Click here to load reader

Apostila Manutenção de Elevadores

  • View
    261

  • Download
    60

Embed Size (px)

Text of Apostila Manutenção de Elevadores

  • Curso Distncia em Manuteno de Edificaes

    Manuteno de elevadores

  • - SUMRIO:

    1 - Objetivo;

    2 - Funcionamento dos elevadores;

    2.1 - Introduo;

    2.2 - Dispositivos de segurana;

    2.3 - Tipos de elevadores (aplicaes especiais)

    3 - Importncia da manuteno de elevadores;

    3.1 - Riscos provenientes da falta de manuteno em elevadores;

    3.2 - Mau funcionamentos de menor gravidade;

    3.3 - Mau funcionamentos de maior gravidade;

    4 - Manutenes peridicas a serem executadas;

    4.1 - Plano de manuteno peridica preventiva;

    5 - Modernizaes;

    6 - Legislao;

    7 - Concluso;

    8 - Referncias bibliogrficas;

    9 - Currculo resumido do autor;

    10 - Colaboradores.

  • 1 - OBJETIVO:

    Descrever a importncia da correta manuteno peridica de elevadores,

    evitando possveis acidentes, otimizando seu funcionamento e atendendo as

    legislaes vigentes.

    2. - Funcionamento dos elevadores:

    2.1 - Introduo

    Os elevadores mais comumente encontrados em edificaes so os do tipo

    tracionados por cabos, neste tipo de construo os passageiros so

    transportados em uma cabina que se desloca verticalmente dentro de uma

    caixa acessando os diversos pavimentos do edifcio. Dentro da caixa e

    apoiados em guias se movem, em sentidos opostos, a cabina e um contra peso

    (o que reduz a energia necessria para a operao) o movimento dos mesmos

    se d por uma mquina de trao, situada na casa de mquinas acima da

    caixa, a referida mquina composta por um motor eltrico ligado a um

    redutor do tipo coroa e sem fim, que desloca um conjunto de cabos de ao

    ligados em uma extremidade cabina e em outra ao contra peso (balanceado

    de acordo com a capacidade do equipamento). Ao receber os comandos de

    dentro da cabina ou de alguma das botoeiras de pavimento, um painel eltrico

    instalado na casa de mquinas, comanda a mquina de trao sendo que, ao

    deslocar-se dentro da caixa a cabina aciona diversos sensores eltricos

    (chamados limites), o que enviar ao painel eltrico sinais da posio da cabina

    permitindo que sua velocidade diminua e pare na posio correta e nivelada ao

    pavimento.

  • As cabinas dos elevadores possuem duas portas de acesso uma delas esta

    fixada na prpria cabina se movendo com a mesma e acionada por um

    operador de porta eltrico, j a segunda a porta de pavimento que pode ser

    de dois tipos a de eixo vertical, que semelhante a uma porta residencial

    onde o prprio usurio precisa abri-la manualmente ou a porta de correr que

    acionada pelo prprio operador de porta da cabina, a segunda muito mais

    segura, uma vez que no pode, em caso de mal funcionamento, ser aberta

    pelo prprio usurio sem que a cabina esteja no andar.

    2.2 - Dispositivos de segurana:

    Obviamente um equipamento que transporta pessoas a grandes alturas

    necessita de dispositivos de segurana extremamente confiveis, sendo assim

    Independentemente do fabricante e da idade do elevador ele sempre ter trs

    componentes bsicos de segurana que impedem a queda da cabina:

    I - O freio da mquina de trao:

    Instalado na mquina de trao, geralmente entre o motor e o redutor, o freio

    possui sapatas com lonas, que quando acionadas, atritam em contato com uma

    espcie de tambor ligado ao eixo, o que impede o movimento do mesmo, do

    conjunto coroa e sem fim, da polia e conseqentemente do cabo de ao.

    importante citar tambm que o freio da mquina de trao funciona

    normalmente fechado, ou seja, permanece travando o movimento da mesma

    atravs do efeito de uma mola, sendo liberado eletromagnticamente apenas

    no momento em que o motor entra em funcionamento, o que garante que em

    caso de falha ou falta de energia o mesmo permanea travado e impedindo o

    movimento da cabina.

  • Maquina de trao com freio eletromagntico

    II - O freio da cabina:

    Em torno da cabina do elevador montada uma armao que a sustenta

    apoiando-a por seu piso (tambem chamado de plataforma), esta armao

    tambm sustenta as corredias (peas que entram em contato com as guias), e

    nela, sob a cabina, que esta montado o seu freio.

    O freio da cabina tem ao sobre suas guias fechando um conjunto de garras

    sobre elas, o que atravs de atrito ir parar a cabina.

