finalidade reconhecer ou apurar: A origem e o objeto do que se deve pagar; A importncia exata a pagar; e A quem se deve pagar a importncia para extinguir a obrigao PAGAMENTO Consiste na entrega de recursos ao credor equivalente dvida lquida, mediante OB no SIAFI. A Ordem de pagamento o despacho determinando o pagamento da despesa. J a Ordem Bancria (OB) o documento emitido por meio do SIAFI transferindo o numerrio para a conta do credor. O pagamento da despesa s ser efetuado quando ordenado aps sua regular liquidao. CONTA NICA A Conta nica do Tesouro Nacional mantida junto ao Banco Central do Brasil e sua operacionalizao ser efetuada por intermdio do Banco do Brasil via SIAFI, ou, excepcionalmente, por outros agentes financeiros autorizados pelo Ministrio da Fazenda. As disponibilidades de caixa da Unio sero depositadas no banco central; as dos Estados, do Distrito Federal, dos Municpios e dos rgos ou entidades do Poder Pblico e das empresas por ele controladas, em instituies financeiras oficiais, ressalvados os casos previstos em lei. As disponibilidades de caixa relativas Previdncia Social devero ser separadas das demais disponibilidades do ente pblico. movimentada pelas UGs da Administrao Pblica Federal, inclusive Fundos, Autarquias, Fundaes, e outras entidades integrantes do SIAFI, na modalidade on-line. A movimentao de recursos da Conta nica ser efetuada por meio de OB, DARF, GPS, DAR, GSE, GFIP, NS ou NL, de acordo com as respectivas finalidades. O SIAFI um sistema informatizado que processa e controla, por meio de terminais instalados em todo o territrio nacional, a execuo oramentria, financeira, patrimonial e contbil dos rgos da Administrao Pblica Direta federal, das autarquias, fundaes e empresas pblicas federais e das sociedades de economia mista que estiverem contempladas no Oramento Fiscal e/ou no Oramento da Seguridade Social da Unio.

www.pontodosconcursos.com.br

34

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

PROGRAMAO ORAMENTRIA E FINANCEIRA Consiste na compatibilizao do fluxo dos pagamentos com o fluxo dos recebimentos, visando o ajuste da despesa fixada s novas projees de resultados e da arrecadao. Logo aps a sano presidencial LOA aprovada pelo Congresso Nacional, o Poder Executivo mediante decreto estabelece em at trinta dias a programao financeira e o cronograma de desembolso mensal por rgos, observadas as metas de resultados fiscais dispostas na LDO. A Programao Financeira se realiza em trs nveis distintos, sendo a STN o rgo central, contando ainda com a participao das Subsecretrias de Planejamento, Oramento e Administrao (ou equivalentes, os chamados OSPF) e as Unidades Gestoras Executoras (UGE). Se verificado, ao final de um bimestre, que a realizao da receita poder no comportar o cumprimento das metas de resultado primrio ou nominal estabelecidas no Anexo de Metas Fiscais, os Poderes e o Ministrio Pblico promovero, por ato prprio e nos montantes necessrios, nos 30 dias subsequentes, limitao de empenho e movimentao financeira, segundo os critrios da LDO. DESCENTRALIZAO ORAMENTRIA E FINANCEIRA Descentralizao de Crditos Transferncia de uma UG para outra do poder de utilizar crditos oramentrios que lhe tenham sido consignados no Oramento ou lhe venham a ser transferidos posteriormente. Destaque: Descentralizao externa de crditos, pois efetuada entre rgos distintos. Proviso: Descentralizao interna de crditos, pois realizada entre UGs do mesmo rgo. Descentralizao de Recursos Cota: o montante de recursos colocados disposio dos OSPF pela COFIN/STN mediante movimentao intra-SIAFI dos recursos da Conta nica do Tesouro Nacional. Repasse: a movimentao externa de recursos realizada pelos OSPF para as unidades de outros rgos ou ministrios e entidades da Administrao Indireta, bem como entre esses. Sub-repasse: a liberao interna de recursos dos OSPF para as unidades sob sua jurisdio e entre as unidades de um mesmo rgo, ministrio ou entidade.

