Click here to load reader

Apêndice 1 Descrição de Serviços para Edifícios Inteligentesdomobus.net/ei_docs/serv.pdf · Segue-se uma lista de serviços para edifícios inteligentes (entre parênteses é

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Apêndice 1 Descrição de Serviços para Edifícios Inteligentesdomobus.net/ei_docs/serv.pdf ·...

Apndice 1

Descrio de Servios paraEdifcios Inteligentes

Descrio de Servios para Edifcios Inteligentes ..........................A1.1

Lista de Servios......................................................................................................A1.1

Descrio Sumria dos Servios ............................................................................A1.2

Exemplos de Interaces entre Servios..............................................................A1.14

Figura A1.1 - Interaces entre servios.................................................................................A1.15

A1.i

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

Descrio de Servios para Edifcios Inteligentes

Este apndice constitui um complemento do captulo 4, apresentando-se aqui umadescrio mais detalhada dos servios propostos para um edifcio inteligente. Por umaquesto de unidade e individualizao do apndice, optou-se por o dividir em trs partes.Na primeira parte repetida a lista de servios proposta no captulo 4. Na segunda parteso descritas as principais funes desses servios e, na terceira parte, so apresentadosexemplos (muito sucintos) de interaces entre servios.

Lista de Servios

Segue-se uma lista de servios para edifcios inteligentes (entre parnteses indicadauma designao abreviada para cada servio):

Apoio Portaria (Portaria)

Aquecimento, Ventilao e Ar Condicionado (AVAC)

Comunicaes e Distribuio de Audio e Video (Comunica. Audio-Video)

Controlo de Acessos (Acessos)

Controlo de Estacionamento de Veculos (Estacionam.)

Controlo de Irrigao (Irrigao)

Deteco de Situaes de Emergncia (Emergncia)

Diagnstico de Falhas e Manuteno de Sistema (Diagnstico e Manuteno)

Elevadores (Elevadores)

Gesto de Cablagem (Cablagem)

Gesto de Presenas (Gesto de Presenas)

Gesto e Administrao de Sistema (Gesto e Administrao)

Gesto Energtica (Gesto Energtica)

Iluminao (Iluminao)

Informao (Informao)

Inventariao e Gesto Patrimonial (Gesto Patrimonial)

Localizao de Pessoas e Equipamentos (Localizao)

Manuteno do Edifcio (Manuteno)

Vigilncia e Deteco de Intruso (Vigilncia)

A1.1

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

Descrio Sumria dos Servios

Apresenta-se em seguida uma descrio sucinta das principais funes ecaractersticas dos servios indicados atrs. Relembra-se que existem diversas capacidadesque so comuns a todos eles e que j foram descritas na sub-seco 4.2.2.

Servio de Apoio Portaria (Portaria)

Este servio tem por objectivo tornar mais eficaz e facilitar as tarefas a cargo daspessoas responsveis pela(s) portaria(s) de um edifcio.

As principais funes oferecidas so:

- facilitar a identificao de pessoas a partir de informao pessoal (nome,ttulo), a partir do cargo desempenhado na organizao (director de departa-mento, responsvel pela contabilidade, relaes pblicas) ou a partir do motivoda visita (entrega de um bem, reparao de um equipamento);

- fornecer informao sobre como contactar determinada pessoa (por exemplo,qual a sua extenso telefnica) para confirmar se ela deseja receber uma certavisita;

- registo de mensagens de visitas para visitados e vice-versa;

- controlo e registo de entradas e sadas de pessoas e equipamentos;

- indicao de percursos a seguir para atingir determinado ponto do edifcio(encaminhamento de pessoas);

- emisso de um meio de identificao e solicitao de autorizao (recorrendoao Servio de Controlo de Acessos) para o visitante se deslocar at ao visitadoou at ao ponto de destino (por exemplo, uma sala de reunies);

- fornecer informao sobre a organizao (ou organizaes) existentes noedifcio e quais as actividades a que se dedicam;

- tratamento de situaes de acesso peridico ao edifcio por parte de pessoal delimpeza, pessoal de manuteno, etc, e gesto de chaveiros;

- contemplar situaes de emergncia, impedindo o acesso de mais pessoas aoedifcio e facilitando a sada das pessoas que esto no seu interior.

Servio de Aquecimento, Ventilao e Ar Condicionado (AVAC)

Este servio tem como principal misso assegurar o conforto dos ocupantes do edifcio,usando da forma mais racional possvel a energia dispendida. De notar que o confortodos utentes depende no apenas de uma temperatura e nveis de humidade adequados,mas tambm de fluxos de ventilao correctos.

