Apostila IRPF _2012_

  • View
    65

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Apostila IRPF _2012_

BRUNO CUNHA GONTIJOIMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FSICAS 1. FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.1 Elemento Material Um dos componentes do fato gerador de um tributo o chamado elemento material, equivalente hiptese de incidncia tributria, isto , a descrio geral e abstrata do fato de que decorre a obrigao de pagar o imposto. Tal obrigao independe de qualquer procedimento por parte da Administrao Pblica, sendo o bastante a realizao do fato gerador. A constituio do crdito tributrio referente ao IRPF pode resultar de lanamento por homologao, da reviso de ofcio deste lanamento ou mesmo atravs de lanamento de ofcio. Em razo de o IRPF ser um imposto sujeito a lanamento por homologao, de responsabilidade do prprio contribuinte efetuar a apurao e o recolhimento prvio do tributo, conforme preleciona o CTN em seu art. 150.Cdigo Tributrio Nacional Lei 5.172/66 Art. 150. O lanamento por homologao, que ocorre quanto aos tributos cuja legislao atribua ao sujeito passivo o dever de antecipar o pagamento sem prvio exame da autoridade administrativa, opera-se pelo ato em que a referida autoridade, tomando conhecimento da atividade assim exercida pelo obrigado, expressamente a homologa.

Em conformidade com a modalidade de apurao dos rendimentos sujeitos incidncia do IRPF, possvel afirmar que a base do fato gerador do tributo pode ser indiciria (o rendimento apurado com base em acrscimo patrimonial a descoberto decorre de uma presuno legal); compositria (a tributao dos ganhos de capital realizada de forma individualizada) ou unitria/universal (cumulao dos salrios recebidos no Brasil e no exterior para fins de tributao nica). O fato gerador do imposto de renda das pessoas fsicas a aquisio de disponibilidade econmica ou jurdica de renda ou proventos, originados no Brasil ou no exterior, conforme art. 43 do CTN.Cdigo Tributrio Nacional Lei 5.172/66 Art. 43. O imposto, de competncia da Unio, sobre a renda e proventos de qualquer natureza tem como fato gerador a aquisio da disponibilidade econmica ou jurdica: I - de renda, assim entendido o produto do capital, do trabalho ou da combinao de ambos; II - de proventos de qualquer natureza, assim entendidos os acrscimos patrimoniais no compreendidos no inciso anterior. 1o A incidncia do imposto independe da denominao da receita ou do rendimento, da localizao, condio jurdica ou nacionalidade da fonte, da origem e da forma de percepo. (Includo pela Lcp n 104, de 10.1.2001) 2o Na hiptese de receita ou de rendimento oriundos do exterior, a lei estabelecer as condies e o momento em que se dar sua disponibilidade, para fins de incidncia do imposto referido neste artigo. (Includo pela Lcp n 104, de 10.1.2001)

A disponibilidade econmica entendida como representativa dos valores efetivamente recebidos pelo contribuinte, como os salrios pagos em dinheiro ou creditados na conta corrente do contribuinte. Em ambos os casos a aquisio da renda pode ser materialmente verificada pelo aumento do patrimnio econmico da pessoa fsica (moeda em espcie no primeiro caso e ativo financeiro no segundo).

1

bcgontijo@yahoo.com.br

BRUNO CUNHA GONTIJOA disponibilidade jurdica faz referncia a valores que so postos a disposio da pessoa fsica, ou seja, crditos lquidos e certos a ela pertencentes, sendo irrelevante neste caso o efetivo aumento de patrimnio financeiro ou sob a forma de outros ativos (imveis) do beneficirio. Dessa forma, o recebimento de honorrios por meio de cheque ps-datado ou por notas promissrias caracteriza disponibilidade jurdica de renda e constitui fato gerador do IRPF. Em que pese ainda que a disponibilidade jurdica no incompatvel com o regime de caixa aplicvel s pessoas fsicas, tendo em vista que a renda considera-se auferida no momento da aquisio da referida disponibilidade, isto , no momento do recebimento do cheque antedatado. Para que se realize o fato gerador do imposto suficiente que ocorra a percepo instantnea da renda, mesmo que o contribuinte, em momento subseqente efetue uma doao ou cesso de direitos sobre todo o valor recebido, creditado ou reconhecido juridicamente como a ele devido, a uma terceira pessoa, sem obter com tal comportamento proveito algum. Nestas condies excetuam-se apenas as aquisies jurdicas de renda sob condio suspensiva. O CTN faz referncia em seu art. 116, inciso II ocorrncia do fato gerador em situaes em que este decorre de uma situao jurdica e no de uma situao de fato:Cdigo Tributrio Nacional Lei 5.172/66 Art. 116. Salvo disposio de lei em contrrio, considera-se ocorrido o fato gerador e existentes os seus efeitos: (...) II - tratando-se de situao jurdica, desde o momento em que esteja definitivamente constituda, nos termos de direito aplicvel.

