AS COLEÇÕES DO MUSEU DE CIÊNCIA E TÉCNICA DA ESCOLA ?ões luso-brasileiras... · Museu de Ciência…

Embed Size (px)

Text of AS COLEÇÕES DO MUSEU DE CIÊNCIA E TÉCNICA DA ESCOLA ?ões luso-brasileiras... · Museu de...

Colees Cientficas Luso-Brasileiras: patrimnio a ser descoberto

69

AS COLEES DO MUSEU DE CINCIA E TCNICA

DA ESCOLA DE MINAS/UFOP

Gilson Antnio Nunes1

Mercedes Estela Rainho2

Edson Fialho de Rezende3

Antonio Luciano Gandini4

Maria Paula Delicio5

Carlos Augusto Jotta6

Felipe Eleutrio Hoffman7

Museu de Cincia e Tcnica da Escola de Minas da UFOP (MCT) atua

na preservao, pesquisa, documentao e divulgao dos vestgios

materiais da memria cientfica. Para atingir plenamente seus objetivos

uma rea fundamental a de documentao museolgica,

imprescindvel para a identificao e conseqente problematizao da cultura material da

1 Museu de Cincia e Tcnica UFOP, Praa Tiradentes 20, Ouro Preto, MG CEP- 354000-000 Tel. (31) 35593118. Especialista em Ensino de Astronomia, Mestre em Engenharia de Materiais (Meteortica), Coordenador e professor dos Cursos Seqencial e Especializao em Ensino de Astronomia e de Museologia da UFOP, Chefe do Departamento de Museologia da UFOP, Coordenador de Astronomia do Museu de Cincia e Tcnica da Escola de Minas/UFOP. 2 Historiadora, graduanda em Museologia pela UFOP, bolsista de Aperfeioamento Profissional do CNPq para o projeto Elaborao de Thesaurus de Instrumentos Cientficos em Lngua Portuguesa. 3 Historiador, Restaurador, Coordenador do Laboratrio de Conservao e Restauro do Departamento de Museologia da UFOP e professor credenciado do Curso de Museologia da UFOP. 4 Doutor em Mineralogia, professor do Departamento de Engenharia Geolgica/EM/UFOP, Diretor do Museu de Cincia e Tcnica da Escola de Minas/UFOP. 5 Doutora em Educao, especialista em educao em museus, professora do Departamento de Engenharia Geolgica/EM/UFOP, conselheira do Museu de Cincia e Tcnica da Escola de Minas/UFOP. 6 Graduando em Museologia pela UFOP e bolsista do programa de Iniciao Cientfica da UFOP (PIP-PROPP-UFOP) para o Projeto Elaborao de Thesaurus de Instrumentos Cientficos em Lngua Portuguesa MCT-EM-UFOP. 7 Graduando em Museologia pela UFOP e bolsista do Programa Integrado de Extenso para o Ensino e a Divulgao da Cincia da UFOP (PRO-CINCIA -PROEX-UFOP) e voluntrio no Projeto Elaborao de Thesaurus de Instrumentos Cientficos em Lngua Portuguesa MCT-EM-UFOP.

O

Colees Cientficas Luso-Brasileiras: patrimnio a ser descoberto

70

cincia e da tcnica. O MCT em articulao com o Museu de Astronomia e Cincias Afins

(MAST/MCT) e o Museu de Cincia da Universidade de Lisboa (MCUL) passou a

empreender esforos na tentativa de elaborao de um instrumento de controle

terminolgico que pudesse ser utilizado no s por estes museus, mas por toda uma rede

de instituies detentoras de acervos cientficos.

Esse instrumento justifica-se em funo da inexistncia de tal ferramenta na

lngua portuguesa e pelos diversos problemas da decorrentes, como a dificuldade de

comunicao entre instituies e entre pesquisadores, pela identificao inadequada de

objetos em diversos locais, gerando incerteza e falta de informaes relevantes sobre os

acervos. O projeto teve por objetivo desenvolver um thesaurus terminolgico para

acervos de objetos cientficos que possa constituir um instrumento de trabalho e de

recuperao da informao, facilitando a comunicao entre os museus de cincia e

tcnica da esfera lusfona, sobretudo Portugal e Brasil.

Consideramos patrimnio cultural como aquele conjunto de produes materiais e

imateriais do ser humano e seus contextos sociais e naturais que constituem objeto de

interesse a ser preservado para as futuras geraes. (Scheiner, 2007) no contexto das

novas formas de comunicao e do universo virtual, considera o patrimnio no mais

como um conjunto de valores atribudos ao espao geogrfico e aos produtos do fazer

humano, mas como um valor plural, ao qual esto sendo atribudas novas significaes.

Granato (2009, p.86-87) nos apresenta que:

o patrimnio material da Cincia e da Tecnologia no Brasil est, em sua grande maioria, para ser descoberto. O conhecimento atual sobre o tema restrito e, em especial, os objetos de Cincia e Tecnologia brasileiros j podem ter sido modernizados ou descartados, na maioria das vezes em prol de uma busca pelo instrumento ou aparato mais recente, mais atual. ...Cabe ressaltar que as universidades so, potencialmente, grandes fontes desse patrimnio, onde poderiam se incluir tambm objetos e instrumentos de ensino. Instituies que tm por funo preservar esses acervos so raras e tm um trabalho rduo, em funo da escassez de financiamentos e de profissionais capacitados.

