ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ... ?· ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA DEMONSTRAÇÃO…

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • 55

    ANLISE DA UTILIZAO DA DEMONSTRAO DO FLUXO DE CAIXA COMO UM INSTRUMENTO DE GESTO FINANCEIRA

    NAS SOCIEDADES ANNIMAS DE CAPITAL ABERTO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

    Alexandre Costa Quintana1

    Valter Saurin2

    Resumo

    Este trabalho foi elaborado com o objetivo de analisar se efetivamente a Demonstrao do Fluxo de Caixa est sendo utilizada como um instrumento de gesto financeira, pelas sociedades annimas de capital aberto do Estado do Rio Grande do Sul. Em termos metodolgicos, elaborou-se um questionrio que procurou atender aos objetivos da pesquisa e foi enviado s sociedades annimas de capital aberto do Estado do Rio Grande do Sul. Alm disso, realizou-se uma anlise documental nos demonstrativos contbeis e financeiros dessas sociedades. A partir dos dados dos questionrios, foi feita uma anlise, pela qual se concluiu que a Demonstrao do Fluxo de Caixa est sendo utilizada como um instrumento de gesto financeira por um nmero reduzido de sociedades annimas de capital aberto do Estado do Rio Grande do Sul. Concluiu-se, ainda, que tal Demonstrao tem sido mais usada como um demonstrativo comple-mentar e que, em alguns momentos, ela traz contribuio para a gesto.

    Palavras-chave: Demonstrao do Fluxo de Caixa. Gesto Financeira. Demonst-raes Contbeis.

    1 INTRODUO

    No incio da dcada de 1980, os rgos internacionais de regulamentao con-tbil iniciaram estudos para introduzir a Demonstrao do Fluxo de Caixa (DFC)

    1 Mestre em Administrao pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor do Instituto de Cincias Econmicas, Administrativas e Contbeis da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Endereo: Rua Chefe Carlos Arajo, 166, Cassino, Rio Grande, RS, CEP 96206-210. E-mail: quintana@vetorial.net.2 Doutor em Administrao de Empresas pela EASP/FGV. Professor do Departamento de Cincias da Administrao da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Endereo: Campus da Trindade CSE CAD SALA 221, CEP: 80090-970, Florianpolis, SC. E-mail: vasaurin@mbox1.ufsc.br. Artigo recebido em: 10/04/2006. Aceito em: 04/03/2008. Membro do Corpo Editorial Cientfico responsvel pelo processo editorial: Gilberto de Oliveira Moritz.

    Revista de Cincias da Administrao v. 10, n. 22, p. 55-79, set./dez. 2008

  • Livros Grtis

    http://www.livrosgratis.com.br

    Milhares de livros grtis para download.

  • 56

    Alexandre Costa Quintana Valter Saurin

    Revista de Cincias da Administrao v. 10, n. 22, p. 55-79, set./dez. 2008

    em substituio Demonstrao de Origens e Aplicaes de Recursos (DOAR) nos demonstrativos contbeis. O primeiro pas a oficializar essa substituio foi o Canad, em setembro de 1985. Em outros pases, a DFC tambm foi oficializada como, por exemplo, nos Estados Unidos, em novembro de 1987 e no Reino Unido, em 1991. No entanto, na Frana e na Alemanha existe a recomendao de publicao dos dois demonstrativos (LUSTOSA, 1997).

    No Brasil, o Projeto de Lei n 3.741, que tramita na Cmara dos Deputados, determina a substituio citada no pargrafo anterior, pois a DFC vem sendo tratada como um importante instrumento no processo de gesto financeira.

    Diante do exposto, o problema de pesquisa foi: A Demonstrao do Fluxo de Caixa est sendo utilizada como um instrumento de gesto financeira pelas so-ciedades annimas de capital aberto do Estado do Rio Grande do Sul?

    O objetivo geral deste estudo foi analisar se efetivamente a Demonstrao do Fluxo de Caixa est sendo utilizada como um instrumento de gesto financeira pelas sociedades annimas de capital aberto do Estado do Rio Grande do Sul.

    Os objetivos especficos foram: Identificar se as empresas elaboram a Demonstrao do Fluxo de Caixa a) como um instrumento para tomada de deciso interna ou apenas para di-vulgao externa. Verificar quais os tipos de decises tomadas pelos administradores das em-b) presas, em funo da utilizao da Demonstrao do Fluxo de Caixa. Verificar se a Demonstrao do Fluxo de Caixa elaborada pelo mtodo c) direto ou pelo indireto. Verificar se as empresas utilizam medidas de desempenho para analisar sua d) Demonstrao do Fluxo de Caixa. No caso das empresas que no utilizam a Demonstrao do Fluxo de Caixa, e) verificar quais so os instrumentos utilizados na gesto financeira.

    Atualmente, a Demonstrao do Fluxo de Caixa utilizada nos Estados Uni-dos, no Canad e em vrios pases como um instrumento importante no processo de administrao financeira e contbil das empresas (LUSTOSA, 1997).

    No Brasil, as empresas esto percebendo a importncia desse instrumento, pois vrias delas j incorporaram a Demonstrao do Fluxo de Caixa como um demons-trativo contbil a ser anualmente publicado, junto aos relatrios administrativos elaborados pela empresa.

