Anne mather -_prisioneira_da_desonra

  • View
    235

  • Download
    2

Embed Size (px)

Transcript

  1. 1. Beth era uma garota quieta e simples e educada quando saiu da Inglaterra e foi para as ilhas do Caribe acompanhando Willard, seu noivo, um riqussimo fazendeiro. Mas bastou um olhar de Raul, jovem e orgulhoso empregado da fazenda, para que Beth sentisse pela primeira vez em sua vida a estonteante atrao que uma mulher sente por um homem forte e viril. E, quando Raul a convidou para tomar banho de mar luz da lua, Beth sabia que esse encontro lhe traria prazeres proibidos e traoeiros... Mas, para uma mulher apaixonada, o amor mais forte do que tudo! Prisioneira da desonra Rooted in dishounour Anne Mather CAPITULO I Uma suave rampa estendia-se desde a varanda da casa, at a praia. Tufos de capim demar cavam a linha divisria com a branca areia que formava um belo contraste com a luxuriante vegetao, de um verde bri lhante, que em certos trechos avanava at o mar. Palmeiras abriam suas folhagens generosas formando um verdadeiro osis quando o sol a pino tornava a temperatura insuportvel, en quanto os carvalhos do pntano projetavam sua prpria sombra sobre a laguna. Na enseada, o mar era mais calmo, refreado pelos recifes escarpados, visveis ao longe, onde as guas batiam com tal violncia que seu fragor era ouvido na casa. Era de manh e o ar ainda estava fresco, pois na vspera tinha chovido ao anoitecer. Mas j o calor do dia comeava a manifestar-se atravs de espirais de bruma que se levantavam ao redor das rvores. Logo o sol teria se erguido completamentepor trs das montanhas que formavam uma cordilheira no interior da ilha, banindo com seus raios abrasadores as tartarugas e os caranguejos para esconderijos mais midos e frescos. A mulher veio descendo a ladeira da casa, impaciente por no ter encontrado seu morador, e esquadrilhou a laguna para ver se via algum. Logo divisou aquela cabea morena, que tanto procurara, a poucos metros da praia. Ficou espiando o corpo do homem surgindo das ondas e encaminhando-se para a areia. Ele estava a certa distncia, mas suficientemente perto para que ela pudesse ver que estava completamentenu, com a gua do mar escorrendo pelo corpo bronzeado e musculoso. Um corpo que demonstrava no ser de um homem que passava seus dias indolentementeem seu paraso particular,
  2. 2. mas que trabalhava duramente, tanto quanto os outros, para tornar as plantaes rentveis. Era alto, moreno e com cabelos castanhos queimados de sol. Ela desviou rapidamente o olhar e deu meia-volta quando percebeu que ele a tinha visto. O homem apressou o passo em sua direo, enrolando displicentementeuma toalha volta da cintura. Contornou sua frgil figura para fit-la com aqueles olhos verdes e trocistas que caoavam de seu embarao. No devia vir procurar-mesem ser anunciada, irm Bar bara observou impiedosamente. E no venha me dizer que nunca me viu nadando nu por a, pois no vou acreditar. Antes de mais nada, no sou sua irm! declarou, com aspereza. Pedi que viesse at a casa grande ontem tarde, e voc no apareceu, nem deu satisfao. Ele levantou os ombros com indiferena. Comeou a subir a rampa em direo a casa e ela foi obrigada a segui-lo. Ontem tive um compromisso disse ele, finalmente. Ao ouvir isso, ela contraiu os lbios. No mnimo, andou visitando aquela mulher... Louise acusou, e ele ergueu as negras sobrancelhas. Por acaso, esteve me seguindo? perguntou, docemente, e as faces plidas dela pegaram fogo. Claro que no negou Barbara, mas a expresso dele era de quem no estava acreditando. Alcanaram a casa, uma espcie de bangal, com a varanda suspensa por pilares e sombreada por um telhado de madeira. As acomodaes eram boas e funcionais: uma sala de estar com algumas cadeiras de brao e estantes para livros, a copa-cozinha, surpreendentemente bem equipada com os mais mo dernos eletrodomsticos, e o dormitrio com uma cama turca e um guarda-roupa. Havia tambm um escritrio, mas como Barbara pouco visitara o lugar, nunca o usara. Largos degraus levavam at a varanda, onde duas poltronas de cana-da-ndia e uma pequena mesa com tampo de vidro formavam uma segunda sala de estar. Nesse momento, via-se sobre a mesa uma jarra com suco de laranja gelado, uma fatia de melo, alguns pezinhos, manteiga e um bule cheio de caf que exalava um delicioso aroma. Providncias de Tomas, sups Barbara, mentalizando o criado negro que vivia numa cabana, por trs do bangal. Dedicara a vida ao patro desde que ele o salvara de uma quadrilha de jovens bbados e desordeiros na Martinica, h oito anos, e desde ento morava na ilha, cuidando de seu
