Arena Gremista

  • View
    221

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Relatório

Text of Arena Gremista

  • ARENA GremistaINCLUI EXTORSO& REA DO ESTADO DADA GRATUITAMENTE UMA CONSTRUTORA

  • rea estadual

  • VEJAMOS A REA

  • Duas escolasESCOLAS

  • ESTA ESCOLA VALE 6 MILHES

  • ESTA ESCOLA VALE 7 MILHES

  • A REA TAMBM REFUGIODAS AVES EM MIGRAO

  • A rea serve de refugio s aves em Migrao

  • SEGURANA DOS VOS

    NO AEROPORTO

    SALGADO FILHO

  • ESQUEMA DA REA DE PROTEO AOS VOSPREVISTO EM LEIAltura 45 mAltura zero m. Na pista Distncia D

  • DISTNCIA D PREVISTA NA LEI

  • Linha de 45 m de alturaPista aeroporto altura zero

  • Declividade da segurana45 m de alturaPista aeroporto altura zeroARENA no HumaitAltura mxima no Humait 28 m

  • No HUMAIT (ARENA) os prdios s podem ter no MXIMO 28 metros de altura, se maior, os vos esto em risco por desrespeito a Lei de Segurana Internacional (e Nacional) dos Vos.

    Isto pode, aps as construes, vir ser motivo de interdio ao Aeroporto Salgado Filho.

    No cabe previamente esta interdio, pois, existe portaria da aeronutica respeito e que prev que as alteraes aos Planos j aprovados sejam feitas respeitando as Leis de segurana de vos.

  • VALORAs duas escolas valem 13 milhes e sero demolidas. Custaro muito mais para serem reconstrudas.

    Demolir escolas quando se tem dficit de salas de aula no mnimo desprezo ao povo do Humait.

    Os alunos de ambas as escolas, hoje fechadas, onde esto jogados? Esto sem aula? Devem se deslocar distante para outras escolas?

  • valorA REA VALE MAIS DE 500 MILHES E ERA DE UMA ENTIDADE (FCORS) QUE A RECEBEU EM DOAO COM CLUSULAS DE IMPENHORVEL E INALIENVEL.

    POR EXTORSO PASSOU PARA A CONSTRUTORA OAS?

  • PORQUE POR EXTORSO?

  • NNGUM VENDERIA POR 40 MILHES UMA REA DE MAIS DE 500 E AINDA ASSUMIRIA O DEVER DE COMPRAR OUTRA REA (Na Costa Gama, 4 milhes), RECONSTRUIR AS DUAS ESCOLAS (18 milhes) E FAZER OUTROS SERVIOS (e obras prprias como prev a Lei 13.09308/, mais 13 milhes)

    PARA ATENDER AS OBRIGAES ACIMA A ENTIDADE GASTAR NADA MENOS DE 35 MILHES. SOBRARO APENAS 5 MILHES?

    Restar FCORS uma rea distante (zona Sul) e em rea sem valorizao.

  • O TERMO DE COMPROMISSO FIRMADO ENTRE GRMIO E FCORS (Dona da rea), AVALIZADO POR YEDA CRUSIUS, NO PALCIO, REZA QUE A REA SER PARA O GRMIO.

    OCORRE QUE DOS 37 HECTARES 8 SERO DO GRMIO E O RESTO DA CONSTRUTORA (29).

    QUEM PAGOU A COMPRA FOI A CONSTRUTORA E A REA ESTA EM NOME DELA OU DO GRUPO.

    Mais uma fraude, agora Lei 13.093 de 2008. (Que tira os gravames e entrega a rea para a construo da ARENA, no ao Grmio mas sim a OAS)

  • VEJAMOS A OBRA

  • Esta a rea do GrmioA rea restante da CONSTRUTORA OASServe apenas como modelo do projeto

  • A CONSTRUTORA, NA REA QUE LHE FOI PRESENTEADA PRETENDE CONSTRUIR MAIS DE 2000 APARTAMENTOS

  • PORTANTO O LUCRO DESTA CONSTRUTORA, MESMO ANTES DA PERMUTA COM O GRMIO J CHEGA A MAIS DE 1 BILHO.

