Alguns Indicadores Geolgicos e Ambientais Indispensveis ao ...· Apesar da grande diversidade litológica

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Alguns Indicadores Geolgicos e Ambientais Indispensveis ao ...· Apesar da grande diversidade...

ALGUNS INDICADORES GEOLGICOS E AMBIENTAIS INDISPENSVEIS AO REORDENAMENTO DA ACTIVIDADE

EXTRACTIVA - O caso do Anticlinal de Estremoz Carla MIDES

Geloga, Dpt de Hidrogeologia do INETI*, carla.midoes@ineti.pt

Patrcia FAL Eng Minas, Dpt. de Prospeco de Rochas e Minerais No Metlicos do INETI*, patricia.fale@ineti.pt

Paulo HENRIQUES

Gelogo, Dpt. de Prospeco de Rochas e Minerais No Metlicos do INETI*, paulo.henriques@ineti.pt

Carlos VINTM Gelogo, Dpt. de Prospeco de Rochas e Minerais No Metlicos do INETI*, carlos.vintem@ineti.pt

* INETI - Instituto Nacional de Engenharia Tecnologia e Inovao.

Apartado 7586, 2720- 866 Alfragide, +351.21.4705538

O Anticlinal de Estremoz situa-se, em Portugal, na regio do Alentejo, encerra um grande centro da actividade extractiva de mrmores denominado Zona dos Mrmores e faz parte de um importante sistema aqufero, o sistema aqufero de Estremoz-Cano. Esta zona apresenta portanto alguns condicionalismos geolgicos e ambientais e uma desorganizao do espao devido ao material no comercializado e acumulado em escombreiras, que a tornam uma rea preferencial para o estudo de metodologias que auxiliem o reordenamento do sector extractivo. Tendo em mente a necessidade de compatibilizao da actividade mineira com a preservao ambiental nas polticas de ordenamento territorial, surge um projecto desenvolvido pelo Ex-IGM e o Cevalor em 4 unidades de ordenamento, integradas na rea Cativa da Zona dos Mrmores definida no PROZOM. Este projecto pretendeu criar uma ferramenta de apoio gesto que tenha em ateno a compatibilizao da actividade mineira com a preservao ambiental nas polticas de ordenamento territorial.

Nesta comunicao sero apresentados alguns indicadores geolgicos e hidrogeolgicos, (obtidos na UNOR2 Borba), imprescindveis ao reordenamento das exploraes de mrmore permitindo a melhoria do uso e organizao do espao, a proteco do ambiente e o aumento da qualidade de vida das populaes.

Palavras-Chave: Anticlinal de Estremoz, risco geoeconmico, hidrogeologia, reordenamento, indstria extractiva.

Associao Portuguesa dos Recursos Hdricos

mailto:carla.midoes@ineti.ptmailto:patricia.fale@ineti.ptmailto:paulo.henriques@ineti.pt

1. INTRODUO O Anticlinal de Estremoz (figura 1) situado em Portugal na regio do Alentejo, est integrado na

conhecida Zona de Ossa Morena uma das principais unidades tectono-estratigrficas do orgeno hercnico que se desenvolveu entre o Devnico e o Carbnico (Ribeiro et al., 1979; Oliveira et al., 1991).

PORTUGAL

Lisboa0 250 Km

Adaptado de Quesada, 1991

Macio Hesprico

ZONA CENTRO IBRICA

ZONA DEOSSA MORENA

ZONA SUL PORTUGUESA

ZONA GALICIA -

TRS OS MONTES

ZONA LEON-OESTE

ASTURIANA

ZONACANTBRICA

FRENTEPIRENAICA

FRENTE

BTICA

Proterozico e Paleozico emCadeias Alpinas

Cobertura ps-Paleozico

LAGOAPARDAIS

BORBA

VILAVIOSA

BENCATEL

ALANDROAL

VIGRIA

ESTREMOZ

Figura 1 Localizao e enquadramento geolgico do Anticlinal de Estremoz e localizao das Unidades de Ordenamento da Zona dos Mrmores definidas no PROZOM (Adaptado de Resoluo do

Conselho de Ministros n 93/2002).

As unidades geolgicas aflorantes nesta regio so na sua grande maioria de origem sedimentar, o que faz prever que sejam litologicamente muito variadas, em consequncia das variaes dos materiais depositados, das condies de deposio e dos locais onde foram depositadas. Esta complexidade foi posteriormente aumentada pelas condies de evoluo a que as rochas estiveram sujeitas ao longo dos tempos geolgicos, sofrendo deformao e metamorfismo.

Apesar da grande diversidade litolgica e do metamorfismo sofrido a regio estudada constitui uma jazida de mrmore com grande importncia scio-econmica local e regional. Para alm disto, o Anticlinal de Estremoz, enquadra tambm um importante sistema aqufero, o sistema aqufero Estremoz-Cano. Estamos pois perante uma regio onde os condicionalismos geolgicos e ambientais ditam a sustentabilidade da explorao do recurso mineral e influenciam a ocupao espacial desta regio. Perante este cenrio o Anticlinal de Estremoz constitui uma rea preferencial para o estudo de metodologias que auxiliem o reordenamento do sector extractivo, tendo em mente a necessidade de compatibilizao da actividade mineira com a preservao ambiental.

A partir da metodologia proposta pretende-se dar indicaes sobre os condicionalismos geolgicos e hidrogeolgicos da regio e dar resposta aos problemas levantados no que se refere ao uso e organizao do espao, nomeadamente ao nvel do material no comercializado e acumulado em escombreiras.