Estando a situao jurdica relacionada com atos ou negcios jurdicos condicionais (dependentes de eventos futuros e incertos), tais atos reputam-se perfeitos e acabados em conformidade ao disposto no art. 117 do CTN.Cdigo Tributrio Nacional Lei 5.172/66 Art. 117. Para os efeitos do inciso II do artigo anterior e salvo disposio de lei em contrrio, os atos ou negcios jurdicos condicionais reputam-se perfeitos e acabados: I - sendo suspensiva a condio, desde o momento de seu implemento; II - sendo resolutria a condio, desde o momento da prtica do ato ou da celebrao do negcio.

O conceito de renda pode ser analisado tanto sob a tica econmica, quanto pela jurdica, cabendo em alguns casos uma anlise legal do instituto. A renda em sentido lato sensu abrange alm das parcelas pecunirias, em moeda (renda em sentido stricto sensu), parcelas no pecunirias (tempo livre de estabilidade no emprego, prestgio, realizao moral ou espiritual. Para o direito tributrio interessa o conceito de renda em seu sentido estrito, tratando dessa forma o CTN em seu art. 43 assim como a Lei n 7.713/1988 em seu art. 3.Decreto n 3.000/1999 Art. 3 O imposto incidir sobre o rendimento bruto, sem qualquer deduo, ressalvado o disposto nos arts. 9 a 14 desta Lei. (Vide Lei 8.023, de 12.4.90) 1 Constituem rendimento bruto todo o produto do capital, do trabalho ou da combinao de ambos, os alimentos e penses percebidos em dinheiro, e ainda os proventos de qualquer natureza, assim tambm entendidos os acrscimos patrimoniais no correspondentes aos rendimentos declarados.

2

bcgontijo@yahoo.com.br

BRUNO CUNHA GONTIJO 2 Integrar o rendimento bruto, como ganho de capital, o resultado da soma dos ganhos auferidos no ms, decorrentes de alienao de bens ou direitos de qualquer natureza, considerando-se como ganho a diferena positiva entre o valor de transmisso do bem ou direito e o respectivo custo de aquisio corrigido monetariamente, observado o disposto nos arts. 15 a 22 desta Lei. 3 Na apurao do ganho de capital sero consideradas as operaes que importem alienao, a qualquer ttulo, de bens ou direitos ou cesso ou promessa de cesso de direitos sua aquisio, tais como as realizadas por compra e venda, permuta, adjudicao, desapropriao, dao em pagamento, doao, procurao em causa prpria, promessa de compra e venda, cesso de direitos ou promessa de cesso de direitos e contratos afins. 4 A tributao independe da denominao dos rendimentos, ttulos ou direitos, da localizao, condio jurdica ou nacionalidade da fonte, da origem dos bens produtores da renda, e da forma de percepo das rendas ou proventos, bastando, para a incidncia do imposto, o benefcio do contribuinte por qualquer forma e a qualquer ttulo.

Com base nos dispositivos transcritos possvel concluir que a renda das pessoas fsicas compreende: a) as rendas, do trabalho (salrios, gratificaes, comisses, ordenados, gorjetas, auxlios, prmios) e do capital (frutos das rendas acumuladas = alugueis, royalties, lucros, juros, dividendos); b) os proventos (quaisquer acrscimos patrimoniais, econmicos ou financeiros, no includos no conceito de renda). No mbito dos proventos podem ser includos rendimentos de origem ilcita, assim como aqueles de origem desconhecida. Em que pese que podem ser fatos geradores do IRPF os rendimentos apurados por mtodos indiretos (presuno legal) tais como ocorre na cesso gratuita de imvel, remunerao indireta paga por pessoa jurdica coligada, juros dissimulados, sinais exteriores de riqueza, acrscimo patrimonial a descoberto e depsitos bancrios de origem no comprovada. Importante considerar que os mtodos de verificao indireta, por meio de presunes legais, no devem ser confundidos com o arbitramento de rendas ou gastos, sendo esta modalidade cabvel quando no for possvel verificao numrica de determinada quantidade ou valor (exerccio de atividade rural quando impossvel a comprovao de suas despesas arbitramento de 20% do lucro da atividade). Apenas verbas expressamente previstas em lei no esto abrangidas no conceito de renda para fins de tributao do IRPF, estas so as imunidades e isenes. As imunidades so regras de no incidncia qualificada, imperiosamente previstas no texto da Constituio Federal de 1988 e que servem como impeditivo incidncia na norma abstrata sobre o fato gerador concreto do imposto de renda, ou seja, no existe fato gerador para fins de tributao pelo imposto de renda. Tais benefcios constitucionais esto expressos no dispositivo do art. 150, inciso VI.Constituio Federal de 1988 Art. 150 Sem prejuzos de outras garantias asseguradas ao contribuinte, vedado Unio, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municpios: (...) VI instituir impostos sobre: a) patrimnio, renda ou servio, uns dos outros; b) templos de qualquer culto; c) patrimnio, renda ou servios dos partidos polticos, inclusive suas fundaes, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituies de educao e de assistncia social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei;

3

bcgontijo@yahoo.com.br

BRUNO CUNHA GONTIJOd) livros, jornais, peridicos e o papel destinado a sua impresso (...) 2 A vedao do inciso VI, a, extensiva s autarquias e s fundaes institudas e mantidas pelo Poder Pblico, no que se refere ao patrimnio, r