  • NO ESTA COMPUTADA A ISENO DE IMPOSTOS QUE PODE ATINGIR MAIS DE 70 MILHES.

    (Iseno esta em nome da Copa 2014, concedida pelos Deputados)

  • NO CREA (ART) CONSTA COMO DONA DA REA E PROPRIETRIA DAS OBRAS

    ARENA PORTO ALEGRENSE S.A.(No consta como dona da rea no Registro de Imveis)

    CAPITAL: 1.000,00 (UM MIL REAIS)

    ACREDITE QUEM QUISER: A OBRA SEGUNDO A ART (CREA) CUSTA DE 195 MIL. NO ENTANTO O SEU VALOR TOTAL ATINGIR 470 MILHES.TUDO INDICA estelionato no nome da dona da rea.

  • O endereo o mesmo da Construtora OAS, contratada pela ARENA Porto Alegrense

  • TUDO ISTO UMA GRANDE NEGOCIATA?

    QUEM GANHA COM ISTO TUDO? A FCORS? O ESTADO? O GRMIO? A CONSTRUTORA?

    UM ESTADO QUE NO PODE CONSTRUIR A PONTE DO RIO GUABA (250 MILHES) PERMITE E DOA DE PRESENTE UMA CONSTRUTORA MAIS DE 500 MILHES ELEVANDO O LUCRO DA MESMA MAIS DE 1 BILHO.

  • NOTEM: O GRMIO POR CONTRATO DE PERMUTA NADA TEM A VER COM A COMPRA DA REA E COM O CUSTO DAS OBRAS. TAMBM NADA GANHA COM AS ISENES DE IMPOSTO.

  • AES NA JUSTIA A RESPEITO DO ASSUNTO NO ANDAM, SOFREM UMA SRIE DE VAI E VEM, INDICANDO QUE ALGO EXISTE.O MINISTRIO PBLICO ESTUDA O ASSUNTO A MAIS DE ANO E NO ADOTA UMA ATITUDE QUALQUER

  • No se atacou aqui os problemas construtivos em REA DE ATERRO com mais de 3 m de altura, com uso de lixo, areia e materiais jogados, que possibilitam problemas estruturais de deslocamento de estacas, infiltrao de gua e tambm a possibilidade, por presso, deslocar o DIQUE de proteo ali existente (destruindo-o), que em poca de cheia seria uma tragdia.

  • INFLUNCIA NO LENOL FRETICO

  • INFLUNCIA NO ESTAQUEAMENTO

  • Isto pode acontecer ao cravar uma estaca vizinha as j cravadas, sem que se perceba. Na rea sero cravadas milhares de estaca e depois se faro aterros e colocao de peso.

  • INFLUNCIA NO DIQUE DE PROTEO

  • INFLUNCIA DO SOLOARENASOLO HIDROMFICO

  • Portanto nesta rea da ARENA os limites de ocupao esto alertados em Estudos feitos pelo Municpio de Porto Alegre

  • Aqui um alerta para as fundaes que necessitam de cuidados e custos inviveis.

  • Aqui o estudo alerta para a drenagem e para o tratamento das camadas compressveis, o que no esta sendo feito.Por outro lado fazer este tratamento depois ou querer aterrar a rea posteriormente um grande risco que pode propiciar deslocamento de estacas que no futuro podero por em risco a obra.

  • TAMBM AQUI NO SE ANALISA O FATO DA REA ESTAR JUNTO A REA DO PARQUE DO DELTA DO JACU, QUE POR LEI TERIA QUE TER REAS DE AMORTECIMENTO AMBIENTAL GRADUAL.

  • rea onde deveria haver (por Lei dos Parques) uma reduo gradativa nos impactos ambientais.Delimitao da rea do Parque do Delta do Jacu.

  • COMO PODEMOS VER O ASSUNTO MUITO SRIO.MUITOS INDCIOS DE IRREGULARIDADE E AFRONTA ESTUDOS DA REA E S LEIS, TANTO NA ESFERA CIVIL QUANTO AMBIENTAL.

  • Porto Alegre, 09 de abril de 2011henriquecpw@gmail.com

    AGUARDAMOS PROVIDNCIAS POR PARTE DAS PESSOAS DE BEM E MORAL.