A1.2

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

Indicam-se de seguida as principais funes realizadas por este servio:

- definio das condies de climatizao das vrias zonas controladas1

(incluindo os limites dentro dos quais os utilizadores podem modificar osvalores definidos);

- ajuste das condies de climatizao para satisfazer preferncias pessoais;

- modificao automtica das condies de climatizao (de acordo com valorespr-definidos) de modo a ter em conta as vrias estaes do ano (haver toda aconvenincia em que isso tambm possa ser feito numa base diria, reflectindoas condies climatricas exteriores; esta capacidade revela-se particularmentetil nas transies entre estaes);

- realizao de aces em antecipao a necessidades que iro ocorrer numfuturo prximo (por exemplo, iniciar a climatizao do edifcio algum tempoantes de a generalidade das pessoas chegarem; aumentar os nveis de ventilaoe descer ligeiramente a temperatura de um auditrio, antes de se iniciar a suautilizao);

- realizao de aces conducentes a uma climatizao mais eficaz e econmica(referem-se, por exemplo, a execuo de purgas de ar nocturnas, produo degelo nas horas em que a energia mais barata, pr-arrefecimento do edifcioaproveitando as horas do fim da noite e princpio do dia);

- definio de programas horrios para a realizao de determinadas acesperidicas;

- contemplar situaes em que dada a liberdade aos utilizadores de abriremjanelas e usarem formas de ventilao naturais;

- permitir efectuar cortes de servio temporrios (desligar, por perodos de curtadurao, os sistemas de produo de frio e/ou de calor), com vista a dar suportea funes de controlo de ponta (ver Servio de Gesto Energtica);

- realizao de aces preventivas e activas em caso de emergncia (porexemplo, em caso de incndio, parar a ventilao das reas sinistradas,desencadear desenfumagem, pressurizar os caminhos de evacuao).

Servio de Comunicaes e Distribuio de Audio e Video(Comunica. Audio-Video)

Este servio tem como objectivo controlar e gerir recursos de comunicao e dedistribuio de sinais de audio e de video no interior do edifcio.

De entre as suas funes destacam-se:

1 As zonas controladas podero ser de vrios tipos de que se destacam: reas de trabalho, reascomuns, zonas de armazenamento, zonas de estacionamento de veculos e reas com requisitos particulares(por exemplo, salas de computadores).

A1.3

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

- divulgao de informao e troca de mensagens (tipo correio electrnico mascom capacidades multimdia);

- divulgao de mensagens sonoras (particularmente til em reas de lazer, barese cantinas);

- controlo da distribuio de msica ambiente e de canais com informao audioe video especfica (com origem no prprio edifcio ou externa);

- controlo de fontes de audio e video, e de equipamento de recepo de rdiofrequncia (por exemplo, receptores de frequncia modulada, receptores desatlite e respectivas antenas, etc);

- controlo de sistemas de tele-chamada (paging) privados;

- acesso a servios telefnicos e facilidades oferecidas pelos PPCAs de que sesalientam: correio de voz (voice mail), marcao automtica, marcaoabreviada, redireccionamento (follow me), definio de barramentos, tarifaodetalhada, estatsticas de utilizao, etc;

- desencadear aces em caso de situaes de emergncia (por exemplo, corteautomtico de todo o tipo de transmisses em curso e emisso de mensagensidentificando a existncia de um sinistro e fornecendo informaes sobre comoproceder).

Servio de Controlo de Acessos (Acessos)

Este servio tem como objectivo controlar o acesso de pessoas a determinadas zonas doedifcio.

Indicam-se em seguida as suas principais funes:

- definio de zonas e atribuio de nveis de acesso;

- definio de autorizaes de acesso, as quais podem incluir a especificao dadurao da autorizao (data de incio e data de fim), os perodos horrios emque tem efeito, a possibilidade de acesso nos dias no teis (sbados, domingose feriados), etc;

- definio e modificaes de cdigos de identificao pessoais (usados paraaceder directamente a zonas ou para validar se a pessoa em questo realmentea dona do meio de identificao usado);

- localizao de pessoas (atravs da identificao da zona em que a pessoa seencontra);

- registo dos acessos s vrias zonas, possibilitando a identificao das pessoasque esto, em determinado instante, num dado local, a elaborao deestatsticas de permanncia, determinao das horas de maior utilizao,frequncias de acesso, etc.

- registo do primeiro e ltimo acesso realizado, num mesmo dia, por cada pessoa(esta informao til para a monitorizao dos tempos de permanncia noedifcio e pode ser usada pelo Servio de Gesto de Presenas);

A1.4

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

- controlo de visitas (emisso de autorizaes temporrias para acesso ao localde trabalho do visitado ou, se isso no for permitido, a reas pr-definidas,controlo do tempo de permanncia no edifcio, registo dos locais de passagem,etc);2

- suporte de facilidades de segurana de que se referem: deteco de acessocoagido3, dupla entrada4, tentativas de acesso a zonas para as quaisdeterminada pessoa no dispe de privilgios adequados, etc;

- dar suporte a situaes de elevada segurana que recorram, por exemplo, a duasportas com antecmara, que faam intervir operadores humanos para validaracessos, que recorram a sistemas de monitorizao audio e video, etc;5

- desencadear aces adequadas em situaes de emergncia e de intruso.

Servio de Controlo de Estacionamento de Veculos (Estacionam.)

Este servio tem como misso gerir e controlar espaos reservados ao estacionamentode veculos.

