APOSTILA LUBRIFICAÇÃO AUTOMOTIVA

  • View
    282

  • Download
    5

Embed Size (px)

Text of APOSTILA LUBRIFICAÇÃO AUTOMOTIVA

LUBRIFICAO AUTOMOTIVA

Companhia Brasileira de Petrleo Ipirangawww.ipiranga.com.br1

INTRODUO: As Empresas Petrleo Ipiranga tm ocupado desde o incio de suas atividade em 1937 no mercado brasileiro uma posio de destaque no refino, distribuio de combustveis, produo e pesquisa de lubrificantes automotivos. Os estudos e ensaios, tanto em laboratrio com prticos que so constantemente levados efeito, permitem no somente manter um estreito relacionamento com o desenvolvimento da indstria automobilstica, como tambm seguir as tendncias futuras das exigncias dos novos projetos de motores, transmisses e outros componentes automotivos e ferrovirios, cada vez mais sofisticados e mais difceis de serem lubrificados em condies extremas de servios. Os lubrificantes destinados aos equipamentos automotivos, representam a maior parcela de utilizao entre todos os outros tipos de lubrificantes. Em nenhuma outra aplicao os lubrificantes so usados em condies mais diversas e severas de operao e em modelos to variados de equipamentos. Consumidores em todo o Brasil confiam a lubrificao de seus veculos nos produtos que levam a marca IPIRANGA. Sabem que a qualidade e performance destes lubrificantes iro atender as especificaes requeridas e satisfazer todas as necessidades de lubrificao dos seus veculos. A IPIRANGA emprega os mais modernos processos para fabricao, com um severo controle de qualidade e rigorosos testes de avaliao de desempenho dos produtos produzidos e Certificados pela Norma ISO 9001, garantindo com isso as exigncias tcnicas e a satisfao de todos os requisitos para uma longa vida dos componentes e partes lubrificadas. Pesquisa constantes so realizadas para o desenvolvimento de lubrificantes cada vez melhores, a fim de atender as crescentes necessidades da indstria automobilstica quanto ao desempenho e performance dos lubrificantes. A IPIRANGA no para de evoluir e de investir em novas tecnologias que faam com que o consumidor saiba que ao utilizar um produto que tenha a sua marca, estar utilizando um produto da mais alta qualidade e com um excelente desempenho.

2

O QUE UM LEO LUBRIFICANTE ? Antes de tratar das necessidades de lubrificao de um veculo, conveniente conhecer alguns termos expresses comumente utilizadas com referncia aos leos lubrificantes, sua escolha e o seu comportamento em servio.

O Petrleo.

O petrleo composto por uma mistura complexa dos elementos hidrognio e carbono, alm de pequenas quantidades de vrios outros elementos, como o enxfre, oxignio, sdio, ferro, nitrognio, entre outros (geralmente considerados como impurezas). O leo cru tal como extrado, contm hidrocarbonetos, sendo que alguns so muito instveis e se dividem facilmente em novos compostos com o tempo e outros so extremamente estveis e resistem fortemente a qualquer decomposio causada pelo calor, presso ou reao qumica. De acordo com a predominncia dos hidrocarbonetos encontrados no leo cru, o petrleo classificado em: Parafnicos:

3

Quando existe predominncia de hidrocarbonetos parafnicos. Este tipo de petrleo produz derivados com as seguintes propriedades: - Gasolina de baixa octanagem. - Querosene de alta qualidade. - leo diesel com boas caractersticas de combusto. - leos lubrificantes de alto ndice de viscosidade, elevada estabilidade qumica e alto ponto de fluidez. - Resduos de refinao com elevada percentagem de parafina. Naftnicos:

Quando existe predominncia de hidrocarbonetos naftnicos. O petrleo do tipo naftnico produz derivados com as seguintes propriedades: - Gasolina de alta octanagem. - leos lubrificantes de baixo ponto de fluidez, baixo ndice de viscosidade e baixo resduo de carbono. Mistos: Quando possuem misturas de hidrocarbonetos parafnicos, naftnicos e aromticos, com propriedades intermedirias, de acordo com maior ou menor percetagem de hidrocarbonetos parafnicos e naftnicos. Aromticos:

4

Quando existe predominncia de hidrocarbonetos aromticos. Este tipo de petrleo raro, produzindo solventes de excelente qualidade e gasolina de alta octanagem. No se utiliza este tipo de petrleo para fabricao de lubrificantes. Aps a seleo do tipo desejvel de leo cru, os mesmos so refinados, atravs de processos que permitem a obteno de leos bsicos de ata qualidade, livres de impurezas e componentes indesejveis. O leo lubrificante. A elaborao dos leos lubrificantes, faz-se atravs da mistura adequada de diferentes leos bsicos acabados obtidos aps os processos de refinao. Estas misturas, feitas em propores exatas para obteno de viscosidades determinadas, so completadas com outros tratamentos e/ou aditivos, a fim de dotar o produto final com caractersticas especiais, que permitiro aos leos satisfazerem todas as exigncias nos casos para que so recomendados. O que um leo lubrificante automotivo ?

