AGENTES EXTINTORES

  • View
    91

  • Download
    10

Embed Size (px)

Text of AGENTES EXTINTORES

QUESTIONRIOA) Velocidade de extino altssima em solventes polares e excelente resistncia reignio so caractersticas apresentadas pelo lquido gerador de espuma: Resistente a lcool AFFFB) Um composto que tenha o nome qumico Bromoclorodifluorometano e cuja numerao conhecida como halon 1211 possui a seguinte frmula qumica: CF2ClBr C) O teor mnimo de p base de bicarbonato de sdio para extino de incndio de: (95%) D) um composto que tenha o nome qumico Bromotrifluorometano, e cuja frmula qumica seja CF3Br conhecido como halon: 1301 1

E) Os lquidos geradores de espuma AFFF foram desenvolvidos decorrentes das limitaes apresentadas pelos lquidos geradores de espuma Protenica F) As espuma de fluoroprotena possuem maior velocidade de extino de incndio e maior tempo de vida em estoque em relao s espumas de protena. Esse fato se deve em consequncia da adio do Surfactante fluorado G) Os lquidos geradores de espuma Protenica , so de Baixo Custo/Kg, porm apresentam baixa velocidade de extino e alto grau de sedimentao. H) Os acidentes aeronuticos, pela enorme quantidade de combustvel transportado, so combatidos, normalmente, com agentes extintores especficos da classe B. Em funo disto, classifcamos os agentes extintores em Principais e Complementares

2

I) Consideramos como agentes complementares os seguintes: PQ e Halon J) Os lquidos geradores de espuma protenica so adicionados alginatos ou pectinas, que servem para Abaixar o ponto de congelamento e inibir a corroso L) A espuma qumica formada a partir de uma reao qumica entre dois elementos, utilizando a protena hidrolizada para estabilizar a espuma formadora e contendo no interior de suas bolhas CO2 M) uma massa estvel de pequenas bolhas de baixa densidade , podendo flutuar sobre os espuma lquidos inflamveis: 3

N) Assinale Verdadeiro (V) ou Falso (F).

V

Em geral, os LGE de protena no so compatveis com p qumico

VV V

O surfactante contido na espuma AFFF atua resfriando. O lquido gerador de espuma fluoroprotenica similar ao de protena, exceto que um surfactante fluorado adicionado. O lquido gerador de espuma de alta expanso obtido de surfactante que no contm flor.4

O) Correlacione as duas colunas123453 45 1Solventes Polares Membrana Polimrica Surfactante Fluorado Sinttico Baixo Tempo de vida em estoque No deve ser aplicado em reas abertas AFFF Protena Espuma de Alta Expanso

Espuma resistente a lcoolEspuma resistente a lcool sinttico5

2

OBJETIVO(Cn)-IDENTIFICAR EXTINTORES. OS AGENTES(Cp)-DISTINGUIR AS CARACTERSTICAS DOS AGENTES EXTINTORES PRINCIPAIS E COMPLEMENTARES, BEM COMO SUAS RESPECTIVAS EFICINCIAS. (Cn)-IDENTIFICAR O DISPOSTO NAS NORMAS NACIONAIS/INTERNACIONAIS.

6

ROTEIRO DEFINIES AGENTE EXTINTOR PRINCIPAL (ESPUMA) ESPUMA (CLASSIFICAO) ESPUMA MECNICA (CLASSIFICAO) AGENTES EXTINTORES COMPLEMENTARES (PQ / HALON) NORMAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS7

AGENTES EXTINTORESSUBSTNCIAS QUMICAS, SIMPLES OU COMPOSTAS, CAPAZES DE REAGIREM NUM AMBIENTE DE INCNDIO, PROVOCANDO POR ABAFAMENTO OU RESFRIAMENTO, UMA SOLUO DE CONTINUIDADE NA COMBUSTO.OS ACIDENTES AERONUTICOS, PELA ENORME QUANTIDADE DE COMBUSTVEL TRANSPORTADO, SO COMBATIDOS, NORMALMENTE, COM AGENTES ESPECFICOS DA CLASSE B. EM FUNO DISTO, CLASSIFICAMOS OS AGENTES EM PRINCIPAIS E COMPLENTARES.8

AGENTES EXTINTORES PRINCIPAISSO ASSIM CHAMADOS PELA CAPACIDADE DE COMBATE A GRANDES INCNDIOS EM AERONAVES, SEM NECESSITAR DE UM AGENTE COMPLEMENTAR. AGENTES EXTINTORES PRINCIPAIS - ESPUMAS

AGENTES EXTINTORES COMPLEMENTARES

- P QUMICO- HALON9

FINAL DO SEC. XIX ELEMENTOS FUNDAMENTAIS PRINCPIO DE EXTINO CLASSE DE INCNDIO CLASSIFICAO DAS ESPUMASESPUMA PARA COMBATE A INCNDIO

