Click here to load reader

Apostila_metodos de Estudo Biblico

  • View
    471

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of Apostila_metodos de Estudo Biblico

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico I. INTRODUO

2

1. Por que estudar a Bblia? O estudo da Bblia, por excelncia, torna o cristo mais capacitado a utiliz-la com eficcia. Partindo de vrios exemplos bblicos, vemos que muitos personagens no s liam como meditavam na Lei do Senhor, dia e noite. Jesus utilizou-se dela contra as investidas de Satans durante o seu retiro no deserto (Mt 4), demonstrando profundo conhecimento sobre a Palavra e suas implicaes. Lucas, em At 17, refere-se aos moradores de Beria como mais nobres que os de Tessalnica, porque examinavam avidamente as Escrituras para saberem se as coisas eram, de fato, como Paulo as falava. O estudo pessoal da Bblia traz benefcios prprios. Ao estudar, voc , com toda a certeza, o mais beneficiado, pois fortalece o corao e o entendimento, ganhando assim foras para lutar contra as artimanhas do diabo. No devemos apenas ter a Espada do Esprito (Ef 6), mas aprender a manej-la bem (2 Tm 2:15); pode ajudar com mais sabedoria aos irmos que necessitam de esclarecimento; protege-se contra as heresias e erros teolgicos. Quando o apstolo Paulo escreve para Timteo, ele pede que lhe traga livros e pergaminhos para que estudasse as Escrituras. Apesar de alguns dizerem que estudar a Bblia pecado, pois precisamos depender do Esprito, no estudar a Bblia que pecado. O estudo pessoa da Bblia tambm trs muitos benefcios comunitrios. Voc, quando se aprofunda na Palavra de Deus, passa a ter um conhecimento precioso para esclarecer aos que precisam de ajuda bblica; tem condies de defender a Igreja das heresias e pode ser que, alm disso tudo, seja usado por Deus para ensinar o que tem aprendido aos outros. Este conhecimento, entretanto, conseguido com esforo e dedicao, tempo para ler e escrever. As recompensas so muitas como vimos. Ento no esmorea e no estudo a Palavra somente durante o curso, mas crie na sua vida o hbito de garimpar a Palavra de Deus. 2. Mtodos de estudo bblico. Existem vrios mtodos e formas de se estudar a Bblia. Neste curso apresentaremos trs deles que so dos mais importantes: a. Mtodo de estudo temtico, que busca compreender a Palavra por meio da anlise de personagens, palavras, locais, simbologias, etc. Dividiremos esta parte em estudo de personagens ou como alguns chamam de estudo biogrfico (J, Dbora, Moiss, etc.); estudo de lugares ou estudo geogrfico

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

3

(Monte Sinai, Babilnia, Samaria, etc.); e o estudo de palavras ou estudo tpico, que pode envolver um grande nmero de palavras como cruz, igreja, paz, esperana, etc. b. Mtodo de estudo expositivo ou estudo analtico, que mais complexo, profundo e, por isso mesmo, mais completo. No mtodo expositivo, pesquisamos questes como tipo literrio, contexto, autoria, destinatrios, pano-de-fundo, etc. A escolha do mtodo utilizado pelo estudante depende do seu objetivo. Muitas vezes, um bom estudo torna-se um bom sermo, mas vale lembrar que este curso apresenta apenas uma ferramenta. Estamos dando a vara para pescar com o objetivo de que o estudante possa dar seus prprios passos no seu aprofundamento nas Escrituras. Isto, claro, depende de dois fatores essncias: Aquele que deseja estudar e se aprofundar nas Escrituras precisa ter um investimento de tempo. No se cava um poo de uma hora para outra, e nem se perfura um poo de petrleo sem uma grande disponibilidade de tempo. O sacrifcio do tempo essencial para o bom estudante. preciso tambm ser insistente e perseverante. Em alguns momentos parecer que as coisas no esto caminhando. Alguns textos so difceis e preciso quebrar a cabea para compreend-los. No devemos desanimar perante as dificuldades encontradas. Lembre-se: a promessa para quem cava a mina encontrar ouro. Seja perseverante como quem busca o seu tesouro. E, por fim, faz-se necessrio um investimento financeiro. Um bom estudo depende de bons livros disposio, e estes custam algum dinheiro. Bons dicionrios, comentrios, manuais e outros materiais so ferramentas essenciais e indispensveis para o estudante. Abrir mo de algo para adquirir um livro deve ser algo presente na vida daquele que deseja aprofundamento bblico.

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

4

II. MATERIAIS DE ESTUDO BBLICO

Alguns materiais so essenciais para o estudo bblico, outros so opcionais. 1. Alguns tipos de Bblia. Algumas Bblias possuem ferramentas especiais para o estudo. Conhea algumas: a. Bblia Vida Nova: possui pequenos comentrios de rodap e versculos em cadeia temtica; b. Bblia Shedd: Possui os mesmo comentrios de rodap da Bblia Vida Nova e uma pequena chave bblica no final; c. Bblia Apologtica: Apresenta os textos mais comuns usados pelas seitas para defenderem suas heresias com o respectivo esclarecimento; d. Bblia Thompson: Considerada uma das mais completas, possui: versculos em cadeia temtica; estudo esboado dos livros; estudo de diversos personagens; harmonia bblica; suplemento arqueolgico; concordncia bblica e mapas; e. Bblia de estudo pentecostal: Possui muitos recursos, como a Thompson, com comentrios baseados na doutrina pentecostal. Precisamos lembrar que um estudo comea pela definio do tipo de linguagem que voc utilizar. Leve em conta a clareza da linguagem e a utilizao dela pelas pessoas a quem o estudo de dirige. A Nova Traduo na Linguagem de Hoje melhor do que a Linguagem de Hoje. A Revista e Atualizada melhor que a Revista e Corrigida ou Revista e Fiel. Isto de extrema importncia, principalmente no que diz respeito s palavras que vocs estudar (amor ou caridade?) e quem acompanhar seu estudo. Lembre-se tambm que algumas Bblias possuem tendncias doutrinrias em seus comentrios. Isto ocorre, por exemplo, com a Thompson (que espiritualiza alguns assuntos) e a Pentecostal (que possui comentrios baseados na doutrina pentecostal). Estabelea, ento, qual ser a Bblia que voc utilizar em seu estudo.

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

5

2. Materiais essenciais para o estudo. a. Chave Bblica ou Concordncia: Possui uma lista de todos os versculos divididos pelas palavras e em ordem alfabtica. Existem concordncias em grego, hebraico e portugus. Tambm existem concordncias sobre o Novo e o Velho Testamentos separados e de toda a Bblia. As mais completas concordncias so as chamadas exaustivas. Quando for utilizar uma concordncia bblica importante saber sobre verso ela utiliza (LH, RA, RC, NTLH, NVI), pois algumas palavras so diferentes de acordo com as tradues. Um exemplo 1 Co 13, que na RA amor e na RC caridade. O ideal ter disponvel uma bblia na linguagem da concordncia. b. Dicionrio: O dicionrio traz as explicaes sobre lugares, pessoas, palavras e outras questes bblicas. D preferncias aos dicionrios em que os verbetes so mais explicados. Neste caso, o tamanho do dicionrio importante. c. Manual bblico: semelhante ao dicionrio, trazendo alguns outros recursos que no apenas as explicaes das palavras. Alguns trazem questes de autoria bblica, arqueologia, esboos de livros, histria, etc. Um dos mais utilizados o Manual Bblico Harley da editora Vida Nova. d. Comentrio bblico: Os comentrios so recursos importantes na elaborao de um estudo bblico. Eles analisam o texto procurando esclarecer seu significado para o leito. Alguns so simples e outros se aprofundam nos textos gregos e hebraicos. 3. Materiais complementares. a. Estudo de personagens: Estes livros trazem biografias de personagens bblicos. Podem fazer anlises puramente histricas ou acrescentar comentrios devocionais. b. Geografia bblica: Todos os eventos histricos contidos nas Escrituras ocorrem em determinados espaos fsicos desertos, mar, casa, templo, monte, etc. O conhecimento destes locais no s enriquece o estudo como pode levar uma compreenso maior do que relata a Bblia. c. Manual de costumes bblicos: A Bblia foi escrita dentro de uma cultura especfica. Compreender esta cultura enriquece e esclarece o estudo. Muitos eventos encontrados nas Escrituras fazem referncias a hbitos, costumes e prticas presentes nos povos relatados.