    O acionamento das garras do freio de cabina se d pela ao do limitador de

    velocidades, que um equipamento instalado na casa de mquinas (junto da

    mquina de trao) com uma polia, por onde corre um cabo de ao, preso a

    cabina, mais especificamente no acionamento do freio, conforme a mesma

    sobe ou desce o cabo se movimenta junto e gira a polia do limitador, caso este

    detecte uma velocidade maior do que a normal para a operao do elevador

    ele travar o cabo e, uma vez que a cabina continua a se movimentar, o freio

    acionado.

    Motor eltrico

    Freio eletromagntico

    Sapata de freio

    Polia

  • Vale citar que caso este sistema entre em operao, muito provavelmente as

    guias da cabina sofrero grandes danos ao suportar este esforo, sendo

    necessrios reparos e at a sua substituio no trecho onde a cabina foi

    freada.

    III - O pra-choque no fundo caixa:

    Instalado no poo do elevador (rea inferior da caixa), os elevadores

    possuem um pra-choque que tem como funo amortecer um possvel

    impacto da cabina. Na prtica no caso de uma queda de curta distncia

    (quando a cabina esta muito prxima dos andares mais baixos) existe a

    possibilidade de que o freio da cabina no tenha tempo ou espao para freia-la,

    neste momento entra em ao o pra-choque que amortecer um possvel

    impacto desta natureza.

    O pra-choque pode ser constitudo de um conjunto de molas, elastmeros

    ou at mesmo por amortecedores hidrulicos.

    Limitador de velocidades Longarina da armao

    da cabina

    Garras

    do freio

    Acionamento

    das garras

  • Pra-choque no fundo do poo

    Segue abaixo uma ilustrao mostrando alguns dos componentes citados

    entre outros que compem um elevador residencial.

    Pra-choques

    de molas

  • 2.3 - Tipos de elevadores (aplicaes diferenciadas):

    Algumas variaes de elevadores deste mesmo conceito so encontradas

    em aplicaes especficas, que podem ser considerados elevadores de tipos

    diferentes, so eles:

    - Elevadores panormicos, so aqueles cuja caixa esta instalada na

    extremidade do edifcio ou fora dele, ou seja, tem uma ou mais faces abertas, o

    que permite que a cabina tenha uma janela panormica. Os elevadores

    panormicos podem ser externos, (instalados do lado de fora do edifcio) ou

    internos (instalados dentro dos prdios em trios ou em sales de shopping

    centers).

    - Elevadores Hospitalares, cujas dimenses so adaptadas para transporte de

    macas e equipamentos hospitalares.

    - Elevadores de carga, estes equipamentos so projetados para ter grande

    capacidade de peso e tem dimenses compatveis com sua finalidade, como

    por exemplo, elevadores para automveis.

    - Elevadores de alta velocidade, que so usados em edifcios mais altos,

    facilitando o acesso aos andares superiores, em geral esses equipamentos

    possuem sistemas de trao mais eficientes.

  • 3 - Importncia da manuteno de elevadores

    Levando em considerao os riscos envolvidos na operao dos elevadores

    bvio que a manuteno do mesmo de extrema importncia, e quando no

    feita corretamente pode causar:

    - Mau funcionamento do equipamento,

    - Danos ao mesmo,

    - Reduo de sua vida til e,

    - O mais grave de todos, acidentes com vitimas.

    3.1 - Riscos provenientes da falta de manuteno em

    elevadores

    A falta de manuteno nos elevadores pode causar diversos mau

    funcionamentos, alguns de menor outros de maior gravidade (estes inclusive

    com riscos de acidentes), entretanto mesmo os de menor gravidade devem ser

    analisados e reparados uma vez que podem ser indcios de que uma falha

    mais grave possa acontecer a curto prazo, so os chamados sintomas.

    3.2 - Mau funcionamentos de menor gravidade:

    - A falta de nivelamento da cabina em relao ao pavimento:

    A falta de nivelamento da cabina pode ser o indcio de falhas nos sensores

    eltricos (os limites) que enviam sinais ao painel eltrico, ou do prprio painel,

    o que poderia causar uma serie de sinais falsos, alterando o funcionamento do

    elevador.

  • - Rudos ou trancos durante o movimento da cabina:

    Os rudos durante o movimento da cabina podem ser indcios de

    componentes atritando, ou se chocando com partes mveis do equipamento,

    ou at de desgaste em componentes de trao como cabos de ao, guias,

    polias, mquinas de trao entre outros, qualquer uma destas possveis causas

    dos rudos pode acarretar danos maiores ao elevador com o passar do tempo e

    at mesmo acidentes.

    3.3 - Mau funcionamentos de maior gravidade

    I - Abertura da porta do pavimento sem que a cabina esteja

    naquele andar,

    Uma das causas mais comuns de acidentes com elevadores sem dvida a

    falha no trinco da porta de pavimento. Esta estatstica mudou ha alguns anos a

    legislao para elevadores proibindo a fabricao de equipamentos com portas

    de eixo vertical nos pavimentos, ou seja, atualmente todos os elevadores

    devem ter portas de pav