As suas principais funes so as seguintes:

- definio das caractersticas dos diversos espaos disponveis paraestacionamento (topologia, nmero de lugares, pontos de acesso, pontos desada, diviso em zonas);

- contemplar diversas filosofias de gesto do espao de estacionamento, as quaispodem coexistir (lugares ocupados pelos veculos que chegarem primeiro,lugares reservados, reas destinadas a aluguer, etc);

- definio de autorizaes de acesso, as quais podem incluir a especificao dadurao da autorizao (data de incio e data de fim), os perodos horriosvlidos, a possibilidade de utilizao fora dos dias teis, etc;

2 Refere-se tambm a capacidade de tratamento de casos particulares como sejam visitas frequentes(pessoas que necessitam aceder ao edifcio com frequncia, seja por razes de trabalho ou outras), visitasVIP, pessoal externo pertencente a empresas de limpeza, manuteno, etc.

3 As situaes de acesso coagido podem ser identificadas facilmente recorrendo ao estratagema que seindica a seguir. A pessoa coagida, ao introduzir o seu cdigo de identificao pessoal, precede-o por umdgito pr-definido. Deste modo o sistema informado da situao em causa. Como consequncia, o sistemaconcede o acesso (para evitar represlias sobre a pessoa coagida) mas informa imediatamente os seguranasdo edifcio do que se est a passar.

4 O tipo de situao mencionado corresponde deteco de um duplo acesso a uma determinada zona(por parte de uma mesma pessoa) sem que tenha ocorrido uma sada entretanto. Procura-se deste modoimpedir que algum, aps ter acedido a uma determinada zona, fornea o seu meio de identificao a outrapessoa para que ela possa entrar.

5 Chama-se aqui a ateno para a referncia [gonc94] (tese de mestrado), em que foi desenvolvido umsistema de controlo de acessos incorporando comunicao video.

A1.5

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

- gesto da ocupao dos parques, de que se salienta: filosofia de preenchimentodos espaos livres, encaminhamento de veculos, controlo dos perodos depermanncia, emisso de tales de pagamento (para as zonas de aluguer), etc;

- registo da utilizao dos parques, possibilitando identificar que veculos seencontram, em determinado instante, numa dada zona, a elaborao deestatsticas de utilizao, etc.

Servio de Controlo de Irrigao (Irrigao)

Este servio tem por objectivo o controlo da irrigao de espaos verdes interiores ouexteriores ao edifcio. Est tambm sob o seu controlo o funcionamento de espelhos degua, fontes e repuxos.

Referem-se em seguida algumas das suas funes:

- definio de zonas e suas caractersticas (zonas interiores e exteriores, zonascom diferentes frequncias de rega, zonas com diferentes tipos de plantas, etc);

- definio de programas horrios contemplando questes tais como as estaesdo ano, os perodos diurnos e nocturnos, as diversas zonas, dias especiais(exposies, visitas importantes, fins de semana);

- coordenao de aces tendo em conta as condies atmosfricas (para evitarregar, por exemplo, aps ter ocorrido forte pluviosidade nas horas anteriores);

- monitorizao de consumos e realizao de estatsticas.

Deteco de Situaes de Emergncia (Emergncia)

Este servio tem a seu cargo tarefas de deteco e combate de situaes de emergnciatais como incndio, fugas de gases txicos e inundaes.

De entre as suas funes destacam-se as seguintes:

- definio da topologia do edifcio, percursos de evacuao, reas protegidas(para apoio a pessoas com dificuldades de locomoo ou outras deficincias),reas particularmente sensveis (que possuem materiais inflamveis), portascorta-fogo, tipos de materiais usados nas paredes, divisrias, tectos, etc;

- deteco de incndios (procurando evitar alarmes falsos6) e desencadear deaces preventivas e activas tais como7: activao de meios de sinalizao

6 A tecnologia actual associada aos sensores de deteco de incndio (normalmente do tipo inico)presta-se a um nmero significativo de alarmes falsos. Isso dever ser minimizado recorrendo a bons sensorese agrupando estes de modo a que se possam validar uns aos outros. Sempre que possvel haver conveninciaem recorrer a sistemas de vigilncia CCTV para validar a ocorrncia de sinistros e, eventualmente, avaliar assuas propores.

A1.6

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

sonoros, visuais e tcteis, fecho de portas corta-fogo, despressurizao daszonas sinistradas, desenfumagem, pressurizao das zonas de evacuao,activao de meios de combate directos (de notar que alguns desses meiospodem necessitar de interveno humana por fazerem intervir produtostxicos);

- encaminhamento das pessoas, indicando quais os melhores percursos deevacuao (livres de perigo) e procurando distribuir adequadamente os vriosindivduos existentes nas zonas a evacuar, pelas sadas disponveis;

- previso da evoluo e propagao de sinistros, tendo em conta a suadimenso, os materiais envolvidos, o tipo de paredes e divisrias existentes,etc;8

- deteco de fugas de gases txicos (em particular dos gases butano e propano),deteco de concentraes elevadas de monxido e dixido de carbono (degrande importncia em zonas fechadas de estacionamento de veculos) eactivao de sistemas de sinalizao, vlvulas de segurana, sistemas deventilao, etc;

- deteco de fugas de gua e de inundaes, e activao de meios de sinalizaoe vlvulas de segurana.