www.pontodosconcursos.com.br

35

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

LISTA DE QUESTES COMENTADAS NESTA AULAI) QUESTES APRESENTADAS DURANTE A AULA1) (ESAF AFC/CGU Auditoria e Fiscalizao - 2006) Para o Governo operacionalizar o processo de alocao de recursos da gesto pblica ele se utiliza do ciclo da gesto, que se divide em etapas. A etapa em que os atos e fatos so praticados na Administrao Pblica para implementao da ao governamental, e na qual ocorre o processo de operacionalizao objetiva e concreta de uma poltica pblica denomina-se: a) planejamento. b) execuo. c) programao. d) oramentao. e) controle. 2) (CESPE Analista - ANTAQ 2009) No que concerne a estgios da receita, o lanamento de ofcio efetuado pela administrao sem a participao do contribuinte. 3) (FCC - Analista do MP/SE Contabilidade 2009) Considere as afirmativas a seguir. I. Recolhimento a entrega, realizada pelos contribuintes ou devedores, aos agentes ou bancos autorizados pelo ente, dos recursos devidos ao Tesouro. II. Arrecadao a transferncia dos valores arrecadados conta especfica do Tesouro, responsvel pela administrao e controle da arrecadao e programao financeira. III. Planejamento compreende a previso de arrecadao da receita oramentria constante da Lei Oramentria Anual LOA, resultante de metodologias de projeo usualmente adotadas, observada as disposies constantes na Lei de Responsabilidade Fiscal LRF. Est correto o que se afirma APENAS em: (A) III. (B) I. (C) I e III. (D) II. (E) II e III. 4) (FCC ACE - TCE/AM 2008) Quanto ao estgio de empenho da despesa, considere: I. A nota de empenho o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigao de pagamento pendente ou no de implemento de condio.

www.pontodosconcursos.com.br

36

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

II. A realizao de despesa sem prvio empenho permitida quando no se pode determinar o montante exato da despesa. III. A reduo ou cancelamento no exerccio financeiro de compromisso que caracterizou o empenho implicar sua anulao parcial ou total, revertendo o valor respectiva dotao. IV. A realizao de empenho global permitida para os casos de despesas contratuais e outras sujeitas a parcelamento. V. As despesas relativas a contratos, convnios, acordos ou ajustes de vigncia plurianual, sero empenhadas em cada exerccio financeiro pela parte nele a ser executada. Est correto o que se afirma APENAS em (A) I, II e III. (B) I, III e IV. (C) I, II e V. (D) II, III e IV. (E) III, IV e V. 5) (ESAF AFC/STN Contbil Financeiro - 2005) A liquidao da despesa de que trata o art. 36 do Decreto n 93.872/96 tem por finalidade, entre outras: a) estimar o montante da despesa quando o empenho no for ordinrio. b) definir a importncia exata a pagar. c) deduzir o valor da despesa da dotao autorizada. d) informar ao credor o compromisso da administrao em realizar a aquisio. e) comprometer recursos com o credor. 6) (CESPE Analista Ambiental- Administrao e Planejamento MMA- 2008) Na vigncia de um convnio ou contrato, permitido o pagamento antecipado de fornecimento de bens, execuo de obra ou prestao de servio, desde que esse procedimento possibilite abreviar o prazo de execuo do respectivo convnio ou contrato. 7) (ESAF - Analista Administrativo - ANA - 2009) - Sobre o tema Conta nica do Tesouro Nacional, assinale a opo correta. a) mantida no Banco Central do Brasil e tem por finalidade acolher as disponibilidades financeiras da Unio, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios. b) Sua operacionalizao efetuada, exclusivamente, por intermdio do Banco do Brasil S/A. c) movimentada pelas Unidades Gestoras da Administrao Pblica Federal integrantes do SIAFI, inclusive na modalidade off-line. d) As Ordens Bancrias contra ela emitidas so consolidadas diariamente no mbito do SIDOR, de acordo com a respectiva finalidade. e) A movimentao de seus recursos efetuada, entre outros, por meio da Guia da Previdncia Social (GPS) e da Guia de Recolhimento do FGTS e de Informaes da Previdncia Social (GFIP).www.pontodosconcursos.com.br37

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

8) (CESPE Analista - ANTAQ 2009) O destaque, que a descentralizao das disponibilidades financeiras vinculadas ao oramento, compete aos rgos setoriais de programao financeira, que transferem tais disponibilidades para outro rgo ou ministrio.