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

6

d. Manual de histria bblica: Alguns livros contam as narrativas bblicas de forma histrica e cronolgica. Apresentam a histria de reis, profetas e at do desenvolvimento da igreja crist a partir de Atos. Uma contextualizao histrica tambm importante no estudo bblico. e. Manual de doutrina: Explicam as doutrinas com a citao de versculos. Dvidas so retiradas com a consulta e pesquisa das doutrinas crists. Erros podem ser evitados se estudarmos com ateno a teologia. f. Estudo de palavras: Se voc desejar aprofundar mais seu estudo, uma consulta ao original grego ou hebraico pode ser feita mediante um estudo da palavra. Saber seu significado ou tempo verbal torna mais claro o estudo. Existem livros especializados em explicar o significado das palavras, como os dicionrios de grego e hebraico e os lxicos. g. Bblia digitais: Para quem tem acesso a computadores, este recurso prtico e eficiente. Normalmente, voc tem em uma Bblia digital o recurso de busca de palavras, o que a torna uma chave bblica. Uma das Bblia digitais mais poderosas em portugus a Bblia On-Line da Sociedade Bblica do Brasil, que possui vrias verses portuguesas, a Vulgata, Septuaginta, Velho Testamento em hebraico e o Novo Testamento em grego. Possui lxico, mapas, dicionrio e muito mais. Se voc ainda no possui livros sua disposio, ser interessante que inicie a criao de uma biblioteca bsica com alguns materiais citados acima. Exerccios: 1. Quais razes voc poderia apontar para o estudo da Bblia? 2. O que devemos levar em conta quando vamos escolher uma linguagem da Bblia para estudar? 3. Qual o objetivo da consulta de materiais no estudo bblico?

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

7

III. MTODO DE ESTUDO TEMTICO

1. Estudo de personagens ou biogrfico. Esta espcie de estudo bblico tem importncia pelo fato de sondar a histria e o carter de personagens. Ele pode ser bsico ou avanado. Vamos iniciar com o estudo bsico: Passo 1. Escolha o personagem bblico que voc ir estudar e estabelea os limites de seu estudo. Se for um personagem que aparea em muitos textos, ser interessante voc limitar o estudo a determinado perodo de tempo, livro ou assunto. Se for estudar sobre Davi, por exemplo: Davi antes do adultrio; Davi antes de tornar-se rei, etc. Entretanto, pode ser sobre toda a vida do personagem. Tendo escolhido o personagem e estabelecido o os limites de seu estudo, procure numa concordncia bblica os quais textos nos quais ele aparece e anote em uma folha separada fazendo tambm alguma observao. Como exemplo, usaremos a figura de Raabe.Raabe Referncias Josu 2:1 Ela era uma prostituta residente em Jeric; Josu 2:3 O rei de Jeric manda tomar informaes sobre os espias; Josu 2:4 Raabe esconde os espias e mente ao rei; Josu 2:5 Ela, de propsito, desvia dali os homens da cidade; Josu 2:6 Raabe esconde os espias sob as canas de linho; Josu 2:8, 9 Raabe reconhece que o Senhor tomar posse de Jeric; Josu 2:10 Raabe relata os rumores do xodo e da vitria sobre os amorreus; Josu 2:11 Ela relata o medo do povo e o fato de que o Senhor Deus de todos e de tudo; Josu 2:12, 13 Raabe roga segurana para si e para a sua famlia; Josu 2:14 Os espias fazem a promessa a Raabe; Josu 2:15 Raabe lhes providencia um meio de fuga; Josu 2:16 Raabe lhes d um plano de segurana; Josu 2:17-20 Os espias planejam a segurana de Raabe; Josu 2:21 O sinal do compromisso de Raabe; Josu 6:22, 23 O salvamento de Raabe e de sua famlia; Mateus 1:5 Raabe tem lugar na genealogia de Jesus Cristo; Hebreus 11:31 Raabe citada como uma herona da f; Tiago 2:25 Ela foi justificada por sua ao de fazer partir em paz os espias.

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

8

Passo 2. Tome uma folha de papel e anote OBSERVAES no alto. Use esta folha durante o estudo todo. Nesta folha voc anotar: a. Observaes: Anote tudo e qualquer pormenor que notar sobre essa pessoa. Quem era? Onde morava? Quando viveu? Por que fez o que fez? Como o levou a efeito? Anote todos os detalhes que voc perceber sobre ela e seu carter. b. Dificuldades: Escreva o que voc no entendeu ou no ficou claro acerca dessa pessoa e de acontecimentos em sua vida. c. Aplicaes possvel: Anote vrias destas aplicaes durante o transcurso do seu estudo. Na concluso voc voltar a estas aplicaes possveis. Deus pode falar muito com voc neste momento.OBSERVAES Raabe era uma prostituta que morava em Jeric. Por temor, escondeu os espias e mentiu para o rei de Jeric. Sua atitude demonstra que ela tinha conhecimento do que Deus tinha feito com Israel. Era esperta e decidida. No entendi o que so as canas de linho descritas no texto. No compreendi, tambm, como a mentira de Raabe chamada de f em Hebreus. Aplicaes possveis: A f de Raabe foi baseada em rumores. No que est baseada a minha f? Raabe aproveitou a oportunidade de salvao ao proteger os espias. Como estou aproveitando as oportunidades que o Senhor me tem dado?

Passo 3. Com diviso em pargrafos, escreva um breve esboo da vida do personagem que voc est estudando. Inclua os acontecimentos, fatos importantes, atitudes dignas de nota e outras caractersticas que so essncias e que descrevem bem a pessoa. Procure escrever, o quanto for possvel, em ordem cronolgica. Acrescente, tambm, algumas concluses, principalmente se houver ocorrncias de personagens do Velho Testamento no Novo Testamento, como acontece com: Jonas, Abrao, Isaas, Moiss e outros heris da f. Se

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

9

eles esto sendo citados no Novo Testamento, deve haver algum motivo importante. No esquea, ento, de acrescentar a este esboo.

Raabe Esboo da sua vida Raabe era uma prostituta da cidade de Jeric, situada alm do Rio Jordo na terra de Cana. Ela e outros membros da sua comunidade tinham ouvido como Deus tinha permitido que os israelitas atravessassem o Mar Vermelho em terra seca, e tambm como tinham derrotado os dois reis amorreus. Quando os espias chegaram sua porta, ela os acolheu em paz e os escondeu do rei de Jeric, que buscava suas vidas. Ela mentiu ao rei dizendo que no estavam ali, e mandou os homens da cidade com falsa pista atrs deles. Raabe solicitou segurana aos espias, para si e para a sua famlia, dando-lhes testemunho de que cria que o Deus de Israel era o Deus do cu e da terra, baseada no que tinha ouvido dos Seus atos. Os espias lhe prometeram salvamento se ela no revelasse o paradeiro deles, e que teria a sua famlia em casa quando tomassem Jeric. A prova do compromisso mtuo era um cordo vermelho pendente em sua janela. A vida de Raabe foi poupada na queda de Jeric e mais tarde a vemos como trisav do rei Davi e, assim, na linhagem de Jesus. O Novo Testamento registra ainda a sua f e justificao por seu ato de acolhida aos espias.

Passo 4. Registre as virtudes e as fraquezas da pessoa. Por que Deus a considerou grande? Quando ela falhou?Raabe Virtudes e fraquezas Virtudes: Baseada em bem pequeno conhecimento (rumores), Raabe apostou toda a sua vida e a vida da sua famlia no que ouviu. Aplicou o que sabia. Deus considera grandeza isto crer nEle e agir com o que voc tem. O povo de Raabe recebera a mesma informao e, contudo, no creu. Fraquezas: Raabe foi prostituta, mentirosa e traidora da ptria.