  3. 3. salvador. Barbara tinha considerado aquela histria um tanto piegas e de mau gosto e a presena de Tomas a irritava imensamente. Raul... comeou a dizer dando uma parada na varanda, mas o homem sua frente fez um gesto de recusa. Pelo menos, deixe que eu me vista antes. Pouco depois Raul apareceu de volta, tendo como nico traje um par de calas jeans. Era uma exibio de masculinidade e ela sentiu-se impelida a olhar para o medalho de bronze que pendia sobre seu peito nu, seguro por um cordo de couro. Voc chama a isso vestir-se? Tenho certeza de que voc no veio at aqui para discutir sobre minha indumentria respondeu ele secamente, en quanto despejava suco de laranja no copo. Papai est voltando para casa! ela informou, por fim, querendo mudar de assunto. Essa uma boa nova. Quando? Hoje? perguntou Impaciente. Barbara ficou desconfiada de que ele no estava mais prestando ateno sua pessoa. E tinha razo. Ele tinha destrudo aquelas emoes a que se referira e ela sofria a intensa agonia do cime, sabendo que Raul preferia passar suas noites com Louise Pecares, do que em sua companhia. No que ele suspeitasse de seus sen timentos... Nunca suspeitara. A no ser que... Seus pensamentos recolheram-senovamente aos meandros de seu crebro. Um dia, talvez, quando ela fosse dona absoluta da ilha... Mas isso levaria tempo para acontecer. Seu pai era ainda um homem jovem. Apesar do ataque de corao que sofrera e que o obrigara a passar uma longa temporada na Inglaterra, estava ainda bem longe da morte. Tanto assim que planejava casar-se novamente... Suas mos tremeram quando ela lembrou-se dos termos do telegrama que recebera na tarde anterior, em que seu pai con tava -lhe que durante o tempo que estivera internado num hos pital de Londres, conhecera uma enfermeira mais jovem do que a prpria filha, com a qual envolvera-se sentimentalmente. Era incrvel, inaceitvel. Tinha ficado vivo por quase vinte anos e agora estava pensando em casar-se com uma jovem trinta anos mais nova que ele. Percebeu que Raul estava observando-a e anunciou, sem mais rodeios: Papai est pensando em casar-se novamente. Com essa frase, conseguiu finalmente chamar a ateno sobre sua pessoa. Os olhos verdes, curiosos, voltaram-se para ela. Casar-se? . Ele fez eco. E com quem? Uma moa disse Barbara com menos idade do que eu. A enfermeira que cuidou dele!
  4. 4. Deus do cu! exclamou meio assustado, meio admirado. Isso tudo o que tem a dizer? retrucou Barbara, com raiva. Ele deve estar ficando louco, e voc sabe disso. Qual a moa de vinte e quatro anos que se casaria com ele a no ser pelo dinheiro? Raul pegou no bule e despejou um pouco de caf na xcara. Voc acha que seu pai no tem nada mais a oferecer a uma mulher, a no ser dinheiro? E o que mais poderia ser? Uma... uma pessoa dessa espcie! Por acaso, voc a conhece? Lgico que no. Como poderia? Ele sacudiu os ombros, enfastiado. que voc fala com tanta segurana. Como pode saber se ela no est apaixonada por seu pai? Eles se conhecem h apenas um ms! E dai? O tempo no quer dizer nada em matria de amor. Pode ter havido uma atrao mtua fulminante. No poderia esperar outra coisa de voc! Sua boca fez um trejeito de desgosto. Mas no se esquea que se papai decidir casar-se, toda a situao aqui poder mudar, princi palmente se ele tiver um filho. Ah, agora estou entendendo! Sua expresso era maldosa. Se quisermos ser realistas, isso mesmo. Barbara estava quase suplicando, quando acrescentou: Raul, o que ns vamos fazer? O que ns vamos fazer? Terminou de saborear seu caf e esticou-se na poltrona preguiosamente. favor no me envolver em seus projetos. Se o velho Willie resolver que quer que uma vampira lhe sugue o sangue, no tenho nada com isso. Voc se sente superseguro, no mesmo? E to con vencido! Voc cogitou na possibilidade de papai resolver vender a ilha caso... caso a mulher no queira morar aqui? Sabe bem que no ano passado ele teve uma oferta tentadora daquela companhia americana. No se desprezam milhes de dlares assim to facilmente. A boca de Raul contraiu-se mediante aquela hiptese. Era evi dente que ele nunca levara em considerao essa eventualidade, e Barbara sentiu-se satisfeita de ter encontrado seu ponto fraco. Por que seu pai iria vender agora, se ele sempre condenou esses consrcios que vivem comprando ilhas para transform-lasno paraso dos turistas? J lhe disse, essa mulher deve ter uma maneira de pensar e de viver tipicamente inglesa. O que lhe importaria esta ilha? E se estiver casando com papai pelo dinheiro, onde iria gast-lo neste lugar onde o Judas perdeu as botas?
  5. 5. Barbara aproximou-se um pouco mais, de forma que seu brao nu roou-lhe os plos do peito. Ele no reagiu quele contato e perguntou formalmente: Quando eles chegam? No comeo da semana que vem. Embarcam em Londres na segunda-feira e fazem um vo direto para Santa Lcia. Planejam passar a noite l, para chegarem aqui na tera-feira pela manh. Tera de manh ele repetiu. E como est seu pai? Disse-lhe se estava melhor? Barbara despejou a notcia com impacincia. Ele disse que nunca se sentiu melhor em toda a sua vida. Pode acreditar nisso? Um homem daquela idade! E depois de somente quatro semanas do ataque que sofreu? Raul virou-se de frente para a janela e apoiou os cotovelos no parapeito. O amor faz milagres, como dizem por a disse ironicamente. Barbara sentiu-se frustrada. Ento? O que voc acha disso tudo? Raul levantou os ombros, resignado. Deixe isso comigo. Vou pe