Servio de Diagnstico de Falhas e Manuteno de Sistema(Diagnstico e Manuteno)

Este servio tem como principal misso concentrar toda a informao relevante sobrefalhas e problemas existentes ao nvel do sistema de automao e gesto do edifcio,com vista a auxiliar a identificao de problemas e facilitar aces de preveno e decorreco.

As suas principais funes so:

- monitorizao e teste do estado de funcionamento dos vrios equipamentos decontrolo e superviso, auxiliando o diagnstico de falhas e a identificao dasua origem;

- fornecer informao detalhada sobre o estado do sistema com vista a facilitar aresoluo de problemas;

- registo de ocorrncias e tratamento estatstico (frequncia das falhas, tipos maiscomuns, causas conhecidas e causas provveis, tempos de deteco, tempos dereparao, custos);

7 Algumas das aces indicadas podem fazer intervir outros servios de que se destaca, em particular,o Servio de AVAC.

8 Esta uma rea em que a utilizao de sistemas periciais sem dvida muito prometedora. Nestecontexto mencionam-se as referncias [lour92] (relatrio de Trabalho Final de Curso) e [lour92a].

A1.7

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

- controlo e superviso de aces de manuteno preventiva e correctiva doscomponentes do sistema;

- gesto de contratos de manuteno, controlo de perodos de garantia, registo dasada de equipamentos para reparao, etc.

Servio de Elevadores (Elevadores)

Este servio tem a seu cargo todas as funes de superviso de sistemas de transporte depessoas e bens no interior do edifcio. Nesses sistemas incluem-se elevadores, monta-cargas, escadas e tapetes rolantes, sistemas de transporte e distribuio de documentos,etc.

De entre as suas funes destacam-se:

- monitorizao do estado de funcionamento dos vrios sistemas;

- registo de utilizao e da ocorrncia de anomalias, e tratamento estatsticodessa informao;

- superviso dos sistemas de transporte de modo a assegurar um funcionamentomais eficaz (de entre as aces possveis salientam-se a antecipao de picos deutilizao que, no caso dos elevadores, podem corresponder s horas de entradae sada de servio da generalidade das pessoas, desactivao de partes dossistemas em situao de pouco ou nenhuma utilizao, controlo automtico dosentido e velocidade de escadas e tapetes rolantes, de acordo com o fluxo depessoas, etc);

- controlo dos sistemas em situaes de emergncia (por exemplo, em caso deincndio, assegurar que os elevadores se deslocam para pisos seguros e de fcilevacuao, mudar o sentido das escadas e dos tapetes rolantes de modo afacilitar operaes de evacuao, permitir apenas a utilizao dos elevadores apessoas autorizadas);

- superviso de facilidades sofisticadas tais como servio de txi ou servio VIP.

Servio de Gesto de Cablagem (Cablagem)

Este servio tem como principal objectivo gerir o sistema de cablagem do edifcio emanter um registo dos equipamentos de telecomunicaes, processamento deinformao ou outros, que atravs dele so interligados.

De entre as suas funes destacam-se as seguintes:

- definio dos vrios tipos de entidades manipuladas e respectivos atributos (porexemplo, tipos de cabo e suas caractersticas, tipos de equipamentos, caminhosde cabos e sua localizao exacta, tipos de redes existentes, etc);

A1.8

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

- registo dos cabos e fichas que esto ocupados, livres e reservados, queequipamentos ligam a que fichas, que redes esto definidas, que interligaesexistem ao nvel dos vrios armrios de comunicaes;

- gesto das vrias redes lgicas estabelecidas atravs do sistema de cablagem eidentificao de que equipamentos lhes esto ligados, qual a sua localizao epor quem so usados;

- planeamento e superviso de mudanas (exemplo: que aces executar paraque uma determinada pessoa mude de local de trabalho, mantendo exactamenteo mesmo nmero de telefone, o mesmo nmero de fax, o mesmo tipo de acessoa redes de comunicaes, etc);

- fornecer informao detalhada sobre todo o sistema com vista a facilitar aresoluo de problemas (de salientar, em particular, a capacidade de produode esquemticos de partes do sistema de cablagem, identificando todos oscabos, seus precursos, interligaes, fichas e equipamentos envolvidos);

- gesto de pedidos de alteraes e de resoluo de problemas, e contabilizaode tempos de trabalho, material usado e custos.

Servio de Gesto de Presenas (Gesto de Presenas)

Este servio tem como principal misso registar os tempos de presena dos funcionriosdas vrias organizaes existentes no edifcio e fornecer informao detalhada quepermita, por exemplo, efectuar o processamento de vencimentos.