Passo 5. Escolha o versculo-chave para a vida do personagem. Tratase do versculo que, mais que qualquer outro, sintetiza a orientao da vida daquela pessoa. Exponha a realizao ou contribuio que coroa aquela vida. Escolher esse versculo pode ser algo bem pessoal, isto , varia de estudante

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

10

para estudante. Concentre-se naquele que melhor fala do motivo deste personagem ser citado nas Escrituras.

Raabe Versculo-chave Pela f Raabe, a meretriz, no foi destruda com os desobedientes, porque acolheu com paz os espias (Hebreus 11:31). Sua f foi exercida enquanto ela era meretriz, e Deus a considera grande naquele estgio da sua vida, no somente depois de ser aceita na comunidade judaica. Com base no escasso conhecimento que tinha, ela agiu ocultando os espias e creu que Jeov era o verdadeiro Deus.

Passo 6. Das aplicaes possveis registradas em suas observaes, escolha aquela que Deus quer que voc ponha em ao.Raabe Aplicao fcil cair no hbito de ler a Bblia para obter novas compreenses, e omitir os aspectos da aplicao que transformam a vida. Sou culpado disto. Desde que o segredo de uma vida transformada est em aplicar a Palavra de Deus minha vida, e no somente em aumentar o meu conhecimento, vou orar e me comprometo a aplicar a verdade da Escritura toda vez que eu A ler.

O estudo avanado: Os seguintes passos podem ser acrescentados se e quando voc achar que o ajudaro em seus estudos biogrficos. So facultativos e s devem ser includos progressivamente, medida que voc ganha confiana e prtica. Passo 7. Trace o fundo histrico da pessoa. Use um dicionrio bblico para ampliar este passo quando for necessrio. As seguintes perguntas ajudaro a estimular seu pensamento: a. Quando viveu o personagem? Quais eram as condies polticas, sociais, religiosas e econmicas de sua poca? b. Onde a pessoa nasceu? Quem foram seus pais? Houve alguma coisa incomum em torno do seu nascimento e da sua infncia?

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

11

c. Qual sua vocao? Era mestre, agricultor, ou tinha alguma outra ocupao? Isto influenciou sua vida de alguma maneira? Como? d. Quem foi seu esposo ou esposa? Tiveram filhos? Como eram eles? Este cnjuge ou filhos ajudou ou atrapalharam a vida e o ministrio da pessoa? e. Como morreu? Houve alguma coisa extraordinria em sua vida? Obviamente, nem todas as perguntas acima sero respondidas com todos os personagens, mas procure encontrar respostas para todas as perguntas acima.Raabe Fundo histrico Jeric, a Cidade das Palmeiras, ficava na terra de Cana. Ficava na rota das caravanas do deserto entre o Egito, ao sul, e a Babilnia, ao norte. Cana consistia de pequenos reinos, cada um com cidades fortificadas e um rei (ver Josu 9:1, 2). Jeric era fortificada por uma muralha dupla, e a casa de Raabe era sobre essa muralha. Os cananeus eram descendentes de Co (ver Gnesis 19:18-25), e seu culto consistia de idolatria, ritos celebrando a fertilidade e sacrifcios humanos a Baal. Desde a hora em que os residentes em Jeric ouviram falar do xodo, viviam com medo. O corao dos homens da cidade desmaiou dentro deles. De acordo com o relato bblico, o linho tinha sido colhido recentemente, visto que estava no teto para secar, o que coloca o incio da histria no fim de maro ou princpio de abril. Mais tarde Raabe casou-se com Salmon e teve um filho, Boaz. Boaz casou-se com a gentia Rute, que d nome ao conhecido livro do Velho Testamento. O filho deles, Obede, gerou a Jess, que foi o pai do maior rei de Israel, Davi.

Exerccio 1: Seguindo todos os passos descritos no mtodo de estudo de personagens, pesquise sobre a vida de algum na Bblia. No esquea de limitar sua pesquisa.

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

12

2. Estudo de lugares ou geogrfico. Alguns podem pensar que o estudo geogrfico seja sem tanta importncia. Ao contrrio disso, saber o local em que as histrias bblicas se passam e quais as caractersticas do lugar tem se mostrado bastante relevante para uma compreenso maior. A pergunta Onde ocorreu determinado evento?, pode levar a concluses mais claras sobre o texto em si e, um aprofundamento com a pergunta Como era este lugar?, pode trazer uma incrvel compreenso ao estudante. Este estudo mais simples, mas que necessita de mais pesquisa em maior quantidade de materiais. Passo 1. A primeira coisa a fazer determinar o lugar bblico que voc ir estudar. Da mesma forma que o estudo biogrfico abordado anteriormente, poder ser limitado em um livro, em determinado perodo de tempo ou ocasio para facilitar, mas, por algumas vezes, talvez seja necessrio o estudo mais completo. Veja alguns exemplos de locais para estudar: O Egito na poca da escravido dos israelitas; Jerusalm na poca do rei Davi e A cidade de Jeric no Novo Testamento. Tendo escolhido o tema e delimitado o estudo, relacione todos os versculos e faa ao lado de cada um deles um breve comentrio. Como exemplo ns estudaremos O Monte das Oliveiras no Novo Testamento. Preste ateno a referncias quanto localizao e histria. Como no estudo de personagens, utilize uma folha separada.O Monte das Oliveiras Referncias Mt 21:1 Daqui Jesus entra em Jerusalm montado em um jumento (Mc 11:1, Lc 29:29); Mt 24:3 Neste lugar, Jesus fala sobre os acontecimentos futuros e sua vinda (Mc 13:3); Mt 26:30 Jesus e seus discpulos vieram para c aps a ltima ceia (Mc 14:26); Lc 9:37 O povo recebe a Jesus com alegria ao entrar em Jerusalm; Lc 21:37 Para ali, Jesus se retirava aps ensinar em Jerusalm; Lc 22:39 Era costume de Jesus se retirar a este lugar para a orao (v. 40); Jo 8:1 Enquanto os outros vo para casa, Jesus vai para l; At 1:12 Foi deste monte que Jesus subiu aos cus aps a ressurreio (v. 9).

Perceba que no caso do Novo Testamento h a presente de muitos textos parecidos nos evangelhos. No necessrio citar todos, mas apenas

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

13

aqueles que apresentam eventos diferentes. Faa a citao no final e entre parnteses. Passo 2. Faa a anlise geogrfica e histrica. Neste passo voc precisar de um dicionrio bblico para responder as seguintes questes (voc pode criar outras se achar relevante): a. Que tipo de lugar era? b. Onde se localizava? c. O que significa seu nome? ou Por que foi chamado assim? d. Alguma outra caracterstica ou fato importante (do passado ou futuro) est ligado a este lugar? H alguma profecia que se cumpriu ou ir se cumprir nele?O Monte das Oliveiras Anlise geogrfica e histrica a. Que tipo de lugar era? O local uma pequena elevao com quatro cumes. O mais alto atinge a altura de 830 metros. cerca de 90 metros mais alto que o monte do templo. b. Onde se localizava? Estava de frente para Jerusalm e para o cmodo do templo do outro lado do vale de Cedrom e do poo de Silo, para o lado leste. c. O que significa seu nome? Por que foi chamado assim? Na poca de Jesus este monte era densamente arborizado, rico em oliveiras (tal fato deu nome ao lugar). As oliveiras no tempo do imperador Tito foram retiradas. O monte tem quatro cimos: (1) O Galileu ou Viri Galilae (Homens da Galilia), o tradicional lugar sobre o qual os anjos falaram Vares galileus (At 1:11); (2) o tradicional Monte da Ascenso; (3) os Profetas, nome derivado duma singular gruta, chamada os tmulos dos profetas; (4) O Monte da Ofensa, por ser ali que Salomo edificou um alto (1 Rs 11:7 e 2 Rs 23:13). d. Alguma outra caracterstica ou fato importante (do passado ou futuro) est ligado a este lugar? H alguma profecia a se cumprir nele? Existem referncias no Velho Testamento sobre o Monte das Oliveiras em 2 Sm 15:30, Ne 8:15, Ez 11:23, mas so superficiais. Pelo Monte das Oliveiras subiu Davi para fugir de Absalo (2 Sm 15:30 e 16: 1, 13). Em 1 Rs 11:7 e 2 Rs 23:13, se referem idolatria de Salomo, ereo de lugares altos dedicados a Camos e Moloque, o que provavelmente fez que um dos cumes fosse cognominado de Monte das Ofensas. No futuro (profecia), Deus dividir o Monte das Oliveiras em duas partes, ao vir pr-se de p sobre o mesmo (Zc 14:4). Referncias: O Novo Dicionrio da Bblia. Editora Vida Nova, 2 ed. pg. 1143-1144. Dicionrio Bblico Universal. Editora Vida, 1992. pg. 311.Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