Um leo lubrificante automotivo, deve possuir uma srie de caractersticas especiais para satisfazer as exigncias mecnicas e as variaes de condies operacionais e ambientais a que estaro continuamente submetidos. O desenvolvimento e a formulao de um leo lubrificante um trabalho complexo, em que o tcnico deve estudar a compatibilidade entre os diversos tipos de leos bsicos, entre os diversos tipos de aditivos e entre estes leos e aditivos, de acordo com sua finalidade.

5

CARACTERSTICAS E PROPRIEDADES DOS LEOS LUBRIFICANTES. Para se atingir as caractersticas desejadas de um leo lubrificante, realizam-se anlises fsico-qumicas que permitem fazer uma pr-avaliao de seu desempenho. Algumas destas anlises no refletem as condies encontradas na prtica, mas so mtodos empricos que fornecem resultados comparativos de grande valia, quando associados aos mtodos cientficos desenvolvidos em laboratrios. As provas de laboratrio so importantes para o controle das operaes de fabricao e como ndice de uniformidade, porm, a medida final da qualidade e poder de lubrificao so resultados obtidos na prtica e nas condies reais de servio. Na refinao e produo de leos lubrificantes, devem ser estabelecidos limites de tolerncia, cobrindo numerosas propriedades e caractersticas, a fim de se obter o grau desejado de normalizao dos produtos. Usam-se como limites bsicos vrias propriedades fsicas e qumicas, conhecidas como especificaes para leos lubrificantes. Estas especificaes so usualmente determinadas e expressas baseadas em testes padronizados, estabelecidos por rgos normalizadores como a ASTM (American Society for Testing and Materials), ABNT (Associao Brasileira de Normas Tcnicas), IBP (Instituto Brasileiro do Petrleo), API (American Petroleum Institute), e outras.

ViscosidadeA viscosidade uma das propriedades mais importantes dos lubrificantes. A viscosidade est relacionada com o atrito entre as molculas do fluido, podendo ser definida como a resistncia ao escoamento ou a resistncia interna oferecida por um fluido (lquido ou gasoso) ao movimento ou ao escoamento.

6

A viscosidade determina a facilidade com que pode ser dada a partida num motor ou trocadas as marchas em tempo frio. o fator que determina a capacidade de carga que pode ser suportada num mancal, com uma pelcula de leo separando as partes mveis. A viscosidade afeta diretamente a potncia e o calor gerado nos componentes mecnicos, influindo no efeito de vedao entre as folgas das peas e no prprio consumo do motor. A viscosidade no possui relao alguma com o seu peso ou oleosidade. A oleosidade a propriedade que o lubrificante possui de aderir s superfcies (adesividade) e permanecer coeso (adesividade). Como exemplo, citaremos a gua, que no possui oleosidade e os leos lubrificantes que possuem adesividade e coesividade.

Fluidos com alta oleosidade tem uma alta viscosidade, como o mel, isto , eles no escorrem facilmente. Fluidos mais finos, tais como a gua, fluem facilmente, significando que possuem baixa viscosidade. Os leos lubrificantes so produzidos em vrias viscosidades, podendo-se obter outras intermedirias atravs da mistura entre os leos bsicos. A viscosidade de um leo lubrificante varia com a temperatura, sendo inversamente proporcional mesma. Isto significa que a medida que a temperatura do leo aumenta, ele se torna menos viscoso. Com a diminuio da temperatura, o leo torna-se mais espesso, ou mais viscoso. A7

viscosidade de leos de diferentes origens e processos de refinao, varia de forma diferente para as mesmas variaes de temperatura. Assim sendo, sempre que se referir a um valor que representa a viscosidade de um leo, deve-se referir tambm temperatura na qual ela foi medida, pois caso contrrio o valor no ter nenhum significado. Existem vrios aparelhos para se medir a viscosidade de um leo, os quais so denominados de VISCOSMETROS. Os viscosmetros mais utilizados, so os seguintes: - CINEMTICO (Utiliza o Sistema Mtrico Internacional). - SAYBOLT UNIVERSAL. - REDWOOD (Ingls). - ENGLER (Alemo). Os mais utilizados so os Cinemticos e os Saybolt. O funcionamento de todos eles se baseiam no tempo de escoamento em segundos, necessrio para que uma determinada quantidade de leo, mantida a uma temperatura determinada, passe por um orifcio de tamanho especificado. seguir, o viscosmetro automtico Cinemtico Cannon.

Atualmente, o sistema de medio de viscosmetro Cinemtico de uso universal, visto ser enquadrado no Sistema Mtrico Decimal Internacional e apresentar uma preciso maior em relao aos outros viscosmetros. No mtodo Cinemtico, um tubo capilar abastecido com leo atravs de suco, at um nvel marcado. Parando-se de succion-lo, o leo tende a voltar para a posio inicial, passando por uma segunda marca de referncia. Anota-se o tempo, em segundos, que o nvel do leo levou para passar pelos dois traos de referncia. Para cada faixa de viscosidade dos leos, utilizado um tubo capilar com dimetro especificado e, para cada tubo, 8

determinado um fator de correo C do tubo, para o clculo da viscosidade em centistokes (cSt): Viscosidade Cinemtica em cSt = C x t 1 Centistokes = 1