Aristides Milton = a Campanha de Canudos

  • View
    343

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Guerra de Canudos. Sertão baiano, século XIX.

Text of Aristides Milton = a Campanha de Canudos

Em pleno serto da Bahia, junto ao rio Vaza-Barris, no vilarejo de Canudos, que crescera rapidamente dia e noite, em 1897, se concentravam os sertanejos aguerridos, afeitos s duras penas de viver junto a uma natureza agressiva... (Olmpio de Sousa Andrade, in Introduo a Canudos e Outros Temas.)

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

A CAMPANHA DE CANUDOS

Mesa DiretoraBi nio 2003/2004

Senador Jos Sarney Presidente Senador Paulo Paim 1 Vice-Presidente Senador Romeu Tuma 1 Secretrio Senador Herclito Fortes 3 Secretrio Senador Eduardo Siqueira Campos 2 Vice-Presidente Senador Alberto Silva 2 Secretrio Senador Srgio Zambiasi 4 Secretrio

Suplentes de Secretrio Senador Joo Alberto Souza Senador Geraldo Mesquita Jnior Se na dora Serys Slhes sa ren ko Senador Marcelo Crivella

Conselho EditorialSenador Jos Sarney Presidente Conselheiros Carlos Henrique Cardim Joo Almino Carlyle Coutinho Madruga Ra i mun do Pon tes Cunha Neto Jo a quim Cam pe lo Mar ques Vice-Presidente

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Edies do Senado Fe deral Vol. 5

A CAMPANHA DE CANUDOSAristides A. Milton

Braslia 2003

EDIES DO SENADO FEDERAL Vol. 5 O Conselho Editorial do Senado Federal, criado pela Mesa Diretora em 31 de janeiro de 1997, buscar editar, sempre, obras de valor histrico e cultural e de importncia relevante para a com preenso da hist riapoltica, econmica e social do Brasil e reflexo sobre os destinos do pas.

Projeto Gr fi co: Achil les Mi lan Neto Senado Federal, 2003 Congresso Nacional Praa dos Trs Poderes s/n CEP 70168-970 Braslia DF CEDIT@cegraf.senado.gov.br http://www.senado.gov.br/web/conselho/conselho.htm

...........................................................Mil ton, Aris ti des Au gus to. A Campanha de Ca nu dos / Aristides A. Milton -- Braslia : Se na do Fe de ral, Conselho Editorial, 2003. 154 p. (Edies do Senado Federal ; v. 5) 1. Gu er ra de Ca nu dos (1897). 2. Bra sil, his t ria. I. T tu lo. II. S rie. CDD 981.0521

...........................................................

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

RELATO DIRETO, OBJETIVO, DOCUMENTADSSIMO DOS ACONTECIMENTOS OCORRIDOS NO ALTO SERTO DA BAHIA NO FIM DO SCULO XIX JUNTO COM O LIVRO CANUDOS E O UTROS TEMAS, DE EUCLIDES DA CUNHA MARCA A HOMENAGEM DO CONSELHO EDITORIAL DO SENADO FEDERAL AOS 100 ANOS DE PUBLICAO DE OS SERTES, OBRA-MESTRA DE EUCLIDES DA CUNHA

A CAMPANHA DE CANUDOS, DE ARISTIDES A. MILTON,

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Aristides Milton

asceu Aristides Augusto Milton a 29 de maio de 1848, na cidade da Cachoeira. Seus primeiros estudos foram na terra natal, sendo os secundrios no Ginsio Baiano, onde teve como companheiros a Castro Alves e Rui Barbosa. Seguindo, depois, para Recife, a se formou, pela Faculdade de Direito, em 1869. Em 1872, na Bahia, trabalhou na imprensa, como redator do Correio da Bahia. Em sua cidade natal, fundou o Jornal da Cachoeira, onde pugnou pelo desenvolvimento da cidade. Foi, tambm, juiz municipal, em Lenis e em Maracs, e de Direito, no Piau. Em 1881, assumiu a presidncia de Alagoas e, mais tarde, foi chefe de polcia de Sergipe. Ingressando na poltica, filiou-se ao Partido Conservador, sendo eleito deputado provincial e, de 1886-1889, deputado geral. Proclamada a Repblica, foi eleito deputado Constituinte Federal, sendo reeleito na segunda, terceira, quarta e quinta legislaturas. A sua ao a foi das mais profcuas, especialmente na comisso incumbida do projeto do Cdigo Penal. Tambm escritor, apreciando os estudos histricos, divulgou trabalhos de valor, como A Campanha de Canudos, A Repblica

N

10 Aristides A. Milton

e a Federao no Brasil, A Constituio do Brasil, e, ainda, Efemrides Cachoeiranas, onde esto enfeixados, com um critrio e honestidade inexcedveis, os fatos mais palpitantes ocorridos na histrica cidade. Por sua terra, a que tinha profundo amor, trabalhou muito, fundando, ali, o Monte Pio dos Artistas Cachoeiranos. Depois de uma existncia gloriosa, legando ao pas um nome imaculado, faleceu Aristides Milton no Rio de Janeiro, a 26 de janeiro de 1904. ANTNIO LOUREIRO DE SOUSA