14

Como voc pde perceber, importante anotar o nome dos livros que voc utilizou para a sua pesquisa. Passo 3. o resumo. Relacione agora, de forma textual, os fatos relacionados ao lugar em questo. Procure manter certa ordem cronolgica. Faa uma explanao de todos os ventos, fatos e registros bblicos sobre o local que voc escolheu estudar. Veja o nosso exemplo do passo 3.O Monte das Oliveiras Resumo O Monte das Oliveiras faz parte da histria de Jesus, pois ele tinha o hbito de estar l constantemente para a orao quando estava na regio de Jerusalm. Estando neste monte, Jesus entrou triunfante em Jerusalm. Neste mesmo monte Ele pregou sobre o futuro, a destruio de Jerusalm e seu retorno. O Getsmane ficava no Monte das Oliveiras, e foi ali que Jesus orou aps a ltima ceia, chorou e foi entregue por Jesus. Deste monte Ele subiu aos cus. Existem profecias que indicam ser este monte o local de seu retorno.

Um outro exemplo de estudo geogrfico o estudo de povos, cidades, naes e regies. Este estudo um pouco diferente do estudo de lugares. Siga os passos. Passo 1. Primeiramente, como em todos os casos anteriores, inicie escolhendo o que ir estudar e fazendo a delimitao. Exemplos: O povo de Israel no Egito; Os samaritanos no Novo Testamento; A pregao do evangelho na regio da Macednia, etc. Como exemplo utilizaremos Os filipenses para quem Paulo escreveu sua epstola. Passo 2. Relacione todos os versculos em que aparece a referncia e faa um comentrio sobre cada versculo. No caso de filipenses, precisamos acrescentar em nossa busca o termo Filipos. Caso fizssemos sobre os assrios, deveremos incluir Assria na busca. Escreva os resultados em uma folha.Filipenses Referncias Fp 4:14 Quando estava na regio da Macednia, Paulo foi ajudado somente pelos irmos filipenses.

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

15

Filipos Referncias At 16:12 Primeira cidade da Macednia e colnia romana. Paulo passou alguns dias nesta cidade; At 20:6 Depois dos dias dos pes asmos, partiram desta cidade para Trade; Fp 1:1 Paulo enderea uma carta aos cristos desta cidade; 1 Ts 2:2 Paulo revela aos tessalonicenses que foi maltratado em Filipos;

Passo 3. Com a ajuda de um dicionrio bblico, responda as seguintes questes: a. Onde vivia este povo? (Onde ficava esta regio?) b. Quais os fatos mais importantes em sua histria? c. Quais seus hbitos e costumes (religio, festas, cultura, etc.)? d. Quais fatos revelados por este povo so importantes para a nossa compreenso da Bblia? Proceda pesquisando as respostas e fazendo as anotaesFilipenses Anlise histrica e geogrfica a. Onde vivia esse povo? Este povo vivia na cidade de Filipos, que tem seu nome em homenagem a Filipe, rei da Macednia e pai de Alexandre Magno, que a reedificou e embelezou. Era rica em ouro e nela foram cunhadas moedas com o nome de Filipe. Hoje no passa de runas. b. Quais foram os fatos importantes em sua histria? Filipe da Macednia a conquistou dos tsios cerca de 300 a.C. Em 168 a.C., depois da batalha de Pidna, a cidade foi anexada pelos romanos e dividida em quatro pores administrativas (distritos). Em 42 a.C., a batalha de Filipos teve lugar entre Antnio e Otaviano por uma lado e Bruto e Cesrio por outro. Depois disso a cidade foi anexada com a vinda de colonos. A cidade cresceu ainda mais quando em 31 a.C., depois da batalha de ctio, na qual Otaviano derrotou as foras conjuntas de Antnio e Clepatra. Aps isto os colonos romanos continuaram a ter os seus direitos, at mesmo o de votar nas assemblias romanas. c. Quais seus hbitos e costumes (religio, festas, cultura, etc.)? Eram muito orgulhosos de sua histria. Como colnia romana, tinham prticas idlatras. d. Quais fatos revelados por este povo so importantes para a nossa compreenso da Bblia? Paulo, cidado romano, no cita sua cidadania na epstola, apesar de isto parecer importante para os filipenses. Em Fp 1:27, ressaltada a importncia da cidadania celestial sobre a cidadania romana.Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

16

Estas informaes anteriores podem ser colhidas em dicionrios ou manuais bblicos. Anote as referncias dos livros em que voc pesquisou. Passo 4. Agora, procure na Bblia as histrias que ocorrem com determinado povo ou nao. No caso dos filipenses, podemos ler os textos que falam da criao da igreja em Atos 16 e a prpria epstola escrita.Filipenses Fatos e narrativas bblicas At 16:12 Paulo e Silas passam alguns dias na colnia de Filipos; At 16:13 Num sbado, Paulo prega para algumas mulheres beira de um rio; At 16:14 Entre estas mulheres estava Ldia, vendedora de prpura da cidade de Tiatira; At 16:15 Ldia creu e foi batizada. Ela fez com que Paulo ficasse em sua casa; At 16:16-18 Paulo expulsa o esprito de advinha de uma mulher; At 16:19-21 Paulo e Silas so levados perante os magistrados; At 16:22, 23 Paulo e Silas so aoitados e presos; At 16:25, 26 Durante a noite, enquanto cantavam, so libertos de forma milagrosa; At 16:27 34 O carcereiro e toda a sua famlia se convertem; At 16:35, 36 Os magistrados libertam Paulo e Silas; At 16:37, 39 Os magistrados pedem a Paulo e Silas que partam, pois so cidados romanos. A cidadania romana era importante; At 16:40 Paulo e Silas partem de Filipos; At 20:6 Paulo volta a Filipos e passa cinco dias; Fp 1:1 Paulo escreve uma epstola para os irmos daquela cidade; Fp 1:5 Os filipenses cooperavam com Paulo para a propagao do evangelho; Fp 1:7 Eles ajudaram Paulo no momento em que ele fora preso; Fp 1:27 A superioridade da cidadania celestial que os filipenses receberam; Fp 1:29, 30 Os filipenses estavam passando por dificuldades, assim como Paulo; Fp 2:3 Parece haver algumas brigas na igreja em Filipos; Fp 2:19 Paulo quer mandar Timteo para saber como eles esto; Fp 2:24 Paulo desejava voltar a Filipos e v-los pessoalmente; Fp 2:25 Epafrodito enviado Filipos levando esta carta; Fp 2:26 Epafrodito estava, literalmente, morrendo de saudades dos filipenses; Fp 3:2 Parece que os filipenses estavam recebendo falsos obreiros (cf. 1:14-19); Fp 3:3 Estes falsos obreiros estavam exigindo que eles fossem circuncidados; Fp 3:20 A nacionalidade do Reino de Deus maior; Fp 4:2 Duas mulheres estava causando desunio na igreja. Evdia e Sntique; Fp 4:15 Paulo relembra o fato dos filipenses terem sido os nicos a prestarem auxlio financeiro na Macednia; Fp 4:18 Mesmo no estando em Filipos, os cristos de l enviaram suas ofertas.