    A inteno deste estudo, em termos de acrscimo ao conhecimento existente, mostrar como as empresas esto utilizando a demonstrao do fluxo de caixa na gesto das atividades financeiras, principalmente no sentido de identificar as deci-ses mais importantes tomadas na rea financeira. importante destacar que este

  • 57

    Anlise da utilizao da demonstrao do fluxo de caixa como um instrumento de gesto financeira nas sociedades...

    Revista de Cincias da Administrao v. 10, n. 22, p. 55-79, set./dez. 2008

    trabalho foi elaborado com base nos resultados da pesquisa realizada pelos autores deste artigo, como parte de dissertao de mestrado defendida e aprovada em 07 de dezembro de 2004, no curso de Ps-Graduao em Administrao da Universidade Federal de Santa Catarina.

    A gesto do fluxo de caixa no se constitui em preocupao exclusiva das grandes empresas, mas das organizaes em geral. Porm, para viabilizar o estudo, definiu-se a utilizao das sociedades annimas de capital aberto, porque essas or-ganizaes, alm de serem obrigadas a publicar as demonstraes, precisam mostrar aos acionistas e futuros compradores de aes como se apresentam suas condies financeiras. Por isso, a Demonstrao do Fluxo de Caixa pode ser um importante instrumento de informaes para as pessoas ou as empresas.

    2 FUNDAMENTAO TERICA

    O fluxo de caixa e sua gesto inserem-se no conjunto de ferramentas que o administrador financeiro dispe para realizar sua funo.

    2.1 Administrao financeira

    Grande parte dos fatos que ocorrem nas empresas envolve a movimentao de recursos financeiros. Por isso, a administrao financeira acaba tornando-se um elemento indispensvel no processo administrativo das empresas.

    A importncia da administrao financeira encontra-se, conforme Zdanowick (2000), na responsabilidade pela gerncia das operaes relativas formao de re-cursos financeiros que sero utilizados para o pagamento dos fatores de produo ou de servios e a distribuio desses recursos, bem como nas obrigaes relacionadas s transaes comerciais e de crdito da empresa.

    Na empresa, a administrao financeira exercida por uma pessoa ou por um grupo de pessoas que pode ter denominaes, tais como: vice-presidente de finanas, diretor ou gerente financeiro e controller. As atividades empresariais desenvolvidas por essas pessoas envolvem a movimentao de recursos; por isso so definidas as funes bsicas do administrador financeiro de uma empresa que, conforme Hoji (2000), so: anlise, planejamento e controle financeiro; tomada de decises de investimentos; tomada de decises de financiamentos.

    2.2 Administrao do capital de giro

    O capital de giro tem participao relevante no contexto operacional das empre-sas, representando uma parcela significativa de seus ativos totais investidos.

  • 58

    Alexandre Costa Quintana Valter Saurin

    Revista de Cincias da Administrao v. 10, n. 22, p. 55-79, set./dez. 2008

    Conceitualmente, Neves e Viceconti (1998, p. 243) dizem que capital de giro representa o capital circulante (ativo circulante), ou seja, os recursos que possuem constante movimentao no perodo. Por conseqncia, serve para identificar os recursos prprios e de terceiros, que foram aplicados no ciclo operacional. Nota-se que esse ciclo representa a aplicao de recursos na atividade da entidade at a for-mao dos estoques que, mediante venda, voltaro a ser valores disponveis.

    Para Assaf Neto e Silva (1997, p. 15), o capital de giro, tambm tratado como capital circulante, representado pelo ativo circulante, isto , pelas aplicaes cor-rentes, identificadas geralmente pelas disponibilidades, valores a receber e estoques. De uma forma mais ampla, todos os recursos demandados por uma empresa para financiar suas necessidades operacionais so considerados capital de giro.

    A administrao de capital de giro um dos elementos mais significativos da administrao financeira. Segundo Gitman (1987, p. 279), a administrao de ca-pital de giro abrange a administrao de contas circulantes da empresa, incluindo ativos circulantes e passivos circulantes. Nesse contexto, o capital de giro precisar manter-se no menor nvel necessrio para permitir o desempenho do volume atual e previsto da atividade operacional.

    Conforme Hoji (2000), as principais fontes de financiamento do capital de giro so onerosas, pois so representadas pelos emprstimos e financiamentos bancrios e pelos parcelamentos de impostos vencidos, que normalmente geram valores sig-nificativos de encargos financeiros.

    Para que as empresas alcancem um equilbrio em seu capital de giro, preciso encontrar um equilbrio financeiro que, conforme o conceito de Assaf Neto e Silva (1997, p. 24), verificado quando suas obrigaes financeiras se encontram lastreadas em ativos com prazos de converso em caixa similares aos dos passivos, ou seja, uma vinculao entre liquidez dos ativos e os desembolsos demandados pelos passivos.

    2.3 Administrao de disponibilidades

    A administrao de disponibilidades um importante elemento para que o admi-nistrador financeiro analise at que ponto a falta de liquidez possa vir a provocar perdas para a empresa, pois est in