Apostila Custos Gerencial

  • View
    55

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of Apostila Custos Gerencial

  • Prof. Msc. Bruno D Assis Rocha Email: bruno.dassis@gmail.com

    1

    Contabilidade de Custos e

    Gerencial

    Prof. MSc. Bruno D Assis Rocha

  • Prof. Msc. Bruno D Assis Rocha Email: bruno.dassis@gmail.com

    2

    1. EMENTA

    Conceitos e aplicaes em contabilidade de custos. Classificao: custos diretos e indiretos, fixos e variveis, semifixos e semivariveis. Custeio por absoro. Custeio varivel. Custo padro e apurao das variaes. Custeio ABC. Margem de contribuio e uso da informao de custos para anlise e tomada de decises. Conceito de Ponto de Equilbrio. Contabilidade por responsabilidade e alocao de custos. Centro de lucro e preos de transferncia. Custo de oportunidade.

    2. OBJETIVOS Aprovao no concurso do BNDES.

    3. BIBLIOGRAFIA BSICA MARTINS, Eliseu Contabilidade de custos. 10. ed. So Paulo: Atlas, 2010.

    4. BIBLIOGRAFIA ADICIONAL

    ATKINSON, Anthony A.; BANKER, Rajiv D.; KAPLAN. Robert S.; YOUNG. S. Mark. Contabilidade gerencial. Traduo Andr Olmpio Mosselman du Chenpy Castro. So Paulo: Atlas, 2000.

    CRC/SP. Conselho Regional de / So Paulo. Custos: Ferramenta de gesto. So Paulo: Atlas, 2000.

    FIPECAFI. Manual de contabilidade das sociedades por aes: aplicvel tambm s demais sociedades 5. ed. So Paulo: Atlas, 1999.

    PEREZ JNIOR, Jos Hernandez. OLIVEIRA, Luis Martins de. COSTA, Rogrio Guedes Gesto estratgica de custos. So Paulo: Atlas, 1999.

    5. CURRCULO RESUMIDO DO PROFESSOR

    Bruno D Assis Rocha Mestre em Cincias Contbeis pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ. bacharel em Cincias Contbeis pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ. Professor de Cursos Preparatrios para Concursos no Rio de Janeiro. Professor na Universidade Estcio de S. Trabalhou como Contador na Petrobras. Tomou posse no concurso de Contador da Fazenda de SC. Atualmente, trabalha como

  • Prof. Msc. Bruno D Assis Rocha Email: bruno.dassis@gmail.com

    3

    analista de projetos no Banco Nacional de Desenvolvimento Econmico e Social BNDES. Os ltimos concursos em que foi aprovado foram: Contador da CVM (dez/2010), BNDES (2009), FINEP (2009), ANCINE (2009), SEFAZ/SC (2009), Data Prev (2009), BR Distribuidora (2008) e Petrobras (2008).

  • Prof. Msc. Bruno D Assis Rocha Email: bruno.dassis@gmail.com

    4

    1 - Conceitos bsicos da Contabilidade de Custos

    O estudo de contabilidade e anlise de custos requer um entendimento dos conceitos fundamentais e terminologia de custos e os sistemas de informaes associados que os produzem. Para isso, passaremos a tratar dos principais termos e conceitos aplicados em custos.

    1.1 Terminologia aplicada em Custos

    Desde que duas pessoas resolvam comunicar-se, absolutamente necessrio que passem a dar aos objetos, conceitos e idias o mesmo nome, sob pena de, no mnimo, reduzir-se o nvel de entendimento. O que comumente se denomina de mero problema de terminologia talvez fosse mais bem tratado com magno problema de terminologia. Infelizmente, encontramos em todas as reas, principalmente nas sociais (e econmicas, em particular), uma profuso de nomes para um nico conceito e tambm conceitos diferentes para uma nica palavra. Portanto, adotaremos a nomenclatura e a conceituao a seguir, principalmente por sua maior correo do ponto de vista tcnico.

    Despesa com matria-prima ou Custo de matria-prima ? Gastos ou Despesas de fabricao ? Gastos ou Custos de materiais diretos ? Despesas ou Gastos com imobilizaes ? Custos ou Despesas de depreciao ?

    Gastos, custos e despesas so trs palavras sinnimas ou dizem respeito a conceitos diferentes? Confundem-se com desembolso? E investimento tem alguma similaridade com elas? Perda se confunde com algum desses grupos? No meio desse emaranhado todo de nomes e idias, normalmente o principiante se v perdido, e s vezes o experiente, embaraado; por isso, passamos a utilizar a seguinte nomenclatura:

    Gasto: Compra de um produto ou servio qualquer, que gera sacrifcio financeiro para entidade (desembolso), sacrifcio esse representado por entrega ou promessa de entrega de ativos (normalmente dinheiro). Conceito extremamente amplo e que se aplica a todos os bens e servios adquiridos; assim, temos gastos com a compra de matrias-primas, gastos com mo-deobra, tanto na produo quanto na distribuio, gastos com honorrios da diretoria, etc. S existe gasto no ato da passagem para a propriedade da empresa do bem ou servio, ou seja, no momento em que existe o reconhecimento contbil da dvida assumida ou da reduo do ativo dado em pagamento. Note que gasto implica desembolso, mas so conceitos distintos.