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

17

Passo 5. Faa um resumo utilizando os versculos colhidos. Se surgir alguma dvida, procure suas respostas em dicionrios ou comentrios bblicos. Procure criar um texto que explique bem o que voc pesquisou.Filipenses Resumo Os filipenses ouviram o evangelho por intermdio de Paulo durante a sua primeira viagem pela Europa. Fundada cerca de 40 d.C. no princpio de sua segunda viagem missionria. Ldia e o carcereiro estavam entre os novos convertidos. O Manual Bblico Harley cita Lucas como seu primeiro pastor e responsvel pelo desenvolvimento daquela igreja. Paulo cita a igreja dos filipenses como cooperadores nas suas dificuldades e eles mesmos perseguidos por causa do evangelho, inclusive quando fora preso. Contriburam financeiramente com Paulo vrias vezes para o seu ministrio. Havia um problema de diviso da igreja, o que faz Paulo citar muitas vezes a necessidade de unidade, principalmente de Evdia e Sntique, duas lderes da igreja, mas que estavam causando dissenso pelas discordncias que tinham.

Exerccio 2: Utilizando os passos apresentados no mtodo de estudo geogrfico, escolha um povo, lugar, nao, cidade ou regio e faa a sua pesquisa.

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

18

3. Estudo de Palavras ou tpico. O estudo de palavras ou tpico um dos mais complexos e trabalhosos, mas que produz bons resultados. Pelo fato de neles estarem envolvidos muitos passos, aconselhamos que o iniciante limite bem o alcance do seu estudo. Exemplos: O pecado em Romanos; A obedincia em 1 Joo; A alegria em Filipenses; O sacerdcio em Hebreus. Um local para fazer bons estudos no livro de Provrbios. Exemplos: A preguia em Provrbios; O adultrio em Provrbios; A sabedoria em Provrbio. Para este estudo sero importantes os seguintes materiais: a. Um lxico, chave-bblica ou concordncia, para encontrar em quais textos esto as palavras que voc quer estudar; b. Um dicionrio (de preferncia bblico) para buscar as definies da palavra; c. Manual de doutrina para tirar dvidas com, por exemplo, se voc estudar sobre a palavra salvao; d. Se tiver acesso, tenha em mos algum livro que traga explicaes das palavras em grego ou hebraico, pois podem ampliar sua compreenso. Passo 1. Defina a palavra e limite o estudo. Neste estudo voc poder utilizar quaisquer palavras em portugus, grego ou hebraico. Aconselhamos a limitar o estudo, pois algumas palavras so muito utilizadas nas Escrituras com, por exemplo, a palavra salvao. Obviamente o estudante poder estudar em toda a Bblia, mas deve estar consciente de que maior ser seu trabalho. Como exemplo em nosso estudo vamos usar a palavra justificao. A limitao ser o livro de Romanos. Ento, o ttulo do nosso estudo ser A justificao em Romanos. Como voc fez anteriormente, procure no livro de Romanos os versculos onde encontramos a palavra justificao. Anote a referncia e faa uma observao ao lado. Talvez seja importante ler o contexto no qual se encontra o versculo para compreend-lo totalmente.A justificao em Romanos Rm 4:25 Jesus morreu por nossos pecados e ressuscitou para nossa justificao; Rm 5:16 A justificao veio pela graa, apesar de todos os nossos pecados; Rm 5:18 A condenao veio por um homem, e a justificao por um homem, tambm; Rm 9:30 A justificao dos gentios pela f;Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

19

Passo 2. Procure tambm pelas palavras relacionadas, como conjugaes verbais (ex: salvao salvar, salvou, salvo). Da mesma forma que no quadro anterior, anote o versculo e a observao ao lado.A justificao em Romanos Palavras relacionadas Justificou: Rm 8:30 Foi Deus quem nos predestinou, chamou, justificou e glorificou; Justificar: Rm 3:30 Deus quem justificar tanto o judeu como o no-judeu; Justifica: Rm 4:5 A justia vem pela f, e no pelas obras; Rm 8:33 No h acusao para aquele que justificado por Deus; Justificado: Rm 3:20 O homem justificado pela f e no pelas obras; Rm 3:28 Novamente, o homem justificado pela f, independente das obras; Justificador: Rm 3:26 Deus justo e justifica aquele que tem f em Jesus; Justo: Rm 3:10 No h ningum justo; Justificados: Rm 2:13 Ser justificado aquele que pratica a lei (?); Rm 3:24 A justificao gratuita, pela graa de Deus; Rm 5:1 A justificao por meio da f; Rm 5:9 Somos justificados pelo sangue de Cristo e seremos salvos da ira; Justia: Rm 1:17 O justo viver pela f; Rm 3:22 A justia mediante Jesus; Rm 4:3 Abrao foi justificado pela f; Rm 4:5 A justia vem pela f; Rm 4:6 Deus justifica independente das obras; Rm 4:11 Abrao creu antes de ser circuncidado. o pai da f; Rm 4:13 A justia vem pela f; Rm 5:21 A graa reina pela justia para a eternidade; Rm 6:18 Ao sermos libertos do pecado, somos servos da justia; Rm 6:19 Devemos nos oferecer para servir justia para a santificao; Rm 10:4 O fim da lei Cristo, para justia de todo o que cr; Rm 10:10 Com o corao se cr para a justia;

Passo 3. Agora que voc j selecionou os textos onde aparecem a palavra justificao e as relacionadas, procure as definies em um dicionrio bblico. Procure se ater aos comentrios sobre as palavras no Novo Testamento e, se for possvel, no prprio limite de seu estudo.

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

20

Neste exemplo, vamos procurar a definio para a palavra justificao no Dicionrio Internacional de Teologia do Novo Testamento, da Ed. Vida Nova. Poderemos anotar trechos, idias ou fazer pequenos resumos que facilitem nossa compreenso.A justificao em Romanos Definio Paulo quem faz o emprego mais freqente de dikaios, dando-lhe sua gama mais larga de sentidos. De todos os escritores do NT, ele quem estabelece a conexo mais estreita com o AT, ao falar da justia de Deus, e da justificao dos pecadores, da parte de Deus. A justia de Deus essencialmente Seu modo de tratar Seu povo, baseado na Sua aliana, que assim se constitui em uma nova humanidade, um novo Israel, composto de judeus e gentios juntamente. Esta justia divina se revela pelo fato de que os propsitos de Deus no so frustrados pelo pecado do homem, pelo contrrio, Ele continua sendo onipotente, tanto como Senhor quanto como Salvador, a despeito da rebeldia do homem. A transgresso e a incredulidade trouxeram ao mundo a descrena, com o resultado que todos os homens caram sob a condenao divina. Agora, porm, o ato justo (dikaioma) de um s homem (Cristo), Sua confiana total nAquele que justifica os mpios, desafia a maldio do pecado ao trazer para o mundo a possibilidade de uma confiana em Deus. O resultado, na vinda de Cristo, ser a absolvio, o declarar justo, de todos aqueles que so membros da nova humanidade (Rm 5:16-19). Ningum pode ser justificado pela obedincia lei, pois se isto fosse possvel no seria necessria a morte de Cristo. O homem s pode ser justificado mediante a f em Cristo (Rm 3:26), isto , mediante o confiar total e exclusivamente na graa de deus, a qual, por sua definio, tem que ser um dom gratuito (Rm 3:24). Esta justificao pela f tanto para judeus como para gentios. Agora, j que o crente morreu com Cristo no que diz respeito ao pecado, e agora justificado (Rm 6:7), vive somente para deus (Rm 6:11). O cristo deve pertencer somente a Deus. A justificao do indivduo, portanto, tem sua origem naquela de todos os homens (Rm 5:19), de tal modo que no somos ns que possumos a justia pelo contrrio, a justia que nos possui; ns somos servos dela (Rm 6:18). Nossa justificao no somente nos advm da parte do futuro: tambm se estende para o futuro.

Passo 4. Se ao relacionar os versculos restar alguma dvida sobre algum significado, voc pode procurar em algum comentrio bblico o versculo especfico para esclarecer. Um exemplo que podemos usar neste estudo Rm 2:13. Neste texto, Paulo diz que ... os simples ouvidores da lei no so justos diante de Deus, mas os que praticam a lei ho de ser justificados. Paulo parece afirmar que o que somente aquele que pratica a lei ser justificado, mas isto estaria em contradio com a doutrina de que a salvao no vem pela obedincia lei. Qual seria a resposta? A resposta busquei no Novo Testamento Interpretado Versculo por Versculo, de R. N. Champlim da Ed. Candeia.