As suas principais funes so as seguintes:

- definio de horrios de trabalho, contemplando diversas possibilidades de quese destacam horrios fixos, horrios flexveis, horrios por turnos, trabalho emtempo parcial, etc;

- definio dos tipos de horrios afectos a cada trabalhador;

- registo das horas de entrada e sada de servio, e contabilizao dos respectivostempos de presena e saldos horrios, assegurando que a legislao apropriada cumprida;

- aceitao de justificaes de faltas ou ausncias e marcao de frias;

- processamento estatstico de informao e controlo de assiduidade;

- fornecimento de informao sobre tempos de trabalho e saldos horrios, egerao de informao que possa ser usada por sistemas de contabilidade eprocessamento de vencimentos.

Servio de Gesto e Administrao de Sistema (Gesto e Administrao)

Este servio visa oferecer um conjunto de funcionalidades que facilitem a gesto eadministrao do sistema global de automao do edifcio.

A1.9

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

De entre as suas funes salientam-se as seguintes:

- auxlio configurao do sistema global e instalao de servios;

- superviso do sistema global, tendo em conta aspectos tais como: que serviosexistem, que equipamentos lhes do suporte, que facilidades de comunicaoso usadas;

- monitorizao do estado de funcionamento do sistema global e de cada servioem particular e tratamento estatstico dessa informao (isto ser de grandeutilidade para realizar ajustes ou modificaes configurao do sistema);

- permitir a reconfigurao do sistema de modo a assegurar uma utilizao maiseficaz dos vrios recursos disponveis;

- configurao e gesto de interaces entre diferentes sistemas associados aedifcios distintos.

Servio de Gesto Energtica (Gesto Energtica)

Este servio tem por objectivo monitorizar e gerir, da forma mais eficaz possvel, oconsumo de energia e de outros recursos. Em particular, esto a seu cargo todos osaspectos relacionados com o fornecimento e consumo de energia elctrica no edifcio.

Indicam-se em seguida as suas principais funes:

- definio do tipo de recursos cujo consumo se pretende contabilizar eidentificao de grupos de equipamentos a monitorizar, respectivascaractersticas, suas localizaes, custos associados e a quem devem serimputados;

- monitorizao e registo de consumos de electricidade, gua (quente e fria), gs,etc;

- processamento estatstico dos consumos e gerao de tarifao detalhada (tilno caso de edifcios partilhados por diversas organizaes ou no caso de sepretender individualizar gastos por departamento);

- controlo de painis solares (usados, por exemplo, para pr-aquecimento deguas) e outras formas de energia alternativa;

- definio de que dispositivos podem ser submetidos a deslastre, quais as regrasa seguir e prioridades a usar, e realizao de controlo de ponta9;

9 O controlo de ponta visa assegurar que os escales de consumo contratados com as empresasfornecedoras no so ultrapassados. Este aspecto de grande importncia pois permite evitar penalizaes eaumentos de custo de explorao significativos. esta a razo que leva a que os investimentos realizadosnesta rea sejam os que mais rapidamente so amortizados.

De salientar tambm que este servio pode necessitar recorrer a outros servios (em particular o deAVAC e de Iluminao) solicitando que eles efectuem redues de consumo e sem intervir directamentesobre os equipamentos que lhes esto associados.

A1.10

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

- definio de programas horrios para controlo da utilizao de determinadosequipamentos (com vista a aproveitar tarifas mais econmicas) esequenciamento de cargas (para, por exemplo, aps a ocorrncia de um corte deenergia, evitar que os vrios equipamentos arranquem todos ao mesmo tempo):

- superviso do posto de transformao do edifcio, geradores de emergncia,sistemas de alimentao permanente (UPS - Uninterruptable Power Supply),sistemas de distribuio e quadros de baixa tenso;

- compensao dinmica de factores de potncia (associados a cargas indutivasfortes).

Servio de Iluminao (Iluminao)

Este servio tem como principal misso controlar e gerir a iluminao do edifcio. Deentre as suas funes referem-se as seguintes:

- definio das diversas zonas de iluminao e suas caractersticas, de que sedestacam: localizao, tipos de fontes de luz usadas, formas de controlo(comando por sectores ou regulao de intensidade), indicao se esto sobinfluncia de luz natural, tipo de utilizao (zona comum, de trabalho, dearmazenamento), etc;

- permitir a seleco dos nveis de iluminao (dentro de determinados limites)que melhor se adequam ao gosto pessoal de cada indivduo ou ao tipo de tarefaque vai desempenhar;

- definio de cenrios de utilizao e respectivos nveis de iluminao (leitura,reunio, trabalho com computador, desenho);

- definio de programas horrios;

- controlo de dispositivos de deteco de presena e de mecanismos manuais desobreposio aos programas horrios;

- controlo de persianas, dispositivos pra-sol e sistemas de espelhos motorizados,de modo a assegurar a utilizao mais eficaz da luz natural.

Servio de Informao (Informao)

Este servio conglomera em si mltiplas funes as quais se caracterizam, na suageneralidade, por permitir o acesso a informao til sobre o edifcio e sobre asorganizaes que o ocupam, e oferecer facilidades de gesto de determinados recursosassociados ao edifcio.

