Click here to load reader

Anatomia Externa Torax Abdomen

  • View
    129

  • Download
    5

Embed Size (px)

Text of Anatomia Externa Torax Abdomen

TRAXA segunda parte do corpo dos insetos o trax, considerado o centro de locomoo dos insetos e formado por trs segmentos:

1 - protrax - 1 par de pernas. 2 - mesotrax - 2 par de pernas e 1 par de asas. 3 - metatrax - 3 par de pernas e 2 par de asas.

TRAX

TRAX

TRAXO PRONOTO o esclerito dorsal do primeiro seguimento do trax e pode se apresentar altamente modificado em diversas ordens de insetos.

PERNAS As pernas so denominadas anteriores, medianas e posteriores de acordo com a sua insero.

anterior

mediana

posterior

PERNAS O tipo de perna importante para caracterizar os hbitos do inseto saltatrias - saltam raptrias auxiliam na captura de presas ambulatrias - andam natatrias nadam fossoriais - escavam

PERNAS As pernas so divididas em seis segmentos, do proximal ao distal: coxa,trocnter, fmur, tbia, tarso e ps tarso.

COXA TROCNTER FMUR

TBIA

TARSO

PS TARSO

Coxa: Normalmente curta e grossa; articula-se ao trax por meio da cavidade coxal.

Trocanter: Segmento curto entre a coxa e o fmur.

Fmur: Parte mais desenvolvida; fixa-se ao trocanter e s vezes diretamente coxa, deslocando o trocanter lateralmente.

Tbia: Segmento delgado e quase to longo quanto o fmur; pode apresentar espinhos e

espores

Tarsos: Poro articulada, constituda por articulos denominados tarsmeros, que

variam de 1 a 5.

TarsosDe acordo c/ o nmero de tarsmeros, os insetos podem ser agrupados em: 4 Hommeros. Mesmo nmero de tarsmeros nos 3 pares de pernas.

4 Os insetos hommeros podem ser

monmeros, dmeros, trmeros, tetrmeros e

pentmeros.

4

TarsosOs hommeros ainda podem ser:

criptotetrmeros quando aparentam ter apenas 3 tarsmeros, mas na realidadepossuem 4, pois o 3 articulo fica entre o 2 e o 4.

criptopentmeros quando aparentam ter apenas 4 tarsmeros, mas na realidade possuem 5, pois o 4 articulo fica entre o 3 e o 5.

TarsosHetermeros. Diferente nmero de tarsmeros em pelo menos um par de pernas, como nas frmulas tarsais: 3-5-5, 4-5-5, 5-4-4, 5-5-4.

45 5

Ps-tarso Parte distal da perna, tambm chamado de pr-tarso. As garras tarsais so estruturas presentes na extremidade apical de todas as pernas. Entre as garras pode haver (pontiaguda). expanses: arlio (membranosa), empdio

TarsosHommeros Monmeros Dmeros Trmeros Tetrmeros Pentmeros

CriptotetrmerosCriptopentmeros Hetermeros 3-5-5 4-5-5 5-4-4 5-5-4

TIPOS DE PERNASAmbulatrias. Sem modificao especial em nenhuma de suas partes; o tipo fundamental, prprio de quase todos os insetos, e so adaptadas para andar ou

correr. o tipo de pernas das baratas, moscas, muitos besouros, borboletas,mariposas, formigas etc.

Saltadoras

ou

saltatrias.

Pernas

posteriores

dos

gafanhotos,

grilos,

esperanas, pulgas e alguns besouros. Fmur e tbia bastante desenvolvidos e alongados, funcionando como uma alavanca que impulsiona o inseto para frente.

Nadadoras ou natatrias: Pernas de insetos de hbito aqutico, com

adaptaes mais acentuadas nos tarsos posteriores, que assumem a forma de remo. Fmur, tbia e tarso achatados e geralmente com as margens providas de

plos que auxiliam a locomoo na gua. o tipo de pernas das baratas-dgua e besouros aquticos.

Preensoras: Fmur desenvolvido com um

sulco, onde se aloja a tbia recurvada.Servem para apreender outros animais, inclusive outros insetos, entre o fmur e a tbia. o primeiro par de pernas das baratas-dgua.

Raptadoras ou raptatrias: Fmur e tbia possuem perfeita adaptao, alm denumerosos espinhos e dentes que auxiliam na apreenso das presas, geralmente outros insetos. So as pernas anteriores dos louva-a-deus.

Fossoriais ou escavadoras: Tarso modificado em digitus (naspaquinhas) ou tbia em forma de lmina larga e denteada (nos escaravelhos) para escavar o solo.

Coletoras: Servem para recolher e transportar gros de plen. Primeiro segmento do tarso bastante desenvolvido, provido de pelos, a superfcie externa da tbia lisa e com longos pelos nas laterais, formando uma espcie de cesto para pernas das abelhas. o transporte do plen. o terceiro par de

Escansoriais: Tbia, tarso e garra tarsal com formao tpica para agarraro plo (ou cabelo) do hospedeiro, para a sua fixao. So os trs pares de pernas dos piolhos hematfagos.

Adesivas: Alguns tarsmeros das pernas anteriores so dilatados e pilosos, formando uma ventosa. So as pernas anteriores dos machos de algumas espcies de besouros aquticos, que auxiliam sua fixao durante a cpula.

