Click here to load reader

Apontamentos de Gestão

  • View
    2.184

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Apontamentos de Gestão

1 Princpios de Gesto1. Os gestores a Gesto e as Empresas O conceito de Empresa Aempresamodernaumaunidadedeproduodemercadoriase/ouprestaodeservios,paraoquerene meios financeiros, tecnolgicos e humanos (terra, trabalho e capital) sob autoridade de um indivduo , ou grupo deindivduos,quevisaaprossecuodeumconjuntodeobjectivos,medianteaaquisio,combinaoe transformao de factores de produo. A empresa como organizao Social As empresas distinguem-se das demais organizaes sociais pelas seguintes caractersticas:a. so em regra orientadas para o lucro; b. Assumem riscos c. So geridas segundo uma filosofia de negcios e como tal reconhecidas d. So avaliadas sob o ponto de vista contabilstico Como organizaes sociais que so, constituem-se para atingir determinados objectivos, destacando-se olucro e asobrevivncia,queporsalvezimplicamoutrosobjectivosdemenorprioridademascoerentescomos fundamentais.

A gesto e os Gestores A moderna empresa capitalista resulta de uma evoluo da forma de organizao do trabalho e dos trabalhadores enquadradapelomododeproduocapitalistaquetemcomoprincipaiscaractersticas:aracionalizaoda actividadeeconmica;generalizaodasrelaescomerciais;transformaodosbensemmercadorias transaccionveis;pelaorganizaodotrabalhoemparcelaspequenasehomogneas;pelaassalariaodos trabalhadores. AGesto o processo de conceber e manter um ambiente no qual os indivduos, conjunta ou individualmente , atingem eficientemente os objectivos definidos. 2 Princpios de Gesto OsGestorestmfunesde:Planeamento(definiodeobjectivos,selecodeestratgiasedosmais necessrios sua prossecuo); Organizao (criao de estrutura adequada de relaes entre trabalhadores que maximize a melhor contribuio de todos na prossecuo dos objectivos);Direco ( requer a comunicao e a motivao dos trabalhadores para o desempenho das tarefas imputadas) Controlo (monitorizao do desempenho de todas as partes e tomas as aces correctivas necessrias para compensar eventuais desvios). 2. O Pensamento em Gesto: Origem e evoluo Teorias da gesto:So trs os grandes momentos de definio do pensamento em Gesto: a abordagemclssica,dominanteataofinaldosanos30,aabordagemcomportamentaldominanteataosanos50eaabordagem pragmticadominanteataofinaldosanos70.Estasabordagensdiferemnaformacomo olham a empresa , os trabalhadores e os objectivos de gesto. A abordagem clssica Surgenasegundaeterceiradcadasdosc.XX,comosurgimentodasprimeirasgrandesempresasindustriais diversificadasedasprimeirasestruturaspblicasprofissionalizadas.Osautoresprocuraramumconjuntode regras e leis de funcionamento ideias que poderiam ser aplicadas a qualquer organizao, entre eles destacaram-se Frederick Taylor(EUA), Henry Fayol (Frana) e Max Weber (Alemanha). O problema central a produo de massa atravs da padronizao. Taylor e a administrao cientfica Para aumentar a produtividade a administrao cientficaprocura eliminar todos os desperdcios e perdas sofridas pela empresa atravs de mtodos de engenharia industrial, atravs do estudo dos fluxos de trabalho nos seus mnimos detalhes para atingir a melhor forma de executar qualquer tarefa. Este mtodo foi designado por estudo de tempos e movimentos, para eliminar o esforo fsico desperdiado especificao de uma sequncia exacta de actividades. Def.Produtividade:produo por unidade de factor de produo atravs da mensurao identificaoe anlise das tarefas e da sua decomposio em movimentos e processos de trabalho. Estes movimentos forma cronometrados e em seguida, tendo presente o objectivo da tarefa , recompostos de forma a minimizar o tempo de execuo. Estudo de Tempos e Movimentos: Mtodo para estabelecer um standard para a produtividade dos trabalhadores atravs de: 1. Diviso de tarefas complexas em passos mais pequenos e simplesCAPACIDADES CONCEPTUAIS Usar Informao para resolver problemas especficos Identificar oportunidades para inovao , extenso e novos negcios Reconhecer problemas e implementar solues Seleccionar informao relevante Compreender o modelo de negcio da empresa CAPACIDADES INTERPESSOAIS Acompanhar e aconselhar os trabalhadores Trabalhar com a Diversidade de recursos humanos Relacionamento com indivduos dentro e fora da empresa Trabalho em equipa CAPACIDADES DE COMUNICAO Transformar ideias em palavras e aces Saber ouvir e perguntar Apresentao oral CAPACIDADES TCNICAS Contribuir para os objectivos Foco no mercado e no cliente De negociao Gesto de projectos Estabelecer e avaliar padres de desempenho Gesto do tempo Estabelecer prioridades de ateno e aco 3 Princpios de Gesto2. Definio da melhor sequncia de movimentos evitando e eliminando movimentos desnecessrios 3. Medir e definir os tempos exactos de cada movimento. A par do aumento da eficincia a administrao cientfica usa os incentivos financeiros , remunerao e prmios de produo, que visam harmonizar os objectivos da empresa (reduo de custos de produo) com os objectivos dostrabalhadores(melhoressalrios).Taylorpropequetodasastarefas,mesmoasdesuperviso,sejamto