INTRODUO

LEO GUA

10

REAO QUMICA

ESPUMA QUMICA

6NaHCO ELEMENTOS QUMICOS AL2 (SO)3 RESULTANTE 2AL(HO)3 + 3Na2 SO + 6CO2 ALCAUZ ESTABILIZADOR SAPONINA, ETC.SULFATO DE ALUMNIO (B) BICARBONATO DE SDIO (A)

EXTINTOR DE ESPUMA QUMICA

11

ESPUMA MECNICA AQUELA FORMADA A PARTIR DA INTRODUO DO AR ATMOSFRICO, ATRAVS DE UM EQUIPAMENTO MECNICO, A UMA SOLUO DE GUA + LQUIDO GERADOR DE ESPUMA, DE ORIGEM SINTTICA OU PROTENICA, E CONTENDO NO INTERIOR DE SUAS BOLHAS O OXIGNIO DO AR (O2). ESPUMA MECNICA

AR12

CLASSIFICAO DAS ESPUMAS MECNICASPROTENICAFLUOROPROTENICA

FORMADORA DE AQUOSO (AFFF)ALTA EXPANSO

UM

FILME

RESISTENTE A LCOOL13

CLASSIFICAO DAS ESPUMAS MECNICAS (Cont.)OS LQUIDOS GERADORES DE ESPUMA MECNICA SO MISTURAS DE SUBSTNCIAS QUMICAS QUE DILUDAS EM GUA PRODUZEM UMA SOLUO OU ESPUMA NO EXPANDIDA, QUE QUANDO MISTURADA COM O AR, TORNA-SE UMA ESPUMA ESTVEL PARA COMBATE A INCNDIO.GUA

LGESOLUOTUBO VENTURI AR ESPUMA

14

OS LQUIDOS GERADORES DE ESPUMA SO DISPONVEIS EM FORMULAES DE 3% OU 6%.

97GUA

L G E 3

SOLUO100

TAXA DE EXPANSO A CAPACIDADE DO LGE EM ACEITAR A INCORPORAO DE AR PELOS EQUIPAMENTOS, MANTENDO A ESTABILIDADE DAS BOLHAS DA ESPUMA. 15

EM FUNO DA TAXA DE EXPANSO, AS ESPUMAS CLASSIFICAM-SE EM:

BAIXA ESPANSO: EXPANSO AT 20

TAXA

DE

MDIA EXPANSO: TAXA DE EXPANSO ACIMA DE 20 AT 200 ALTA EXPANSO: TAXA EXPANSO ACIMA DE 200 DE16

LQUIDO GERADOR DE ESPUMA PROTENICADESENVOLVIMENTO DECORRNCIA BAIXA EXPANSO COMERCIALIZADA A 6% COMPOSIO DO LGE

ESTABILIZADORESEXTRATO DE PROTENA

Estabilizadores Inibidores de corroso Cresc. de Bactrias Ponto de Congelamento

17

LQUIDO GERADOR DE ESPUMA PROTENICA (Cont.)ESPECFICO PARA EXTINO EM DERIVADO DE PETRLEO FORMAO ESPUMA DE COLCHO DE

GUA DRENADA DA ESPUMA

APLICAO, SUAVEMENTE SOBRE OS LQUIDOS EM CHAMAS (CONTAMINAO) 18

LQUIDO GERADOR DE ESPUMA PROTENICA (Cont.)

VANTAGEM

BAIXO CUSTO DESVANTAGEMBAIXA VELOCIDADE DE EXTINO BAIXO TEMPO DE VIDA EM ESTOQUE

EM GERAL, NO SO COMPATVEIS COM O PQALTO GRAU DE SEDIMENTAO

ARESPUMA DE PROTENA

COMBUSTVEL

19

LQUIDO GERADOR DE ESPUMA FLUOROPROTENICADESENVOLVIMENTO DECORRNCIAEXTINO MAIS RPIDA

COMPATVEL COM O P QUMICO

BAIXA EXPANSO COMERCIALIZADA A 6%

ESTABILIZADORESCOMPOSIO DO LGEEXTRATO DE SURFACTANTE

= PROTENICA + SURFACTANTE FLUORADOFLUOROPROTENA

PROTENA

20

LQUIDO GERADOR DE ESPUMA FLUOROPROTENICA (Cont.)

DIFERENA BSICAMAIOR VELOCIDADE DE EXTINO MAIOR TEMPO DE VIDA EM ESTOQUE CUSTO / KG MAIORARESPUMA DE FLUOROPROTENA

COMBUSTVEL 21

LQUIDO GERADOR DE ESPUMA AFFF DESENVOLVIMENTO DECORRNCIA

BAIXA EXPANSOCOMERCIALIZADA A 3 E 6% ESTABILIZADORES COMPOSIO DO LGE SURFACTANTE FLUORADO SINTTICO + AGENTES ESPUMANTES 22

MECANISMO DE EXTINO DA ESPUMA AFFF1) FILME AQUOSO DE FLUIDEZ EXTREMAMENTE VELOZ, FORMADO PARA PREVENIR A LIBERAO DOS VAPORES E TENDE A TORNAR-SE NOVAMENTE ESPUMA, QUANDO SOFRE UM DISTRBIO; 2) UM COLCHO DE ESPUMA SUPRIME OS VAPORES E EXCLUI EFETIVAMENTE O OXIGNIO DO AR DA SUPERFCIE DO LQUIDO EM CHAMAS; E 23

MECANISMO DE EXTINO DA ESPUMA AFFF (Cont.)