Este projecto desenvolveu-se at ao momento em 4 unidades de ordenamento: UNOR 1 - CRUZ DOS MENINOS/GLRIA; UNOR 2 - CARRASCAL/ENCOSTINHA, UNOR 3 - VIGRIA/MONTE D`EL REI e UNOR 5 PARDAIS (Figura 1).

Associao Portuguesa dos Recursos Hdricos

2. ESTRATGIA METODOLGICA PARA O ORDENAMENTO DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA

A estratgia delineada para responder aos problemas de ordenamento da regio em causa engloba duas vertentes fundamentais: uma de carcter reactivo situao existente e outra pr-activa. A primeira visa a caracterizao da situao de referncia dos centros produtores, com recurso definio e seleco de indicadores relevantes em termos econmicos, sociais e ambientais, com particular destaque para os indicadores de ndole geolgica e hidrogeolgica porque so eles os mais relevantes face actividade em questo e aos constrangimentos ambientais existentes. Com a segunda vertente pretende-se delimitar zonas com aptido para a explorao e expanso da actividade extractiva, bem como zonas passveis de serem aproveitadas para a implantao de pequenos plos de apoio a esta indstria.

Atravs de Sistemas de Informao Geogrfica, estruturou-se um modelo SIG em quatro etapas, de acordo com o fluxograma apresentado na figura 2. A primeira etapa, conducente elaborao da Carta de Risco Geoeconmico, baseia-se na representao grfica da informao relativa aptido do territrio para a produo de rochas ornamentais e que deriva de indicadores de ndole geolgica. Com a segunda etapa pretende-se elaborar Cartas de Sensibilidade Ambiental com base na representao grfica da informao relativa sensibilidade de indicadores ambientais, face aos impactes da indstria extractiva. A Carta de Excluso, correspondente terceira etapa, representa os constrangimentos legais existentes em termos de afectao territorial. Por fim, a quarta etapa corresponde a uma Carta de Reordenamento como proposta de afectao do espao territorial em funo do cruzamento dos dados das etapas anteriores.

MODELO SIGMapa de Risco GeoeconmicoRG = L + EG + F

escala 1/5000

Mapa de Sensibilidade Ambiental para cada

indicadorEscala 1/15000

Escala 1/5000

Estudo Geolgico

Estudo Hidrogeolgico

Estudo das Sensibilidades

Ambientais

Indicador Litologia (L)

Estudo da Fracturao (F) Indicador Hidrogeologia

Indicador DecliveIndicador HidrografiaIndicador Capacidade de Uso do Solo

Indicador BiodiversidadeIndicador PaisagemIndicador RudoIndicador Poeira

Cartografia Geolgica

Indicador Estrutura Geolgica (EG)

Mapa de Excluso

MODELO SIGMapa de Risco GeoeconmicoRG = L + EG + F

escala 1/5000

Mapa de Sensibilidade Ambiental para cada

indicadorEscala 1/15000

Escala 1/5000

Estudo Geolgico

Estudo Hidrogeolgico

Estudo das Sensibilidades

Ambientais

Indicador Litologia (L)

Estudo da Fracturao (F) Indicador Hidrogeologia

Indicador DecliveIndicador HidrografiaIndicador Capacidade de Uso do Solo

Indicador BiodiversidadeIndicador PaisagemIndicador RudoIndicador Poeira

Cartografia Geolgica

Indicador Estrutura Geolgica (EG)

Mapa de Excluso

Figura 2 - Fluxograma do Modelo SIG aplicado no Anticlinal de Estremoz.

Associao Portuguesa dos Recursos Hdricos

2.1 Indicadores geolgicos

Os mrmores explorados no Anticlinal de Estremoz integram-se no Complexo Vulcano Sedimentar Carbonatado de Estremoz (Oliveira et al., 1991), cuja sequncia litolgica caracterizada pela sucesso das seguintes unidades, da mais recente para a mais antiga (Figura 3):

Metavulcanitos da base do complexo Mrmores com intercalaes de metavulcanitos Mrmores Metavulcanitos do topo do complexo No decorrer do estudo, tendo por base a cartografia de pormenor (escala 1:2000) e o aprofundar

do conhecimento ao nvel da disposio estrutural das diferentes litologias e da fracturao, optou-se por fazer uma diviso dos mrmores, com base na sua natureza e cor (C. Vintm et al., 2003):

Mrmores rosa Mrmores rosa muito vergados Mrmores rosa brechificado Mrmores brancos e cremes Mrmores brancos e cremes muito vergados Mrmores brancos e cremes brechificados Mrmores negros e azuis Mrmores dolomitizados (Olho de Mocho)

Figura 3 Mapa Geolgico simplificado da UNOR 2 . Localizao dos perfis geofsicos realizados.

Dada a importncia das especificidades que condicionam o valor comercial da rocha, os

indicadores geolgicos considerados foram aqueles que influenciam o campo de aplicao e modo de

Associao Portuguesa dos Recursos Hdricos

fixao do material, bem como os condicionantes explorao do recurso. Deste modo os indicadores escolhidos foram a litologia, a estrutura geolgica e a fracturao (Figura 4).

Litologia

Fracturao

Parametrizaoespacial grfica

qualitativa

Classes de Aptido Baixa,

Mdia, Alta

Parametrizaonumrica

Classes numricas

Algoritmo