Referem-se em seguida as suas principais funes:

- registar e fornecer informao sobre mltiplos aspectos de interesse relativosao edifcio, s organizaes que o ocupam e s pessoas que nele trabalham(mencionam-se, em particular, informaes sobre as actividades dasorganizaes, nomes das pessoas, seus ttulos, cargos e outra informao que se

A1.11

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

pretenda divulgar, publicaes disponveis em bibliotecas, notcias diversas,procedimentos a seguir para desencadear determinadas aces, pessoas acontactar quando ocorrem certas circunstncias, etc);10

- gesto de recursos comuns do edifcio tais como salas de reunio, auditrios,reas de lazer (ginsio, campos de tnis, piscina), etc;

- registo de reclamaes e sugestes, recolha de solicitaes diversas (porexemplo, pedidos de reparaes, de instalao de equipamentos, de resoluode problemas), consulta e seleco de ementas do refeitrio, etc;

- armazenamento e acesso a documentao diversa (manuais de equipamentos,procedimentos vrios, estatutos, legislao, circulares, contratos de manutenode equipamentos informticos, de telecomunicaes ou outros, etc);

- gesto de informao estatstica relevante sobre o funcionamento do edifcio(essa informao fornecida pelos restantes servios).

Servio de Inventariao e Gesto Patrimonial (Gesto Patrimonial)

Este servio tem a seu cargo, fundamentalmente, a gesto de toda a informaorelevante ao patrimnio das organizaes que ocupam o edifcio.

As suas principais funes so:

- registo e gesto de todos os bens patrimoniais de uma dada organizao;

- gesto e controlo de que equipamentos (mobilirio, sistemas de tele-comunicao, sistemas informticos, etc) esto afectos a cada departamento e acada indivduo em particular;

- registo do espao ocupado por cada indivduo e pelos vrios departamentos;

- gesto de informao relativa a seguros (incndio, sinistro, responsabilidadecivil, trabalho, etc);

- gesto de aspectos relacionados com o prprio edifcio tais como contratos dealuguer, concesses de explorao, contratos de prestao de servios, etc.

Servio de Localizao de Pessoas e Equipamentos (Localizao)

Como o nome indica, este servio tem como principal objectivo permitir a localizaode pessoas e bens nos espaos associados ao edifcio11.

10 De salientar a interessante rea de trabalho relativa ao ensino e prestao de informao sobre asorganizaes (como esto estruturadas, como funcionam, etc), usando tcnicas de Inteligncia Artificial.Neste contexto, mencionam-se em particular as referncias [paiv89], [paiv90] e [paiv90a] (tese de mestrado),que correspondem a realizaes efectuadas no mbito do projecto SEIS.

11 De notar que se este servio no existir, algumas das suas funcionalidades podem ser obtidas apartir do Servio de Controlo de Acessos.

A1.12

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

De entre as funes a seu cargo salientam-se:

- definio dos dispositivos de localizao usados e indicao dos locais fsicosdo edifcio em que se encontram e das reas a que esto associados;

- definio das identificaes correspondentes a cada indivduo e/ouequipamento cuja localizao se pretende monitorizar;

- definio de formas de contacto (por exemplo, extenses telefnicas)associadas a cada uma das reas de localizao;

- fornecer informao sobre o local de determinado equipamento ou pessoa eformas de como a contactar.

Servio de Manuteno do Edifcio (Manuteno)

Este servio tem a seu cargo a superviso de todas as tarefas relacionadas com aces demanuteno (preventiva ou correctiva) associadas ao prprio edifcio e s suasinstalaes tcnicas.

Indicam-se em seguida as suas principais funes:

- identificao das entidades sujeitas a aces de manuteno e definio dascaractersticas associadas s operaes a realizar (periodicidade, nmeromximo de horas de funcionamento entre inspeces, tipo de verificaes eoperaes a executar, etc);

- deteco de situaes que possam ser indicadoras de alteraes do estado defuncionamento normal de equipamentos (temperaturas mais elevadas que ohabitual, vibraes ou rudos anormais, quedas de presso, instabilidades);

- superviso de pedidos de reparao, indicaes de falhas, reclamaes, etc, porparte dos utentes do edifcio e seu processamento (agrupamento porespecialidades, atribuio de prioridades, estimativa de tempos de execuo);

- coordenao e escalonamento de aces de manuteno (incluindo a atribuiode tarefas s pessoas adequadas, contabilizao da durao das operaesexecutadas, registo das aces realizadas, contabilizao de custos);

- armazenamento e acesso a documentao diversa (manuais de equipamentos,procedimentos vrios, registo das operaes de manuteno anteriores,contratos de manuteno, etc);

- controlo do fornecimento de peas sobressalentes, registo da substituio deequipamentos, verificao de perodos de garantia, gesto de contratos demanuteno, etc;

- gesto e coordenao de cadernos de encargo e de propostas (sempre que adimenso das aces envolvidas o justifique, como por exemplo, pintura dasfachadas exteriores, impermeabilizaes ao nvel do telhado, substituio deum determinado sistema tcnico);

- registo de toda a informao relevante e seu processamento estatstico.