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

21

A justificao em Romanos Rm 2:13 A resposta para este texto de que Paulo fala do resultado da pessoa justificada. Quem foi justificado procura obedecer a Lei de Deus, como dito nos vv. 7 e 10. Ele diz que a obedincia Lei s pode ser conseguida mediante a redeno que h em Cristo. verdade que os verdadeiros discpulos de Cristo, sendo transformados em Sua imagem moral e metafsica, eventualmente podero cumprir as justas exigncias da lei... a justificao deles no se dever ao fato de que cumpriram to perfeitamente a lei mosaica, e, sim, porque Cristo foi perfeitamente formado neles, e um subproduto disso ser o cumprimento da lei.

Passo 5. Cuidado com palavras iguais e significados diferentes. Algumas palavras so iguais, mas que seu significado diferente. Um exemplo a palavra salvao, que pode significar salvao da condenao eterna ou a salvao de um castigo iminente ou salvao fsica. A palavra dormir tambm pode significar estar dormindo ou estar morto. Dizer Jesus veio em carne no quer dizer que Ele veio em pecado, mas que se fez em natureza humana. Ento, muito cuidado com a utilizao da palavra no texto que voc est lendo. Se voc se deparou com alguma palavra que no cabe dentro do seu propsito de estudo, pode retir-la. Se voc pretende falar da salvao eterna, no convm utilizar textos que falam da salvao de uma guerra, de uma doena ou coisa parecida. Incluir estes textos em seu estudo pode provocar muitas distores, concluses erradas, erros teolgicos e at heresias. Passo 6. Ateno nas palavras doutrinrias. Outro cuidado que devemos ter com a doutrina na qual a palavra pode estar inserida. Este o caso da palavra justificao, que parte essencial da doutrina da salvao. Consultar um bom manual de doutrina essencial para compreender e evitar erros de interpretao. Algumas outras palavras no fazem referncia doutrina alguma ou no so essenciais dentro de algum ponto teolgico. Estudar sobre animais, plantas, instrumentos musicais, objetos, entre outros, no nos trazem o trabalho da pesquisa mais aprofundada em comentrios bblicos. Passo 7. Escreva um texto final com suas concluses. Procure acrescentar neste texto algo prtico ou de que forma Deus tem falado com voc atravs deste estudo. Apesar de ser apenas um resumo, exponha suas idias de forma clara e coerente, de forma que tanto voc como outra pessoa possam se utilizar dele.

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

22

A justificao em Romanos Resumo O apstolo Paulo escreveu muito sobre a justificao em Romanos. Ningum pode ser justificado pela prtica da lei, seja ele judeu ou gentio. O prprio Abrao foi justificado pela f, antes de ser circuncidado, tornando-se o pai da f, de judeus e gentios. pela graa de Deus, atravs da f em Jesus Cristo, que o homem alcana a justificao. Esta justificao que garante ao homem que ele aceito por Deus, e ser salva da Sua ira. Pelo que estudei, apesar de no ser justificado pela lei, preciso obedecer a Deus e Sua Palavra como resultado da minha salvao. Paulo diz que sou um servo da justia, e no posso permitir que eu seja usado para a desobedincia. Realmente, preciso ter uma vida grata a Deus, pois a justificao perdo e salvao s se tornaram possveis mediante o sacrifcio espontneo de Cristo.

Exerccio: Seguindo os passos que voc aprendeu no mtodo de estudo de palavras, escolha uma para exercitar seu aprendizado. Como este estudo um pouco mais complexo que os demais, procure escolher uma palavra que no envolva teologia ou doutrina e que possa ser bem delimitada. Que tal estudar alguma palavra no livro de Provrbios?

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico IV. MTODO DE ESTUDO EXPOSITIVO

23

Mtodo de estudo expositivo ou analtico. O mtodo de estudo expositivo ou analtico um dos mais difceis e completos que pode ser feito pelo estudante iniciante. Quando vocs estudar grego e hebraico, descobrir que existe um outro mtodo que tido como o mais profundo. a chamada exegese, que necessita de maior domnio das estruturas lingsticas do Novo e do Velho Testamento. Este mtodo de estudo expositivo utilizado na pesquisa de livros ou versculos. Quando feito a partir de um versculo ele denominado de sinttico, e quando o fazemos a partir de um livro, o chamamos de analtico. Nesta apostila estudaremos apenas o mtodo analtico, por tornar o estudante mais hbil na compreenso dos versculos de forma isolada, posto que feito a partir da totalidade. Passo 1. A primeira coisa a ser feita escolher qual livro voc ir estudar. Visto que este um mtodo que preza pela inteireza do texto, no poder ser delimitado o estudo. Aps fazer esta escolha, busque responder as questes abaixo. Como exemplo, estudaremos o livro de Filemom. a. Qual o estilo do livro? (epstola, proftico, potico, histrico, etc...) Os livros possuem caractersticas diferentes, e isto voc aprender em hermenutica. b. Quem escreveu o livro? Quem foi o autor do livro em questo. c. Quando escreveu? d. Onde e como estava quando escreveu? e. Para quem escreveu? Como eram os destinatrios? f. Por que escreveu? O que o motivou a escrever? Quais so os problemas ou dificuldades apontados? g. H nele alguma informao importante? Algo que dito sobre o livro que deva ser citado? Em uma folha separada, responda estas questes. Caso surjam mais dvidas, proceda a uma pesquisa mais profunda sobre estas questes.

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo BblicoA Epstola de Paulo a Filemom - Informaes a. Qual o estilo do livro? O livro uma carta (epstola). b. Quem escreveu? Foi o apstolo Paulo. c. Quando escreveu? Cerca de 62 d.C. d. Onde e como estava quando escreveu? Paulo estava aprisionado em Roma (1 priso). e. Para quem escreveu? Escreveu para Filemom, cristo de Colossos dos convertidos de Paulo. Era uma pessoa abastada. Em sua casa reunia-se uma igreja. Parece que ele e Paulo eram amigos ntimos. Paulo nunca visitou Colossos (Cl 2:1), e deve ter conhecido Filemom em outra parte, provavelmente em feso. A mulher de Filemom chamava-se Afia e seu filho, Arquipo. f. Por que escreveu? Filemom possua um escravo chamado Onsimo que teria roubado ao seu senhor e fugido para Roma. L encontrou Paulo e se converteu. Paulo queria t-lo em Roma como seu ajudante, mas no sem o consentimento de Filemom e sentiu a necessidade de envi-lo de volta ao seu senhor. Um escravo fugitivo poderia ser punido como o seu senhor quisesse e quem o retivesse deveria pagar pelo tempo que ele deixou de trabalhar. O objetivo da carta era pedir a Filemom que perdoasse o escravo fugitivo e o recebesse como irmo em Cristo, oferecendo-se Paulo para restituir o dinheiro furtado. A carta tem uma tonalidade muito corts, culminando com um comovente apelo a Filemom para que recebesse a Onsimo como se fosse o prprio apstolo Paulo. g. H alguma outra informao importante? Onsimo foi mandado a Colossos com Tquico. A Bblia no d nenhuma idia de como esse senhor recebeu o escravo de volta. H, porm, uma tradio que diz ter sido recebido por Filemom que, compreendendo qual era a inteno de Paulo, deu-lhe a liberdade. assim que o Evangelho faz. Cristo, no corao do escravo, f-lo reconhecer as praxes sociais de sua poca e voltar a seu senhor, resolvido a ser um bom escravo como irmo na f e dar-lhe a liberdade. H uma tradio de que Onsimo veio a ser bispo da igreja em Beria. Livros pesquisados: O Novo Comentrio da Bblia. Ed. Vida Nova, 3 ed. pg. 1339 1340. Bblia Thompson. Ed. Vida, pg. 1428. Dicionrio Bblico Universal Buckland. Ed. Vida, 1992, pg. 162. O Novo Dicionrio da Bblia. Ed. Vida Nova, 2 ed. pg. 620 621. Manual Bblico Harley. Ed. Vida Nova, 4 ed. pg. 569.