pouco complexas quanto possvel, chamando a esta forma a organizao funcional do trabalho. A simplificao das tarefas, pela especializao do trabalho permitia: a. Contratao de trabalhadores com qualificaes mnimas; b. Reduo da possibilidade de erros execuo c. Reduo de custos de formao d. Aumento da eficincia do trabalhador e maior produtividade AaplicaodosprincpiosdeTaylorporHenryFord,ficouconhecidaporFordismo(linhasdemontagemda Ford Motor Company), um modelo de produo em massa assente num conjunto de princpios: a. Ritmo mximo da empresa b. Produtividade mxima das linhas de montagem c. Intensificao da produo em srie d. Economicidade e. Stocks mnimos Estas teorias pensam apenas no interior das organizaes, ignorando deliberadamente o exterior , admitindo que os recurso e os clientes esto disponveis e vidos do produto da organizao. Princpios da administrao cientfica: PrincpiodoPlaneamento:substituir,notrabalho,ocritrioindividualdooperrio,aimprovisaoea actuao emprico - prtica, pelos mtodos cientficos atravs do planeamento e do mtodo. Princpiodaformaooupreparao:seleccionarcientificamenteostrabalhadoresdeacordocomssuas aptides,prepar-losetrein-losparaproduziremmaisemelhor,deacordocomomtodoplaneado.Para almdapreparaodamo-de-obra,preparatambmasmquinaseequipamentosdeproduo,bemcomo atender colocao fsica e disposio racional de equipamentos e materiais. Princpio do controlo: consiste em controlar o trabalho para se certificar que est a ser executado conforme as normas e o plano previsto. Princpiodaexecuo:distribuirdistintamenteasatribuieseasresponsabilidadesparaaadequada execuo do trabalho. Fayol e a teoria geral da administrao Ateoriageraldasadministraopreocupa-secomasorganizaesfuncionaisentreosdiversosrgosda empresaeashierarquiasentreeles.Aocontrriodaadministraocientficafocaosaspectosorganizacionais como fundamentais para o sucesso de qualquer empresa. Segundo Fayol a eficincia organizacional seria atingida atravs de uma padronizao que se devia basear numa ordem natural de centralizao no crebro da organizao. Distribui as reas funcionais em seis funes bsicas: Funes tcnicas: Produo de bens e servios Funes comerciais: Compra , venda e troca de matrias-primase produtos Funes financeiras: Procura e aplicao de capitais Funes de segurana: Proteco e preservao de pessoas e bens Funescontabilsticas:Inventrios,registos,apuramentodecustoseresultados,elaboraode quadros sntese balanos. Funes administrativas: integrao na cpula das outras cinco funes Funes da administrao Prever - visualizar e definir perspectivas de futuro Organizar: Dotar a empresa de recursos para o seu normal funcionamento Coordenar: Harmonizara actividades, actos e esforos Comandar: dirigir e orientar pessoal Controlar: Verificar o cumprimento de regras e ordens 4 Princpios de GestoPrincpios de Gesto segundo Fayol 1. 2. Diviso do trabalho - Especializao de tarefas e pessoas para aumentar a eficincia 3. Autoridade:Direitodedarordensepoderesperarobedinciatendocomoconsequnciaa responsabilidade. 4. Disciplina: Obedincia , Aplicao e respeito pelos acordos e regras estabelecidas 5. Unidadedecomando:Princpiodaautoridadenica,cadatrabalhadorrecebeordensdeapenasum superior.6. Unidadededireco:Osesforosparadesenvolverumprojectodevemserdirigidosporapenasum supervisor. 7. Subordinao dos interesses individuais aos interesses gerais:NCE# 8. Remunerao: Deve ser justa e adequada9. Centralizao:aoadministradoresdevemreteraresponsabilidadefinalmasnecessitamdedelegaro necessrio para o cumprimento das tarefas dos seus subalternos 10. Cadeia escalar: A linha de autoridade vai do escalo mais alto ao escalo mais baixo11. Equidade:Uso da amabilidade e justia para alcanar a lealdade do pessoal 12. Estabilidadeeduraodopessoal:Arotaodepessoaltemumimpactonegativonaeficinciada organizao 13. Iniciativa:Deveserdadacapacidadedeiniciativaaostrabalhadoresdem,odoaqueestespossam visualizar um plano e assegurar o seu sucesso. 14. Espritodeequipa:Promoodaharmoniaeunioentreaspessoascomograndesforasparaa organizao. AprincipalpreocupaodeFayoleraaanlisedaestruturahierrquicadasorganizaes,quedevemser insusceptveisdedvida,conformeodeterminamosprincpiosdeunidadedecomandoedireco., estabelecendo uma hierarquia de funes em forma piramidal , na qual a autoridade flu de cima para baixo. Weber e o modelo burocrtico de organizao MaxWeberprocuroudefinirummodelo purodeorganizao-umtipoidealdeorganizaoondeimperassea racionalizaoeapredeterminaoatodososnveis,aquechamouburocracia(paradigmadaadministrao racionalizada). Partindo da definio da actividade e dos objectivos da organizao/empresa, so definidas as regras e as tarefas adesempenharpelosindivduos,quedeformaautnoma,racionaledeacordocomestasesemfalhas desempenha a sua actividade, dado que todas as situaes esto previstas e h respostas, num quadro racional e liberto do senso comum,para todas as perguntas. So sete as caractersticas de sistema burocrtico: 1. um sistema forma de regras 2. Impessoal 3. Diviso do trabalho 4. Estrutura hierrquica bem definida 5. Estrutura de autoridade bem detalhada 6. Racionali