II) QUESTES APRESENTADAS NOS EXERCCIOS1) (ESAF Tcnico de Nvel Superior/SPU MPOG 2006) A Programao Financeira, conjunto de atividades cujo objetivo ajustar o ritmo de execuo do oramento ao fluxo provvel de recursos financeiros, realizada em trs nveis distintos: o primeiro, pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN), rgo central do sistema; o segundo, pelas Subsecretarias de Planejamento, Oramento e Administrao ou equivalentes, os chamados rgos Setoriais de Programao Financeira (OSPF) e, por fim, pelas Unidades Gestoras Executoras (UGE). Nesse contexto, compete ao Tesouro Nacional: a) a realizao da despesa pblica nas suas trs etapas, ou seja: o lanamento, a arrecadao e o recolhimento. b) estabelecer as diretrizes para a elaborao e formulao da programao financeira mensal e anual, bem como a adoo dos procedimentos necessrios sua execuo. c) a consolidao das propostas de programao financeira dos rgos vinculados (UGE) e a descentralizao dos recursos financeiros recebidos do rgo central. d) a realizao da despesa pblica nas suas trs etapas, ou seja: o empenho, a liquidao e o pagamento. e) elaborar, isoladamente, o projeto de lei do oramento anual. 2) (FCC ACE - TCE/CE 2008) Observadas as normas tcnicas e legais, as previses de receita consideraro os efeitos das alteraes na legislao, da variao do ndice de preos, do crescimento econmico ou de qualquer outro fator relevante, e sero acompanhadas, alm do demonstrativo de sua evoluo nos ltimos trs anos, da: (A) projeo para as receitas obtidas com servios de terceiros. (B) metodologia de clculo do impacto dos resultados nominal e primrio que possam afetar as receitas. (C) projeo da estimativa do impacto oramentrio e financeiro do exerccio em que entrar em vigor. (D) demonstrao da composio das dvidas ativas decorrentes de financiamentos e da metodologia de clculo e premissas utilizadas. (E) projeo para os dois seguintes exerccios queles a que se referirem, e da metodologia de clculo e premissas utilizadas.

www.pontodosconcursos.com.br

38

CURSO ON-LINE - AFO P/ ANALISTA-TRIBUTRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI E SRGIO MENDES

3) (CESPE Analista Administrativo ANAC 2009) Ao se realizar a execuo oramentria da despesa, deve haver, no momento da liquidao, a baixa do crdito disponvel de acordo com sua a destinao. 4) (ESAF AFC/STN Econmico Financeiro - 2005) De acordo com as Finanas Pblicas, afirma-se que os estgios da receita pblica representam as fases percorridas pela receita na execuo oramentria. Aponte a opo correta que diz respeito ao ato pelo agente, pelo qual os agentes arrecadadores entregam diretamente ao tesouro pblico o produto da arrecadao. a) lanamento b) recolhimento c) previso d) declarao e) arrecadao 5) (CESPE Agente Polcia Federal 2009) O estgio de execuo da receita classificado como arrecadao ocorre com a transferncia dos valores devidos pelos contribuintes ou devedores conta especfica do Tesouro. 6) (FGV Auditor Substituto de Conselheiro TCM/RJ - 2008) Em relao despesa pblica, assinale a afirmativa incorreta. (A) Liquidao da despesa consiste na verificao do direito adquirido pelo credor tendo por base os ttulos e documentos comprobatrios do respectivo crdito. (B) Empenho de despesa ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigao de pagamento pendente ou no de implemento de condio. (C) Despesas de capital so voltadas para a manuteno de servios j criados ou para a realizao de obras de conservao de bens imveis. (D) O pagamento da despesa s ser efetuado quando ordenado aps regular liquidao. (E) vedada a realizao de despesa sem prvio empenho. 7) (ESAF AFCE TCU 2006) Assinale a opo que aponta a correta correlao entre as colunas: 1) lanamento 2) arrecadao 3) recolhimento 4) empenho 5) liquidao 6) pagamento ( ) ato emanado de autoridade competente que cria para o estado obrigao de pagamento, pendente ou no de implemento de condio. ( ) momento