3) SURFACTANTE CONTIDO NA ESPUMA, ATUA RESFRIANDO.AQUEOUS FILM FORMING FOAM - AFFF

Filme Aquoso

24

PRINCIPAIS DIFERENAS EM RELAO S ESPUMAS DE PROTENA E FLUOROPROTENA ALTSSIMA VELOCIDADE DE EXTINO; TEMPO DE VIDA EM ESTOQUE SUPERIOR A 20 ANOS; TOTAL COMPATIBILIDADE COM P QUMICO; PODEM SER UTILIZADAS COM EQUIP. SEM ASPIRAO DE AR; TESTADA E APROVADA PARA O USO EM INJEO SUBSUPERFICIAL; NO APRESENTAM SEDIMENTAES;

25

PRINCIPAIS DIFERENAS EM RELAO S ESPUMAS DE PROTENA E FLUOROPROTENA (Cont.)

MAIOR EFICINCIA EM INCNDIOS DE CLASSE A; BAIXA TENSO DE SUPERFCIE; E REDUO DE 1/3 DA QUANTIDADE DE GUA EM RELAO AOS OUTROS LGE.ESPUMA FORMADORA DO FILME AQUOSO - AFFF

FILME AQUOSO A.F.F.F. (ESPUMA)

COMBUSTVEL 26

LIQUIDO GERADOR DE ESPUMA RESISTENTE A LCOOLCOMPOSIO QUMICAPROTENA (ADITIVO ESP.)SINTTICO (TENSOA. ESP.) RESISTNCIA REIGNIO REDUZ 95% TAXA DE VAPOR

TENSOATIVO ESPECIAL

PODEM SER USADOS EM DERIVADOS DE PETRLEO TESTADA E APROVADA PARA USO EM INJEO SUBSUPERFICIAL27

MECANISMO DE EXTINO DA ESPUMA RESISTENTE A LCOOL (SINTTICA)1) FORMAO DE MEMBRANA POLIMRICA, REDUZINDO APROXIMADAMENTE 95% DA TAXA DE VAPORIZAO; 2) UM COLCHO DE ESPUMA SUPRIME OS VAPORES E EXCLUI EFETIVAMENTE O OXIGNIO DO AR DA SUPERFCIE DO LQUIDO EM CHAMAS; E 3) O SURFACTANTE CONTIDO NA ESPUMA ATUA RESFRIANDO.

MEMBRANA POLIMRICA

28

LQUIDO GERADOR DE ESPUMA DE ALTA EXPANSO Desenvolvimento Decorrncia Alta expanso

Surfactante que no contm flor; Equipamento especial para aplicao; No deve ser aplicada em reas abertas.SOLUO

500 : 1 1000 : 1

29

P QUMICO PARA EXTINO DE INCNDIO - NBR 9695 NORMAS COMPLEMENTARESNBR 8654 - DETERMINAO DA MASSA ESPECFICA APARENTE NBR 8655 - DETERMINAO DO TEOR DE BCARBONATO DE SDIO NBR 8656 - DETERMINAO DA FLUIDEZ NBR 8657 - DETERMINAO DO TEOR DE UMIDADE NBR 8658 - P QUMICO PARA A EXTINO DE INCNDIO BASE DE BICARBONATO DE SDIO NBR 8659 - VERIFICAO DA TENDNCIA A AGLOMERAO. AGLOMERAO 30

P QUMICO PARA EXTINO DE INCNDIO - NBR 9695 NORMAS COMPLEMENTARES (Cont.)

NBR 9694 AVALIAO DA CAPACIDADE EXTINTORA APS 30 DIAS 50 C NBR 9696 - ANLISE GRANULOMTRICA NBR 9697 - VERIFICAO DE ENVELHECIMENTO MB 1110 - PARTE 1 (1977) - DETERMINAO DA HIGROSCOPIDADE ASTM D 877 - DIELECTRIC BREAKDOWM VOLTAGE .F INSULATING ASTM / ANSI UL 711 - FIRE FIGHTING EQUIPMENT31

P QUMICO - BASE DE BICARBONATOO P QUMICO PARA EXTINO DE INCNDIO SER CONSTITUDO DE UM PRODUTO INIBIDOR OU MISTURA DE PRODUTOS INIBIDORES DO FOGO, DEVENDO CONTER SUBSTNCIA QUE LHE PROPORCIONE FLUIDEZ E DIMINUA A TENDNCIA A AGLOMERAO DO PRODUTO FINAL; A MISTURA NO DEVE CONTER SUBSTNCIAS QUE DEM ORIGEM A PRODUTOS OU COMBINAES TXICAS QUANDO AQUECIDO EM USO.32

COMPORTAMENTO NA ARMAZENAGEMO MATERIAL NA S