Apresenta§£o do PowerPoint .EXEMPLoS. Contrastes em tons e ... observador Contrastes cores quentes

  • View
    215

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Apresenta§£o do PowerPoint .EXEMPLoS. Contrastes em tons e ... observador Contrastes...

CONTRASTES

A utilizao de contrastes e sua relao com o princpio da similaridade

Princpio de similaridade

ressalta a importncia das relaes de

semelhanas e contrastes para a percepovisual, bem como para a criao em designgrfico.

Contraste O contraste essencial para a prpria viso.

Sem sua percepo, a prpria viso seriaimpossvel, pois depende, mesmo em seusnveis bsicos, da presena ou ausncia de luz.

Saber organizar os elementosvisuais em relaes de contrastes e

semelhanas possibilita a criao de significados no produto visual

Contraste de tom

Contraste claro/escuro na imagem, podendosugerir a noo de volume, de profundidade,para destacar determinadas reas da imageme mesmo como recursos estticos.

Contraste de cor

O contraste de reas em branco e coloridaspermite hierarquizar a informao, bem comoo contraste tonal de cores, o contraste decores quentes/frias, o contraste decomplementares, a utilizao de coresanlogas e os demais contrastes possveis.

Contraste de escala Os contrastes de escalas podem gerar

significados na imagem. Em geral, utilizadopara destacar determinado elementos visuaisem comparao a outros

Qual meutamanho?

Contraste direo: horizontal, verticale diagonal

A disposio de imagens e palavras pode serenriquecida com variaes na direo dasmesmas. Os elementos horizontais tendem apassar a sensao de estabilidade e solidez; asverticais tendem a se elevar, passando asensao de leveza; As diagonais podemsugerir movimento, dinamismo e tambminstabilidade.

EXEMPLoS

Contrastes em tons e semitons

Movimento dinmico Ponto de vista do observador Contrastes cores quentes e frias

Contrastes claro eescuro.

Contraste Proporo

Contraste Edifcios: cor , luz, tom,dimenso, escala

Contraste Cromticos: mais claro p mais escuro, equilbrio dinmico, eixo diagonal.

Contraste de movimento

Contrastede Ritmo

encadeamento e sensaes de

conexes visuais

Contraste de Passividade

Inerte e Submisso

No exerce ao Fora imvel

Esttico Repouso

No causam sensao

de movimento

Contraste de Dinamismo: Movimento

Intenso Movimento exacerbado Forte e veloz

Intensa Rapidez

Mobilidade Ao

Contrastes1. Tom

2. Cor

3. Escala

4. Direo

5. Movimento

6. Ritmo

7. Passividade

Qual meu contraste?

Pregnncia da Forma

Podemos dizer que a Pregnncia da Forma amensurao da eficincia da aplicao das Leisda Gestalt.

A pregnncia, essa ideia bsica partiu dos filsofosImanuel Kant, Wolfgang von Goethe e Ernst Mach,

que diziam que a percepo era um atounitrio. Eles queriam dizer que as pessoas no percebem as coisas aos pedaos; elas organizam asinformaes de maneira a dar um sentido aoconjunto.

Baixa pregnncia Pregnncia (do alemo Prgnanz) a

capacidade de perceber e reconhecer formas. Se a forma complicada,cheia de voltas e detalhes, e ainda estiver no meio de uma composiocheia de elementos grficos e imagens, vai ser muito difcil de perceb-la e identific-la. Estamos diante, ento, de uma pea com baixapregnncia.

artista visual paulista Gustavo Von Ha. ambiente abstrato gestual

Leda Catunda, Ona

Pintada n 1, 1984

(acrlica sobre cobertor) /

Alta Pregnncia Porm, se a forma for simples, clara, e ainda

por cima, situada sobre um fundo liso e com bom contraste, sem disputar a ateno com ningum, ento temos uma pea grfica de alta pregnncia. Bom, voc j percebeu que a pregnncia pode ser da forma em si ou do contexto no qual ela est inserida.

Obras contemporneas exposio A Casa compartilha o esprito de

estranheza. Ao mesmo tempo, ldico edramtico, questionando os materiais eformas da construo artstica, pensando oslimites entre arte e design, a artecontempornea permite leituras noconvencionais e instigantes dos objetos e dospensamentos acerca do mundo, diz Katia.

Alex Vallauri, Sem ttulo, 1985 (Instalao Festa na Casa da Rainha do

Frango Assado) (spray sobre geladeira) /

Alex Fleming, Cordeiro

de Deus, 1991 (acrlica

sobre animal

empalhado e

escumadeiras de

alumnio)

Cildo Meirelles,

Parla, 1982

(granito, madeira

e couro) /