ambEz 2020/03/05 آ  Director: أ‚ngelo Munguambe|Editor: Egأ­dio Plأ،cido | Maputo, 05 de Marأ§o de 2020

  • View
    0

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of ambEz 2020/03/05 آ  Director: أ‚ngelo Munguambe|Editor: Egأ­dio Plأ،cido | Maputo, 05 de...

  • Director: Ângelo Munguambe|Editor: Egídio Plácido | Maputo, 05 de Março de 2020 |Ano XIV l nº 894 50,00

    mt

    EzSai às quintas O n d e a n a ç ã O S e r e e nc O n t r aambEz Comercial

    taBeLa de PreçOS

    abertas assinaturas para 2020

    MAIS INFORMAÇÕES Cell: 82 45 76 070 | 84 26 98 181

    Email: esmelifania2002@gmail.com

    zambEzE

    2.300,00mt 2.900,00mt 4.450,00mt

    período trimestral semestral aNUal

    Nhongo fala de presente envenenado do Governo

    Juiz do CC adverte sobre pagamento da dívida da Ematum

    Governo incorre ao crime de desobediência

    • FDS bombardeiam bases da Junta-Militar

    Não quero Ossufo quero

    negociar com Nyusi

    Não quero Ossufo quero

    negociar com Nyusi

  • Segundo Mariano Nhongo

    Governo continua a enganar Renamo no processo DDR

    o líder da autoproclamada Junta-militar da renamo, mariano Nhongo, rejeita toda tentativa de mediação e re- conciliação com a actual liderança do partido, ossufo mo- made. acrescenta que, até que os objectivos sejam alcan- çados (ou seja, forçar o governo a negociar a integração de mais homens da “renamo” no sise), os ataques na zona centro do país poderão atingir níveis críticos. Nhongo diz es- tar a mobilizar-se para responder contra os ataques que as Forças de defesa e segurança (Fds) fazem às suas bases..

    Mariano Nhongo, falando ao Zambeze, acusou as Forças de Defesa e Segurança (FDS) de desencadear ataques contra algumas bases da Junta Militar.

    Na manhã da última segun- da-feira (por volta das 5horas), houve uma acção apontada como tentativa de neutralizar Mariano Nhongo, que se en- contra refugiado nas matas de Gorongosa, província de Sofa- la. Mas, segundo Nhongo, não houve baixas entre as partes envolvidas. “Os guerrilheiros da Junta receberam ordens de não contra-atacar, senão em legítima defesa”, disse.

    Nhongo conta que foi preciso conter a bravura dos guerrilheiros da Junta-Militar para poupar a vida das po- pulações indefesas perante atrocidades das FDS no ter- reno. Houve vandalização das bases, queima de habita- ções, roubo de alimentos nas comunidades, entre outros.

    “Eles vieram disparar todo tipo de armas, rouba- ram coisas, queimaram ca- sas das populações e depois foram embora. Eu soube que eles vinham em grupo de cinco viaturas, mas disse aos meus homens para não matarem ninguém”, anotou.

    Mariano Nhongo lamenta acção do Governo que, não dando ouvidos as reivindi- cações, procura responder contra-atacando, fazendo vítimas nas comunidades, o que só arrasta a crise insta- lada, sem excluir os danos, havendo registo de mortes desde as populações, mili- tares das FDS, entre outros.

    No entanto, o general não

    antevê um abrandar de confli- to. Avisa que, enquanto não se reconhece a legitimidade das reivindicações da junta, as ofensivas poderão prolongar- -se o tempo que for preciso.

    Mariano Nhongo diz estar a mobilizar-se para impor- -se, e recomenda ao Governo a deixar de fazer ouvido de mercador, sob risco das in- cursões agravarem-se, abran- gendo pontos que nem o an- tigo líder da Renamo, Afonso Dhlakama pôde atingir.

    “Pergunto, até quando as populações vão continuar a morrer por conta da teimosia do Governo? Os jovens vão perdendo vidas, há encerra- mento das escolas, privação das populações das suas ma- chambas, e em contrapartida, os que estão por detrás disto le- vam uma vida boa na cidade”.

    “A nossa luta visa resgatar a Renamo enganada”

    A luta que a Junta-Militar desencadeia, diz Mariano Nhongo, visa essencialmente resgatar a Renamo que o an- tigo líder Afonso Dhlakama deixou, acrescentando que é preciso que os moçambica- nos entendam que a Renamo não é uma individualidade, mas o povo e uma vez os objectivos do povo postos em causa há que se resgatar.

    Mariano Nhongo fez refe- rir que os objectivos que le- varam a guerra dos dezasseis continuam sendo os mesmos pelos quais a Renamo deve pleitear. Recorda que houve destruição de vidas humanas

    e não só, em prol da demo- cracia, hoje posta em causa, e que a Frelimo se recusa a acei- tar a sua efectivação no país.

    O Governo, não acei- tando uma negociação pa- cífica, como de apanágio, a liderança da junta optou pela via armada para forçar o Governo da Frelimo a ne- gociar todo o processo da reintegração e desmobiliza- ção dos homens da Renamo.