    Desembolso: Pagamento resultante da aquisio do bem ou servio. Pode ocorrer antes, durante ou aps a entrada da utilidade comprada, portanto defasada ou no do momento do gasto.

    Investimento: Gasto ativado em funo de sua vida til ou de benefcios atribuveis a futuro(s) perodo(s). Todos os sacrifcios havidos pela aquisio de bens ou servios

  • Prof. Msc. Bruno D Assis Rocha Email: bruno.dassis@gmail.com

    5

    (gastos) que so estocados nos ativos da empresa para baixa ou amortizao quando de sua venda, de seu consumo, de seu desaparecimento ou de sua desvalorizao so especificamente chamados de investimentos.

    Custo: Gasto relativo a bem ou servio utilizado na produo de outros bens ou servios. O custo tambm um gasto, s que reconhecido com tal, isto , como custo, no momento da utilizao dos fatores de produo (bens e servios), para a fabricao de um produto ou execuo de um servio.

    Custo: o somatrio dos bens e servios consumidos ou utilizados na produo de novos bens ou servios, traduzidos em unidades monetrias.

    Despesa: Bem ou servio consumido direta ou indiretamente para a obteno de receitas.

    Perda: Bem ou servio consumidos de forma anormal ou involuntria. No se confunde com despesa (muito menos com o custo), exatamente por sua caracterstica de anormalidade e involuntariedade; no um sacrifcio feito com inteno de obteno de receita.

    Terminologia utilizada pela contabilidade de custos

    Gasto

    Qualquer compra de bens ou servios que gere sacrifcio financeiro imediato ( vista) ou futuro (a prazo) de um ativo. Tal sacrifcio representado pela entrega ou promessa de entrega de ativos. O conceito se aplica indistintamente a investimento, custo, despesa e perda.

    Investimento Gasto ativado em funo da vida til ou que objetiva a realizao de benefcios futuros.

    Custo Gasto para a obteno de produtos ou servios capazes de suprir as necessidades do mercado consumidor. O custo implica no consumo de um bem ou servio utilizado na produo de outros bens ou servios.

    Despesa Bem ou servio consumido direta ou indiretamente com o objetivo de gerar uma receita imediata.

    Desembolso Pagamento dos gastos de qualquer natureza. O desembolso ocorre quando o pagamento do gasto realizado.

    Consumo de bem ou servio de forma anormal, involuntria, ou extraordinria. As perdas podem ser classificadas como:

  • Prof. Msc. Bruno D Assis Rocha Email: bruno.dassis@gmail.com

    6

    Perda Perda tcnica quando o consumo do bem ou servio previsto, estimado ou esperado. Perda eventual quando o consumo do bem ou servio no previsto nem esperado, logo no estimado.

    Receita Ingresso de recursos para o patrimnio sob a forma de bens ou direitos advindos da venda de bens ou servios.

    Custeio Acumulao e distribuio de gastos para bem atender produo de um bem ou realizao de servio

    Departamento (em geral)

    Unidade representativa do conjunto de recursos humanos e de capital, de caractersticas semelhantes, para a realizao de tarefas homogneas, dentro dessa mesma unidade.

    Departamento Produtivo

    (na indstria)

    Quando diretamente ligado fabricao do produto, onde, so realizadas as modificaes necessrias transformao de bens e servios num novo produto.

    Departamento Auxiliar, ou, Servios (indstria)

    Quando est diretamente ligado fabricao do produto, e, onde, so realizadas as modificaes necessrias transformao de bens e servios no novo produto.

    Fabricao, ou, produo.

    o processo pelo qual as matriasprimas so transformadas em novos produtos acabados

    Matria-prima So os bens ou substncias ainda em brutas ou in natura que se transformam em parte integral de um novo produto, aps o processo de transformao.

    Transformao o esforo despendido na produo de novos produtos

    Mo-de-obra

    Direta: esforo humano despendido na produo de um produto, diretamente identificado com o mesmo. Indireta: esforo humano despendido na produo de um produto, que no tem identificao direta com ele.

    Insumos Combinao de fatores de produo (matria-prima, mo-de-obra e custos indiretos) utilizados para fabricar o produto.

    .

  • Prof. Msc. Bruno D Assis Rocha Email: bruno.dassis@gmail.com

    7

    Caso prtico n 1: a Industria Marques Ltda, apresentou a seguinte relao de gastos:

    01. Comisses sobre vendas 25.000 02. Conservao / manuteno fbrica 175.000 03. Depreciao da fbrica 150.000 04. Despesas com telefones vendas 12.500 05. Energia eltrica / fbrica 212.500 06. Estoque produtos acabados 250.000 07. Estoque produtos em elaborao 85.000 08. Estoque dos materiais diretos 120.000 09. Folha de pagamento / fbrica 300.000 10. Juros e despesas bancrias 125.000 11. Material de consumo da fbrica 37.500 12. Material escritrio / administrao 12.500 13. Matria-prima consumida 875.000 14. Ordenados e administrao 225.000 15. Retirada dos scios 50.000 16. Seguros do parque fabril 25.000 17. Transporte entrega de produtos 112.500 Total dos gatos 2,792.500

    Apresentar o valor dos Investimentos, Custos e