A1.13

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

Servio de Vigilncia e Deteco de Intruso (Vigilncia)

Este servio visa oferecer os meios que permitam assegurar uma vigilncia adequadadas reas afectas ao edifcio e zonas adjacentes, e propriciar formas de deteco deaces de intruso.

As principais funes oferecidas so:

- gesto de sistemas de vigilncia CCTV e controlo das respectivas cmaras(posicionamento, ampliao, sensibilidade), dos monitores de visualizao e dedispositivos de registo;

- superviso de dispositivos de deteco de intruso (definio de perodoshorrios de funcionamento, procedimentos a desencadear em caso de intruso,etc);

- coordenao de meios de sinalizao sonoros e visuais;

- controlo automtico de partes do sistema CCTV em caso de intruso (selecoe direccionamento automtico das cmaras que cobrem a rea onde a intrusofoi detectada, incio de registo e visualizao em monitores pr-definidos);

- suporte a facilidades de monitorizao automtica (usando processamento deinformao audio e video);

- gesto de operaes de ronda (permitindo, em particular, a gerao depercursos aleatrios).

Exemplos de Interaces entre Servios

Como foi focado no captulo 4, uma anlise cuidada das funes desempenhadaspelos diversos servios permite concluir que a generalidade deles pode beneficiarsignificativamente da cooperao com outros servios.

Na figura A1.1 (que constitui uma cpia da figura 4.1) so ilustrados os vriosservios e as interaces mais representativas entre eles. Essas interaces foram divididasem dois grupos: as interaes genricas e as interaces especficas. As primeiras estoassociadas a servios que, pelas funes que desempenham, interactuam com ageneralidade dos restantes servios. Essas interaces no foram representadasexplicitamente para no complicar excessivamente a figura, tendo-se optado por associaraos referidos servios apenas um conjunto de ligaes para o exterior. As interacesgenricas foram analisadas no captulo 4.

A1.14

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

Figura A1.1 - Interaces entre servios

As interaces especficas correspondem complexa rede de ligaes representadana figura A1.1, para as quais se descrevem seguidamente diversos exemplos. Dado oelevado nmero de interaces envolvidas, so apresentadas apenas descries muitosucintas, as quais esto identificadas pelas designaes abreviadas dos serviosintervenientes (aparecendo em primeiro lugar o servio com menor ordem alfabtica).

Acessos - AVAC

O primeiro servio informa o segundo sobre o nmero de pessoas presentes nas vriaszonas do edifcio, permitindo-lhe efectuar uma climatizao mais eficaz.

A1.15

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

Acessos - Comunica. Audio-Video

O segundo servio recorre ao primeiro para determinar em que zona do edifcio seencontra certa pessoa, divulgando apenas nesse local determinada mensagem.

O segundo servio solicita ao primeiro para mostrar determinadas mensagens quando aspessoas transpem pontos de controlo de acessos.

Acessos - Elevadores

O primeiro servio informa o segundo sobre se determinada pessoa tem autorizao ouno para se deslocar para um certo piso.

Acessos - Gesto Energtica

O primeiro servio indica ao segundo qual o nmero de pessoas presentes nas vriaszonas do edifcio, para que ele possa efectuar uma gesto energtica eficaz, perturbandoo menos possvel os vrios utilizadores.

Acessos - Gesto de Presenas

O primeiro servio informa o segundo sobre os instantes em que determinada pessoaefectuou o primeiro e o ltimo acesso a qualquer rea do edifcio, permitindo completarinformao que eventualmente esteja em falta relativamente entrada ou sada deservio.

Acessos - Iluminao

O primeiro servio informa o segundo sobre a presena de pessoas em determinadasreas, possibilitando o desligar da iluminao em zonas que ficaram desocupadas e oligar da iluminao em zonas que passaram a estar ocupadas.

Acessos - Localizao

O primeiro servio pode complementar as funes do segundo, informando-o sobre quepessoas se encontram presentes em determinadas reas (as quais podem no estarcobertas pelo servio de Localizao).

Acessos - Portaria

O segundo servio solicita ao primeiro autorizaes de acesso para visitas e validapercursos de encaminhamento.

Acessos - Vigilncia

O primeiro servio informa o segundo sobre o nmero de tentativas de acesso frustradaspara que sejam desencadeadas aces de investigao.

O primeiro servio solicita ao segundo a confirmao de autorizaes de acesso a zonasde elevada segurana.

AVAC - Estacionam.

O segundo servio informa o primeiro sobre o nmero de veculos que esto a entrar e asair de zonas de estacionamento fechadas, de modo a que os nveis de ventilaopossam ser optimizados.

A1.16

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

AVAC - Gesto Energtica

O segundo servio informa o primeiro da necessidade de efectuar poupanas de energiaadicionais ou deslastre de cargas.

AVAC - Gesto de Presenas

O segundo servio informa o primeiro sobre o nmero de pessoas presentes no edifcioem cada instante, permitindo-lhe efectuar uma climatizao mais eficaz.

AVAC - Iluminao

O segundo servio informa o primeiro do valor das cargas luminosas activas e de qual asua localizao, de modo a que ele possa optimizar o seu funcionamento.