Apesar da necessidade de uniformizao terminolgica em museus de cincia,

cada vez mais relevante devido transferncia das bases de dados em papel para

suporte informatizado, a gesto moderna e eficiente de colees e acessibilidade das

colees online, no existia at hoje nenhuma tentativa de construir um thesaurus de

aparatos cientficos em lngua portuguesa, nem de discutir problemas conceituais e

terminolgicos associados a inventariao de acervos cientficos.

A identificao incorreta dos instrumentos/objetos cientficos passa pela

Colees Cientficas Luso-Brasileiras: patrimnio a ser descoberto

71

preservao inadequada, pois determina a compreenso incorreta do instrumento, bem

como sua socializao de forma parcial. A rede de instituies passou, ento, a

empreender esforos na tentativa de mudar essa realidade. A inexistncia de um

thesaurus para acervos cientficos em lngua portuguesa, gera uma significativa confuso

de termos utilizados, a falta de exatido e de preciso que levam a inconsistncia na

comunicao entre as instituies e dessas com o pblico especializado e geral.

A possibilidade de utilizao desse trabalho por instituies de natureza diversa,

museolgicas ou no, constitui-se em um outro ponto de extrema importncia. A

preservao de acervos cientficos ainda um campo onde atuam poucos tcnicos

especializados e a presena do instrumento proposto contribuir para o preenchimento

dessa lacuna. Conseqentemente ser um instrumento que favorecer o dilogo entre as

instituies auxiliando a (re)constituio da memria cientfica dos pases de lngua

portuguesa. Essa iniciativa se alia as outras que esto sendo encetadas no sentido de

propiciar um melhor processo de salvamento e de conhecimento do patrimnio da cincia

e tecnologia. A Figura 1 apresenta uma imagem da fachada do prdio do Museu de

Cincia e Tcnica da Escola de Minas da UFOP.

Figura 1 - Fachada do prdio do Museu de Cincia e Tcnica da Escola de Minas da UFOP (Acervo UFOP; fotografia Antonio Laia).

Colees Cientficas Luso-Brasileiras: patrimnio a ser descoberto

72

O MUSEU DE CINCIA E TCNICA DA ESCOLA DE MINAS DA UNIVERSIDADE

FEDERAL DE OURO PRETO

Ao longo da sua histria, a Escola de Minas reuniu um valioso acervo constitudo

por amostras mineralgicas, antropolgicas, de paleontologia e zoologia, maquetes

didticas e aparelhos de topografia, de fsica, de metalurgia, de minerao, objetos da

construo civil, alm de equipamentos para estudo e observao astronmica. Com o

propsito de preservar e divulgar esse acervo, em 1995, o antigo Museu de Mineralogia

foi transformado no Museu de Cincia e Tcnica da Escola de Minas da Universidade

Federal de Ouro Preto (UFOP).

O acervo do Museu comeou a ser formado com a implantao da Escola de

Minas de Ouro Preto, em 12 de outubro de 1876, idealizada pelo Imperador Dom Pedro II

e fundada pelo professor francs Claude Henri Gorceix. A primeira coleo do museu foi

a de mineralogia iniciada com amostras trazidas por Gorceix, em 1875, procedentes do

Laboratrio de Mineralogia e Geologia, fundado por ele no Rio de Janeiro.

O Museu est situado no prdio histrico do antigo Palcio dos Governadores.

Com planta do engenheiro Jos Fernandes Pinto Alpoim e obras de Manoel Francisco

Lisboa, pai do Mestre Antnio Francisco Lisboa O Aleijadinho, o prdio foi construdo

entre 1741 e 1748, nos moldes arquitetnicos dos fortins do Alentejo, Portugal. As

paredes foram erguidas com pedra e argamassa de cal. Nas escadarias, peitoris das

janelas, ombreiras e cunhais foi utilizado o quartzito rseo da regio. O prtico da entrada

foi arrematado pelo mestre canteiro, Caetano da Silva Ruivo, que o construiu em

mrmore, no estilo toscano.

Situado na Praa Tiradentes, antigo Morro de Santa Quitria, o Palcio foi sede e

moradia dos governadores da Capitania de Minas, no Brasil colnia, dos presidentes da

Provncia, no Imprio, e dos governadores do Estado, no incio da proclamao da

Repblica. Localizado na cidade histrica de Ouro Preto, Patrimnio Cultural da

Humanidade, o Museu ao longo de sua histria se tornou um importante atrativo turstico

da regio.

O Museu possui um acervo de mais de 30 mil peas, expostas em setores

temticos, que abrangem vrias reas do conhecimento cientfico e tecnolgico. Contribui

decisivamente em aes educativas direcionadas para a formao de estudantes e

demais visitantes. Alm disso, utilizado nas aulas prticas dos cursos de Engenharia,

Cincias Biolgicas e Museologia. Apresenta os seguintes setores: Histria Natural,

Minerao, incluindo a exposio de Cantaria, Mineralogia I e II, Fsica/Cincia Interativa,

Metalurgia, Topografia, Desenho, Astronomia, com seu Observatrio Astronmico,

Colee