24

Passo 2. Faa um esboo do livro. Muitas Bblias trazem um pronto. Os comentrios e alguns dicionrios e manuais o trazem tambm. Voc pode encontrar muitos esboos diferentes. Procure colocar aquele que for mais utilizado ou que for mais claro. O esboo far voc compreender melhor o

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

25

pensamento do autor e o que ele queria dizer. O esboo tambm beneficia na subdiviso dos pargrafos e no estabelecimento do contexto. Para o livro de Filemom, entre muitos esboos pesquisados, utilizamos o do Novo Comentrio da Bblia.A Epstola de Paulo a Filemom - Esboo O Novo Comentrio da Bblia, pg. 1340. I. Saudao (v 1 a 3); II. Ao de graas e orao por Filemom (v 4 a 7); III. Justificativa por Onsimo (v. 8 a 21); IV. Saudaes finais e bnos (v 22 a 25).

Passo 3. Esboo comentado. Faa observaes sobre cada versculo, dentro de cada parte do esboo. Anote at os pequenos detalhes, como formas de tratamento, nomes, sentimentos, etc. Preste muita ateno no que chamamos de conectivos (portanto, todavia, por isso, logo, ento, a fim de que, visto que, etc.), pois fazem uma profunda relao com o contexto. Veja o exemplo dos vs. 8 e 9.A Epstola de Paulo a Filemom Esboo comentado I. Saudao (v 1 a 3); v. 1 Paulo, que est aprisionado por causa de Jesus, juntamente com Timteo, escrevem para o cooperador Filemom; v. 2 Dirigem a epstola a Afia (esposa) e Arquipo (filho), a quem chamam de camarada. Na casa deles se rene uma igreja; v. 3 Os Sadam com a graa e a paz; II. Ao de graas e orao por Filemom (v 4 a 7); v. 4 Paulo sempre lembra de filemom em suas oraes e agradece a Deus por ele; v. 5 Filemom se faz notvel pelo amor a Deus e pelos seus irmos e pela grande f; v. 6 Paulo ora para que Filemom possa comunicar o evangelho eficazmente; v. 7 Paulo sente alegria e consolo por saber que Filemom socorre aos que precisam; III. Justificativa de Onsimo (v. 8 a 21); v. 8 Por causa deste amor que Filemom tem pelas pessoas (por isso) ele escreve a epstola. Paulo diz que ele poderia mandar, ordenar a fazer o que deve ser feito; v. 9 Entretanto (todavia) ele no age assim. Pede o que pede por amor. Est velho e preso; v. 10 Seu pedido por Onsimo, que foi convertido quando Paulo estava preso; v. 11 Paulo cita que Onsimo, apesar de escravo, era intil (pode querer dizer que era um escravo preguioso e relapso). Hoje era til para Paulo e para Filemom. Paulo enviou Onsimo de volta (quem levou esta epstola foi o prprio Onsimo); v. 12 Onsimo leva consigo o amor de Paulo (corao);

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo BblicoA Epstola de Paulo a Filemom Esboo comentado v. 13 Paulo queria que Onsimo ficasse com ele para que este o servisse no lugar de Filemom; v. 14 Paulo quer que Onsimo fique, mas s se Filemom concordar; v. 15 Paulo demonstra a soberania de Deus, que permitiu que Onsimo deixasse seu senhor para que ambos pertencessem um ao outro por toda a eternidade; v. 16 No mais como escravo, mas como um querido irmos em Cristo; v. 17 Paulo pede, por considerao a ele, que receba Onsimo como se estivesse recebendo a ele mesmo; v. 18 Paulo assume as dvidas de Onsimo. Esse ponha na conta pode lembrar a Filemom aquilo que o prprio Paulo j fez por ele; v. 19 Paulo escreve do prprio punho que pagar o que Onsimo deve. No entanto ele lembra a Filemom que este lhe deve a prpria vida; v. 20 Filemom deve receber a Onsimo por amor a Cristo e para alegrar o corao de Paulo; v. 21 Paulo diz que tem certeza de que ele obedecer e que ainda far mais. Que mais ser esse? IV. Saudaes finais e bnos (v. 22 a 25); v. 22 Paulo pede que preparem, pela f, a sua ida at eles; v. 23 Epafras, preso com Paulo, sada a Filemom; v. 24 Sadam tambm Marcos, Aristarco, Demas e Lucas; v. 25 Paulo encerra desejando que a graa de Cristo esteja com eles.

26

Passo 4. Anote dvidas ou observaes que precisam ser aprofundadas. Ao fazer o esboo comentado, podem surgir questes que precisam ser esclarecidas. Talvez sejam nomes citados, expresses, promessas, questes de cultura, lugares, eventos histricos ou coisas do tipo. Ao procurar esclarecer estes fatos, o estudo bastante enriquecido. Lembre-se que o estudo bblico como garimpar ou cavar um poo: sempre ir mais fundo. , com toda a certeza, uma investigao.

A Epstola de Paulo a Filemom Dvidas Os nomes Afia e Arquipo so citados em outros lugares? Paulo deveria ter quantos anos quando escreveu esta carta? O que se deveria fazer com um escravo fugitivo? Por que Paulo faz questo de declarar que escreve a epstola de prprio punho? Paulo visitou Filemom como diz o v. 22? Os nomes citados nos vs. 23 e 24 aparecem em outras ocasies?

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

27

Se este exerccio de sondagem for realizado, poder descobrir que era um hbito comum de Paulo citar as suas epstolas para que um amanuense as escrevesse. Saberia, tambm, que um senhor poderia at matar o seu escravo se estivesse descontente com ele (esta lei era diferente em Israel, pois um judeu no poderia maltratar um escravo). Dos nomes citados nos versculos 23 e 24, descobrir que Demas, a certa altura do ministrio, abandona a Paulo. Passo 5. Tire concluses prticas do seu estudo e faa aplicaes pessoais.A Epstola de Paulo a Filemom Concluso A mudana que Cristo trouxe para o corao de Onsimo, que se arrependeu aps ter roubado seu dono e fugido. Decidiu fazer o que era certo e voltar para ele, assumindo todos os riscos. Devo fazer o que certo, mesmo sofrendo conseqncias. Preciso assumir meus erros e concert-los. A mudana que Cristo trouxe para o corao de Filemom, que recebeu a Onsimo no mais como escravo, mas como um irmo em Cristo, dando-lhe a liberdade. Preciso amar a todas as pessoas com o sincero amor de Cristo. A mudana que Cristo trouxe para a sociedade, pois numa poca to escravista, o amor de Cristo se sobressaiu a ponto de unir duas pessoas to diferentes como Filemom e Onsimo. No devo temer ao mundo, pois o amor de Cristo muito amor.

Exerccio: Fao o mesmo com um livro da Bblia. Aconselhamos a iniciar com um livro que tenha um captulo s ou, no mximo, dois captulos.