AVAC - Irrigao

O primeiro servio informa o segundo das condies atmosfricas exteriores de modo aque o seu funcionamento possa ser optimizado.

Comunica. Audio-Video - Estacionam.

O primeiro servio envia para o segundo mensagens a serem mostradas s pessoasquando entram ou saiem de uma zona de estacionamento.

Comunica. Audio-Video - Gesto de Presenas

O primeiro servio consulta o segundo para saber se determinada pessoa est presenteno edifcio antes de divulgar a mensagem que lhe destinada12.

O primeiro servio solicita ao segundo para mostrar determinadas mensagens sempreque as pessoas usam os equipamentos de registo de entradas e sadas.

Comunica. Audio-Video - Localizao

O primeiro servio recorre ao segundo para determinar em que zona do edifcio seencontra certa pessoa, divulgando apenas nesse local determinada mensagem.

Comunica. Audio-Video - Portaria

O segundo servio solicita ao primeiro a divulgao de mensagens destinadas avisitados ou visitas que se encontram no interior do edifcio.

O primeiro servio envia para o segundo mensagens destinadas a visitas.

Elevadores - Portaria

O segundo servio solicita ao primeiro funes do tipo Taxi em situaes de visitasimportantes.

Elevadores - Vigilncia

O segundo servio pode solicitar ao primeiro a reteno de determinada pessoa (cabinadesloca-se para o piso especificado e permanece l, de portas fechadas, at nova ordem).

12 Salienta-se, em particular, o tratamento de situaes em que a pessoa em causa se encontra emperodo de frias.

A1.17

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

Estacionam. - Gesto de Presenas

O segundo servio informa o primeiro sobre que pessoas esto de frias, quais asausentes por motivo de doena e as que j concluiram o seu dia de trabalho, permitindo-lhe efectuar uma melhor gesto dos espaos de estacionamento.

Estacionam. - Localizao

O primeiro servio indica ao segundo quais as pessoas que acabaram de entrar ou de sairdas zonas de estacionamento.

Estacionam. - Portaria

O primeiro servio comunica ao segundo solicitaes de acesso a zonas deestacionamento por parte de visitas.

Estacionam. - Vigilncia

O primeiro servio informa o segundo sobre tentativas de acesso frustradas para quesejam desencadeadas aces de investigao.

O segundo servio pode solicitar ao primeiro que seja informado quando existemacessos ou sadas das zonas de estacionamento para que seja efectuado um controlovisual.

Gesto Energtica - Gesto de Presenas

O segundo servio informa o primeiro sobre o nmero de pessoas presentes no edifciopara que ele possa efectuar uma gesto energtica mais eficaz, afectando o menospossvel os utilizadores.

Gesto Energtica - Iluminao

O primeiro servio solicita ao segundo que efectue poupanas de energia adicionais13.

Gesto Energtica - Irrigao

O primeiro servio solicita ao segundo que efectue cortes e deslastres com vista amomentneamente reduzir o consumo de energia.

Gesto Patrimonial - Localizao

O segundo servio informa o primeiro sobre a localizao de equipamentos de modo aque este mantenha um registo sempre actualizado.

Gesto Patrimonial - Portaria

O segundo servio informa o primeiro sobre entradas e sadas de equipamentos.

O primeiro servio fornece ao segundo descries pormenorizadas sobre equipamentosde modo a permitir a sua identificao fcil e idnea.

13 Convir notar que a energia dispendida com a iluminao num edifcio de escritrios correspondetipicamente a valores que variam entre 35 e 50% do total da energia consumida [mora93]. Em pases de climaameno (como o nosso) ser expectvel que os gastos energticos associados climatizao sejam menores,tornando os gastos com a iluminao ainda mais importantes e fazendo aumentar a percentagem indicada.

A1.18

Prof. Renato Nunes Disciplina: Edifcios Inteligentes e Domtica

Gesto de Presenas - Iluminao

O primeiro servio indica ao segundo quais as pessoas que se encontram nos seus locaisde trabalho, permitindo o ligar e o desligar automtico da iluminao.

Gesto de Presenas - Portaria

O segundo servio pode solicitar ao primeiro informao sobre se determinada pessoa seencontra presente ou no no edifcio.

Iluminao - Localizao

O primeiro servio pode ser informado pelo segundo da presena de pessoas emdeterminados locais dando origem ao ligar da iluminao.

Iluminao - Vigilncia

O segundo servio solicita ao primeiro o ligar da iluminao em zonas onde foidetectada uma instruso.

Portaria - Localizao

O primeiro servio solicita ao segundo a localizao de determinada pessoa para quepossa entrar em contacto com ela.

Portaria - Vigilncia

O primeiro servio pode informar o segundo sobre determinadas situaes suspeitas.

Por ltimo, convir fazer uma referncia ao Servio de Gesto de Cablagem. Emboraa figura A1.1 possa sugerir que ele no interactua com outros servios, tal no verdade.No entanto, as suas interaes ocorrem apenas com os servios que possuem um nmeromuito elevado de interaces, tais como: Gesto e Administrao, Diagnstico eManuteno, Informao, etc.

A1.19