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

I1

UANDO O PAS, depois de ver jugulada a revolta de 6 de setembro, se reputava livre do pesadelo, que por longos meses o oprimira, e, restabelecidas afinal a tranqilidade e a ordem, cria que a Repblica estava definitivamente consolidada, graves e originais acontecimentos, ocorridos no Estado da Bahia, vieram sobressaltar o esprito pblico, abrindo na histria do Brasil um novo sulco de lgrimas e sangue. A mesma tendncia revolucionria que, desde 1822 at 1848, trouxera pendente da sorte das armas o futuro do Imprio, e, predominando ora aqui, ora acol, celebrizara esse quarto de sculo por uma agitao constante, e lutas fratricidas de pungitiva lembrana, havia ressurgido na plenitude de sua funesta energia para perturbar o regime, que em 1889 tinha sido inaugurado. E se dentre os protagonistas desses movimentos destacavam-se caracteres que, cedendo a suas convices polticas, eram estimulados pelo desejo de bem-servir ptria, outros obedeciam simplesmente s sugestes do amor-prprio ofendido, e ao impulso de ambies contrariadas. 1 Este trabalho foi escrito por incumbncia do Instituto Histrico e Geogrfico Brasileiro, como se v da ata de sua sesso celebrada em 17 de outubro de 1897.

Q

12 Aristides A. Milton Como quer que fosse, s instituies recentemente adotadas imputava-se inteira a responsabilidade do prurido de deposies, que acometera os Estados da Unio, bem como dos excessos e violncias, que em quase todos eles ao mesmo tempo se praticavam. Mas, a verdade que sob a monarquia tambm se tinham testemunhado cenas de deposies e rebeldia, que empanaram-lhe o prestgio, comprometeram a paz pblica e geraram no raro o desalento e o terror. A conseqncia, portanto, a deduzir da que a nenhum dos dous sistemas de governo se pode com justia atribuir os erros de que so culpados, unicamente, alguns espritos irrequietos e certas conscincias empedernidas, que aparecem alis em todos os tempos e situaes. Opor-se-ia, alm disto, razo e justia estabelecer confronto entre uma poca qualquer que comea a esboar-se, atravs das dificuldades prprias de todas as inovaes, e outra que se acha completamente desenhada, por j ter atingido a seu termo. Em todo caso, foroso confessar que a campanha de Canudos, a despeito de no revelar feio partidria bem caracterizada, assinala contudo um perodo de grandes surpresas e reais temores para a repblica. E o que mais tendo sido explorada por uma politicagem perversa, serviu muitas vezes de pretexto para agresses injustas ao Governo, e afrontas insensatas ao povo baiano. Antes de tudo, entretanto, preciso reconhecer que to triste luta civil poderia ter irrompido durante a monarquia, visto como fora em 1864, ainda, que principiaram a se acumular os inflamveis, cuja ex ploso produziu o incndio voraz de que foi teatro o serto de minha terra. No h negar que, no incio da campanha, propalou-se in sistentemente que os inimigos da repblica remetiam munies e ar mas a Antnio Conselheiro, embarcando-as na estrada de ferro Central do Brasil, com endereo estao das Sete Lagoas, donde seguiam para seu destino. O Governo de Minas Gerais providenciou no sentido de apurar a exatido desse fato, e a imprensa deu notcia de que um destacamento de polcia havia tiroteado com os tropeiros incumbidos daquele servio. E por toda parte ento se espalhou que Canudos era o reduto da monarquia e a guarda avanada da restaurao.

A Campanha de Canudos

13

certo, porm, no se ter nunca provado que os monarquistas estivessem de inteligncia com os habitantes de Canudos; pelo contrrio, se liquidou que no passava de balela o boato, que circulara, de haverem muitos dentre eles enviado somas avultadas ao Conselheiro, em cujo acampamento alguns at deveriam se encontrar. No contesto que os monarquistas anelassem a vitria dos fanticos, na esperana de tirar dela proveito assaz aprecivel; mas, na es sncia, a questo era outra. Um homem alucinado pela doutrina religiosa, que ele prprio criara, alterando a seu talante a ortodoxia aprendida de seus pais, conseguiu fanatizar uma populao numerosa, pela qual era tido em conta de apstolo insubstituvel, e verdadeiro inspirado de Deus. exato que ele atacava a repblica, menos porm pela pre tenso de restaurar a monarquia do que pela vontade de ver ainda estabelecidos os institutos, como por exemplo o do casamento religioso, que a Constituio de fevereiro havia substitudo, incorrendo por isto no desagrado dos tradicionalistas impenitentes. O Conselheiro hostilizava a repblica por ter esta decretado a separao do Estado e da Igreja, medida repelida por quantos no aprofundaram jamais os ensinamentos de Cristo, ou no tm forte e enraizada a sua f. Ele se insurgia contra a repblica, porque esta ousara enfrent-lo em Macet, dando assim o sinal de que no reconhecia aquele estado no estado, constitudo sombra de uma tolerncia imperdovel, em menoscabo das autoridades e da lei. Cumpre, porm, reconhecer que era preciso ser um homem fora do comum para se impor multido por meio da palavra e do ges to, como Antnio Conselheiro o fazia, a despeito de faltar-lhe a elo qncia dos oradores de escol, e a majestade grandiosa dos profetas bblicos. Envergando uma tnica de pano comum e cor azul, com a barba e os cabelos intonsos, arrimado a um nodoso basto, mostrando nas faces a palidez dos ascetas, e nos ps trazendo as sandlias de peregrino, o fantico de Canudos vivia rodeado de centenas de admiradores e proslitos.

14 Aristides A. Milton Assim das cercanias desse lugar, como de pontos mais afastados, at onde chegava a fama do santo, vinham troos de homens e mulheres, velhos e crianas, doentes e sos, com