ASASAs asas so denominadas anterior e posterior, e so

desenvolvidas apenas nos adultos. No entanto, nem todos os insetos tm asas (so pteros). Existem tipos de asas diferentes, que so importantes na hora de

determinartgminas,

a

ordemlitros,

do

inseto:

hemilitros,

membranosas (lisas e escamosas),

franjadas etc.

Estrutura de uma asa Nervuras Longitudinais Costal (C): Marginal sem ramificaes;

Subcostal (Sc): Logo abaixo da C, pode ramificar-se (Sc1 e Sc2); Radial (R): Bifurca-se em um ramo indiviso R1 e num segundo ramo (setor radial Rs) que se divide, e cada bifurcao divide-se novamente,

originando-se 4 ramos terminais: R2, R3, R4 e R5; Medianas (M): Situadas abaixo das radiais, iniciando-se no meio da asa, denominadas M1, M2, M3 e M4. Cubital (Cu): Birfuca-se em Cu1 e Cu2. Anais (A): No ramificadas, percorrem a parte inferior da asa (regio anal)

Nervuras Transversais

radial (r); radial mediana (r-m); mdio-cubital (m-cu); cubital-anal (cu-a); umeral (h) ; setorial (s).

ClulasSo as reas das asas delimitadas pelas nervuras, ou por estas e as margens das asas. So denominadas clulas fechadas quando completamente circundadas pelas nervuras e clulas abertas quando se estendem at a margem da asa.

Regies da asa rea articular: regio da asa que se articula com o trax e abrange a pterlia. Ala: Constitui a asa propriamente dita, tambm chamada remgio. Compreende a poro distal da asa que contm a maioria das nervuras e toma parte ativa durante o voo do inseto. Anal ou vanal: Regio triangular separada da ala pela dobra anal ou vanal. Jugal: Regio pequena, nem sempre presente, separada da regio anal pela dobra jugal. s vezes, na margem interna da asa, prximo a sua base, pode ocorrer um lobo, denominado lula.

Margens Semelhante a uma figura triangular a asa apresenta basicamente trs margens. Margem costal ou anterior: limita o bordo anterior da asa, da articulao com o trax at o seu pice. Margem lateral ou externa: limita lateralmente a asa, do pice ao ngulo anal; Margem anal ou interna: limita a asa internamente, do ngulo anal sua base.

ngulos

So trs os ngulos da asa: Umeral ou axilar formado pela margem costal e anal; Apical entre a margem costal e lateral; Anal na interseo da margem lateral com a anal.

Estruturas de acoplamento: unem as asas de um mesmo lado entre si, dando maior eficincia ao voo.Jugo: Projeo do lobo jugal da asa anterior, que se encaixa na margem costal da asa posterior, permanecendo esta presa entre o jugo e a margem anal da asa anterior. Ex.: algumas espcie de mariposas.

Frnulo: Cerda ou vrias cerdas inseridas no ngulo umeral da asa posterior, que se prende asa anterior por um tufo de cerdas, chamado de retinculo. Nos machos, o frnulo constitudo por uma nica cerda, e nas fmeas por 2 ou 3 cerdas. Ex.: muitas espcies de mariposas.

Hmulos: Diminutos ganchos da parte mediana da margem costal da asa posterior, que se prendem na margem anal da asa anterior. Ex.:abelhas e mamangavas.

Abelha: > 800x

Amplexiforme: Nas borboletas, o acoplamento das asas no feito por estruturas, mas pela expanso da regio do ngulo umeral da asa posterior sobre a qual se apia a regio anal da asa anterior.

Estruturas de acoplamento

Frnulo Jugo

Hmulos

Amplexiforme

TIPOS DE ASASASAS MEMBRANOSAS: Asa fina e flexvel com as nervuras bem distintas. A maioria dos insetos apresenta o par posterior das asas desse tipo.

Asas membranosas lisas

Asas membranosas escamosas

LITRO: Asa anterior dura, que recobre a asa posterior do tipo membranosa. Ex.: besouros e tesourinhas.

Braqui litro

HEMILITRO: Asa anterior de percevejos, com a parte basal dura (crio) e apical flexvel (membrana) onde esto as nervuras

TGMINAS: Asa anterior de aspecto pergaminhoso ou coriceo enormalmente estreita e alongada. Ex. barata, louva-a-deus, gafanhotos, grilos etc.

HALTERES OU BALANCINS: Asas metatorcicas atrofiadas quepossuem funo de equilbrio.

PSEUDO-HALTERES:

Asas

anteriores

atrofiadas.

Provavelmente,

originaram-se de litros. Ex. machos da ordem Strepsiptera.

FRANJADA: Asas com longos plos nas laterais. Ex.: tripes,microlepidpteros e microimenpteros.

ABDOMENGeralmente alongado e cilndrico, caracterizado pela segmentao tpica e ausncia geral de apndice locomotores. Constitudo de 11 segmentos, sendo os terminais modificados para cpula ou postura de ovos. Apesar da sua aparncia simplificada, o abdome uma regio altamente especializada, que contm as principais vsceras; tambm

essa a regio onde ocorrem os movimentos respiratrio.

APNDICES ABDOMINAISAlguns insetos apresentam em alguns estgios de seu desenvolvimento apndices abdominais.

Alguns apndices s ocorrem nos insetos mais primitivos, por exemplo, as traas-dos-livros tm estilos abdominais (auxiliam a locomoo e suporte ao abdome), vesculas protrteis e o filamento mediano, alm de 2 cercos. O filamento mediano e os cercos so denominados filamentos caudais.