Click here to load reader

Anemia Faciforme- Tratamento

  • View
    51

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Anemia Faciforme- Tratamento

Cuidar de si mesmo Buscar as necessidades do corpo e da mente Melhorar o estilo de vida, evitar hbitos nocivos Desenvolver uma alimentao sadia Conhecer e controlar os fatores de risco gerados pela doena atravs de medidas profilticas e preventivas Melhorar a sua qualidade de vida e aumentar sua expectativa de vida

O tratamento deve ser feito em ambiente familiar, internao apenas em casos de dor intensa Hidratao parenteral se a dor for moderada a severa: 3 a 5 litros por dia em adultos e 1,5 vezes as necessidades dirias em crianas Reavaliao peridica Em alguns casos podem ser necessrios uso de narcticos Se analgesia no controlar dor, iniciar antiantiinflamatrio

Retirar a causa desencadeante Tratar prontamente a dor Estimular a ingesto oral de lquidos Repouso relativo Evitar mudanas bruscas de temperatura Aquecimento das articulaes acometidas

EREO DOLOROSA E PERMANENTE DO PNIS

Tratamento domiciliar: Analgsico oral, hidratao oral, esvaziar a bexiga, banhos mornos. Se o quadro no regride em duas horas, procurar assistncia mdica Tratamento hospitalar Hidratao abudante, analgesia, banhos mornos. No abudante, resolveu em 12h transfuso simples ou exsanguneo transfuso parcial.

Aps 12 horas de exsanguneo utilizao de agonistas E-adrenergicos (etilefrina, injees etilefrina, intracavernosas). intracavernosas). cirurgia (drenagem e fistulizao Aps 12 horas do corpo cavernoso). cavernoso).

Repouso Higiene local Debridamento Hidratante nas bordas Antibitico tpico (neomicina, polimixina, bacitracina) polimixina, Antibitico sistmico (celulite, linfadenite) linfadenite) Uso de meias e sapatos para proteao

Antiinflamatrio Calor local Analgsico Hidratao

PROSTRAO, DOR ABDOMINAL, DESIDRATAO, PALIDEZ INTENSA E AUMENTO DO BAO

IMPORTANTE ENSINAR A ME A MEDIR O BAO DA CRIANA

Palpao do bao

Tratamento Hospitalar / Internao Em caso de choque soro fisiolgico IV livre enquanto se guarda a transfuso de concentrado de hemcias (10 mL/kg em 2 horas) Oxignio se necessrio

Esplenectomia: crises graves, maiores de 5 anos.

IDADE/FAIXA ETRIA IMUNOBIOLGICO Nascimento BCG intradrmico Hepatite B 1 ms Hepatite B 2 meses Trplice Antiplio oral Anti-hemfilo tipo B Anti Prevenar (antipneumoccica para menores de 2 anos)

4 meses Trplice Antiplio oral Anti-hemfilo tipo B Anti6 meses Trplice Antiplio oral Anti-hemfilo tipo B Anti Hepatite B 6 meses Gripe reforo anual Aps 12 meses Varicela dose nica - no Varicela disponibilizada na rede

15 meses Reforo trplice Antiplio oral MMR Reforo anti-hemfilo tipo B anti2 anos Antipneumoccica 23 reforar 3 anos aps 4 a 6 anos Reforo Trplice e antiplio oral 5 anos Reforo antipneumoccica 23 critrio da equipe 23 6 anos Dupla tipo adulto a cada 10 anos

Estudos iniciais demonstraram um ndice de cura em torno de 20% para pacientes com menos de 16 anos, e uma taxa aceitvel de mortalidade e morbidade ps-transplante ps-

FEBRE, PROSTRAO, DIFICULDADE RESPIRATRIA E TOSSE, DOR TORCICA

Tratamento em ambiente hospitalar de internao:

Antibioticoterapia, soroterapia de manuteno, oxignio se necessrio Suporte hemoterpico

A terapia transfusional no deve ser utilizada de forma profiltica. As indicaes de transfuso podem ser divididas em dois grupos: geral e especificas da gestao

Tratamento das complicaes anmicas severas Crise aplstica Crise hiperhemoltica Crise de seqestro esplnicoEspecficas da gestao: Pr-eclmpsia grave Gestao mltipla (indicao para a qual no h consenso) Histria prvia de mortalidade perinatal.

Na gestao os cuidados devem ser redobrados pois neste perodo as complicaes da doena se tornam mais freqentes e mais violentas. Antibioticoterapia : penicilina ,cefalosporinas e macroldeos Transfuses quando necessrias Hidratao Imunizaes :Ttano,Difteria,Rubola,Hepatite B, pneumoccica, menigoccica. menigoccica.

FEBRE E PROSTRAO

Tratamento hospitalar obrigatrio em qualquer das seguintes condies: Casos graves, foco no localizado, pneumonia, crianas de trs anos de idade Antibioticoterapia

Oferecer ao paciente um espao para que ele consiga falar Dos sentimentos surgidos com a doena . O medo A repulsa Da infncia perdida em hospitais importante que a famlia do falcmico esteja envolvida no tratamento.

Ns!Carla Grazielle Patrcia ic elle Leonardo

Eliane

Simone

Ariane

Libna

Alessandro

Amanda