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico V. MTODO DE ESTUDO DAS DIFICULDADES BBLICAS

28

O apstolo Pedro j dizia: Por essa razo, pois, amados, esperando estas coisas, empenhai-vos por serdes achados por ele em paz, sem mcula e irrepreensveis, e tende por salvao a longanimidade de nosso Senhor, como igualmente o nosso amado irmo Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada, ao falar acerca destes assuntos, como, de fato, costuma fazer em todas as suas epstolas, nas quais h certas coisas difceis de entender, que os ignorantes e instveis deturpam, como tambm deturpam as demais Escrituras, para a prpria destruio deles (2 Pedro 3:14-16). Perceba que o apstolo Pedro reconhece que algumas coisas que Paulo escreve so difceis de entender, principalmente para os ignorantes, isto , os que no tem conhecimento, e para os instveis, que so as pessoas sem moral crist, sem espiritualidade. O prprio Pedro reconhece essas dificuldades e, da mesma forma, precisamos tomar muito cuidado ao interpretar certos trechos das Escrituras. Este mtodo de estudo das dificuldades bblicas tem o propsito de lhe chamar a ateno para alguns pontos que precisamos ter em mente quando nos deparamos com algum texto mais complicado ou com alguma aparente contradio da Bblia. A primeira coisa a se fazer lembrar que, para ns crentes, a Bblia a Palavra de Deus, ausente de erros e contradies, infalvel e perfeita. A nossa nica regra de f e prtica. Mas talvez voc questione agora: De onde surgem estas dificuldades? Para isto ns temos algumas respostas. a. O abismo temporal: querendo ou no, existe um tempo decorrido entre a poca em que os livros foram escritos e nossos dias de hoje. Isto implica em conhecer a histria pela qual perpassa as narrativas bblicas. Compreender a histria de reis, profetas, povos, pessoas e da prpria nao de Israel essencial para compreendermos melhor as Escrituras; b. O abismo cultural: A nossa cultura completamente diferente da cultura dos povos citados na Bblia. No vemos em nossa cidade o sacrifcio de crianas a Moloque, no temos templos com prostitutas cultuais, no presenciamos apedrejamentos ou crucificaes, nossa cidade no tem como lei a Bblia e outras questes relativas cultura. Ento, algumas coisas ns no compreendemos por causa da distncia cultural. Um exemplo o do casamento que tanto citado no Novo Testamento. Se no soubermos como acontecia um

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

29

casamento judaico, no compreenderemos totalmente o que o Senhor Jesus queria dizer; c. O abismo lingstico: A Bblia foi escrita em hebraico, aramaico e grego. Para termos uma idia de como isso significativo, devemos pensar em como diferente o portugus falado no Brasil do que falado em Portugal. Existem expresses caractersticas da lngua hebraica, e por trs dela existe uma forma de comunicar que particular a eles. A falta de compreenso pode vir por causa da nossa falta de conhecimento destas lnguas; Diante dessas dificuldades, aconselhamos ao estudante um aprofundamento cada vez maior na cultura, lngua e histria bblica. De qualquer forma, importante lembrar que se h alguma contradio na Bblia porque voc no entendeu direito. Algumas outras coisas ns simplesmente no temos como saber, pois no temos dados suficientes para interpretar certas passagens. O que damos aqui so alguns conselhos na tentativa de ajud-lo a tirar suas dvidas por meio do estudo da Bblia. Passo 1. Estabelea qual dificuldade voc ir estudar. Ao se deparar com um problema, uma incompreenso ou aparente contradio, anote os versculos e quais so suas dvidas. Como exemplo, estudaremos dois textos que entram em aparente contradio em Atos.Estudo de At 9:7 e At 22:9 Em At 9:7 diz que os companheiros de Paulo ouviram a voz e no viram a ningum. Em At 22:9 diz que os companheiros de Paulo viram a luz, mas no ouviram a voz. H aqui uma aparente contradio, pois em At 9:7 h a confirmao de que os homens que escoltam Paulo para Damasco ouvem a foz e no vem ningum. J em At 22:9 vemos que estes mesmos homens vem a luz e no ouvem nenhuma voz. Existe uma contradio neste texto? Afinal, os homens ouviram ou no a voz? Viram ou no a luz?

Passo 2. Defina as questes de autoria. Voc precisa fazer uma pergunta: Quem escreveu os textos em questo? Esto em livros diferentes ou no mesmo livro? Esta questo especial, principalmente no Novo Testamento e nos Evangelhos, pois so fatos narrados por observadores diferentes. Em muitas curas de Jesus vemos um nmero diferente entre os Evangelhos: uns citam a cura de um cego, outros dois. Erro? No! A inteno de um autor era mostrar a atitude do cego que intercedeu pela cura dos dois.

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

30

No caso do nosso exemplo, a dificuldade permanece, pois os dois textos se encontram no mesmo livro e foram escritos pelo mesmo autor: Lucas. Passo 3. Verifique as indicaes dadas pelo prprio texto. Procure indcios e direcionamentos que podem estar contidos no texto, principalmente no contexto (versculos anteriores e posteriores). Talvez algo tenha passado desapercebido. Leia vrias vezes at perceber cada detalhe. Anote as respostas que podem surgir neste momento. Veja o que podemos descobrir a mais nestes dois textos de Atos.Estudo de At 9:7 e At 22:9 O texto de At 9:7 uma narrao de Lucas sobre algo que aconteceu com Paulo. Aqui o fato narrado por Lucas sobre a converso de Paulo. Em At 22:9 o fato narrado pelo prprio Paulo. o seu testemunho pessoal. Paulo est falando da revelao que recebeu de Jesus. Talvez, o que Lucas quis mostrar que algo aconteceu com Paulo que aqueles homens viram e ouviram, mas no conseguiram identificar. Paulo, falando deste acontecimento em At 22:9 e referindo-se ao que lhe tinha sido dito pelo Senhor Jesus, diz que somente ele pode ver ao Senhor e ouvir o que Ele falava.

Passo 4. Procure apoio para sua resposta provisria. Existem alguns comentrios voltados para resolver estas questes de aparentes contradies na Bblia e outros comentrios que podem ser teis para lhe trazer um esclarecimento final. Olhar o comentrio deve sempre ser precedido por uma meditao e busca prpria por esclarecimento. O ltimo passo a utilizao do comentrio, e isto se for necessrio, pois, talvez, nem seja necessrio. Alm do mais, no pecado estudar comentrio bblico, pois Deus capacitou alguns homens com sabedoria e inteligncia para estudarem e escreverem livros que nos servissem de ajuda a apoio, para que no desvissemos e verdade revela na Palavra. Passo 5. Escreveu a concluso de sua pesquisa. Caso no tenha conseguido encontrar a soluo e a dvida permanece, no se preocupe, pois no pelo fato de no conseguir explicar um texto que a Bblia deixa de ser a Palavra de Deus e, enfim, o prprio apstolo Pedro dizia que existem coisas difceis de entender.

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo BblicoEstudo de At 9:7 e At 22:9 O que conclui com minha pesquisa que quando Lucas (At 9:7) nos conta que os homens que acompanhavam Paulo ouviram uma voz e no viram a ningum, estava dizendo que eles ouviram algo, mas no compreenderam o que era; apesar de virem algo, no viram ningum falando. Esta narrativa no entra em confronto com a de Paulo que, contando seu testemunho (At 22:9), diz que os homens que o acompanhava viram uma luz, mas quando ouviram um som no puderam identifica se era algum que falava ou o que falava. Ento, eles puderam ver uma luz, mas no viram ao Senhor como Paulo. Ouviram um som, mas no puderam perceber que eram palavras humanas.

31

Por aqui terminamos o nosso curso de Mtodos de Estudo Bblico. Esperamos que este ajude aos irmos na pesquisa e estudo da Palavra de Deus.

Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier Escola Superior de Teologia Bara - ESTEBA Comunidade Evanglica Bara Parnamirim/RN 3 de Agosto de 2005

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

32

NDICE

I. INTRODUO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 1. Por que estudar a Bblia? 2. Mtodos de estudo bblico. II. MATERIAIS DE ESTUDO BBLICO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 1. Alguns tipos de Bblia. 2. Materiais essenciais para estudo. 3. Materiais complementares. Exerccios. III. MTODO DE ESTUDO TEMTICO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 1. Estudo de personagens ou biogrfico. Exerccio 1. 2. Estudo de lugares ou geogrfico. Exerccio 2. 3. Estudo de palavras ou tpico. Exerccio 3. IV.MTODO DE ESTUDO EXPOSITIVO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 Mtodo de estudo expositivo ou analtico. Exerccio. V. MTODO DE ESTUDO DAS DIFICULDADES BBLICAS . . . . . . . . . . . . . . . . 28

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

33

ESCOLA SUPERIOR DE TEOLOGIA BARA ESTEBA

MTODOS DE ESTUDO BBLICOPr. Handerson Luiz de Souza Xavier

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br

ESTEBA Mtodos de Estudo Bblico

34

Parnamirim-RN Agosto de 2005

Apostila elaborada por Pr. Handerson Luiz de Souza Xavier da Comunidade Evanglica Bara http://spaces.msn.com/members/pastorhanderson ou www.bara.org.br