    “É preciso que fique claro que nós não somos bandidos como querem nos confundir na sociedade, temos armas aqui, mas não roubamos comi-

    da de ninguém como as FDS fazem quando chegam nas comunidades, temos uma cau- sa real e concreta”, apontou.

    Nhongo acusa o Governo de instrumentalizar a lideran- ça da Renamo para a sua pró- pria destruição, como maior partido da oposição, no en- tanto, sublinha que tudo fará para impedir esta intenção.

    “Aqui onde estamos não estamos a lutar para ganhar dinheiro de ninguém, muito menos das populações, a nos- sa luta visa resgatar a Renamo que está a ser enganada pelo Governo”, precisou Nhongo.

    Toda tentativa de aproximar a Junta-Militar e Ossufo Momade vai fracassar

    Mariano Nhongo exige a renúncia de Ossufo Momade e o acusa de estar a “raptar e isolar” oficiais da Renamo que estiveram ao lado do an- tigo líder, Afonso Dhlakama. “É a Junta-Militar que re- presenta o partido”, afirma.

    O Governo e outras for- ças da sociedade, não devem, segundo Nhongo, insistir em apelos de que a criação da Jun- ta-Militar é apenas resultado do problema interno daquele partido, o que leva a que di-

    LUÍS CUMBE

    - …os homens da Renamo continuam nas matas sem comer, a fazer biscates nas comunidades, que líder é este? É um líder mesmo?”- Mariano Nhango

    Quinta-feira, 05 de Março de 20202 | zambeze | dEStaqUES |

  • o venerando Juiz Conselheiro do Conselho Constitucio- nal (CC) mateus saize garantiu à imprensa nacional que a sua instituição entende que, quando há uma violação de uma decisão do CC, como é o caso do polémico acórdão da de- claração de Nulidade das dívidas ocultas da ematUm, o “violador” incorre a um crime de desobediência. mas, nes- tes casos, o grande “calcanhar de aquiles” são os mecanis- mos pelo qual se desencadeiam a sanção para o violador.

    Mateus Sai-ze falava, nesta terça--feira, num seminário na província de Maputo, subordi- nado ao tema “Acesso a Justiça Constitucional e Harmoniza- ção da Legislação Eleitoral”, evento co-organizado pelo CC, Faculdade de Direito da Uni- versidade Eduardo Mondlane

    (UEM) e EISA, à luz do recen- te memorando amplamente ju- bilado na sociedade civil.

    Respondendo a jornalistas, Mateus Saize sublinhou que, embora não pudesse fazer co- mentários sobre um proces- so ainda em curso, é também competência do CC fazer fisca- lização. Mateus Saize explicou que, nos termos do artigo 240 da Constituição da República

    de Moçambique (CRM) sobre a violação, “nós entendemos que, quando houver violação, o violador incorre num crime de desobediência, isso decorre do artigo 247 da CRM. O CC sem- pre entendeu que em homena- gem ao princípio da separação de jurisdições, se limita nas ma- térias da sua jurisdição e outras entendidas públicas também se limitam nas matérias da sua jurisdição e sendo um processo que está em curso, a minha opi- nião não é adequada neste mo- mento porque a lei me proíbe”.

    Desrespeito do Acórdão “banaliza” CC

    Entretanto, para o decano jornalista Fernando Lima há, sim, um flagrante desrespeito do executivo moçambicano

    para com o Acórdão do CC so- bre a declaração de nulidade das dívidas odiosas, confor- me manda a lei, as decisões do CC são irrecorríveis, ou seja, o Acórdão do CC sobre a nulidade das dívidas não é passível de qualquer altera- ção, mas também, de acordo com Fernando Lima, já de- viam ter saído mais dois Acór-

    dãos do CC sobre a MAM e PROINDICUS. “Mas até ago- ra não saiu”, desabafou Lima.

    “Até agora, não vimos ne- nhuma sanção sobre o Governo ou sobre o ministro da Econo- mia e Finanças pelo facto de ter desrespeitado a decisão do CC, e isso abre um preceden- te grave, porque o executivo desrespeita um órgão soberano muito importante, como vimos neste seminário na hierarquia Jurisdicional e Jurídica, no nosso país, o CC é um órgão de topo, ora fazer com que um Acórdão do CC seja tido como letra morta é gravíssimo, no final do dia, é o CC que não

    fica bem (visto) neste proces- so”, lamentou Fernando Lima.

    Já há legislação para repatriamento de activos

    Por outro lado, o nosso en- trevistado defende que o país já tem legislação suficiente para fazer o repatriamento de acti- vos do escândalo das dívidas odiosas, Fernando Lima expli- cou ao Zambeze que os instru- mentos legais que nós temos “já nos permitem actuar sobre os activos (...) claro que se pensa que uma legislação mais eficaz nos ajudaria, mas é claro que isso é importante e funda- mental porque, no fim do dia, os bandidos ficam a rir-se de nós (...) eles ficam alguns me- ses na prisão, mas os seus ac- tivos, despacharam para Dubai e outros lugares”, disse Lima.

    Aliás, segundo Lima, pelo menos 200 milhões de dólares, que é o que se calcula, como fundos dos referidos créditos “tóxicos” não foram para com- prar aqueles activos